Santa Rita da Paraíba

O Brasil foi pioneiro na devoção à Santa Rita de Cássia, cuja canonização só ocorreria em 1900 e cuja memória só seria incluída no Calendário Romano em 2002.

O santuário da cidade de Santa Rita, na Paraíba, data de 1776, sendo posterior à do Rio de Janeiro por poucas décadas.

Conheça mais a respeito com o pesquisador Marcelo Gomes (estudante do Curso de Ciências das Religiões na UFPB):

A pequena Capela em honra de Santa Rita, hoje Santuário, foi construída quando um núcleo habitacional muito acanhado começava a surgir. Pode-se dizer que, em meados de 1776, Santa Rita não passava de um pequeno arraial, um simples povoado.

A respeito disso, Lapemberg Medeiros de Almeida informa (em um trabalho que infelizmente nunca chegou a ser publicado) que a parte urbana desta povoação é “produto do desenvolvimento de algum agrupamento de tropas, ponto de pernoite”. Segundo o autor, aquilo que hoje corresponde ao centro habitacional começou como acampamento de apoio para os viajantes que cruzavam a Paraíba, da capital ao sertão e vice-versa, encontrando em Santa Rita aprazível paragem onde aos poucos surgiram habitações no entorno do ponto originário.

A famosa obra Datas e notas parpedraa História da Paraíba, escrita em 1909 por Irineu Ferreira Pinto, registra que a Igreja de Santa Rita “foi edificada no presente ano (1776), segundo um dístico existente na fachada da dita Igreja”. Tal dístico encontra-se no interior da Igreja, ao lado esquerdo da porta principal, encravado na parede.

É com certeza um pequeno mimo dos tempos passados, que guardado com tanto carinho e em local adequado, continua a cumprir sua secular função de informar em tão precioso letreiro datas importantes para a história da cidade e de seu passado religioso. Tal cuidado é devido à sabedoria e zelo do saudoso Monsenhor Rafael de Barros Moreira, que o quis colocá-lo ali em 1932, no período da conclusão dos trabalhos da inauguração da torre que deu nova forma à fachada da igreja.

nossa igrejaNão há fontes que forneçam detalhes sobre como a devoção a Santa Rita de Cássia chegou à Paraíba colonial nem sobre quem construiu o templo primitivo. Lapemberg escreveu que a igreja de Santa Rita foi “inicialmente uma capela de pedra e cal, de estilo modesto, desprovida dos requintes da arte e do bom gosto, sem o cuidado arquitetônico, sem a perfeição da arte”. Com base nisto e desejosos de conhecer traços de sua construção original, nos arriscamos a desenhar este modesto estudo em nanquim, que representa um pouco da primeira fase arquitetônica desta Igreja, que vai de 1776 à década de 1920.

Quando a capela foi construída, a Diocese da Paraíba ainda não existia. A circunscrição pertencia antes de 1892 ao Bispado de Olinda. A Diocese estava então sob o comando de Dom Tomás da Encarnação da Costa e Lima, titular de 1774 a 1784. A Freguesia de Santa Rita foi criada aos 20 de fevereiro de 1839, por força da Lei Provincial nº 2, sendo a capela elevada a categoria de Matriz.

Hoje, ao admirarmos o templo que se destaca na praça central da cidade, fica quase que impossível compara-lo àquela capela inicial, que foi sendo ampliada e adornada ao longo dos anos e que viu nascer um povoado, uma freguesia, uma cidade chamada Santa Rita.

REFERÊNCIAS

  • ALMEIDA, Lapemberg Medeiros de. Santa Rita antes e depois de 1889. Apontamentos para a História do Município. [Inédito.] Santa Rita, 1948.
  • PINTO, Irineu Ferreira. Datas e Notas para a História da Paraíba. V. 1. João Pessoa: Editora Universitária UFPB, 1977.

1 comentário a “Santa Rita da Paraíba

  1. Sou neta de Lapemberg Medeiros de Almeida e não sabia desse momento tão importante do meu avô na cidade de Santa Rita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *