Arqueometria do quadro de Santa Rita

INTERESSE HISTÓRICO

Santa Rita de Cássia (óleo do século XVII)

Santa Rita de Cássia (óleo do século XVII)

O Brasil foi pioneiro na difusão da devoção a Santa Rita de Cássia. Sua igreja no Rio de Janeiro antecipa-se duzentos anos à sua canonização e trezentos anos à sua inclusão no Calendário Romano.

A devoção carioca começou em torno ao quadro a óleo do século XVII, trazido pelo fidalgo Manuel Nascentes Pinto e colocado em sua chácara no Sítio Valverde, atual Centro do Rio. A efígie da santa italiana se conserva na sacristia da matriz, como bem integrado. Quando da edificação do templo, o mesmo fidalgo adquiriu uma talha que serviu de orago e que também se encontra hoje na sacristia.

Para um melhor conhecimento dos objetos em questão, conviria que se realizassem neles pesquisas arqueométricas a fim de precisar a data de composição e estabelecer parâmetros para sua conservação e eventuais trabalhos de restauro.

Como ambas as peças — a pintura e a talha primitiva — estão razoavelmente bem preservadas, são protegidas por lei e têm uso habitual na igreja, é preferível adotar um método não-destrutivo e preferencialmente realizado in locu, o qual identifique os elementos químicos presentes nas mesmas a fim de inferir os pigmentos empregados, assim como os materiais usados nos retoques.

Consta do próprio quadro de Santa Rita que ele sofreu reparos, conforme se lê escrito sobre a própria tela:

Antiquissimo quadro de Santa Rita,
venerado na antiga Capella
anterior á Matriz.
Restaurado em 1912.
Vig.º Conego Dr. Victor.

Contudo, são desconhecidos o artífice, a cidade de origem e a data de execução da imagem, que é provavelmente anterior a 1697. Nesse sentido, nada impede que se descubram pinturas escondidas sob a composição. Além disso, sua análise permitiria avaliar seu atual estado de conservação.

Com relação à talha, também se ignoram o artífice e a data de execução.

TÉCNICAS APLICÁVEIS

A análise dos pigmentos utilizados na pintura permitiria avaliar o método de trabalho do artista:

… que pimentos utilizou, de que modo foram misturados para criar uma coloração específica e que pigmentos foram usados no fundo da tela. Tal análise é também extremamente importante para os procedimentos de restauração na medida que pode ajudar a distinguir as seções originais de uma pintura das outras restauradas ou adicionadas. Além disso, a caracterização dos pigmentos pode ser crucial para importantes decisões referentes à remoção de camadas espúrias ou à escolha dos pigmentos mais apropriados para os retoques. Um terceiro propósito concerne à conservação: já que alguns pigmentos podem ser sensíveis à luz, umidade, poluentes ou calor, uma pintura pode requerer condições especiais de armazenamento e exibição. Além disso, a identificação dos pigmentos é necessária antes de se aplicar tratamentos químicos para reverter ou estancar os processos de deterioração. Como a cronologia dos pigmentos mais utilizados é bem documentada, conhecer sua composição permite caracterizar um pigmento mediante a concentração de constituintes e, consequentemente, estabelecer a procedência, período histórico e autenticidade de uma pintura.

(CALZA, C., PEDREIRA, A., LOPES, R. T. Analysis of paintings from the nineteenth century Brazilian painter Rodolfo Amoedo using EDXRF portable system. In: X-Ray Spectrometry 38 (2009) 327-332)

Três são as técnicas elementares não destrutivas mais indicadas para esse estudo: Fluorescência de Raios X (XRF), Espectroscopia no Infravermelho Transformada de Fourier (FTIR) e Radiografia computadorizada (CR/DR).

A Fluorescência de Raios X (XRF) informa o traço dos elementos químicos a partir dos picos do espectro de emissão de raios X de uma amostra, permitindo investigar que pigmentos foram utilizados pelo artista e a eventual existência de retoques antigos ou modernos.

A Espectroscopia no Infravermelho Transformada de Fourier (FTIR) identifica a composição química da amostra a partir das bandas dos espectros. Como sua interpretação é difícil, costuma-se fazer a análise prévia por Fluorescência de Raios X. Embora seja mais comum recolher fragmentos para estudo em laboratório, também é possível utilizar-se equipamentos portáteis de análise direta não destrutiva.

A Radiografia Computadorizada ou Digital (CR/DR) oferece uma imagem 2D das peças, evidenciando emassamento, rasgos, rachaduras e craquelês da pintura, assim como detalhes da tela: tramas, emendas, pregadura, sobreposição de pintura.

Como Santa Rita costuma ser representada de hábito negro, seu quadro oferece um problema particular: uma vez que os raios X são atenuados distintamente pelas áreas de pintura de acordo com a energia da radiação, densidade, espessura e composição das camadas pictóricas, a quantidade de áreas escuras permitiria a passagem abundante dos raios X, dificultando sua análise, a qual restringir-se-ia provavelmente ao rosto, às mãos e à palma.

Por outro lado, no caso específico da talha da Santa, a radiografia permitiria avaliar seu estado de conservação ao exibir sua estrutura interna e possíveis rachaduras.

Entretanto, sabe-se que a identificação dos pigmentos às vezes é dificultosa, pois podem ter sido misturados no intuito de se obter uma tonalidade em particular. Por isso, quando o emprego de uma única técnica analítica elementar não seja suficiente para a identificação precisa de um pigmento, pode ser necessário recorrer a uma análise adicional para confirmação.

Nesse caso, uma Espectroscopia Raman realizada in situ poderia ser útil. A interpretação dos resultados é complexa, pois se baseia na forma de espalhamento do laser aplicado sobre o objeto de estudo, mas seria facilitada pelo resultado prévio da Fluorescência de Raios X.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *