Olhos-d’água

M: São Bento. N: Alfândega. O: Prainha. Q: Fortaleza da Conceição. R: Palácio episcopal. S: muro da cidade (Massé, 1714)

M: São Bento. N: Alfândega. O: Prainha. Q: Fortaleza da Conceição. R: Palácio episcopal. S: muro da cidade (Massé, 1714)

A região do Sítio Valverde, em que se localiza Santa Rita, era uma área extremamente encharcada no século XVII. Conta-se até que, quando as chuvas coincidiam com as cheias, o morro de São Bento chegava a ficar ilhado.

Nessa época havia um olho-d’água no atual Largo de Santa Rita, correndo o riacho diretamente até à praia. Os beneditinos assorearam o leito, trazendo o córrego para junto do morro de São Bento. O leito seco passou a se chamar da travessa dos Pescadores, hoje rua Visconde de Inhaúma.

Resquícios dessas águas são os poços que havia na região. No quintal da chácara de dom Manoel Nascentes Pinto, o fundador de Santa Rita, havia um lindo poço. A poucos metros de distância, outro aquífero servia à igreja. Suas águas, então consideradas milagrosas pela piedade popular, atualmente estão seladas.

A ironia da história é a secura da região em inícios do século XIX, que fez o governo mandar construir um chafariz, com águas advindas da Carioca…


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *