Carta aberta do IPN


Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos corre o risco de fechar as portas

OUÇA A ENTREVISTA NA CBN


Mais um ano se inicia e renovam-se as incertezas e agonias quanto ao funcionamento do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos – IPN, que novamente se encontra em situação de dificuldade financeira. Assim como em dezembro de 2014, percebo que se não houver um apoio duradouro à instituição, que garanta ao mínimo o custeio básico, não teremos outra saída a não ser decretar o fechamento do IPN, em caráter definitivo.
Destaco que isso não se trata de descompromisso ou chantagem, mas na verdade, o reflexo de uma nefasta ausência de políticas públicas para o aporte e manutenção de instituições culturais, o que se agrava, e muito, quando o complexo cultural em questão, está relacionado à presença e participação social negra no contexto da escravidão e da diáspora.
Desde 2013, contamos com o apoio da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto – CDURP para o custeio (energia elétrica, água, telefone, demais taxas e material de limpeza) e da Concessionária Porto Novo, com o apoio ao projeto de Oficinas e Exposições da Galeria de Arte Contemporânea, entre outros eventos. Mas, neste cenário de crise, embora essas empresas continuem nos apoiando e incentivando, esse custeio não poderá ser renovado até meados do ano e ainda não sabemos se haverá ou não o aporte para nossas oficinas.
Estamos nos mobilizando para atender emergencialmente algumas demandas com a promoção de cursos especiais, com o intuito principal de arrecadar material de limpeza e pequenos reparos, como o banheiro feminino. Obviamente, não conseguiremos custear o IPN com o oferecimento de cursos, tanto pela crise financeira que intimida o investimento em formação, quanto pela nossa missão institucional que prima pela preservação e difusão da memória da diáspora africana de forma democrática, gratuita e com qualidade.
Com as obras de impacto urbano na região portuária e a crescente popularidade do IPN, estamos recebendo um número cada vez maior de visitantes o que demanda uma crescente necessidade de investimento da estrutura básica de funcionamento, como água e insumos de higiene, por exemplo. Lembrando que dos pontos que compõem o Circuito de Herança Africana, é no IPN que os visitantes tem acesso gratuito a água e sanitários, além de ambiente refrigerado para assistirem ao vídeo institucional. E a nossa visitação tende a crescer ainda mais, se considerarmos que, em breve, ocorrerá a inauguração da Estação Harmonia do VLT, que vai aumentar significativamente o número de visitantes em função da facilitação do acesso. Neste tocante, vale ressaltar que o IPN recebeu em 2014, 2015 e 2016 cerca de 49.000 visitantes. E, somente no ano passado, cerca de 15.000 pessoas.
A princípio, fecharíamos o IPN até que houvesse o restabelecimento do custeio e do apoio, ou a sensibilização de novos apoiadores e/ou benfeitores, mas seria uma perda absurda para o campo da memória daqueles sujeitos trazidos compulsoriamente de África para o Brasil, e, sobretudo, uma frustração tanto para minha família que luta há 21 anos por esse patrimônio, assim como para os colaboradores e voluntários que, trabalham com carinho e afinco para tornar esse lugar de memória da desumanidade, violência, vilipêndio sofrido pelos africanos escravizados, expressos pelo testemunho das janelas arqueológicas do cemitério, cada vez mais um centro irradiador de cultura, de combate ao preconceito, de construção do conhecimento, de guarda da memória e sobretudo, expressar o valor e o respeito que temos perante esses indivíduos que aqui jazem.
A situação se torna ainda mais delicada por estarmos em pleno desenvolvimento de uma pesquisa arqueológica na nossa sede, e acabarmos de fechar uma excelente programação para a Semana Nacional dos Museus, que tem como tema: Museus e histórias controversas: dizer o indizível em museus”. Com o início do ano letivo, já que recebemos um grande número de turmas dos mais diversos níveis de ensino. Assim, mesmo tendo nossos recursos financeiros se esgotando, gostaríamos de convidar a todos para juntarem-se a nós na campanha IPN RESISTE!
Não podemos fechar este Instituto de Pesquisa e Memória que há 12 anos busca implementar ações de preservação, pesquisa e dinamização do patrimônio cultural africano e afro-brasileiro, numa perspectiva diaspórica, visando à valorização da dignidade humana, a universalidade aos conhecimentos, a igualdade racial e religiosa e a construção no presente das memórias soterradas no passado.
Para conhecer mais sobre o IPN acesse: www.pretosnovos.com.br/informativo.
E nos ajude a reverter esta situação.

Atenciosamente,
Ana Maria de La Merced G. G. G. dos Anjos
Presidente IPN
#ipnresiste


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *