Arqueologia

Edward Hildebrandt, 1844

Edward Hildebrandt, 1844

A Matriz de Santa Rita possuiu, em seu Largo contíguo, um cemitério para pretos novos, anterior ao do Valongo, de 1721 a 1769.

A escavação do cemitério de Santa Rita pode comprovar os testemunhos documentais, explicar as condições da transferência para o Valongo, evidenciar as interferências causadas pelos antigos chafarizes e manifestar as cicatrizes deixadas pela reforma do Prefeito Pereira Passos.

Eis algumas possíveis linhas de estudo:

  • Arqueologia da transição: pesquisa sobre as formas e estratégias de antropização do espaço ao longo do tempo, contribuindo para a compreensão da crioulização no Brasil.
  • Bioarqueologia: análise osteobiográfica, dieta dos escravos, sua idade, sexo, padrão de saúde, características físicas, expectativa de vida, impacto fisiológico da escravidão, problemas de paleopatologia, etc.
  • Antropologia forense: causa mortis, dados demográficos de grupos sociais marginais, etc.
  • Arqueologia “da repressão e da resistência”:  uso de remanescentes materiais como catalizadores de demandas sociais.
  • Arqueologia “do tempo presente”: para os grupos não documentados, a cultura material é politicamente inclusiva.
  • Arqueologia da diáspora africana: interesse por pessoas sem história.

► Leia mais sobre o tema categoria ARQUEOLOGIA.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *