Circulação de luxo versus comércio de escravos

Gérard Chouin, professor associado de História da África do Lyon G. Tyler Department of History do William & Mary College em Williamsburg, EUA, apresentou no congresso internacional de hodologia organizado pelo Kunsthistorisches Institut in Florenz – Max Planck Institute e pelo eikones NCCR Iconic Criticism da Universidade da Basileia, uma comunicação denominada (Im)Materiality, Diachrony, and Spatiality: Preliminary thoughts about three dimensions of long­ distance ‘trade’ routes in medieval to early modern West Africa. Eis o resumo da sua apresentação, em que ele enfatizou a necessidade de se distinguir entre circulação de luxo e comércio de commodities:

For the most part, we lack a direct description of long-distance trade routes in West Africa during the medieval and early modern period. This paper, which built on a first canvass presented in January 2017 at the Villa I Tatti, brings together a series of preliminary thoughts on the nature of these elusive features of past landscapes. We focus on the long-distance circulation of prestige goods which, we argue, should be distinguished from trade. The paper is divided into three parts. First, we examine the materiality (or the lack of) of circulation networks. What material traces do they leave in the landscape? What are the archaeological signatures of these ancient pathways? Secondly, we discuss the diachronic change in morphology and layout of routes, allowing us the rare opportunity to reflect on the changing meaning of trade/landscape through time. Finally, we suggest the need to think of long-distance trade routes as defined by a series of spatial segments dominated by central nodes. Silent trade — an African practice regularly echoed by Arab and European, medieval and early modern geographers and travelers, we propose, could be understood as a metaphor for the strategic and highly ritualized process of exchange of prestige goods that was taking place at the articulation between two segments.

Carta aberta do IPN


Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos corre o risco de fechar as portas

OUÇA A ENTREVISTA NA CBN


Mais um ano se inicia e renovam-se as incertezas e agonias quanto ao funcionamento do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos – IPN, que novamente se encontra em situação de dificuldade financeira. Assim como em dezembro de 2014, percebo que se não houver um apoio duradouro à instituição, que garanta ao mínimo o custeio básico, não teremos outra saída a não ser decretar o fechamento do IPN, em caráter definitivo.
Destaco que isso não se trata de descompromisso ou chantagem, mas na verdade, o reflexo de uma nefasta ausência de políticas públicas para o aporte e manutenção de instituições culturais, o que se agrava, e muito, quando o complexo cultural em questão, está relacionado à presença e participação social negra no contexto da escravidão e da diáspora.
Desde 2013, contamos com o apoio da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto – CDURP para o custeio (energia elétrica, água, telefone, demais taxas e material de limpeza) e da Concessionária Porto Novo, com o apoio ao projeto de Oficinas e Exposições da Galeria de Arte Contemporânea, entre outros eventos. Mas, neste cenário de crise, embora essas empresas continuem nos apoiando e incentivando, esse custeio não poderá ser renovado até meados do ano e ainda não sabemos se haverá ou não o aporte para nossas oficinas.
Estamos nos mobilizando para atender emergencialmente algumas demandas com a promoção de cursos especiais, com o intuito principal de arrecadar material de limpeza e pequenos reparos, como o banheiro feminino. Obviamente, não conseguiremos custear o IPN com o oferecimento de cursos, tanto pela crise financeira que intimida o investimento em formação, quanto pela nossa missão institucional que prima pela preservação e difusão da memória da diáspora africana de forma democrática, gratuita e com qualidade.
Com as obras de impacto urbano na região portuária e a crescente popularidade do IPN, estamos recebendo um número cada vez maior de visitantes o que demanda uma crescente necessidade de investimento da estrutura básica de funcionamento, como água e insumos de higiene, por exemplo. Lembrando que dos pontos que compõem o Circuito de Herança Africana, é no IPN que os visitantes tem acesso gratuito a água e sanitários, além de ambiente refrigerado para assistirem ao vídeo institucional. E a nossa visitação tende a crescer ainda mais, se considerarmos que, em breve, ocorrerá a inauguração da Estação Harmonia do VLT, que vai aumentar significativamente o número de visitantes em função da facilitação do acesso. Neste tocante, vale ressaltar que o IPN recebeu em 2014, 2015 e 2016 cerca de 49.000 visitantes. E, somente no ano passado, cerca de 15.000 pessoas.
A princípio, fecharíamos o IPN até que houvesse o restabelecimento do custeio e do apoio, ou a sensibilização de novos apoiadores e/ou benfeitores, mas seria uma perda absurda para o campo da memória daqueles sujeitos trazidos compulsoriamente de África para o Brasil, e, sobretudo, uma frustração tanto para minha família que luta há 21 anos por esse patrimônio, assim como para os colaboradores e voluntários que, trabalham com carinho e afinco para tornar esse lugar de memória da desumanidade, violência, vilipêndio sofrido pelos africanos escravizados, expressos pelo testemunho das janelas arqueológicas do cemitério, cada vez mais um centro irradiador de cultura, de combate ao preconceito, de construção do conhecimento, de guarda da memória e sobretudo, expressar o valor e o respeito que temos perante esses indivíduos que aqui jazem.
A situação se torna ainda mais delicada por estarmos em pleno desenvolvimento de uma pesquisa arqueológica na nossa sede, e acabarmos de fechar uma excelente programação para a Semana Nacional dos Museus, que tem como tema: Museus e histórias controversas: dizer o indizível em museus”. Com o início do ano letivo, já que recebemos um grande número de turmas dos mais diversos níveis de ensino. Assim, mesmo tendo nossos recursos financeiros se esgotando, gostaríamos de convidar a todos para juntarem-se a nós na campanha IPN RESISTE!
Não podemos fechar este Instituto de Pesquisa e Memória que há 12 anos busca implementar ações de preservação, pesquisa e dinamização do patrimônio cultural africano e afro-brasileiro, numa perspectiva diaspórica, visando à valorização da dignidade humana, a universalidade aos conhecimentos, a igualdade racial e religiosa e a construção no presente das memórias soterradas no passado.
Para conhecer mais sobre o IPN acesse: www.pretosnovos.com.br/informativo.
E nos ajude a reverter esta situação.

Atenciosamente,
Ana Maria de La Merced G. G. G. dos Anjos
Presidente IPN
#ipnresiste

Escavando o Rio: Jacarepaguá

A arqueóloga Sílvia Peixoto convida para participar do seu trabalho de campo do Doutorado, em um engenho do século XVII na região do Camorim, Jacarepaguá.

Excelente oportunidade para escavar em um sítio histórico colonial de grande antiguidade e entrar em contato com diversos materiais referentes a contextos dos séculos XVII e XVIII!

As atividades serão realizadas na primeira quinzena de janeiro. Os interessados devem entrar em contato pelo e-mail silviapeixoto@gmail.com.

Esta postagem saiu originalmente no blogue Arqueologia e Pré-História.

Escavando o Rio: cemitério do Valongo

whatsapp-image-2016-12-12-at-23-16-33O Arqueólogo Reinaldo Tavares iniciou no dia 12 de dezembro um novo ciclo de escavações no cemitério do Valongo, no Instituto Pretos Novos.

O sítio arqueológico Cemitério dos Pretos Novos do Valongo, no bairro carioca da Gamboa, sucedeu ao cemitério de Santa Rita, perdurando até o fim do tráfico negreiro no século XIX.Nele encontram-se sepultados os cativos africanos que morreram antes de serem vendidos. Em tais circunstâncias, eles careciam de domicílio e, consequentemente, de paróquia onde serem sepultados. Os cemitérios para pretos novos foram uma criação do Estado, mas pastoralmente estavam sob a responsabilidade do pároco da circunscrição eclesiástica em que se encontravam (até 1751: Candelária; desde então, Santa Rita).
O Instituto Pretos Novos funciona para visitações ao público de terça a sexta, das 11 às 18 h. Não deixe de conferir as escavações do Sítio Arqueológico Cemitério dos Pretos Novos agendando a visita pelo e-mail comunicacao@pretosnovos.com.br.

Conferências do Simpósio sobre Santa Rita (mesa 1)

mesa-1

Professores Ondemar Dias, Daniel Pêcego e Carlos Eugênio Soares

  • Abertura do Simpósio Antes do Valongo: Santa Rita

MESA 1 (ARQUEOLOGIA, HISTÓRIA)

whatsapp-image-2016-12-07-at-12-52-04-2

O autor com os professores Ondemar Dias e Jandira Neto

Conferências do Simpósio sobre Santa Rita (mesa 3)

Professores Naylor, Maurício e Gleide

Professores Naylor, Maurício e Gleide

MESA 3 (GEOFÍSICA, URBANISMO)

  • Gleide Dias: Geofísica aplicada à Arqueologia histórica

img_3578

Simpósio: mesa Patrimônio

simposio-santa-rita-mesa-3-patrimonio-modelagem-arqueometriaNa terceira mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Gleide Dias e Naylor Vilas Boas.

Gleide Dias, Física e Professora de geofísica, atuante nas áreas de Geociências e Petrofísica. Sua apresentação versará do uso de georradar para análises não invasivas do subsolo, como recurso para a Arqueologia.

Naylor Vilas BoasArquiteto Doutor em História do Urbanismo, é Professor e Coordenador do Laboratório de Análise Urbana e Representação Digital do Programa de Pós-Graduação em Urbanismo da UFRJ. Apresentará as recentes pesquisas desenvolvidas pelo Laboratório relacionadas com a exploração da representação gráfica digital na reconstrução histórica de espaços do centro do Rio de Janeiro. A partir de uma reflexão sobre os caminhos de pesquisa trilhados pelo grupo em diferentes estudos já elaborados, a produção atual e as possibilidades futuras serão discutidas a partir de suas contribuições, limites e possibilidades para a visualização e para o entendimento das dinâmicas de transformação urbana da cidade.

Simpósio: mesa histórico-arqueológica

simposio-santa-rita-mesa-1-historia-arqueologia

Na primeira mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Ondemar Dias e Carlos Eugênio Soares.

Ondemar Dias, Livre Docente Titular do IH-UFRJ, é fundador e diretor presidente do Instituto de Arqueologia Brasileira. Sua apresentação versará da atuação do referido Instituto em prol da arqueologia carioca, percorrendo as seguintes pesquisas efetuadas:

  • Anos 60 – A Fábrica de Anil do “Vale do elefante”
  • Anos 70 – O metrô do Rio de Janeiro
  • Anos 80 – O “Apicum” de Guaratiba
  • Anos 90 – A picota da Pavuna
  • Anos 2000 – Antiga Sé, Forte do Campinho, Rua dos Inválidos, Rua Jardim Botânico e curadoria do Cais do Valongo.

Carlos Eugênio Soares, Professor de História na UFRRJ, pesquisa a escravidão africana urbana no Brasil, a capoeira, os africanos nas cidades do Rio de Janeiro e Salvador no século XVIII. Atuou nos estudos do cais do Valongo. Sua apresentação versará da Pequena África setecentista.

Antes do Valongo: Santa Rita

simposio-antes-do-valongo-santa-ritaSerá realizado no Salão Nobre do IFCS/IH-UFRJ (Largo de São Francisco, nº 1, Centro do Rio), o Simpósio Antes do Valongo: Santa Rita.

O encontro, que ocorrerá dia 5 de dezembro, segunda-feira, das 14h às 19h, constará de três mesas transdisciplinares (História e Arqueologia, Arquitetura e Antropologia, Arqueometria e Patrimônio), com intervalos entre uma e outra.

Os palestrantes serão:

  • Raquel Lima: Antropologia da devoção à Santa Rita
  • Paulo Sá: Música carioca no século XVIII: modinha, lundu e a invenção do choro
  • Rodrigo Bastos: Arqueologia poética da Arquitetura

A mediação será feita pelos professores André Chevitarese, Daniel Pêcego e Maurício Marinho.

Ao fim do evento será lançado o livro Arqueologia da Persuasão: o simbolismo rococó da Matriz de Santa Rita.

 

Interpretação arqueológica

indi870

Em meados do século XX a arqueologia migrou da certeza positivista para a dúvida acerca da objetividade da pesquisa. Os arqueólogos davam-se conta, finalmente, de quanto o meio social determina as questões e as suas respostas. De fato, nenhum fato é estabelecido fora de um marco teórico.

Até então era recorrente que pesquisadores de outras áreas criticassem o estatuto epistemológico da arqueologia. A arqueologia já foi tida como disciplina esotérica irrelevante, como fascínio romântico, como instrumento totalitário de reinterpretação da história, etc.

Tal tensão entre interpretação arqueológica e pensamento arqueológico configuraria — seguindo Thomas Kuhn —, uma mudança de paradigma? Costuma-se falar de “mudança de paradigma” quando ocorrem transformações de pensamento, quer revolucionárias, quer graduais, estabelecendo-se um novo cânon consensual de prática científica. No entanto, há quem duvide de que os conceitos teóricos da arqueologia tenham mudado de forma significativa. Afinal, muitas ideias ainda se repetem, independentemente do contexto.

O que de fato parece afetar o pensamento arqueológico é o enfoque regional e a orientação política das pesquisas (colonialista, nacionalista, imperialista, pós-seja-lá-o-que-for, etc.). Por sorte, tem havido um frutuoso intercâmbio intelectual entre as diversas escolas e as ciências afins, o que enriqueceu a interpretação arqueológica.

Em suma, pode-se dizer que a arqueologia tem assistido a ondas de inovação. Essas ondas se combinaram, sobrepuseram e interagiram, produzindo linhas de interpretação dos fatos para além dos marcos geográfico ou cronológico; linhas, porém, que se harmonizam graças a laços históricos e interesses metodológicos comuns.

Serendipismo na Arquitetura

Arco cruzeiro monumentalNos estudos sobre a arte e a arquitetura religiosa colonial carioca, aparece uma informação recorrente: a de que na igreja matriz de Santa Rita — pioneira americana da decoração em estilo rococó — sobressaem duas invenções operadas pelos seus anônimos construtores: o uso de colunas torsas nos retábulos e a decoração monumental do arco cruzeiro.

O primeiro invento antecipa em quase vinte anos a moda carioca que seria introduzida pelo Mestre Valentim. A segunda invenção pode ser reconhecida como um exemplo aproximado de “serendipismo”, ou seja, da capacidade de inovação do seu artífice, cuja genialidade o levou a um expediente criativo posteriormente reproduzido em outras igrejas da cidade.

Com efeito, quando, na primeira metade do século XVIII, a antiga e pequena ermida foi adossada à nova e elevada nave, resultou em um enorme flanco cego acima da capela-mor, decorrente da desproporção da mole. A solução de monumentalizar o arco cruzeiro, dotando-o de requintado desenho rocaille e outros ornatos, além da luneta e da pintura da empena em mármore fingido, causa forte impacto visual e integra panoramicamente a decoração dos diversos ambientes.

A percepção de tal serendipismo escapa ao escopo de análise convencional, típica da história da arte ou da crítica arquitetônica, mais preocupadas com o contexto cultural ou com o produto artístico final. No entanto, isto pode ser reconhecido pelo olhar treinado do arqueólogo quando atento ao processo criativo desenvolvido na confecção dos artefatos.

Levantamento geofísico de sítio arqueológico

2016-04-09 17.18.36Resumo da apresentação a ser feita no VII Simpósio Brasileiro de Geofísica, em Ouro Preto, de 25 a 27 de outubro de 2016:

Detecção do Chafariz Histórico de Santa Rita através do GPR

Um pôster sobre o trabalho também será exibido na 7ª Semana de Integração Acadêmica da UFRJ, de 17 a 21 de outubro. A pesquisa conta com a participação do bolsista de iniciação científica Willian Gouvea Júnior.

Representação decorativa dos querubins

IMG_9637

Queubim da capela-mor de Santa Rita

Os anjos barrocos, tradicionalmente chamados de “querubins”, costumavam ser representados como jovens cupidos ou putti (crianças aladas). Segundo Nancy Rabelo, o querubim de corpo inteiro foi mais recorrente no barroco do que no rococó; os artistas posteriores preferiram representar apenas rostos alados. À medida que o rococó infiltrava na cultura material, o querubim tornou-se uma parte importante do léxico decorativo: assim, a incorporação de símbolos clássicos alegóricos com o estilo naturalista de meados dos setecentos foi o epítome do gosto e da moda.

Os arqueólogos têm especulado acerca da conotação do emprego icônico dessas criaturas na arquitetura, usual desde o advento da Idade Moderna, embora menos frequente em tempos recentes. James Deetz, por exemplo, atribui à secularização que os anjos sejam representados com símbolos neoclássicos; outros estudos, porém, desabonam qualquer relação entre a moda artística e o fervor religioso. Tal discussão, porém, frequentemente se restringiu a âmbitos de cultura protestante, onde o uso de imagens sempre teve caráter problemático.

Para o arqueólogo Adam Heinrich, a figura alada tinha valor ambivalente e o seu significado dependeria do contexto. Por isso, o que os querubins ou os putti significavam para as pessoas do século XVIII é incerto: se foi visto como uma imagem alegórica clássica ou se representava um ser celestial judeo-cristão. Seu sentido provavelmente dependeria do tema da pintura ou da escultura: se religioso (sagrado), eles são querubins; se secular ou mítico (profano), eles são putti.

A questão não tem fácil solução, uma vez que certa linha da tradição judaica atribuiu um aspecto pueril aos querubins do Templo salomônico. Com efeito, uma aggadah (texto rabínico não jurídico) interpreta o termo “querubim” como “semelhante a uma criança” em aramaico (Talmud, Sukkah 5b). É possível, portanto, que os putti renascentistas fossem oriundos desta interpretação e não dos cupidos greco-romanos (ἔρωτες), os quatro filhos de Afrodite (Eros, Anteros, Himeros e Pothos).

No entanto, Flávio Josefo não conhecia tal tradição, afirmando que “dificilmente se poderia imaginar a forma desses querubins” (Antiguidades Judaicas, VIII, 2, 327). Além de tardia, a aggadah contradiz o próprio dado bíblico (cf. Ez 1,5-14.22-28; 10,8.14.20-22). Na Escritura, com efeito, o quarteto dos querubins é parecido ao quarteto dos serafins (Is 6,2s; Ap 4,6-8), a ponto de até um autor como Dante Alighieri confundir ambas as castas (cf. Commedia, Purgatorio, XXIX, 92-104).

O nome querubim parece provir, na verdade, do termo acádio karibu (literalmente, “ser próximo”: orante, intercessor) e faria referência ao gênio alado da mitologia babilônica com corpo de animal e rosto humano, guardião dos palácios e assessor dos deuses.

Na tradição cristã, ocupam o segundo dos nove coros angélicos, inferiores aos serafins e superiores aos ofanins ou tronos. Ezequiel (1,5b-7) afirma a respeito deles: “Este era seu aspecto: Tinham forma humana. Cada um apresentava quatro faces e tinha quatro asas. Quanto às pernas, tinham pernas retas e patas como as de bezerro; reluziam como o brilho do bronze polido”. Além disso, as faces eram de boi, de homem, de leão e de águia… — Nada parecidos com os putti das igrejas barrocas!