Inumação desumana: o enterramento dos pretos novos no Rio de Janeiro

Texto da comunicação oral feita na 9ª Conferência Internacional sobre Diáspora Africana da ASWAD, ocorrida novembro em Sevilha.

*****

Hello! Nice to meet you!

This presentation has five parts. First: where are the carioca burial grounds. Second: some discoveries about them. Third: which testimonies we already have access to. Fourth: the action of the ancient gravediggers. And fifth: how to explain their conduct.

① Rio de Janeiro was founded in fifteen-sixty-five and became the colonial capital in seventeen-sixty-three. Rio also received the Portuguese kingdom court in eighteen-o-eight and remain as the Brazilian capital until nineteen-sixty.

In the community area of Santa Rita parish existed a slave complex until eighteen-fifty.

The slave traffic indeed obeyed a method, involving sanitarian surveillance, customs house, quarantine, docks, eventual fattening houses, commercial booths, and even a specific burial ground to pretos novos (namely, newcomer slaves, especially who had died before the sale).

② Have you ever found a treasure? What would you do if this treasure was black slave bones? This happens with the couple Merced and Petrúcio Guimarães, who found the last African burial ground of Rio de Janeiro at home, in their living room. Based on the Brazilian federal law on archaeological heritage, Guimarães family has converted their house into a cultural center to celebrate the Afro-American memory. Merced likes to say that the African slave trade has constituted “a black holocaust”.

A pretos novos burial ground is different from the standard parish burial grounds because who were buried there were not creolized, but newcomers Africans.

As we have seen in the map, other places in Rio de Janeiro had served as pretos novos burial ground before Valongo: Santa Rita, São Domingos, Carioca, and Santa Casa de Misericórdia. In Santa Rita, for example, we know there are many remains. And I intend to seek for even more. In this film, you can see us working with a ground penetration radar in quest for new evidences.

③ I would like to show you two historical accounts about these places.

In 1722, Dom João V, king of Portugal, asked the governor of Rio de Janeiro to build the Santa Rita cemetery because of the bad conditions of the burials made near the Franciscan monastery. The king mentioned three problems: the little space available, the risk of hiding corpses and the unworthy manner of bury.

In 1814, after Valongo burial ground had replaced Santa Rita burial ground, the German naturalist Georg Wilhelm Freyreiss wrote about his impressions:

Near the Valongo street is the cemetery of those who escape forever to slavery. In the company of my friend dr. Schaeffer, who arrived here aboard the Russian ship Suvarow in May 1814, on a voyage around the world, I visited this sad place. At the entrance of that space, surrounded by a wall of about 50 fathoms in court, sat an old man in priest’s garments, reading a prayer book for the souls of the unfortunate who had been plucked from their homeland by soulless men, and at about twenty some of the blacks were busy covering their dead patricians with dirt, and, without bothering to make a grave, they threw only a little dirt on the corpse, and then buried another. In the middle of this space, there was a lot of land from which, here and there, the remains of bodies discovered by the rains that had carried the earth and still there were many corpses in the ground that had not been buried. Naked, they were only wrapped in a mat, tied over their heads and under their feet. Probably one buries only once a week and as the corpses easily decompose, the bad smell is unbearable. Finally, a better understanding finally arrived, burning a bunch of semi-decomposed corpses from time to time. (Viagem ao Interior do Brasil, 1906, pp. 224-225)

④ Perhaps to be a gravedigger was a bad job. Some authors, speaking about the significance of death in African culture, explain how the type of death may affect the attitude towards the corpses. As an exterior magic fact, the death may tell much about the life of the deceased. In this case, the habitual contact with the death probably has brought religious discomfort to the gravediggers.

How have the gravediggers handled with this? There was no trace of African burial tradition in the form of inhumation described by either these historical resources. So, we can speak of a lack of habits, representations, and practices. In other words: these deceased could be decently buried by their fellows but in fact, the gravediggers have played reproducing the disregard of their masters to the dead pretos novos.

This apparent contradiction shall be illuminated with the words of the Marxist English historian Edward Palmer Thompson:

Custom took effect within a context of sociological norms and tolerances. It also took effect within a workaday routine of livelihood. It was possible to acknowledge the customary rights of the poor, but place obstacles in the way of their exercise. (Customs in common, 1993:101-2)

⑤ At the same time, Valongo burial ground also confounds the researchers. In twenty years, since its discovery in 1996, the cemetery has changed from a scientific and archaeological site to a historical and protestation site, and then to an activist and sacred site.

In the first stage, the scientists were recognized as heroes; in the second, historians were called to speak inside this new VIP space; nowadays, adepts of Afro-Brazilian religions demand respect for the sacred place.

However, this manifold perspective brings to us some interesting questions about the contemporaneous fetish for the body. How could be a heavily Catholic society so negligent with the deceased? How could be the present-day secularized society so concerned about the dead?

Some concluding remarks:

First, this oblivion was collective in Rio de Janeiro: neither the white people, neither the black people had conserved these memories, even though Santa Rita is a black neighborhood. So, we must be prudent when speaking about “erasing” memory.

Second: there was really some care in Valongo burial ground. When we speak about a “black holocaust”, we may not confuse the poverty of the burials with a mass grave of a concentration camp.

Third: nevertheless, the slave-based society was truly a society of human discard and this needs to be clarified.

Fourth: we must establish some procedures to link the scientific and cultural interests with the proper respect due to our ancestors.

Thank you very much!

Cartografia carioca e transformações históricas

Mesa sobre os marcos geográficos do Rio de Janeiro, durante o workshop Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca, realizado a 4/9/2017 no Arquivo Nacional:

Fortificações militares e acidentes geográficos
     Francisco José Correa Martins, historiador (DEGEO/UFRRJ)
   Análise espaço-temporal e toponímica do Rio de Janeiro
     Paulo Márcio Leal de Menezes​, geógrafo (PPGG/UFRJ)
   Aplicação da geofísica para a reconstrução histórica do Rio de Janeiro
     Gleide Dias, geofísica (IGEO/UFRJ)

Marcos da paisagem cultural carioca

Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca é uma atividade de extensão inserida no Projeto de Difusão das Geociências do Centro de Ciências Matemáticas e da Terra (CCMN) da UFRJ. O evento constará de duas partes:

  1. Uma trilha urbana por diferentes pontos do Centro histórico do Rio de Janeiro, relacionando patrimônio, geologia, arqueologia e paisagem (5 de setembro, terça-feira, às 13h na Carioca).
  2. Um simpósio interdisciplinar para vem passar em revista os marcos mais importantes da Cidade, seus usos e valores (4 de setembro, segunda-feira, das 9h às 17h no Arquivo Nacional).
Inscrições pelo e-mail pesquisa@narajr.net
PROGRAMAÇÃO DO SIMPÓSIO:

09h00: CORAL DUQUE MUSIC (Colégio Estadual Duque de Caxias)

09h30: CONFERÊNCIA DE ABERTURA

   Cais do Valongo, patrimônio histórico e reconstrução cultural
     Carlos Eugênio Líbano Soares, historiador (PPHR/UFRRJ)

10h30: Mesa 1 — MARCOS CLÁSSICOS | SÍMBOLOS ESPALHADOS

   Signos da civilização: memória, patrimônio e instituições no Brasil Imperial
     Mariáh Martins, historiadora da ciência (Museu Nacional/UFRJ)
   De onde vem essa nação? Os fios e os rastros do projeto nacional brasileiro
     Leonardo Amatuzzi, arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)
   Patrimônio ressignificado e ação do poder público
     Andre Angulo, museólogo (Museu da República)

12h00: ALMOÇO

14h00: Mesa 2 — MARCOS GEOGRÁFICOS | CARTOGRAFIA E TRANSFORMAÇÕES

   Fortificações militares e acidentes geográficos
     Francisco José Correa Martins, historiador (DEGEO/UFRRJ)
   Análise espaço-temporal e toponímica do Rio de Janeiro
     Paulo Márcio Leal de Menezes​, geógrafo (PPGG/UFRJ)
   Aplicação da geofísica para a reconstrução histórica do Rio de Janeiro
     Gleide Dias, geofísica (IGEO/UFRJ)

15h30: Mesa 3 — NOVOS MARCOS | POLÍTICAS URBANAS

   Alterações e embargos: entraves no resgate de uma memória portuária
     Antônio Carlos Higino da Silva, historiador (PPGHC/UFRJ)
   Cidade Nova e HESFA, sobre rupturas e permanências
     Eliara Beck Souza, arquiteta e urbanista (DIPRIT/ETU/UFRJ)
   Vestígios da memória como vetores da cidade na Freguesia de Santa Rita
     João Carlos Nara Jr., arquiteto e arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)

Circulação de luxo versus comércio de escravos

Gérard Chouin, professor associado de História da África do Lyon G. Tyler Department of History do William & Mary College em Williamsburg, EUA, apresentou no congresso internacional de hodologia organizado pelo Kunsthistorisches Institut in Florenz – Max Planck Institute e pelo eikones NCCR Iconic Criticism da Universidade da Basileia, uma comunicação denominada (Im)Materiality, Diachrony, and Spatiality: Preliminary thoughts about three dimensions of long­ distance ‘trade’ routes in medieval to early modern West Africa. Eis o resumo da sua apresentação, em que ele enfatizou a necessidade de se distinguir entre circulação de luxo e comércio de commodities:

For the most part, we lack a direct description of long-distance trade routes in West Africa during the medieval and early modern period. This paper, which built on a first canvass presented in January 2017 at the Villa I Tatti, brings together a series of preliminary thoughts on the nature of these elusive features of past landscapes. We focus on the long-distance circulation of prestige goods which, we argue, should be distinguished from trade. The paper is divided into three parts. First, we examine the materiality (or the lack of) of circulation networks. What material traces do they leave in the landscape? What are the archaeological signatures of these ancient pathways? Secondly, we discuss the diachronic change in morphology and layout of routes, allowing us the rare opportunity to reflect on the changing meaning of trade/landscape through time. Finally, we suggest the need to think of long-distance trade routes as defined by a series of spatial segments dominated by central nodes. Silent trade — an African practice regularly echoed by Arab and European, medieval and early modern geographers and travelers, we propose, could be understood as a metaphor for the strategic and highly ritualized process of exchange of prestige goods that was taking place at the articulation between two segments.

Carta aberta do IPN


Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos corre o risco de fechar as portas

OUÇA A ENTREVISTA NA CBN


Mais um ano se inicia e renovam-se as incertezas e agonias quanto ao funcionamento do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos – IPN, que novamente se encontra em situação de dificuldade financeira. Assim como em dezembro de 2014, percebo que se não houver um apoio duradouro à instituição, que garanta ao mínimo o custeio básico, não teremos outra saída a não ser decretar o fechamento do IPN, em caráter definitivo.
Destaco que isso não se trata de descompromisso ou chantagem, mas na verdade, o reflexo de uma nefasta ausência de políticas públicas para o aporte e manutenção de instituições culturais, o que se agrava, e muito, quando o complexo cultural em questão, está relacionado à presença e participação social negra no contexto da escravidão e da diáspora.
Desde 2013, contamos com o apoio da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto – CDURP para o custeio (energia elétrica, água, telefone, demais taxas e material de limpeza) e da Concessionária Porto Novo, com o apoio ao projeto de Oficinas e Exposições da Galeria de Arte Contemporânea, entre outros eventos. Mas, neste cenário de crise, embora essas empresas continuem nos apoiando e incentivando, esse custeio não poderá ser renovado até meados do ano e ainda não sabemos se haverá ou não o aporte para nossas oficinas.
Estamos nos mobilizando para atender emergencialmente algumas demandas com a promoção de cursos especiais, com o intuito principal de arrecadar material de limpeza e pequenos reparos, como o banheiro feminino. Obviamente, não conseguiremos custear o IPN com o oferecimento de cursos, tanto pela crise financeira que intimida o investimento em formação, quanto pela nossa missão institucional que prima pela preservação e difusão da memória da diáspora africana de forma democrática, gratuita e com qualidade.
Com as obras de impacto urbano na região portuária e a crescente popularidade do IPN, estamos recebendo um número cada vez maior de visitantes o que demanda uma crescente necessidade de investimento da estrutura básica de funcionamento, como água e insumos de higiene, por exemplo. Lembrando que dos pontos que compõem o Circuito de Herança Africana, é no IPN que os visitantes tem acesso gratuito a água e sanitários, além de ambiente refrigerado para assistirem ao vídeo institucional. E a nossa visitação tende a crescer ainda mais, se considerarmos que, em breve, ocorrerá a inauguração da Estação Harmonia do VLT, que vai aumentar significativamente o número de visitantes em função da facilitação do acesso. Neste tocante, vale ressaltar que o IPN recebeu em 2014, 2015 e 2016 cerca de 49.000 visitantes. E, somente no ano passado, cerca de 15.000 pessoas.
A princípio, fecharíamos o IPN até que houvesse o restabelecimento do custeio e do apoio, ou a sensibilização de novos apoiadores e/ou benfeitores, mas seria uma perda absurda para o campo da memória daqueles sujeitos trazidos compulsoriamente de África para o Brasil, e, sobretudo, uma frustração tanto para minha família que luta há 21 anos por esse patrimônio, assim como para os colaboradores e voluntários que, trabalham com carinho e afinco para tornar esse lugar de memória da desumanidade, violência, vilipêndio sofrido pelos africanos escravizados, expressos pelo testemunho das janelas arqueológicas do cemitério, cada vez mais um centro irradiador de cultura, de combate ao preconceito, de construção do conhecimento, de guarda da memória e sobretudo, expressar o valor e o respeito que temos perante esses indivíduos que aqui jazem.
A situação se torna ainda mais delicada por estarmos em pleno desenvolvimento de uma pesquisa arqueológica na nossa sede, e acabarmos de fechar uma excelente programação para a Semana Nacional dos Museus, que tem como tema: Museus e histórias controversas: dizer o indizível em museus”. Com o início do ano letivo, já que recebemos um grande número de turmas dos mais diversos níveis de ensino. Assim, mesmo tendo nossos recursos financeiros se esgotando, gostaríamos de convidar a todos para juntarem-se a nós na campanha IPN RESISTE!
Não podemos fechar este Instituto de Pesquisa e Memória que há 12 anos busca implementar ações de preservação, pesquisa e dinamização do patrimônio cultural africano e afro-brasileiro, numa perspectiva diaspórica, visando à valorização da dignidade humana, a universalidade aos conhecimentos, a igualdade racial e religiosa e a construção no presente das memórias soterradas no passado.
Para conhecer mais sobre o IPN acesse: www.pretosnovos.com.br/informativo.
E nos ajude a reverter esta situação.

Atenciosamente,
Ana Maria de La Merced G. G. G. dos Anjos
Presidente IPN
#ipnresiste

Escavando o Rio: Jacarepaguá

A arqueóloga Sílvia Peixoto convida para participar do seu trabalho de campo do Doutorado, em um engenho do século XVII na região do Camorim, Jacarepaguá.

Excelente oportunidade para escavar em um sítio histórico colonial de grande antiguidade e entrar em contato com diversos materiais referentes a contextos dos séculos XVII e XVIII!

As atividades serão realizadas na primeira quinzena de janeiro. Os interessados devem entrar em contato pelo e-mail silviapeixoto@gmail.com.

Esta postagem saiu originalmente no blogue Arqueologia e Pré-História.

Escavando o Rio: cemitério do Valongo

whatsapp-image-2016-12-12-at-23-16-33O Arqueólogo Reinaldo Tavares iniciou no dia 12 de dezembro um novo ciclo de escavações no cemitério do Valongo, no Instituto Pretos Novos.

O sítio arqueológico Cemitério dos Pretos Novos do Valongo, no bairro carioca da Gamboa, sucedeu ao cemitério de Santa Rita, perdurando até o fim do tráfico negreiro no século XIX.Nele encontram-se sepultados os cativos africanos que morreram antes de serem vendidos. Em tais circunstâncias, eles careciam de domicílio e, consequentemente, de paróquia onde serem sepultados. Os cemitérios para pretos novos foram uma criação do Estado, mas pastoralmente estavam sob a responsabilidade do pároco da circunscrição eclesiástica em que se encontravam (até 1751: Candelária; desde então, Santa Rita).
O Instituto Pretos Novos funciona para visitações ao público de terça a sexta, das 11 às 18 h. Não deixe de conferir as escavações do Sítio Arqueológico Cemitério dos Pretos Novos agendando a visita pelo e-mail comunicacao@pretosnovos.com.br.

Conferências do Simpósio sobre Santa Rita (mesa 1)

mesa-1

Professores Ondemar Dias, Daniel Pêcego e Carlos Eugênio Soares

  • Abertura do Simpósio Antes do Valongo: Santa Rita

MESA 1 (ARQUEOLOGIA, HISTÓRIA)

whatsapp-image-2016-12-07-at-12-52-04-2

O autor com os professores Ondemar Dias e Jandira Neto

Conferências do Simpósio sobre Santa Rita (mesa 3)

Professores Naylor, Maurício e Gleide

Professores Naylor, Maurício e Gleide

MESA 3 (GEOFÍSICA, URBANISMO)

  • Gleide Dias: Geofísica aplicada à Arqueologia histórica

img_3578

Simpósio: mesa Patrimônio

simposio-santa-rita-mesa-3-patrimonio-modelagem-arqueometriaNa terceira mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Gleide Dias e Naylor Vilas Boas.

Gleide Dias, Física e Professora de geofísica, atuante nas áreas de Geociências e Petrofísica. Sua apresentação versará do uso de georradar para análises não invasivas do subsolo, como recurso para a Arqueologia.

Naylor Vilas BoasArquiteto Doutor em História do Urbanismo, é Professor e Coordenador do Laboratório de Análise Urbana e Representação Digital do Programa de Pós-Graduação em Urbanismo da UFRJ. Apresentará as recentes pesquisas desenvolvidas pelo Laboratório relacionadas com a exploração da representação gráfica digital na reconstrução histórica de espaços do centro do Rio de Janeiro. A partir de uma reflexão sobre os caminhos de pesquisa trilhados pelo grupo em diferentes estudos já elaborados, a produção atual e as possibilidades futuras serão discutidas a partir de suas contribuições, limites e possibilidades para a visualização e para o entendimento das dinâmicas de transformação urbana da cidade.