Conferências do Simpósio sobre Santa Rita (mesa 2)

Professores Rodrigo, Daniel e Raquel

Professores Rodrigo, Daniel e Raquel

MESA 2 (MÚSICA, ARQUITETURA, ANTROPOLOGIA)

  • Paulo Sá: Música carioca no século XVIII: modinha, lundu e a invenção do choro
  • Perguntas e comentários à mesa 2
Lançamento do livro Arqueologia da Transição (foto: Larissa Corrêa)

Lançamento do livro Arqueologia da Transição (foto: Larissa Corrêa)

Conferências do Simpósio sobre Santa Rita (mesa 3)

Professores Naylor, Maurício e Gleide

Professores Naylor, Maurício e Gleide

MESA 3 (GEOFÍSICA, URBANISMO)

  • Gleide Dias: Geofísica aplicada à Arqueologia histórica

img_3578

Simpósio: mesa Patrimônio

simposio-santa-rita-mesa-3-patrimonio-modelagem-arqueometriaNa terceira mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Gleide Dias e Naylor Vilas Boas.

Gleide Dias, Física e Professora de geofísica, atuante nas áreas de Geociências e Petrofísica. Sua apresentação versará do uso de georradar para análises não invasivas do subsolo, como recurso para a Arqueologia.

Naylor Vilas BoasArquiteto Doutor em História do Urbanismo, é Professor e Coordenador do Laboratório de Análise Urbana e Representação Digital do Programa de Pós-Graduação em Urbanismo da UFRJ. Apresentará as recentes pesquisas desenvolvidas pelo Laboratório relacionadas com a exploração da representação gráfica digital na reconstrução histórica de espaços do centro do Rio de Janeiro. A partir de uma reflexão sobre os caminhos de pesquisa trilhados pelo grupo em diferentes estudos já elaborados, a produção atual e as possibilidades futuras serão discutidas a partir de suas contribuições, limites e possibilidades para a visualização e para o entendimento das dinâmicas de transformação urbana da cidade.

Simpósio: mesa Linguagens

simposio-santa-rita-mesa-2-musica-arquitetura-antropologia

Na segunda mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Rodrigo Bastos, Paulo Sá e Raquel Lima.

Rodrigo Bastos, cantor, Arquiteto e Urbanista, Engenheiro Civil, Professor de Arquitetura da UFSC, recebeu diversos prêmios, entre eles por sua tese A maravilhosa fábrica de virtudes: o decoro na arquitetura religiosa de Vila Rica, Minas Gerais (1711-1822), publicada pela Edusp em 2013. Sua apresentação versará da retórica poética da Arquitetura.

Paulo Sá, professor de Música da UFRJ e Diretor Artístico do Momento Rio Bandolim, executará peças musicais populares no Rio de Janeiro do século XVIII, acompanhado do músico Adriano Palma Correa.

Raquel Lima, Historiadora, doutora em Antropologia Social e especialista em Ciência da Religião, é professora do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Viçosa. Sua apresentação versará da devoção a Santa Rita em seu lugar pioneiro no Brasil.

Antes do Valongo: Santa Rita

simposio-antes-do-valongo-santa-ritaSerá realizado no Salão Nobre do IFCS/IH-UFRJ (Largo de São Francisco, nº 1, Centro do Rio), o Simpósio Antes do Valongo: Santa Rita.

O encontro, que ocorrerá dia 5 de dezembro, segunda-feira, das 14h às 19h, constará de três mesas transdisciplinares (História e Arqueologia, Arquitetura e Antropologia, Arqueometria e Patrimônio), com intervalos entre uma e outra.

Os palestrantes serão:

  • Raquel Lima: Antropologia da devoção à Santa Rita
  • Paulo Sá: Música carioca no século XVIII: modinha, lundu e a invenção do choro
  • Rodrigo Bastos: Arqueologia poética da Arquitetura

A mediação será feita pelos professores André Chevitarese, Daniel Pêcego e Maurício Marinho.

Ao fim do evento será lançado o livro Arqueologia da Persuasão: o simbolismo rococó da Matriz de Santa Rita.

 

Serendipismo na Arquitetura

Arco cruzeiro monumentalNos estudos sobre a arte e a arquitetura religiosa colonial carioca, aparece uma informação recorrente: a de que na igreja matriz de Santa Rita — pioneira americana da decoração em estilo rococó — sobressaem duas invenções operadas pelos seus anônimos construtores: o uso de colunas torsas nos retábulos e a decoração monumental do arco cruzeiro.

O primeiro invento antecipa em quase vinte anos a moda carioca que seria introduzida pelo Mestre Valentim. A segunda invenção pode ser reconhecida como um exemplo aproximado de “serendipismo”, ou seja, da capacidade de inovação do seu artífice, cuja genialidade o levou a um expediente criativo posteriormente reproduzido em outras igrejas da cidade.

Com efeito, quando, na primeira metade do século XVIII, a antiga e pequena ermida foi adossada à nova e elevada nave, resultou em um enorme flanco cego acima da capela-mor, decorrente da desproporção da mole. A solução de monumentalizar o arco cruzeiro, dotando-o de requintado desenho rocaille e outros ornatos, além da luneta e da pintura da empena em mármore fingido, causa forte impacto visual e integra panoramicamente a decoração dos diversos ambientes.

A percepção de tal serendipismo escapa ao escopo de análise convencional, típica da história da arte ou da crítica arquitetônica, mais preocupadas com o contexto cultural ou com o produto artístico final. No entanto, isto pode ser reconhecido pelo olhar treinado do arqueólogo quando atento ao processo criativo desenvolvido na confecção dos artefatos.