O passado e o futuro do patrimônio cultural carioca

Mesa sobre os novos marcos culturais do Rio de Janeiro, durante o workshop Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca, realizado a 4/9/2017 no Arquivo Nacional:

Alterações e embargos: entraves no resgate de uma memória portuária
     Antônio Carlos Higino da Silva, historiador (PPGHC/UFRJ)
   Cidade Nova e HESFA, sobre rupturas e permanências
     Eliara Beck Souza, arquiteta e urbanista (DIPRIT/ETU/UFRJ)
   Vestígios da memória como vetores da cidade na Freguesia de Santa Rita
     João Carlos Nara Jr., arquiteto e arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)

Cartografia carioca e transformações históricas

Mesa sobre os marcos geográficos do Rio de Janeiro, durante o workshop Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca, realizado a 4/9/2017 no Arquivo Nacional:

Fortificações militares e acidentes geográficos
     Francisco José Correa Martins, historiador (DEGEO/UFRRJ)
   Análise espaço-temporal e toponímica do Rio de Janeiro
     Paulo Márcio Leal de Menezes​, geógrafo (PPGG/UFRJ)
   Aplicação da geofísica para a reconstrução histórica do Rio de Janeiro
     Gleide Dias, geofísica (IGEO/UFRJ)

Símbolos clássicos espalhados pelo Rio de Janeiro

Mesa sobre os marcos clássicos do Rio de Janeiro, durante o workshop Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca, realizado a 4/9/2017 no Arquivo Nacional:

Signos da civilização: memória, patrimônio e instituições no Brasil Imperial
     Mariáh Martins, historiadora da ciência (Museu Nacional/UFRJ)
   De onde vem essa nação? Os fios e os rastros do projeto nacional brasileiro
     Leonardo Amatuzzi, arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)
   Patrimônio ressignificado e ação do poder público
     Andre Angulo, museólogo (Museu da República)

Marcos da paisagem cultural carioca

Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca é uma atividade de extensão inserida no Projeto de Difusão das Geociências do Centro de Ciências Matemáticas e da Terra (CCMN) da UFRJ. O evento constará de duas partes:

  1. Uma trilha urbana por diferentes pontos do Centro histórico do Rio de Janeiro, relacionando patrimônio, geologia, arqueologia e paisagem (5 de setembro, terça-feira, às 13h na Carioca).
  2. Um simpósio interdisciplinar para vem passar em revista os marcos mais importantes da Cidade, seus usos e valores (4 de setembro, segunda-feira, das 9h às 17h no Arquivo Nacional).
Inscrições pelo e-mail pesquisa@narajr.net
PROGRAMAÇÃO DO SIMPÓSIO:

09h00: CORAL DUQUE MUSIC (Colégio Estadual Duque de Caxias)

09h30: CONFERÊNCIA DE ABERTURA

   Cais do Valongo, patrimônio histórico e reconstrução cultural
     Carlos Eugênio Líbano Soares, historiador (PPHR/UFRRJ)

10h30: Mesa 1 — MARCOS CLÁSSICOS | SÍMBOLOS ESPALHADOS

   Signos da civilização: memória, patrimônio e instituições no Brasil Imperial
     Mariáh Martins, historiadora da ciência (Museu Nacional/UFRJ)
   De onde vem essa nação? Os fios e os rastros do projeto nacional brasileiro
     Leonardo Amatuzzi, arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)
   Patrimônio ressignificado e ação do poder público
     Andre Angulo, museólogo (Museu da República)

12h00: ALMOÇO

14h00: Mesa 2 — MARCOS GEOGRÁFICOS | CARTOGRAFIA E TRANSFORMAÇÕES

   Fortificações militares e acidentes geográficos
     Francisco José Correa Martins, historiador (DEGEO/UFRRJ)
   Análise espaço-temporal e toponímica do Rio de Janeiro
     Paulo Márcio Leal de Menezes​, geógrafo (PPGG/UFRJ)
   Aplicação da geofísica para a reconstrução histórica do Rio de Janeiro
     Gleide Dias, geofísica (IGEO/UFRJ)

15h30: Mesa 3 — NOVOS MARCOS | POLÍTICAS URBANAS

   Alterações e embargos: entraves no resgate de uma memória portuária
     Antônio Carlos Higino da Silva, historiador (PPGHC/UFRJ)
   Cidade Nova e HESFA, sobre rupturas e permanências
     Eliara Beck Souza, arquiteta e urbanista (DIPRIT/ETU/UFRJ)
   Vestígios da memória como vetores da cidade na Freguesia de Santa Rita
     João Carlos Nara Jr., arquiteto e arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)

Queixas, querelas e denúncias

É importante conhecer melhor o papel da Igreja no processo de construção do Brasil durante o Antigo Regime. Nesse sentido, destaca-se o trabalho da historiadora mineira Patrícia Ferreira dos Santos Silveira, que explora as relações entre a Igreja e o Estado Moderno em seu recém-lançado livro Excomunhão e economia da salvação.

Pelos meandros das queixas, querelas e denúncias no tribunal eclesiástico de Minas Gerais no século XVIII, a obra analisa os mecanismos da justiça eclesiástica para a implantação do Império lusitano cristão no Brasil, entre a virtude e o vício, a vingança e o perdão.

Mais informações na resenha de José Manuel Louzada Lopes Subtil, Professor Catedrático da Universidade Autônoma de Lisboa.

Cristãos-novos na Freguesia de Santa Rita

Detalhe da planta do Barão do Rio Branco que mostra o ataque de Duguay-Trouin à Cidade do Rio de Janeiro em 1711

O fidalgo Manoel Nascentes Pinto (1672-1731) — proprietário dos ofícios de meirinho do mar, guarda e porteiro da alfandega do Rio de Janeiro, e fundador da igreja de Santa Rita — legou um testamento que aduz valiosas informações sobre as suas posses. Ao referir-se a uma chácara adquirida na região do Valongo, dom Manoel fornece o nome de seu anterior proprietário: Damião Rodrigues Moeda.

Natural de Idanha a Nova (Guarda, Portugal), advogado e lavrador de cana, Damião foi preso por judaísmo em 1710, aos 45 anos, sendo condenado ao cárcere e hábito penitencial ao arbítrio dos inquisidores. A venda do sítio teria ocorrido, portanto, antes das invasões francesas de Jean-François Duclerc e René Duguay-Trouin no Rio de Janeiro. Este último, aliás, enquanto esteve na Cidade, libertou cem cristãos-novos que aguardavam a deportação para Portugal.

É sabido que, por aquela época, os cristãos-novos se organizavam clandestinamente na tentativa de evitar os rigores da Inquisição; pelo que é razoável supor que a liquidação da chácara do Valongo tenha a ver com as cautelas da família. Damião Moeda também denunciou vários parentes seus, que foram igualmente sentenciados. Tais transações e expedientes constituíam uma estratégia de sobrevivência para os cristãos-novos e lhes serviram para negociar ou garantir seus direitos e privilégios.

Museu do ontem para a herança africana na freguesia de Santa Rita

A Agência Pública de Reportagem e Jornalismo Investigativo elaborou um aplicativo (Android e iOS) com itinerários alternativos ao Circuito Histórico e Arqueológico de Celebração da Herança Africana.

Vale a pena conferir mais essa ferramenta, que vem somar-se ao aplicativo do Projeto Passados Presentes da UFF.

Museu do Ontem from Agência Pública on Vimeo.

Circulação de luxo versus comércio de escravos

Gérard Chouin, professor associado de História da África do Lyon G. Tyler Department of History do William & Mary College em Williamsburg, EUA, apresentou no congresso internacional de hodologia organizado pelo Kunsthistorisches Institut in Florenz – Max Planck Institute e pelo eikones NCCR Iconic Criticism da Universidade da Basileia, uma comunicação denominada (Im)Materiality, Diachrony, and Spatiality: Preliminary thoughts about three dimensions of long­ distance ‘trade’ routes in medieval to early modern West Africa. Eis o resumo da sua apresentação, em que ele enfatizou a necessidade de se distinguir entre circulação de luxo e comércio de commodities:

For the most part, we lack a direct description of long-distance trade routes in West Africa during the medieval and early modern period. This paper, which built on a first canvass presented in January 2017 at the Villa I Tatti, brings together a series of preliminary thoughts on the nature of these elusive features of past landscapes. We focus on the long-distance circulation of prestige goods which, we argue, should be distinguished from trade. The paper is divided into three parts. First, we examine the materiality (or the lack of) of circulation networks. What material traces do they leave in the landscape? What are the archaeological signatures of these ancient pathways? Secondly, we discuss the diachronic change in morphology and layout of routes, allowing us the rare opportunity to reflect on the changing meaning of trade/landscape through time. Finally, we suggest the need to think of long-distance trade routes as defined by a series of spatial segments dominated by central nodes. Silent trade — an African practice regularly echoed by Arab and European, medieval and early modern geographers and travelers, we propose, could be understood as a metaphor for the strategic and highly ritualized process of exchange of prestige goods that was taking place at the articulation between two segments.

Palestra sobre Santa Rita no IHGRJ

Na quinta-feira, 8 de junho, haverá no IHGRJ (sala CEPHAS) uma sessão temática sobre as igrejas do Rio de Janeiro.

Das 15h às 17h haverá duas comunicações:

  • O simbolismo rococó da matriz de Santa Rita, pelo Arquiteto João Carlos Nara Júnior.
  • Igreja Santo Antônio dos Pobres, pela Msc. Roselene de Cássia Coelho Martins.

Em seguida, no terraço haverá um lanche de congraçamento e feira de livros.

O endereço é Avenida Augusto Severo, 8/10º andar, Glória.