Streets, Routes, Methods

Ocorre em Florença, Itália, nos dias 5 e 6 de maio, a conferência internacional Streets, Routes, Methods I: Reflections on Paths, Spaces and Temporalities (outro link aqui), organizado pelo Kunsthistorisches Institut in Florenz – Max Planck Institute e o eikones NCCR Iconic Criticism da Universidade da Basileia.

A relação da expansão da Freguesia de Santa Rita com as rotas do tráfico negreiro na Guanabara será apresentada no segundo dia do evento.

Paths can be serpentine, straight and anything in between; they might traverse barely accessible mountains, like the Inca Trail, or be straight, like desire lines. Paths come before roads, survive into the time of roads, or reappear in response to them. Paths tend to be overgrown, to disappear – in the desert sand – to be overbuilt or abandoned. They have their temporalities, seasons and spatialities, between proximity and distance. Paths are therefore not purely spatial affairs. Paths have a genuine temporal dimension beyond the duration of a traveler’s journey. Paths can be seen as chronotopoi, with literary, pictorial and cinematographic histories. Paths must be trodden in order to survive, exemplifying the Heraclitian formula μεταβάλλον α` ναπαύεται (‘it is in changing that things find repose’). The temporal dimension of paths ultimately allows us to overcome the sterile dichotomy between real and imagined paths (metaphors, allegories, models). They have a rich life in the world of metaphors, intrinsic to the notion of met-hodos, based on the Greek word for way, or path. This allies paths to language and, more specifically, writing, whose elements are also repetitions, tracks that are ‘inked in’ It is the remembered, the described, and thereby the reusable and transferable path. Paths within language can become ritual tools for the creation of new ones.

Beyond the above mentioned approaches to paths, the conference will explore their relationship to the environment, in line with the eco-art historical project at the Kunsthistorisches Institut in Florenz. How do paths, trails and routes shape or even create landscape? What is the interplay of geomorphology, flora and fauna, animal and human agency? Paths introduce directionalities, itineraries and nets into the environment, they are linked to technologies of transport and movement; they offer viewpoints, changing horizons or deep immersion into flora or architecture; experiencing them is a multi-sensorial endeavor. Under the hodological conditions of global urban environments and post / industrial landscapes, paths run across streets, they can be subversive, democratic or pragmatic. They can be reinstalled as nostalgic evocations of a lost or overcome past, of rural or pastoral life, or serve mass tourism as well as new ecological approaches.

Organized by Hannah Baader, Adam Jasper, Stefan Neuner, Gerald Wildgruber and Gerhard Wolf

Friday, 5 May 2017
09:30 Hannah Baader (Florence/Berlin) and Stefan Neuner (Basel)
Welcome and Introduction

10:15 Philip Ursprung (Zurich)
Volcano Walks: Following the Explorer Franz Junghuhn on the Island of Java

11:00 Bas Princen (Rotterdam)
(Central) Perspectives

11:45 Break

12:00 Catalina Ospina (Chicago)
At a Crossroads: the Emergence of Mopa Mopa Images in the Colonial Andes

12:45 Marco Musillo (Florence)
The Ecology of Silent Descriptions: Semantic and Symbolical Paths towards the King of Trees

13:30 Lunch Break

15:00 Himanshu Burte (Mumbai)
Path, Place, and Network: The Politics of Roads in Mumbai

15:45 John Xaviers (Noira, Uttar Pradesh)
Mattancherry Jew Street

16:30 Break

17:00 Maia Mania (Tbilisi)
„Le chemin des anes, le chemin des hommes …“

17:45 Lutz Robbers (Oldenburg)
Paths and Lines: Negotiations in Architectural Image Practices

18:30 Break

18:45 Presentation of Works by Bas Princen

19:15 Joseph Rykwert (London) and Francesco Pellizzi (New York)
A Conversation

Saturday, 6 May 2017
09:15 Fabian Horn (Munich)
The Conceptualization “Life is a Journey” in Early Greek Poetry and Thought

10:00 Velizar Sadovski (Vienna)
The Roads of Indo-Iranian Ritual: Multidimensional Sacred Space and Topology of Transcendence

10:45 Break

11:15 Gérard Chouin (Williamsburg, VA)
(Im)Materiality, Diachrony, and Spatiality: Preliminary Thoughts about Three Dimensions of Long-Distance
‘Trade’ Routes in Medieval to Early Modern West Africa

12:00 João Carlos Nara Jr. (Rio de Janeiro)
African Diaspora in Guanabara Bay: Slave Paths, Maritime Routes and Trade Streets in the Rio de Janeiro of 18th Century

12:45 J. Lorand Matory (Durham, NC)
At the Crossroads: Afro-Atlantic and Central European Ethics of Intersectionality

13:30 Lunch Break

15:00 Martin Thiering (Berlin/Rome)
Implicit and Tacit Knowledge in Flavio Biondo’s Historiographical and Geographical “Italia Illustrata”

15:45 Antonieta Reis Leite (Coimbra)
Paths, Spaces and Temporalities on the Azores Islands Settlement (Sixteen Century). Methods to the
Creation of a New Landscape.

16:30 Nuno Grancho (Coimbra)
Representation of Urban Spaces and Temporalities in the Colonial City of Diu

17:15 Gerhard Wolf (Florence)
Concluding Remarks & Final Discussion

Territorialização e herança africana no Rio de Janeiro

Simpósio sobre o Museu da Escravidão e da Liberdade, que pretende integrar o Circuito da Herança Africana. Excelente ocasião para discutir a história e a cultura da antiga Freguesia de Santa Rita, Bairro da Saúde, hoje Porto Maravilha.

No Instituto de História da UFRJ, Prédio do Largo de São Francisco de Paula, nº 1, dias 15 e 16 de maio.

Concurso do IHGRJ sobre Histórias do Rio

Art. 1. O Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro (IHGRJ) institui, pelo presente, o primeiro Concurso de Estudo e Difusão da História do Rio de Janeiro, que se destina a premiar estudantes de níveis médio e superior, incentivando a pesquisa, o estudo e a difusão da História, além de promover e defender o patrimônio natural e cultural da Cidade e do Estado do Rio de Janeiro.

Art. 2. O concurso destina-se à escolha de trabalhos que tratem de pequenas histórias do Rio de Janeiro, passadas em qualquer século e que abordem pessoas, bairros, ruas, instituições, fatos, e/ou quaisquer acontecimentos.

Art. 3. Poderão participar do concurso estudantes de nível  médio e de nível superior, devidamente matriculados em qualquer universidade na cidade e no estado do Rio de Janeiro, que não possuam vínculo de parentesco de até segundo grau com os membros da comissão julgadora.

Art. 4. Para a presente edição institui-se o Prêmio Mem de Sá em três níveis:

a) Prêmio Mem de Sá — nível médio.
b) Prêmio Mem se Sá — nível superior.
c) Prêmio Mem de Sá — nível pós graduação.

Art. 5. A premiação do Concurso ocorrerá em cerimônia a ser realizada na sala CEPHAS do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, no mês de dezembro, durante a sessão magna do IHGRJ, quando serão entregues os seguintes prêmios:

  1. Livros de autoria de todos os sócios do IHGRJ aos vencedores dos níveis superior e pós graduação.
  2. Prêmio especial ao primeiro colocado do nível superior: um notebook.
  3. Publicação dos trabalhos dos três primeiros colocados, nos três níveis, na Coluna do IHGV, no Jornal Tribuna do Interior da cidade de Vassouras.
  4. Publicação, na Revista do IHGRJ, dos primeiros colocados nos níveis superior e pós-graduação.

Art. 6. Os trabalhos concorrentes ao Prêmio Mem de Sá deverão observar os seguintes requisitos:

  1. Obediência às normas da ABNT;
  2. Digitação em papel modelo A4;
  3. Número de páginas – 10 no mínimo e 20 no máximo;
  4. Espaço entre linhas – 1,5 digitadas em fonte Arial, tamanho 12 e espaço 1,5, de um só lado, com a indicação, na capa, do pseudônimo do candidato;
  5. Citação de fontes bibliográficas, no mínimo de 10 obras (livros, revistas, jornais, etc).

Art. 7. O julgamento dos trabalhos concorrentes será feito da forma abaixo discriminada:

  1. Os critérios de avaliação serão baseados na originalidade, qualidade de linguagem; concisão no texto e qualidade do conteúdo;
  2. O Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro constituirá comissão, formada por quatro historiadores (quatro), especialmente indicada para julgar os trabalhos apresentados;
  3. As decisões da Comissão Julgadora será definitiva, não cabendo qualquer recurso ou impugnação.

Art. 8. Serão inscritos no concurso todos os estudantes que tiverem entregado ou postado seu trabalho em qualquer agência dos correios até a data limite, comprovada pelo carimbo de postagem e que tenham os seguintes documentos:

  1. Envelope fechado contendo: folha de identificação do autor, seu pseudônimo, endereço e telefone, o título de seu trabalho, comprovantes de estar matriculado no nível superior. Este envelope não deverá conter externamente, qualquer marca ou sinal de identificação e será numerado pela comissão julgadora.
  2. Envelope contendo o trabalho, propriamente dito, que não deverá conter qualquer identificação e que receberá o mesmo número do primeiro envelope, pela comissão julgadora.

Art. 9. Não haverá formulários específicos e todos os candidatos deverão entregar ou enviar via Correio seus trabalhos em 03 (três) vias, para o seguinte endereço:

Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro
Av. Augusto Severo, 8/12º andar
Glória, CEP 20021- 040

Art. 10. Não serão aceitos trabalhos enviados por fax ou e-mail.

Art. 11. O não atendimento as exigências previstas em edital resultará na anulação da inscrição do candidato.

Art. 12. O presente Concurso do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, obedecerá ao seguinte Calendário:

  1. Lançamento Oficial: 9 de março de 2017. Divulgação da Comissão Julgadora;
  2. Prazo limite para entrega ou postagem nos correios: 30 de setembro de 2017;
  3. Julgamento: 15 de outubro a 15 de novembro de 2017;
  4. Proclamação dos Resultados: 16 de novembro de 2017;
  5. Entrega dos prêmios: 14 de dezembro de 2017.

Art. 13. Os trabalhos não premiados serão devolvidos na sessão magna de 14 de dezembro de 2017.

Art. 14. Os trabalhos premiados constarão de uma lista em edital do IHGRJ à disposição na sede provisória do IHGRJ, na Avenida Augusto Severo, 8/12º andar, Glória, CEP 20021- 040.

Art. 15. Face à eventual impossibilidade de comparecimento para o recebimento dos prêmios, os ganhadores poderão enviar representantes.

Art. 16. Os casos omissos neste regulamento serão resolvidos pela Comissão Julgadora.

 

Neusa Fernandes
Presidente do IHGRJ

Como foi o lançamento na Livraria da Travessa

No início da noite de terça-feira (21/3), foi lançado o livro Arqueologia da Persuasão: O Simbolismo Rococó da Matriz de Santa Rita, na livraria da Travessa, em Botafogo, Zona Sul do Rio. O lançamento foi noticiado pelo Jornal do Brasil.

A obra, resultado de dois anos de pesquisa, oferece ao leitor uma abordagem polissêmica da arte sacra do Brasil Colonial, à luz do simbolismo empregado em sua decoração.

A decoração da igreja matriz da Freguesia de Santa Rita de Cássia, aliás, inaugura o estilo rococó na América.

Esse livro é o fruto de dois anos de pesquisas sobre a freguesia de Santa Rita, terceira paróquia urbana do Rio de Janeiro. Durante o tempo que estive em campo, procurei estabelecer um diálogo entre a arquitetura, a arte, a arqueologia e a história. À medida em que me debruçava sobre o tema, mergulhei em Santa Rita em três diferentes etapas, assim como faz um observador que cerra os olhos para enxergar melhor: sua igreja, seu tempo e seu simbolismo. (João Carlos Nara Jr.)

Inventário dos monumentos do Rio de Janeiro

Monumento a Zumbi dos Palmares

Monumento a Zumbi dos Palmares

Um site novinho em folha — http://inventariodosmonumentosrj.com.br/ —, mostra o trabalho da arquiteta Vera Dias, gerente de monumentos e chafarizes do Rio de Janeiro e apaixonada pela Cidade Maravilhosa.

Ali você encontra fontes e chafarizes, obras públicas, estátuas e bustos, representações religiosas, esculturas e marcos que enriquecem nossas ruas.

Entre outros monumentos, o site traz a fonte que houve no Largo de Santa Rita entre 1884 e 1904, e da qual há um cópia em operação no Rio Comprido.

Santa Rita no Instituto Pretos Novos

Santa Rita - IPN

O Instituto Pretos Novos abriu sua sede (a três quadras da estação Utopia/AquaRio do VLT), onde se encontra o cemitério do Valongo, para uma conversa sobre a Matriz de Santa Rita.

Escavando o Rio: Jacarepaguá

A arqueóloga Sílvia Peixoto convida para participar do seu trabalho de campo do Doutorado, em um engenho do século XVII na região do Camorim, Jacarepaguá.

Excelente oportunidade para escavar em um sítio histórico colonial de grande antiguidade e entrar em contato com diversos materiais referentes a contextos dos séculos XVII e XVIII!

As atividades serão realizadas na primeira quinzena de janeiro. Os interessados devem entrar em contato pelo e-mail silviapeixoto@gmail.com.

Esta postagem saiu originalmente no blogue Arqueologia e Pré-História.

Escavando o Rio: cemitério do Valongo

whatsapp-image-2016-12-12-at-23-16-33O Arqueólogo Reinaldo Tavares iniciou no dia 12 de dezembro um novo ciclo de escavações no cemitério do Valongo, no Instituto Pretos Novos.

O sítio arqueológico Cemitério dos Pretos Novos do Valongo, no bairro carioca da Gamboa, sucedeu ao cemitério de Santa Rita, perdurando até o fim do tráfico negreiro no século XIX.Nele encontram-se sepultados os cativos africanos que morreram antes de serem vendidos. Em tais circunstâncias, eles careciam de domicílio e, consequentemente, de paróquia onde serem sepultados. Os cemitérios para pretos novos foram uma criação do Estado, mas pastoralmente estavam sob a responsabilidade do pároco da circunscrição eclesiástica em que se encontravam (até 1751: Candelária; desde então, Santa Rita).
O Instituto Pretos Novos funciona para visitações ao público de terça a sexta, das 11 às 18 h. Não deixe de conferir as escavações do Sítio Arqueológico Cemitério dos Pretos Novos agendando a visita pelo e-mail comunicacao@pretosnovos.com.br.

Discurso de encerramento do Simpósio sobre Santa Rita

img-20161207-wa0011

Neste breve encerramento, desejo dizer três palavras.

Primeiramente: OBRIGADO.

Quero externar meu mais sentido agradecimento a todos vocês que me acompanharam com generosidade e paciência ao longo dos últimos quatro anos. Em particular, todos os ilustres Professores que falaram no Simpósio têm importante papel nesta caminhada:

Ondemar Dias é um verdadeiro mestre que me transmite profissionalismo e espírito de equipe. Carlos Eugênio Soares é um grande colaborar, que demonstra grande finura, senso de humor e coragem nas adversidades. Paulo Sá me ensinou a ouvir o século XVIII, a perceber que o tempo é feito também de arte e sentimento. Daniel Pêcego é como um braço direito e um arrimo. Versátil, comunica experiência e sabedoria. Raquel Lima foi a primeira colega do Museu Nacional a me ajudar na pesquisa, tão logo comecei o mestrado, “apresentando-me” à Rita de Cássia. Rodrigo Bastos me ajudou — parafraseando Emmanuel Kant em seu tributo a David Hume — a “despertar do sonho dogmático” acerca da espacialidade arquitetônica (desde quando o conheci em um curso ministrado na Casa de Rui Barbosa). Gleide Dias é minha fiel escudeira para todas as horas, daquelas pessoas que nunca duvidam de você e sempre topam generosamente ajudar com entusiasmo. Naylor Vilas Boas demonstrou abertura e disponibilidade sem iguais, facilitando ferramentas cujo uso superam minhas possibilidades. Maurício Marinho, meu coordenador de Preservação de Imóveis Tombados no Escritório Técnico da UFRJ, foi muito acolhedor e compreensivo em uma fase crítica pela qual passei, fazendo-me apreciar ainda mais o campo do Patrimônio.

Evidentemente, deveria citar muitos outros que poderiam ter estado à mesa e que, de antemão, convido para uma próxima ocasião. Entre eles, destaco alguns nomes como Nireu Cavalcanti, Pe. Marcelo Nascimento, Jandira Neto, Helder Viana, Simone Mesquita, André Perlingeiro, Vera Dias, Alejandra Saladino, Mateus Rosada, Alberto Gomes.

O segundo ponto que desejo compartilhar com vocês é uma LIÇÃO.

Aprendi ao longo dos últimos anos que é possível fazer pesquisa no Brasil. Recordo com carinho o dia em que, já desiludido com tantas negativas recebidas na pós-graduação, animado mais uma vez pelos Professores Jorge Cintra e Renato Moraes vim ao Instituto de História me entrevistar com André Chevitarese. Como não o encontrasse em sua sala, indaguei a dois Professores que conversavam animadamente na escadaria do edifício se saberiam onde ele se encontrava. Logo percebi que falava com o próprio, o qual jocosamente indicava Flávio Gomes, que estava a seu lado, dizendo-me para ter cuidado com ele.

A partir de então começamos uma caminhada acadêmica surpreendente. Ingressei no mestrado em Arqueologia do Museu Nacional e me debrucei sobre o simbolismo da matriz de Santa Rita. Sendo amante da história do Rio, Santa Rita revelou-se uma joia despercebida, um ponto de encontro de interesses e um nó de perguntas ainda sem resposta. Situada no limite da Cidade no início do século XVIII, Santa Rita abriu o caminho para o sertão carioca e permaneceu incólume às agruras do tempo e das reformas urbanas, quer infelizes quer felizes.

Após concluir no Museu Nacional o estudo da Arqueologia da Persuasão — isto é, do uso retórico da arte rococó na Matriz —, iniciei no Instituto de História o estudo da Arqueologia da Transição — ou seja, da sua função no sistema da diáspora africana na América, especialmente através do seu cemitério de pretos novos.

André Chevitarese e Flávio Gomes são acadêmicos exemplares. Ensinaram-me com a sua conduta e as suas palavras que, apesar dos problemas da Universidade brasileira, é possível fazer pesquisa de alto nível. Sem dúvida há obstáculos burocráticos, acadêmicos, teóricos, financeiros. De fato, vemos a Universidade — especialmente a área de humanas — gerida de forma precária, convulsionada por reivindicações irracionais, contaminada por dogmatismos deletérios e carente de recursos econômicos. Em outras palavras, padecemos com artifícios administrativos, agendas pseudopolíticas com presunção de tolerância, preconceito religioso disfarçado de cientificidade, dificuldade de acesso à informação e reserva de mercado.

No entanto, mais fortes são aqueles que perseveram apesar das barreiras; que tentam de novo, apesar das injustiças; que não se calam, a despeito do patrulhamento ideológico; que investem, mesmo sem apoio institucional. Esta pesquisa precisou superar tudo isso. Com o auxílio financeiro de amigos, integrando perspectivas teóricas rechaçadas, evitando altercações inúteis e correndo contra o relógio, creio que chegamos, nesta primeira fase, a bom termo!

Por fim, a terceira ideia que gostaria de lhes dirigir consiste em um CONVITE.

Recomendo que se estude e se valorize mais Santa Rita. Que ela não passe despercebida na Paisagem Cultural do Rio de Janeiro, nem fique à margem da atenção dada ao Porto Maravilha. Que mais alunos se sintam estimulados a se debruçar sobre esse microcosmo carioca. Que a memória de nossos “ancestrais” e irmãos africanos — cativos no corpo, mas livres na alma — seja reverenciada e celebrada, especialmente em Santa Rita, por onde passaram há 300 anos atrás.

Muito boa noite, e obrigado a todos os presentes!

João Carlos Nara Júnior, 5/12/16

whatsapp-image-2016-12-07-at-21-31-59-1

Simpósio: mesa Patrimônio

simposio-santa-rita-mesa-3-patrimonio-modelagem-arqueometriaNa terceira mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Gleide Dias e Naylor Vilas Boas.

Gleide Dias, Física e Professora de geofísica, atuante nas áreas de Geociências e Petrofísica. Sua apresentação versará do uso de georradar para análises não invasivas do subsolo, como recurso para a Arqueologia.

Naylor Vilas BoasArquiteto Doutor em História do Urbanismo, é Professor e Coordenador do Laboratório de Análise Urbana e Representação Digital do Programa de Pós-Graduação em Urbanismo da UFRJ. Apresentará as recentes pesquisas desenvolvidas pelo Laboratório relacionadas com a exploração da representação gráfica digital na reconstrução histórica de espaços do centro do Rio de Janeiro. A partir de uma reflexão sobre os caminhos de pesquisa trilhados pelo grupo em diferentes estudos já elaborados, a produção atual e as possibilidades futuras serão discutidas a partir de suas contribuições, limites e possibilidades para a visualização e para o entendimento das dinâmicas de transformação urbana da cidade.

Simpósio: mesa Linguagens

simposio-santa-rita-mesa-2-musica-arquitetura-antropologia

Na segunda mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Rodrigo Bastos, Paulo Sá e Raquel Lima.

Rodrigo Bastos, cantor, Arquiteto e Urbanista, Engenheiro Civil, Professor de Arquitetura da UFSC, recebeu diversos prêmios, entre eles por sua tese A maravilhosa fábrica de virtudes: o decoro na arquitetura religiosa de Vila Rica, Minas Gerais (1711-1822), publicada pela Edusp em 2013. Sua apresentação versará da retórica poética da Arquitetura.

Paulo Sá, professor de Música da UFRJ e Diretor Artístico do Momento Rio Bandolim, executará peças musicais populares no Rio de Janeiro do século XVIII, acompanhado do músico Adriano Palma Correa.

Raquel Lima, Historiadora, doutora em Antropologia Social e especialista em Ciência da Religião, é professora do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Viçosa. Sua apresentação versará da devoção a Santa Rita em seu lugar pioneiro no Brasil.