Inventário dos monumentos do Rio de Janeiro

Monumento a Zumbi dos Palmares

Monumento a Zumbi dos Palmares

Um site novinho em folha — http://inventariodosmonumentosrj.com.br/ —, mostra o trabalho da arquiteta Vera Dias, gerente de monumentos e chafarizes do Rio de Janeiro e apaixonada pela Cidade Maravilhosa.

Ali você encontra fontes e chafarizes, obras públicas, estátuas e bustos, representações religiosas, esculturas e marcos que enriquecem nossas ruas.

Entre outros monumentos, o site traz a fonte que houve no Largo de Santa Rita entre 1884 e 1904, e da qual há um cópia em operação no Rio Comprido.

Conferências do Simpósio sobre Santa Rita (mesa 1)

mesa-1

Professores Ondemar Dias, Daniel Pêcego e Carlos Eugênio Soares

  • Abertura do Simpósio Antes do Valongo: Santa Rita

MESA 1 (ARQUEOLOGIA, HISTÓRIA)

whatsapp-image-2016-12-07-at-12-52-04-2

O autor com os professores Ondemar Dias e Jandira Neto

Conferências do Simpósio sobre Santa Rita (mesa 2)

Professores Rodrigo, Daniel e Raquel

Professores Rodrigo, Daniel e Raquel

MESA 2 (MÚSICA, ARQUITETURA, ANTROPOLOGIA)

  • Paulo Sá: Música carioca no século XVIII: modinha, lundu e a invenção do choro
  • Perguntas e comentários à mesa 2
Lançamento do livro Arqueologia da Transição (foto: Larissa Corrêa)

Lançamento do livro Arqueologia da Transição (foto: Larissa Corrêa)

Conferências do Simpósio sobre Santa Rita (mesa 3)

Professores Naylor, Maurício e Gleide

Professores Naylor, Maurício e Gleide

MESA 3 (GEOFÍSICA, URBANISMO)

  • Gleide Dias: Geofísica aplicada à Arqueologia histórica

img_3578

Simpósio: mesa Patrimônio

simposio-santa-rita-mesa-3-patrimonio-modelagem-arqueometriaNa terceira mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Gleide Dias e Naylor Vilas Boas.

Gleide Dias, Física e Professora de geofísica, atuante nas áreas de Geociências e Petrofísica. Sua apresentação versará do uso de georradar para análises não invasivas do subsolo, como recurso para a Arqueologia.

Naylor Vilas BoasArquiteto Doutor em História do Urbanismo, é Professor e Coordenador do Laboratório de Análise Urbana e Representação Digital do Programa de Pós-Graduação em Urbanismo da UFRJ. Apresentará as recentes pesquisas desenvolvidas pelo Laboratório relacionadas com a exploração da representação gráfica digital na reconstrução histórica de espaços do centro do Rio de Janeiro. A partir de uma reflexão sobre os caminhos de pesquisa trilhados pelo grupo em diferentes estudos já elaborados, a produção atual e as possibilidades futuras serão discutidas a partir de suas contribuições, limites e possibilidades para a visualização e para o entendimento das dinâmicas de transformação urbana da cidade.

Antes do Valongo: Santa Rita

simposio-antes-do-valongo-santa-ritaSerá realizado no Salão Nobre do IFCS/IH-UFRJ (Largo de São Francisco, nº 1, Centro do Rio), o Simpósio Antes do Valongo: Santa Rita.

O encontro, que ocorrerá dia 5 de dezembro, segunda-feira, das 14h às 19h, constará de três mesas transdisciplinares (História e Arqueologia, Arquitetura e Antropologia, Arqueometria e Patrimônio), com intervalos entre uma e outra.

Os palestrantes serão:

  • Raquel Lima: Antropologia da devoção à Santa Rita
  • Paulo Sá: Música carioca no século XVIII: modinha, lundu e a invenção do choro
  • Rodrigo Bastos: Arqueologia poética da Arquitetura

A mediação será feita pelos professores André Chevitarese, Daniel Pêcego e Maurício Marinho.

Ao fim do evento será lançado o livro Arqueologia da Persuasão: o simbolismo rococó da Matriz de Santa Rita.

 

Santa Rita na paisagem cultural carioca

pampulha

São Francisco da Pampulha

Realizou-se em setembro, na UFMG, o 4º Colóquio Ibero-Americano sobre Paisagem Cultural. Foi uma oportunidade de se falar da importância de Santa Rita na paisagem cultural carioca.

Como explica o site do evento:

Nos últimos anos tem se acentuado a discussão em torno da categoria “paisagem cultural”, apesar de ela ter sido incluída há mais de vinte anos na Convenção do Patrimônio Mundial da UNESCO e de dezenas de paisagens já terem sido nela inscritas, inclusive o Rio de Janeiro em 2012. Ao lado do desafio colocado pelo próprio conceito de “paisagem cultural”, uma das questões que mais tem preocupado os pesquisadores e órgãos do patrimônio ao redor do mundo tem sido a da sua gestão. Afinal, como tratar essa nova dimensão – tão complexa e ampla – e que envolve sempre múltiplos – e muitas vezes conflitantes – interesses e atores?

Ao mesmo tempo em que essa categoria dá margem à polêmica, ela tem sido cada vez mais utilizada ao redor do mundo por pesquisadores, profissionais e órgãos de preservação. O fato é que a ideia de “paisagem cultural” tem aberto novas possibilidades para a área do patrimônio, combinando aspectos materiais e imateriais do conceito, que tradicionalmente foram operados separadamente, e indicando haver porções territoriais cujo valor cultural se expressa pelas interrelações intrínsecas e de longa data entre grupos sociais e o meio ambiente natural. Com isso, recoloca-se o próprio campo do patrimônio cultural, abrindo-se uma perspectiva contemporânea para, ao lado das novas contribuições se pensar também de forma mais integrada diversas ideias tradicionais do campo da preservação.

Diante dos desafios colocados pelo conceito de paisagem cultural especialmente no que tange à necessária interdisciplinaridade para a construção de políticas públicas de modo participativo e com incidência no território, faz-se necessário aprofundar o debate sobre a gestão do patrimônio cultural, de modo ampliado, e, ao mesmo tempo, reconhecer as limitações do campo do patrimônio para a condução dos trabalhos, implicando articulação, (re)definição de papéis e construção de novas estratégias para a ação preservacionista, com vistas ao desenvolvimento.

É frente a este quadro que acontece em 2016 a quarta edição do já tradicional “Colóquio Ibero-americano Paisagem Cultural, patrimônio e projeto”, promovido pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e pelo Instituto de Estudos do Desenvolvimento Sustentável (IEDS), aos quais este ano vem se juntar o Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS-BRASIL).

Nesse colóquio vão se aprofundar as discussões iniciadas nas edições anteriores, fazendo-se uma avaliação das diversas dimensões da ideia da paisagem cultural, tanto aquelas de natureza conceitual, metodológica e projetual, quanto suas implicações para as políticas de preservação,intervenção e gestão do patrimônio, com vistas ao desenvolvimento.

Pela ampliação da Paisagem Cultural do Rio de Janeiro

Cemitério do Valongo (fonte: portomaravilha.com.br/)

Zona Portuária (fonte: portomaravilha.com.br/)

Desde 2010, a região portuária do Rio de Janeiro, com 5 milhões de metros quadrados, tem passado por uma profunda reestruturação urbana através de uma operação consorciada com a iniciativa privada.

Em 2011, a municipalidade ali instituiu o “Circuito Histórico e Arqueológico da Celebração da Herança Africana”, ao qual foi integrado, no ano seguinte, o redescoberto cais do Valongo, por onde aportaram no Brasil mais de um milhão de africanos cativos até o século XIX.

Em 2013 o Valongo se tornou patrimônio cultural da cidade do Rio de Janeiro e, em março passado, teve sua candidatura homologada pelo Centro do Patrimônio Mundial da Unesco para ser reconhecido como Patrimônio da Humanidade, em função de seu valor excepcional como memória da violência.

Pesquisas arqueológicas ainda têm apontado novos marcos representativos da vida dos africanos nessa área, que poderão ser acrescentados ao Circuito, como é o caso do cemitério de pretos novos contíguo à igreja de Santa Rita, aliás o primeiro exemplar arquitetônico com decoração rococó nas Américas.

A revalorização de toda essa região — rica em bens patrimoniais, históricos e arqueológicos — é um convite a incluí-la entre os bens cariocas que compõem a paisagem cultural do Rio de Janeiro, atualmente restritos em sua maioria à Zona Sul da cidade.

Sem dúvida, a movimentada evolução da região portuária do Rio de Janeiro representa significativamente o processo de interação do homem com o meio natural, as estratégias de antropização do espaço brasileiro colonial e os vestígios deixados pela diáspora africana.

A inclusão do Circuito da Herança Africana na chancela de Paisagem Cultural poderia servir de estímulo para a valorização e a preservação da tão importante paisagem recém-recuperada.

Arte sacra para quem?

Cartaz do SimpósioO evento Mundus Novus: Arqueologia no estado do Rio de Janeiro, promovido pelo Laboratório de História das Experiências Religiosas do Instituto de História da UFRJ, de 7 a 9 de junho, pretendeu debater a ocupação e a ressignificação do espaço fluminense, os grupos étnicos e as culturas diaspóricas que compuseram o quadro sócio cultural do Rio de Janeiro. Para isso, foram apresentadas pesquisas arqueológicas que se debruçam sobre os grupos que compõem o complexo quadro cultural e populacional do Estado do Rio. Os eixos temáticos foram quatro: a pré-história fluminense; a presença indígena tupi; o legado africano; e a presença do colonizador europeu.

Na primeira mesa do dia 9, dedicada à Presença, alteração da paisagem urbana e rural e as transformações do espaço a partir dos grupos europeus no Rio de Janeiro, a análise arqueológica da igreja de Santa Rita foi o tema da conferência Arte sacra para quem: a experiência religiosa da audiência. Eis os tópicos tratados:

Para além da mera iconografia ou da hermenêutica das alegorias religiosas, é possível detectar na decoração religiosa um caráter semiótico. O melhor modo de interpretar imagens consiste em abdicar de lê-las como se fossem ideogramas, pois a questão imagética versa menos sobre as mensagens, do que sobre os mensageiros.

De fato, o inventário dos aspectos funcionais do estilo rococó empregado na decoração da Matriz da Freguesia de Santa Rita, no Rio de Janeiro, evidencia a ambiguidade da simbologia decorativa, a despeito de sua eventual decodificação. As relações entre os símbolos, as variações formais, as conotações sociais, os diferentes níveis de percepção e de compreensão que exigem dos seus observadores, entre outros problemas, deixam claro que a materialidade da igreja contém enganos e ironias, é passível de ressignificação e traz no seu bojo a marca da historicidade.

Como outros arqueólogos que abordaram a ambivalência da cultura material em seus trabalhos, Christopher Tilley entende que tal ambivalência significativa é peculiar às “metáforas sólidas”. Contudo, ambivalência não quer dizer ilusão, mas amplidão. E no caso específico do simbolismo religioso, o símbolo — ao tentar saltar o abismo entre a representação artística e o conteúdo transcendente do numinoso — contém em si a consciência da própria insuficiência. Tal insuficiência, porém, não impede o numinoso de se fazer presente através de tão pobre acesso: por isso os símbolos dizem mais do que exprimem.

Essa discussão conduz a uma dupla questão: De que forma o mensageiro se vale da fragilidade do símbolo para persuadir sua audiência? E que audiência é essa, capaz de fazer da experiência estética uma experiência religiosa?

Onde foi parar o chafariz?

Fonte de Santa Rita no Campo de São Cristóvão (Arquivo da GMC-RJ, 1980)

Vera Dias é Gerente da Divisão de Monumentos e Chafarizes da Prefeitura do Rio de Janeiro e mantém o blog As histórias dos monumentos do Rio de Janeiro, cujo objetivo é divulgar suas pesquisas históricas e iconográficas, tornando públicas as informações sobre a preservação do patrimônio público carioca.

Vera explica que a cidade do Rio de Janeiro é repleta de fontes e chafarizes. Atualmente conta com cerca de 105 peças, representantes de diferentes estilos e épocas. Os primeiros, construídos ainda no Brasil Colônia (1500/1808), tinham a função de abastecer a população. Alguns existem até hoje e são relíquias do patrimônio nacional, entre os quais se destacam a Bica da Rainha no Cosme Velho e o de Mestre Valentim na Praça XV. Somente a partir do fim do século XIX surgiram os chafarizes ornamentais para embelezamento dos espaços públicos. Obras de arte de origem francesa, adquiridas por catálogo junto às Fundições do Val D’Osne, com arranjos de jorro de água compondo volume e altura passaram a fazer parte do mobiliário da capital do Império.

Dentre os chafarizes que desapareceram no Rio de Janeiro — por causa do fim de sua vida útil, reformulação do espaço urbano ou falta de manutenção e abandono —, estão o chafariz do Largo de Santa Rita (1840-1884) e também a fonte que temporariamente o sucedeu (1884-1904).

A construção do chafariz do Largo de Santa Rita data de 1839, obra do interventor Paulo Vianna. Para trazer as águas do aqueduto da Carioca até o Largo em frente à igreja, o governo encomendou à Inglaterra um encanamento de chumbo para cobrir toda a extensão do percurso. A fonte possuía a forma de um polígono octogonal regular, composto de quatro corpos sobrepostos. Sobre o patamar, levantava-se o tanque octogonal, com oito bicas nas respectivas faces, tendo duas vezes e meia a altura do tanque. Oito frades de pedra, dos quais quatro suportavam um mastro de ferro de onde pendiam lampiões de azeite, completavam a ornamentação. Em 1884, o chafariz desapareceu, sendo substituído por um esguicho escultórico em ferro fundido. Posteriormente, a nova fonte foi transferida para o Campo de São Cristóvão, sendo desmontada em 1986.

Objetos em disputa

Cemitério do Valongo

Cemitério do Valongo (foto: portomaravilha.com.br/noticiasdetalhe/4446)

O Rio de Janeiro é a primeira cidade brasileira a promover, através de uma operação consorciada com a iniciativa privada, a reestruturação urbana da sua área portuária, com cinco milhões de metros quadrados.

Por ali, território pertencente à Freguesia de Santa Rita, chegaram ao Brasil quase dois milhões de africanos escravizados, entre os séculos XVIII e XIX. Pesquisas arqueológicas feitas nos últimos anos ressaltaram a importância histórica e cultural da região para o conhecimento da diáspora africana, dentre as quais destacam-se os estudos realizados sobre os cemitérios de pretos novos (escravos não crioulizados), mortos antes de serem vendidos.

O destino de seus restos mortais — e de seus artefatos etnográficos correlatos —, embora não seja objeto de disputa por suas nações de origem, constitui para a agenda pública uma oportunidade de estreitar os laços diplomáticos internacionais e de reparar pelo passado escravagista do país, transformando o mal afamado cemitério em um lugar de memória mediante a sua musealização.

No entanto, para além da genuína celebração dos mortos, a estratégia política memorialista está marcada por ressignificações, servindo como instrumento de legitimação para grupos minoritários, denúncia de desigualdades sociais contemporâneas, apropriações religiosas ou mesmo como vetor de interesse turístico e incentivo econômico.

A negociação de identidades em torno do patrimônio cultural expõe o desacordo teórico entre direitos individuais, justiça social e representação histórica de minorias, com as consequentes contradições de índole prática. A apropriação cultural do patrimônio público reflete, portanto, um aspecto importante da dinâmica entre o passado histórico e a sociedade contemporânea, cujas políticas apontam novas tendências do modo de compreender a propriedade.

Por outro lado, o cuidado atual com os remanescentes humanos por parte de uma sociedade tida como secularizada contrasta com a negligência funerária de uma época supostamente mais religiosa, porém menos escrupulosa em aparência. A agência dos corpos mortos levanta, pois, a questão do atual fetiche pelos objetos e indaga o lugar ocupado pelo corpo nas diferentes ideologias.

Arqueometria do quadro de Santa Rita

INTERESSE HISTÓRICO

Santa Rita de Cássia (óleo do século XVII)

Santa Rita de Cássia (óleo do século XVII)

O Brasil foi pioneiro na difusão da devoção a Santa Rita de Cássia. Sua igreja no Rio de Janeiro antecipa-se duzentos anos à sua canonização e trezentos anos à sua inclusão no Calendário Romano.

A devoção carioca começou em torno ao quadro a óleo do século XVII, trazido pelo fidalgo Manuel Nascentes Pinto e colocado em sua chácara no Sítio Valverde, atual Centro do Rio. A efígie da santa italiana se conserva na sacristia da matriz, como bem integrado. Quando da edificação do templo, o mesmo fidalgo adquiriu uma talha que serviu de orago e que também se encontra hoje na sacristia.

Para um melhor conhecimento dos objetos em questão, conviria que se realizassem neles pesquisas arqueométricas a fim de precisar a data de composição e estabelecer parâmetros para sua conservação e eventuais trabalhos de restauro.

Como ambas as peças — a pintura e a talha primitiva — estão razoavelmente bem preservadas, são protegidas por lei e têm uso habitual na igreja, é preferível adotar um método não-destrutivo e preferencialmente realizado in locu, o qual identifique os elementos químicos presentes nas mesmas a fim de inferir os pigmentos empregados, assim como os materiais usados nos retoques.

Consta do próprio quadro de Santa Rita que ele sofreu reparos, conforme se lê escrito sobre a própria tela:

Antiquissimo quadro de Santa Rita,
venerado na antiga Capella
anterior á Matriz.
Restaurado em 1912.
Vig.º Conego Dr. Victor.

Contudo, são desconhecidos o artífice, a cidade de origem e a data de execução da imagem, que é provavelmente anterior a 1697. Nesse sentido, nada impede que se descubram pinturas escondidas sob a composição. Além disso, sua análise permitiria avaliar seu atual estado de conservação.

Com relação à talha, também se ignoram o artífice e a data de execução.

TÉCNICAS APLICÁVEIS

A análise dos pigmentos utilizados na pintura permitiria avaliar o método de trabalho do artista:

… que pimentos utilizou, de que modo foram misturados para criar uma coloração específica e que pigmentos foram usados no fundo da tela. Tal análise é também extremamente importante para os procedimentos de restauração na medida que pode ajudar a distinguir as seções originais de uma pintura das outras restauradas ou adicionadas. Além disso, a caracterização dos pigmentos pode ser crucial para importantes decisões referentes à remoção de camadas espúrias ou à escolha dos pigmentos mais apropriados para os retoques. Um terceiro propósito concerne à conservação: já que alguns pigmentos podem ser sensíveis à luz, umidade, poluentes ou calor, uma pintura pode requerer condições especiais de armazenamento e exibição. Além disso, a identificação dos pigmentos é necessária antes de se aplicar tratamentos químicos para reverter ou estancar os processos de deterioração. Como a cronologia dos pigmentos mais utilizados é bem documentada, conhecer sua composição permite caracterizar um pigmento mediante a concentração de constituintes e, consequentemente, estabelecer a procedência, período histórico e autenticidade de uma pintura.

(CALZA, C., PEDREIRA, A., LOPES, R. T. Analysis of paintings from the nineteenth century Brazilian painter Rodolfo Amoedo using EDXRF portable system. In: X-Ray Spectrometry 38 (2009) 327-332)

Três são as técnicas elementares não destrutivas mais indicadas para esse estudo: Fluorescência de Raios X (XRF), Espectroscopia no Infravermelho Transformada de Fourier (FTIR) e Radiografia computadorizada (CR/DR).

A Fluorescência de Raios X (XRF) informa o traço dos elementos químicos a partir dos picos do espectro de emissão de raios X de uma amostra, permitindo investigar que pigmentos foram utilizados pelo artista e a eventual existência de retoques antigos ou modernos.

A Espectroscopia no Infravermelho Transformada de Fourier (FTIR) identifica a composição química da amostra a partir das bandas dos espectros. Como sua interpretação é difícil, costuma-se fazer a análise prévia por Fluorescência de Raios X. Embora seja mais comum recolher fragmentos para estudo em laboratório, também é possível utilizar-se equipamentos portáteis de análise direta não destrutiva.

A Radiografia Computadorizada ou Digital (CR/DR) oferece uma imagem 2D das peças, evidenciando emassamento, rasgos, rachaduras e craquelês da pintura, assim como detalhes da tela: tramas, emendas, pregadura, sobreposição de pintura.

Como Santa Rita costuma ser representada de hábito negro, seu quadro oferece um problema particular: uma vez que os raios X são atenuados distintamente pelas áreas de pintura de acordo com a energia da radiação, densidade, espessura e composição das camadas pictóricas, a quantidade de áreas escuras permitiria a passagem abundante dos raios X, dificultando sua análise, a qual restringir-se-ia provavelmente ao rosto, às mãos e à palma.

Por outro lado, no caso específico da talha da Santa, a radiografia permitiria avaliar seu estado de conservação ao exibir sua estrutura interna e possíveis rachaduras.

Entretanto, sabe-se que a identificação dos pigmentos às vezes é dificultosa, pois podem ter sido misturados no intuito de se obter uma tonalidade em particular. Por isso, quando o emprego de uma única técnica analítica elementar não seja suficiente para a identificação precisa de um pigmento, pode ser necessário recorrer a uma análise adicional para confirmação.

Nesse caso, uma Espectroscopia Raman realizada in situ poderia ser útil. A interpretação dos resultados é complexa, pois se baseia na forma de espalhamento do laser aplicado sobre o objeto de estudo, mas seria facilitada pelo resultado prévio da Fluorescência de Raios X.

A talha rococó da Matriz de Santa Rita

IMG_9574A matriz de Santa Rita de Cássia, outrora chamada “igreja dos malfeitores”, e em cujo Largo homônimo havia um cemitério de pretos-novos, é o único templo barroco da cidade do Rio de Janeiro que conserva intactas, como bem integrado, talhas rococós do século XVIII. Relacionadas ao surgimento das primeiras Irmandades cariocas, as singularidades decorativas da igreja de Santa Rita — cuja tipologia, integralmente preservada, permite seu estudo sistemático — disponibilizam indícios sobre o sentimento religioso popular vivido durante o período colonial e, concomitantemente, refletem o quotidiano setecentista do Rio de Janeiro.

A análise arquitetônica, tantas vezes negligenciada como fonte documental, contribui de forma determinante e significativa para a investigação de determinado período histórico e a compreensão da sociedade que nele incidiu, com suas ideologias. Sandra Poleshuck de Faria Alvim, ao estudar a arquitetura religiosa colonial no Rio de Janeiro, apontou como a análise da talha de madeira permite explicitar as mudanças da vida econômica, social e religiosa, assim como as tendências de gosto. Tratando-se as talhas como um “artefato remanescente de cultura material”, produz-se um aporte privilegiado para a compreensão antropológica e arqueológica do edifício, o qual reúne símbolos, registra tendências e conserva os traços das sucessivas intervenções.

► Leia o trabalho apresentado no XII Congresso Internacional de Reabilitação do Patrimônio Arquitetônico e Edificado — A dimensão cotidiana do patrimônio e desafios para sua preservação (outubro de 2014).