Fontes sobre o Rio de Janeiro setecentista

Está assente que a investigação historiográfica sobre o século XVIII carioca foi prejudicada pelo incêndio criminoso que destruiu o Arquivo Municipal em 1790. Para sortear essa dificuldade, os historiadores costumam recorrer à correspondência política e administrativa de instâncias como a do Conselho Ultramarino (vide o Projeto Resgate).

Mais recentemente, porém, também os lançamentos paroquiais seriados têm fornecido aos pesquisadores valiosas informações demográficas. Tais registros englobam relatórios de visitas pastorais e assentos de batismo, matrimônio e óbito, nos quais é possível respigar dados pessoais dos fregueses como a extração social, residência, parentesco, naturalidade, disposições testamentárias, etc. A partir desses elementos é possível estabelecer análises tanto quantitativas quanto qualitativas (FRAGOSO & alii (org.). Arquivos paroquiais e história social na América Lusa, séculos XVII e XVIII: métodos e técnicas de pesquisa na reinvenção de um corpus documental. Rio de Janeiro: Mauad X, 2014).

Por outro lado, como bem resumiu Nireu Cavalcanti (in FLORENTINO, Manolo (org.). Tráfico, cativeiro e liberdade. Rio de Janeiro, séculos XVII-XIX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 17), no campo específico do comércio escravagista durante o período colonial brasileiro há escassez de trabalhos publicados, carência de instrumentos de pesquisa arquivística, ausência de dados estatísticos consolidados e falta de informações sobre as pessoas envolvidas no tráfico.

Essas lacunas só podem ser vencidas com comparações, inferências e projeções, método pelo qual foi possível estimar em 675.481 o número de africanos escravizados que entraram pelo porto do Rio de Janeiro ao longo de todo o século XVIII (ibidem, p. 66).

O Arquivo da Cúria do Rio

logo-arquidiocese-de-sao-sebastiao-do-rio-de-janeiroDentre as tantas fontes documentais de que os historiadores dispomos para o estudo do Rio de Janeiro colonial destaca-se o Arquivo da Cúria Metropolitana da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro. Atualmente, o Arquivo funciona de segunda a sexta-feira, das 13h30 às 16h30.

Por sorte, os registros de nascimento, casamento e óbito das mais antigas freguesias cariocas já foram digitalizados e podem ser consultados no site Family Search, o qual também permite o download do material.

No entanto, fique atento! Por confusão, parte dos registros referentes à Santa Rita estão na pasta do Santíssimo Sacramento da Antiga Sé.

Naturalmente, os registros de Santa Rita anteriores à sua ereção como paróquia em 1751 devem ser buscados na pasta de Nossa Senhora da Candelária, de cuja freguesia Santa Rita fora capela até então.

Museu do ontem para a herança africana na freguesia de Santa Rita

A Agência Pública de Reportagem e Jornalismo Investigativo elaborou um aplicativo (Android e iOS) com itinerários alternativos ao Circuito Histórico e Arqueológico de Celebração da Herança Africana.

Vale a pena conferir mais essa ferramenta, que vem somar-se ao aplicativo do Projeto Passados Presentes da UFF.

Museu do Ontem from Agência Pública on Vimeo.

Curso de paleografia no IHGB

Estão abertas as inscrições para o IV Curso de Paleografia no IHGB, a ser realizado entre 8 de agosto a 26 de setembro, todas as terças-feiras, das 9h15 às 16h (carga de 60 horas).

As inscrições podem ser feitas presencialmente ou pelo e-mail secretaria@ihgb.org.br.

O valor do curso é de R$ 350,00 (Bradesco, agência 2545, conta corrente 1145-2, CNPJ 33.636.697/0001-40 INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO).

 

Rio de Janeiro, cidade porosa

Bruno Carvalho é professor de cultura hispano-portuguesa na Princeton University. Carioca da gema, escreveu um delicioso livro — premiado no exterior, mas não traduzido aqui — em que descreve a história cultural da Cidade Maravilhosa à luz da Praça Onze.

A “imortal” Praça Onze do samba-enredo Bum Bum Praticumbum Prugurundum da Império Serrano é um desses “poros” explorados pelo autor para adentrar na fronteira da Cidade Nova, onde a Pequena África encontrava o Bairro Judeu.

Πόρος é um termo grego que significa vau, fiorde, travessia; estreito; rota marítima; ponte; caminho; duto, abertura; aqueduto; porto; jornada, viagem. Terá sido mera coincidência que a Guanabara tenha sido chamada, em português castiço, “Ria de Janeiro”, isto é, “abertura da porta (ianua)”?

Leitura obrigatória para repensar o Rio de Janeiro não como cidade dividida, mas como cidade porosa, a partir do rico acervo de fontes históricas, teóricas e literárias trazidas ao debate sobre a urbanização e a modernidade cariocas. Excelente modelo metodológico para as pesquisas acadêmicas sobre a Cidade Nova e Cidade Velha, o Rio de antes e o Rio de sempre.

CARVALHO, Bruno. Porous city: a cultural history of Rio de Janeiro (from 1810s onward). Princeton: Princeton University Press, 2013.