O passado e o futuro do patrimônio cultural carioca

Mesa sobre os novos marcos culturais do Rio de Janeiro, durante o workshop Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca, realizado a 4/9/2017 no Arquivo Nacional:

Alterações e embargos: entraves no resgate de uma memória portuária
     Antônio Carlos Higino da Silva, historiador (PPGHC/UFRJ)
   Cidade Nova e HESFA, sobre rupturas e permanências
     Eliara Beck Souza, arquiteta e urbanista (DIPRIT/ETU/UFRJ)
   Vestígios da memória como vetores da cidade na Freguesia de Santa Rita
     João Carlos Nara Jr., arquiteto e arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)

Cartografia carioca e transformações históricas

Mesa sobre os marcos geográficos do Rio de Janeiro, durante o workshop Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca, realizado a 4/9/2017 no Arquivo Nacional:

Fortificações militares e acidentes geográficos
     Francisco José Correa Martins, historiador (DEGEO/UFRRJ)
   Análise espaço-temporal e toponímica do Rio de Janeiro
     Paulo Márcio Leal de Menezes​, geógrafo (PPGG/UFRJ)
   Aplicação da geofísica para a reconstrução histórica do Rio de Janeiro
     Gleide Dias, geofísica (IGEO/UFRJ)

Dia de Santa Rita: uvas anuais

Hoje, 22 de maio, é a memória litúrgica da taumaturga italiana Margherita Loti, conhecida como Rita de Cássia.

Em sua cidade, Cascia, na Úmbria, é possível visitar o lugar onde está o poço do qual ela extraía água para regar um pau seco, em obediência à superiora do convento que a acolhera, após o assassinato do seu marido e a morte dos dois filhos vitimados pela peste.

Rita soube aceitar com humildade as injúrias e incompreensões, e obedecer com prontidão aos mandatos que recebia. Diante da ordem extravagante de regar um pau seco, ela não duvidou, mas o regou, fez germinar, florescer e dar fruto.

No mesmo pátio em que está o poço, vê-se a parreira ainda hoje. Tendo em vista que a idade padrão de uma vinha é 80 anos, surpreende-nos que a videira de Rita sobreviva há 600 anos, dando uvas todo ano!