Santa Rita no palimpsesto da paisagem

Santa Rita (Hagedorn)

Figura 1: Friedrich Hagedorn. Vista do Rio de Janeiro tomada do Morro da Conceição (1854). Distingue-se claramente a igreja de Santa Rita, com a Candelária atrás. À direita é possível divisar as formas curvas da já inexistente igreja de São Pedro dos Clérigos e, à esquerda, o mosteiro de São Bento.

A paisagem é “uma sequência de traços do passado que foi construído, redesenhado e reescrito ao longo das décadas, séculos e milênios” (HOLTORF; WILLIAMS, 2006, p. 237). E no borrão do Rio de Janeiro, muita coisa já foi rasurada. Convém proceder como os restauradores em busca das pinturas parietais originais, como os apreciadores da alcachofra, que pacientemente a descascam em busca do miolo saboroso. Na paisagem acumulada é preciso distinguir o rastro dos homens e os efeitos das forças naturais. Sem tal prospecção, sem este olhar retrospectivo, torna-se impossível aspirar ao futuro, elaborar uma “memória prospectiva”, isto é, criar lugares de memória. Para Pierre Nora, três são os aspectos que devem concorrer para concretizar os lugares de memória: materialidade, função e simbolismo.

Mesmo um lugar de aparência puramente material […] só é lugar de memória se a imaginação o investe de aura simbólica. Mesmo um lugar puramente funcional […] só entra na categoria se for objeto de um ritual. (NORA, 1993, p. 21)

Portanto, é preciso haver uma vontade de memória para que os lugares de memória sejam caracterizados. Se a História é reconstrução, memória é experiência voluntária do passado nos remanescentes materiais herdados:

Os lugares de memória nascem e vivem do sentimento de que não existe memória espontânea, que é preciso criar arquivos […]. Se vivêssemos verdadeiramente as lembranças que eles envolvem, eles seriam inúteis. E se em compensação, a história não se apoderasse deles para deformá-los, transformá-los, sová-los e petrificá-los eles não se tornariam lugares de memória. É este vai-e-vem que os constitui: momentos de história arrancados do movimento de história, mas que lhe são devolvidos. (NORA 1993, p. 13)

Os edifícios históricos reúnem símbolos, registram tendências, apontam indícios da cultura citadina e indiretamente refletem a evolução urbana. Em suma, são simultaneamente documento e signo. Nesse sentido, o Manual de Arqueologia Histórica em Projetos de Restauração (2000, p. 11) indica:

Quando um bem cultural é tombado pelo Poder Público, isto se dá devido ao seu valor (histórico, artístico, arqueológico, etnográfico, paisagístico, etc.), que foi reconhecido como merecedor de destaque e, portanto, de ações que o preservem, para que cumpra seu papel de transmitir à sociedade sua participação na construção do Brasil. Assim, um projeto de Restauração / Conservação de um bem cultural da Nação deve ter como objetivo, dentre outros, a recuperação e a socialização da história deste bem. […] As edificações são, assim, produto e produtoras de relações sociais, as quais pretendemos desvelar para melhor conhecermos o bem que temos o dever de preservar. A partir deste conhecimento, poderemos melhor realizar o nosso papel de contadores da história do Brasil.

Sob esta ótica, a igreja de Santa Rita — que fez parte do primeiro registro nacional de tombamento em 1938 — reveste-se de enorme interesse por conta de suas inúmeras singularidades. Estando em tormentosa articulação com um entorno tão descaracterizado (Figuras 1 e 2), surpreende sua sobrevivência apesar das transformações operadas pelo prefeito Pereira Passos no início do século XX, seguidas do desenfreado adensamento da área histórica do Rio de Janeiro.

Santa Rita desde o Conceição

Figura 2: A igreja de Santa Rita vista atualmente do Morro da Conceição. É chocante a degradação do seu entorno, comparando-se com a litografia anterior, feita aproximadamente do mesmo ângulo visual.

Afinal, o que é um monumento sem sua paisagem? Para Gustavo Giovannoni (1925, p. 172), as condições ambientais têm “tal importância, que ‘alterar a perspectiva’ de um monumento equivale quase à sua completa destruição”. Por isso, a administração pública realiza uma “eutanásia” patrimonial quando trabalha unicamente na escala arquitetônica, ignorando a escala territorial. O parâmetro não pode ser a metragem quadrada — aliás quantificação de uma extensão abstrata —; a referência precisa ser a escala visual. Com efeito, a paisagem urbana não é capricho estético, mas um direito do cidadão, frequentemente defraudado pela falta de governança territorial, pois é comum que a percepção visual da cidade histórica na paisagem sofra de descontinuidade. Se a prática espacial das instâncias governamentais pretende estabelecer representações espaciais, deve respeitar os espaços de representação da população. Tomo estes conceitos do sociólogo francês Henry Lefebvre, que definia “prática espacial” como o lugar em que espaços são gerados e usados (geralmente por quem detém o poder); “representações espaciais” como a retórica da prática espacial; e “espaços de representação” como os lugares vivos produzidos e modificados por seus habitantes (eventualmente espaços de resistência).