Dia de Santa Rita: uvas anuais

Hoje, 22 de maio, é a memória litúrgica da taumaturga italiana Margherita Loti, conhecida como Rita de Cássia.

Em sua cidade, Cascia, na Úmbria, é possível visitar o lugar onde está o poço do qual ela extraía água para regar um pau seco, em obediência à superiora do convento que a acolhera, após o assassinato do seu marido e a morte dos dois filhos vitimados pela peste.

Rita soube aceitar com humildade as injúrias e incompreensões, e obedecer com prontidão aos mandatos que recebia. Diante da ordem extravagante de regar um pau seco, ela não duvidou, mas o regou, fez germinar, florescer e dar fruto.

No mesmo pátio em que está o poço, vê-se a parreira ainda hoje. Tendo em vista que a idade padrão de uma vinha é 80 anos, surpreende-nos que a videira de Rita sobreviva há 600 anos, dando uvas todo ano!

Impressões sobre o simpósio da herança africana

Foi um sucesso o Simpósio sobre Territorialização e herança africana no Rio de Janeiro, ocorrido nos dias 15 e 16 de maio, no Instituto de História da UFRJ. Com presença massiva de público (cerca de 200 pessoas) e a participação de gestores públicos e professores especialistas no tema, discutiu-se a musealização do território em que se encontra o Circuito da Herança Africana. Tal território corresponde ao da antiga Freguesia de Santa Rita, Bairro da Saúde, hoje Porto Maravilha.

Como indicava o título do evento — Espaços da História — a discussão versou tanto da espacialidade desses lugares quanto do trabalho historiográfico a ser feito sobre suas memórias. Há de se ressaltar, antes de mais nada, que ambos os termos — Espaço e História — estão em xeque na atual conjuntura intelectual.

Em primeiro lugar, o espaço. Conceito equívoco, espaço pode significar tanto a ideia clássica de lugar quanto a quantidade extensiva cartesiana. Enquanto mero âmbito dimensional, espaço é uma ideia eminentemente iluminista. Mas todas as tentativas contemporâneas de distinguir espaço e lugar fracassaram. Por exemplo, para o arquiteto Yi-Fu Tuan, espaço é campo de liberdade e lugar é espaço tornado seguro; para Michel de Certeau, pelo contrário, espaço é “lugar praticado”. Talvez seja unânime somente o esforço por temperar o conceito de espaço com a noção de temporalidade: o tempo cria espaços novos.

Em segundo lugar, a história. Para que serve? Pode ser reescrita? As antigas narrativas ainda conservam utilidade? Será necessário reescrevê-las? Abordagens antropológicas e culturais têm trazido novos enfoques que relativizam os monumentos do passado e pretendem transformá-los em bandeiras para o futuro. Sem dúvida, a história sempre serviu de bandeira a serviço de interesses nacionais ou sociais. Mas qual é o limite entre fato e pretexto? Parafraseando Pierre Nora, para quem os lugares de memória supõem uma consequente vontade de memória, o reconhecimento desses espaços historiográficos supõe um certo ativismo historiográfico.

Após sublinhar a fluidez teórica dos temas com que trabalha o mundo acadêmico, é justo também expor a fragilidade da questão em si. A discussão sobre a Zona Portuária do Rio de Janeiro é complexa e ainda merece muito aprofundamento. Em linhas gerais, se entrecruzam estratégias políticas, teorias sobre o patrimônio, o custo e o retorno dos investimentos, a sustentabilidade das iniciativas educacionais existentes, a mobilização popular, a legitimidade dos movimentos sociais que se apropriam dos lugares e os ressignificam, etc. A modo de exemplo, foi notável como, durante o Simpósio, a discussão esbarrou em tantas divergências e derivou até mesmo para a questão do chamado racismo reverso.

A recente mudança de prefeitura no Rio de Janeiro, com a sucessiva proposta do Museu da Escravidão e da Liberdade (DECRETO RIO Nº 42929 DE 10 DE MARÇO DE 2017), expôs o desacordo existente sobre a territorialização da herança africana. Será apenas uma questão de nomes — a musealização do território já era querida pela gestão anterior, e mesmo pela de César Maia, mas falar de escravidão remete a outras agendas —, ou de fato corre-se o risco de deitar a perder valores importantes para o restabelecimento da justiça social ou, por que não dizê-lo, da justiça histórica? Com feliz coincidência, um novo decreto (RIO Nº 43128 DE 12 DE MAIO DE 2017), publicado no mesmo dia do Simpósio, convoca uma audiência pública para escolher o nome definitivo da instituição.

Ainda há outra questão importante, embora paralela. A decisão de construir um Museu da Escravidão e da Liberdade partiu de um prefeito ligado a setores considerados intolerantes para com a cultura afro-brasileira. Daí a aceitação reticente e o desconforto diante da proposta, assim como o rechaço do nome original.

Com efeito, o atual prefeito do Rio costuma ser suspeito de clericalismo e incluído no grupo dos cristãos reacionários e puritanos, inimigos do progresso social, da liberdade moral e das religiões de matriz africana. No entanto, passa-se por alto que, embora os pastores da Igreja Universal se valham do tele-evangelismo, não podem ser assimilados aos pentecostais tradicionais, entre outros motivos pela apropriação de elementos africanos, por eles demonizados e incorporados a um discurso aparentemente cristão. E, acima de tudo, apesar de se autodenominarem bispos, não passam de leigos que nunca foram ordenados e agora tentam se legitimar criando uma liturgia inspirada no judaísmo. Portanto, não existe realmente uma disputa religiosa entre instituições, mas sim uma estratégia política de autoafirmação identitária que conseguiu triunfar em meio à crise cultural e partidária que o país atravessa.

O debate prosseguirá, ainda mais quando a UNESCO se pronunciar sobre a candidatura do Cais do Valongo à Patrimônio da Humanidade. No entanto, ao cabo desse Simpósio, convém sugerir que o espaço histórico como âmbito de engajamento social consiste em um tripé: sítio, protocolo e prática. Sítio geográfico, protocolo político e prática social. Do equilíbrio entre esses polos é que nascem os autênticos lugares de memória e os verdadeiros espaços da história.

African Diaspora in Guanabara Bay

Texto da comunicação oral feita no congresso internacional Streets, Routes, Methods I: Reflections on Paths, Spaces and Temporalities. O evento, ocorrido em Florença no início de maio, foi organizado pelo  Kunsthistorisches Institut in Florenz (Max Planck Institute) e pelo eikones NCCR Iconic Criticism (Universidade da Basileia).

Thank you very much for inviting me to assist to this marvelous conference.

My name is João Carlos Nara Jr. and I work on the Conservation Projects of the heritage listed buildings of the Federal University of Rio de Janeiro, particularly on the Conservation Projects of the Brazilian National Museum. Aside from Architect, I am also Archaeologist and Historian, and my academic research is about Santa Rita Parish, in the port area of Rio de Janeiro.

***

Have you ever found a treasure? What would you do if this treasure was black slave bones? This happens with the couple Merced and Petrúcio Guimarães, who found an African burial ground at home.

Based on the Brazilian federal law on archaeological heritage, the family has converted their house into a cultural center to celebrate the Afro-American memory. Merced likes to say that the African slave trade has constituted “a black holocaust”.

This presentation is divided into four parts: First is the need of conceptualization, after these archaeological findings. Second, the urbanization of the Guanabara shore. Third, the successive control policy of the slave trade. And fourth, the current touristic appeal of the region.

Let’s begin with some questions: How could we think a territorial musealization? The monuments are a function of the past, or can reveal ancient processes? Actually, it is useful to understand the monuments as vectors or nodes more than mere vestiges.

Hidden memories of Afro culture

This premise is important because significant traces of the monarchy were deleted and forgotten with the advent of Brazilian Republic, as well some aspects of the slavery dynamics used to support the prior regime.

Rio de Janeiro was founded in fifteen-sixty-five and became the colonial capital in seventeen-sixty-three. Rio also received the Portuguese kingdom court in eighteen-o-eight. In the community area of Santa Rita parish existed a slave complex until eighteen-fifty.

Surprisingly, forty percent of the ten million African people transferred to America arrived in Brazil, two million of them in Rio de Janeiro, which has already been the most African city of the Atlantic in the first half of the nineteenth century.

Nowadays, the aspiration for social inclusion and several types of research about black culture are bringing back memories hidden in the rich Rio de Janeiro city heritage. Let’s see two interesting approaches to the problem.

Regarded as a city conceived on the sea, Rio de Janeiro is a huge pore. The Greek term πόρος means of passing a river, ford, ferry; narrow part of the sea, strait; paths of the sea; artificial passage over a river, bridge; pathway; duct, opening; aqueduct; port; journey, voyage. Was it a coincidence that Rio de Janeiro (Flumen Ianuarii) may be interpreted “open door” (from ianua, in Latin)?

Porosity is a concept used by Walter Benjamin in his Reflections on Naples, and applied to Rio de Janeiro by Bruno Carvalho, Professor from Princeton University, to explain the cultural history of the city.

Another approach method may be the rescue of the maritime paths of slave trades, overgrown by the Guanabara Bay waters, yet noticeable in his islands, ancient piers, and historical neighborhood.

Rio de Janeiro harbor region

[Showing maps about the urban evolution of Rio de Janeiro.]

Maritime paths of slave trades

The slave traffic indeed obeyed a method, involving sanitarian surveillance, customs house, quarantine, docks, eventual fattening houses, commercial booths, and even a specific burial ground to pretos novos (namely, newcomer slaves, especially who had died before the sale).

Such an intricate system deserves a complex narrative. This approach may offer a more insightful perception of the slave monuments and their relationships with landscape and temporalities.

Therefore, this approach to the slave trade tracks in Rio de Janeiro can help to elude the political orchestration of the archaeological findings in the context of urban revitalization lead by the city hall, likewise the social activist’s framework imposed upon the materiality of the African diaspora in the carioca harbor region.

Afterward Valongo… back to Santa Rita

The previous mayor, Eduardo Paes, has created the Historical and Archaeological Circuit for the African Heritage Celebration. The current one, Marcelo Crivella, deserves to construct a territorial Museum of Slavery and Freedom. The Valongo Wharf is at the heart of the both ideas.

The Valongo Wharf proposal for inscription on the World Heritage list will be soon appreciated by UNESCO. Its proposal summons up three controversial arguments: relative historical value, symbolic dimension, and sensitive heritage.

Meanwhile, challenging cursory explanations reliant on mass tourism, the Valongo African burial ground, hosted by Merced and Petrúcio Guimarães, continues to be open to the visitors.

Even though, few researchers have studied Santa Rita church, the first rococo church of America, who was the source of the tricky urbanization of the shore. Under Santa Rita plaza, the first official African cemetery is hidden. But this will be my upcoming investigation.

Thank you very much!

Rio de Janeiro, cidade porosa

Bruno Carvalho é professor de cultura hispano-portuguesa na Princeton University. Carioca da gema, escreveu um delicioso livro — premiado no exterior, mas não traduzido aqui — em que descreve a história cultural da Cidade Maravilhosa à luz da Praça Onze.

A “imortal” Praça Onze do samba-enredo Bum Bum Praticumbum Prugurundum da Império Serrano é um desses “poros” explorados pelo autor para adentrar na fronteira da Cidade Nova, onde a Pequena África encontrava o Bairro Judeu.

Πόρος é um termo grego que significa vau, fiorde, travessia; estreito; rota marítima; ponte; caminho; duto, abertura; aqueduto; porto; jornada, viagem. Terá sido mera coincidência que a Guanabara tenha sido chamada, em português castiço, “Ria de Janeiro”, isto é, “abertura da porta (ianua)”?

Leitura obrigatória para repensar o Rio de Janeiro não como cidade dividida, mas como cidade porosa, a partir do rico acervo de fontes históricas, teóricas e literárias trazidas ao debate sobre a urbanização e a modernidade cariocas. Excelente modelo metodológico para as pesquisas acadêmicas sobre a Cidade Nova e Cidade Velha, o Rio de antes e o Rio de sempre.

CARVALHO, Bruno. Porous city: a cultural history of Rio de Janeiro (from 1810s onward). Princeton: Princeton University Press, 2013.

Streets, Routes, Methods

Ocorre em Florença, Itália, nos dias 5 e 6 de maio, a conferência internacional Streets, Routes, Methods I: Reflections on Paths, Spaces and Temporalities (outro link aqui), organizado pelo Kunsthistorisches Institut in Florenz – Max Planck Institute e o eikones NCCR Iconic Criticism da Universidade da Basileia.

A relação da expansão da Freguesia de Santa Rita com as rotas do tráfico negreiro na Guanabara será apresentada no segundo dia do evento.

Paths can be serpentine, straight and anything in between; they might traverse barely accessible mountains, like the Inca Trail, or be straight, like desire lines. Paths come before roads, survive into the time of roads, or reappear in response to them. Paths tend to be overgrown, to disappear – in the desert sand – to be overbuilt or abandoned. They have their temporalities, seasons and spatialities, between proximity and distance. Paths are therefore not purely spatial affairs. Paths have a genuine temporal dimension beyond the duration of a traveler’s journey. Paths can be seen as chronotopoi, with literary, pictorial and cinematographic histories. Paths must be trodden in order to survive, exemplifying the Heraclitian formula μεταβάλλον α` ναπαύεται (‘it is in changing that things find repose’). The temporal dimension of paths ultimately allows us to overcome the sterile dichotomy between real and imagined paths (metaphors, allegories, models). They have a rich life in the world of metaphors, intrinsic to the notion of met-hodos, based on the Greek word for way, or path. This allies paths to language and, more specifically, writing, whose elements are also repetitions, tracks that are ‘inked in’ It is the remembered, the described, and thereby the reusable and transferable path. Paths within language can become ritual tools for the creation of new ones.

Beyond the above mentioned approaches to paths, the conference will explore their relationship to the environment, in line with the eco-art historical project at the Kunsthistorisches Institut in Florenz. How do paths, trails and routes shape or even create landscape? What is the interplay of geomorphology, flora and fauna, animal and human agency? Paths introduce directionalities, itineraries and nets into the environment, they are linked to technologies of transport and movement; they offer viewpoints, changing horizons or deep immersion into flora or architecture; experiencing them is a multi-sensorial endeavor. Under the hodological conditions of global urban environments and post / industrial landscapes, paths run across streets, they can be subversive, democratic or pragmatic. They can be reinstalled as nostalgic evocations of a lost or overcome past, of rural or pastoral life, or serve mass tourism as well as new ecological approaches.

Organized by Hannah Baader, Adam Jasper, Stefan Neuner, Gerald Wildgruber and Gerhard Wolf

Friday, 5 May 2017
09:30 Hannah Baader (Florence/Berlin) and Stefan Neuner (Basel)
Welcome and Introduction

10:15 Philip Ursprung (Zurich)
Volcano Walks: Following the Explorer Franz Junghuhn on the Island of Java

11:00 Bas Princen (Rotterdam)
(Central) Perspectives

11:45 Break

12:00 Catalina Ospina (Chicago)
At a Crossroads: the Emergence of Mopa Mopa Images in the Colonial Andes

12:45 Marco Musillo (Florence)
The Ecology of Silent Descriptions: Semantic and Symbolical Paths towards the King of Trees

13:30 Lunch Break

15:00 Himanshu Burte (Mumbai)
Path, Place, and Network: The Politics of Roads in Mumbai

15:45 John Xaviers (Noira, Uttar Pradesh)
Mattancherry Jew Street

16:30 Break

17:00 Maia Mania (Tbilisi)
„Le chemin des anes, le chemin des hommes …“

17:45 Lutz Robbers (Oldenburg)
Paths and Lines: Negotiations in Architectural Image Practices

18:30 Break

18:45 Presentation of Works by Bas Princen

19:15 Joseph Rykwert (London) and Francesco Pellizzi (New York)
A Conversation

Saturday, 6 May 2017
09:15 Fabian Horn (Munich)
The Conceptualization “Life is a Journey” in Early Greek Poetry and Thought

10:00 Velizar Sadovski (Vienna)
The Roads of Indo-Iranian Ritual: Multidimensional Sacred Space and Topology of Transcendence

10:45 Break

11:15 Gérard Chouin (Williamsburg, VA)
(Im)Materiality, Diachrony, and Spatiality: Preliminary Thoughts about Three Dimensions of Long-Distance
‘Trade’ Routes in Medieval to Early Modern West Africa

12:00 João Carlos Nara Jr. (Rio de Janeiro)
African Diaspora in Guanabara Bay: Slave Paths, Maritime Routes and Trade Streets in the Rio de Janeiro of 18th Century

12:45 J. Lorand Matory (Durham, NC)
At the Crossroads: Afro-Atlantic and Central European Ethics of Intersectionality

13:30 Lunch Break

15:00 Martin Thiering (Berlin/Rome)
Implicit and Tacit Knowledge in Flavio Biondo’s Historiographical and Geographical “Italia Illustrata”

15:45 Antonieta Reis Leite (Coimbra)
Paths, Spaces and Temporalities on the Azores Islands Settlement (Sixteen Century). Methods to the
Creation of a New Landscape.

16:30 Nuno Grancho (Coimbra)
Representation of Urban Spaces and Temporalities in the Colonial City of Diu

17:15 Gerhard Wolf (Florence)
Concluding Remarks & Final Discussion

Territorialização e herança africana no Rio de Janeiro

Simpósio sobre o Museu da Escravidão e da Liberdade, que pretende integrar o Circuito da Herança Africana. Excelente ocasião para discutir a história e a cultura da antiga Freguesia de Santa Rita, Bairro da Saúde, hoje Porto Maravilha.

No Instituto de História da UFRJ, Prédio do Largo de São Francisco de Paula, nº 1, dias 15 e 16 de maio.

Como escolher um tema de pesquisa

Para quem quer começar a pesquisar, vale a pena a leitura deste artigo, extraído do blogue Pós-graduando.

Sem inspiração? Descubra sete dicas infalíveis para escolher um bom tema de pesquisa para projetos de alta qualidade.

Escolher um tema de pesquisa não é uma tarefa fácil. Seja para um trabalho de conclusão de curso, para uma dissertação ou apenas para aquele experimento que vale nota na disciplina, de repente, parece que tudo o que era realmente importante em qualquer campo do conhecimento já foi estudado ou descrito.

De modo geral, o cientista inicia o processo de pesquisa pela escolha de um tema, que por si só não constitui um problema de pesquisa (Vianna, 2001).

O tema é o assunto que se deseja estudar e pesquisar. Sua escolha deve levar em conta possibilidades, aptidões e tendências de quem irá elaborar a pesquisa (em conjunto com seu orientador).

Ao formular perguntas sobre o tema, provoca-se sua problematização (Santos, 2015).

Note que existe diferença entre tema e problema de pesquisa. Do tema de pesquisa procede o problema a ser investigado.

Desta forma, um tema pode resultar em vários problemas de pesquisa (Lakatos e Marconi, 2010).

O tema de pesquisa tem, portanto, caráter mais geral e mais abrangente que o problema de pesquisa.

Infelizmente, não existe uma regra ou uma receita pronta para se definir um tema de pesquisa.

É um trabalho árduo, que irá demandar bastante tempo, e muito fosfato também.

Mas existem alguns pontos que podem lhe ajudar a cortar caminhos, otimizar o seu tempo e evitar problemas que podem ocorrer durante a escolha do tema de pesquisa.

A seguir, você encontrará sete dicas para delimitar um tema de pesquisa.

1. Escolha uma área de pesquisa que você goste e se identifique

Uma pesquisa científica exige dedicação, horas de trabalho e ainda mais horas de reflexão. E sua empolgação com a pesquisa pode variar muito ao longo desse processo.

E quando temos afinidade com um campo do conhecimento, quando realmente estamos curiosos para encontrar a resposta, a motivação é maior.

Além disso, escolher uma área que você sente prazer em estudar vai te dar ânimo extra para quando for necessário, por exemplo, fazer aquela coleta de dados às 4h de uma madrugada de sábado, ou passar aquela noite de sexta-feira trabalhando.

2. Leia muito e questione mais ainda

Um excelente ponto de partida para delimitar um tema de pesquisa é a bibliografia básica (Andrade, 2014).

Comece pelos livros clássicos, que são referência na área, para compreender os conceitos básicos.

A partir de uma base de conhecimento sólida, adote a postura de uma criança que está aprendendo algo novo e pensando em todas as possibilidades, sob ângulos diferentes.

Procure pensar em novas formas de aplicação para determinado conceito, ou como uma informação poderia ser utilizada para resolver um problema ainda sem solução.

3. Procure conhecer as fronteiras do conhecimento nessa área

Os congressos científicos específicos de cada área são uma ótima oportunidade para conhecer os rumos da pesquisa em determinado campo do conhecimento e conhecer novas abordagens.

Procure descobrir os principais periódicos científicos da área que você possui maior afinidade, e observe os temas dos artigos publicados.

Em muitos artigos, o último parágrafo do autor é uma sugestão sobre como a pesquisa naquele tema poderia ser levada adiante.

Essa revisão de literatura também irá auxiliar a não pesquisar algo que já se possui um consenso, contribuindo para a originalidade do seu trabalho.

4. Tenha em mente as linhas de pesquisa do programa e do seu orientador

Além da orientação propriamente dita, você provavelmente irá precisar de recursos para realizar sua pesquisa.

O apoio, o respaldo e as contribuições, tanto técnicas quanto científicas, provavelmente serão maiores em pesquisas alinhadas ao pensamento do seu orientador e do seu programa de pós-graduação.

Tenha certeza que isso faz muita diferença.

5. Cuidado com sua ambição: seja prático e objetivo

Temas de pesquisa muito abrangentes podem demorar décadas para se obter uma resposta satisfatória.

Certifique-se que a sua pesquisa possa ser concluída dentro do prazo para a conclusão do curso. Verifique também os recursos necessários para a realização da pesquisa e a facilidade para obtê-los.

Em tempos de cortes nos orçamentos, é preciso ter cautela na escolha do tema de pesquisa.

Por isso, limite seu tema de pesquisa de maneira que seja possível encontrar a resposta dentro do prazo e das condições de infraestrutura disponíveis (Barros e Lehfeld, 2007).

6. Reflita sobre a relevância do seu tema de pesquisa

Este é o ponto em que muitos temas de pesquisa são descartados.

Afinal, para solicitar uma financiamento, defender a pesquisa perante a banca ou para publicar os resultados da pesquisa em uma revista é preciso que a pesquisa tenha mérito científico.

Reflita sobre as aplicações e, principalmente, sobre como essa pesquisa contribuiria pra o avanço do conhecimento em determinado campo.

Lembre-se que você não precisa “inventar a roda”. A tarefa não é tanto ver aquilo que ninguém viu, mas também pensar o que ninguém pensou sobre aquilo que todo mundo vê.

7. Converse sobre o tema com outras pessoas

Demorei muito a aprender essa dica.

As melhores contribuições para as minhas pesquisas foram oferecidas por profissionais de áreas completamente diferentes da minha.

Pessoas de outras áreas, com experiências e pontos de vista diferentes, são fundamentais no momento de pensar um tema de pesquisa sob outro ângulo.

Ouça outras opiniões antes de começar o seu projeto de pesquisa.

Você se surpreenderá com as contribuições que surgirão.

Concurso do IHGRJ sobre Histórias do Rio

Art. 1. O Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro (IHGRJ) institui, pelo presente, o primeiro Concurso de Estudo e Difusão da História do Rio de Janeiro, que se destina a premiar estudantes de níveis médio e superior, incentivando a pesquisa, o estudo e a difusão da História, além de promover e defender o patrimônio natural e cultural da Cidade e do Estado do Rio de Janeiro.

Art. 2. O concurso destina-se à escolha de trabalhos que tratem de pequenas histórias do Rio de Janeiro, passadas em qualquer século e que abordem pessoas, bairros, ruas, instituições, fatos, e/ou quaisquer acontecimentos.

Art. 3. Poderão participar do concurso estudantes de nível  médio e de nível superior, devidamente matriculados em qualquer universidade na cidade e no estado do Rio de Janeiro, que não possuam vínculo de parentesco de até segundo grau com os membros da comissão julgadora.

Art. 4. Para a presente edição institui-se o Prêmio Mem de Sá em três níveis:

a) Prêmio Mem de Sá — nível médio.
b) Prêmio Mem se Sá — nível superior.
c) Prêmio Mem de Sá — nível pós graduação.

Art. 5. A premiação do Concurso ocorrerá em cerimônia a ser realizada na sala CEPHAS do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, no mês de dezembro, durante a sessão magna do IHGRJ, quando serão entregues os seguintes prêmios:

  1. Livros de autoria de todos os sócios do IHGRJ aos vencedores dos níveis superior e pós graduação.
  2. Prêmio especial ao primeiro colocado do nível superior: um notebook.
  3. Publicação dos trabalhos dos três primeiros colocados, nos três níveis, na Coluna do IHGV, no Jornal Tribuna do Interior da cidade de Vassouras.
  4. Publicação, na Revista do IHGRJ, dos primeiros colocados nos níveis superior e pós-graduação.

Art. 6. Os trabalhos concorrentes ao Prêmio Mem de Sá deverão observar os seguintes requisitos:

  1. Obediência às normas da ABNT;
  2. Digitação em papel modelo A4;
  3. Número de páginas – 10 no mínimo e 20 no máximo;
  4. Espaço entre linhas – 1,5 digitadas em fonte Arial, tamanho 12 e espaço 1,5, de um só lado, com a indicação, na capa, do pseudônimo do candidato;
  5. Citação de fontes bibliográficas, no mínimo de 10 obras (livros, revistas, jornais, etc).

Art. 7. O julgamento dos trabalhos concorrentes será feito da forma abaixo discriminada:

  1. Os critérios de avaliação serão baseados na originalidade, qualidade de linguagem; concisão no texto e qualidade do conteúdo;
  2. O Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro constituirá comissão, formada por quatro historiadores (quatro), especialmente indicada para julgar os trabalhos apresentados;
  3. As decisões da Comissão Julgadora será definitiva, não cabendo qualquer recurso ou impugnação.

Art. 8. Serão inscritos no concurso todos os estudantes que tiverem entregado ou postado seu trabalho em qualquer agência dos correios até a data limite, comprovada pelo carimbo de postagem e que tenham os seguintes documentos:

  1. Envelope fechado contendo: folha de identificação do autor, seu pseudônimo, endereço e telefone, o título de seu trabalho, comprovantes de estar matriculado no nível superior. Este envelope não deverá conter externamente, qualquer marca ou sinal de identificação e será numerado pela comissão julgadora.
  2. Envelope contendo o trabalho, propriamente dito, que não deverá conter qualquer identificação e que receberá o mesmo número do primeiro envelope, pela comissão julgadora.

Art. 9. Não haverá formulários específicos e todos os candidatos deverão entregar ou enviar via Correio seus trabalhos em 03 (três) vias, para o seguinte endereço:

Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro
Av. Augusto Severo, 8/12º andar
Glória, CEP 20021- 040

Art. 10. Não serão aceitos trabalhos enviados por fax ou e-mail.

Art. 11. O não atendimento as exigências previstas em edital resultará na anulação da inscrição do candidato.

Art. 12. O presente Concurso do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, obedecerá ao seguinte Calendário:

  1. Lançamento Oficial: 9 de março de 2017. Divulgação da Comissão Julgadora;
  2. Prazo limite para entrega ou postagem nos correios: 30 de setembro de 2017;
  3. Julgamento: 15 de outubro a 15 de novembro de 2017;
  4. Proclamação dos Resultados: 16 de novembro de 2017;
  5. Entrega dos prêmios: 14 de dezembro de 2017.

Art. 13. Os trabalhos não premiados serão devolvidos na sessão magna de 14 de dezembro de 2017.

Art. 14. Os trabalhos premiados constarão de uma lista em edital do IHGRJ à disposição na sede provisória do IHGRJ, na Avenida Augusto Severo, 8/12º andar, Glória, CEP 20021- 040.

Art. 15. Face à eventual impossibilidade de comparecimento para o recebimento dos prêmios, os ganhadores poderão enviar representantes.

Art. 16. Os casos omissos neste regulamento serão resolvidos pela Comissão Julgadora.

 

Neusa Fernandes
Presidente do IHGRJ

Como foi o lançamento na Livraria da Travessa

No início da noite de terça-feira (21/3), foi lançado o livro Arqueologia da Persuasão: O Simbolismo Rococó da Matriz de Santa Rita, na livraria da Travessa, em Botafogo, Zona Sul do Rio. O lançamento foi noticiado pelo Jornal do Brasil.

A obra, resultado de dois anos de pesquisa, oferece ao leitor uma abordagem polissêmica da arte sacra do Brasil Colonial, à luz do simbolismo empregado em sua decoração.

A decoração da igreja matriz da Freguesia de Santa Rita de Cássia, aliás, inaugura o estilo rococó na América.

Esse livro é o fruto de dois anos de pesquisas sobre a freguesia de Santa Rita, terceira paróquia urbana do Rio de Janeiro. Durante o tempo que estive em campo, procurei estabelecer um diálogo entre a arquitetura, a arte, a arqueologia e a história. À medida em que me debruçava sobre o tema, mergulhei em Santa Rita em três diferentes etapas, assim como faz um observador que cerra os olhos para enxergar melhor: sua igreja, seu tempo e seu simbolismo. (João Carlos Nara Jr.)

A família Nascentes Pinto

Brasão de Armas dos fidalgos Nascentes Pinto

O genealogista Nelson Pamplona, Sócio Titular do Colégio Brasileiro de Genealogia, publicou, em edição particular, um extenso levantamento sobre a família Nascentes.

Dom Manoel (1672-1731) e dona Antônia Maria (1677-1749) Nascentes Pinto foram os pioneiros da devoção a Santa Rita no Brasil e os fundadores da igreja dedicada à taumaturga italiana na cidade do Rio de Janeiro.

Referência: PAMPLONA, Nelson Vieira. Os Nascentes Pinto. Rio de Janeiro, s/ed., 2016.