Patrimônio

DSC01061A igreja de Santa Rita é um imóvel tombado que, em tese, confere importância ao seu entorno. Nesse sentido, a vida em uma cidade que acumula traços de contextos históricos alheios aos atuais interpela seus cidadãos:

O que pode ser destruído ou reciclado? Como selecionar as lembranças? O que deve ser assimilado ou ressignificado?

Para dar resposta a estas perguntas, pode auxiliar a classificação das formas de memória aventada por Emmanuel Carneiro Leão:

Na vida humana e no curso de sua história operam muitas memórias:
uma memória individual, engramática,
que grava engramas, conteúdos de percepções;
uma memória coletiva, cultural,
que aciona possibilidades comunitárias
e convoca experiências de participação;
uma memória histórica, monumental,
que celebra a continuidade das transformações
e as consagra para o futuro.
(LEÃO, Emmanuel Carneiro. O esquecimento da memória.
In: GONDAR, Jô & BARRENECHEA, Miguel Angel de (org.).
Memória e espaço. Trilhas do contemporâneo. Rio de Janeiro: 7Letras, 2003)

A segunda forma elencada reclama um esforço consciente, pois a herança do patrimônio cultural só se torna propriedade cognitiva quando há identificação pessoal e associação emocional com o lugar. A memória monumental — representada em edifícios históricos — é apenas um primeiro passo rumo à memória coletiva. Os verdadeiros lugares de memória supõem uma consequente vontade de memória (sensibus Nora, 2008). Uma política contrária seria mnemotécnica falida, ars memorativa decadente, mero acúmulo patrimonial cuja rasoura abole qualquer hierarquia de valores e faz tudo valer a pena… ou nada.

Lugares que guardam memórias podem e devem servir à memória coletiva. Na cidade das lembranças sociais, há carência de “parques da memória”, âmbitos em que as pessoas possam construir suas identidades, encontrar justiça, fomentar a reconciliação e forjar a própria memória individual e engramática. No entanto, a política patrimonial frequentemente congela a história em vez de promovê-la. Por isso, é missão dos preservadores virar ao avesso os lugares da ausência. Sem dúvida, preservar já é superar a amnésia política; mas este é apenas o primeiro passo para a memória. Como comentava Massimo Borghese:

A memória é luta contra a morte,
escreve-se porque se quer que algo permaneça,
um pequeno sinal que desafie o tempo
confiando-o às próximas gerações.
Sobre isto se funda toda civilização e toda cultura,
assim como toda obra de arte.
A criatividade é um desafio à morte
e um testamento confiado às gerações futuras.
A tradição ou é isto ou, quando não é isto, cai na pura arqueologia.
(BORGHESE, Massimo. El “sujeto ausente” o la despersonalización de la escuela. Humanitas — Revista de antropología y cultura cristiana,
Santiago, Pontificia Universidad de Chile, v. 49, p. 73-86, 2008)

A Matriz e o Largo de Santa Rita sempre desafiaram a criatividade. Mas… e atualmente? Constituem um “parque de memória” para a cidade do Rio de Janeiro?

► Leia mais sobre o tema categoria PATRIMÔNIO.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *