Ciência da Religião

Santa Rita de Cássia (óleo do século XVII)

Santa Rita de Cássia (óleo do século XVII)

Margherita Lotti, cognominada Rita (1377-1457), natural de Cascia na Úmbria, Itália, tornou-se um símbolo da superação da escalada da violência da vendeta, em virtude da qual veio a perder o marido iracundo, cuja mansidão conquistara à custa de oração e paciência. Após a morte dos filhos, tentou reiteradamente ingressar na Ordem agostiniana, sendo rechaçada pelas irmãs; estas depois cederam quando Rita apareceu no interior das muralhas do convento de Santa Maria Madalena, para lá transladada em voo místico. Após uma vida religiosa de austera penitência, durante a qual recebeu na testa o estigma de um espinho da Paixão de Cristo, Rita faleceu, seu corpo permanecendo incorrupto.

A beatificação de Rita ocorreu em 1627, sob o pontificado de Urbano VIII, o qual, coincidentemente, era natural da mesma diocese da Santa. Em virtude da piedade popular, desde 1545 estava estatuída em Cássia a festa a 22 de maio em homenagem a Rita, a qual inclusive já teria sido retratada com auréola em um quadro datado de 1564. Devido aos avatares e dificuldades da Ordem agostiniana, a canonização tardou até o Jubileu de 1900, quando finalmente Leão XIII propôs Rita de Cássia como modelo universal de santidade feminina.

Apesar de bastante querida no Brasil, na Itália e na Península Ibérica, apenas em 2002 a celebração litúrgica de Rita de Cássia foi introduzida no Calendarium Romanum como memória facultativa.

► Leia mais sobre o tema categoria CIÊNCIA DA RELIGIÃO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *