Fontes sobre o Rio de Janeiro setecentista

Está assente que a investigação historiográfica sobre o século XVIII carioca foi prejudicada pelo incêndio criminoso que destruiu o Arquivo Municipal em 1790. Para sortear essa dificuldade, os historiadores costumam recorrer à correspondência política e administrativa de instâncias como a do Conselho Ultramarino (vide o Projeto Resgate).

Mais recentemente, porém, também os lançamentos paroquiais seriados têm fornecido aos pesquisadores valiosas informações demográficas. Tais registros englobam relatórios de visitas pastorais e assentos de batismo, matrimônio e óbito, nos quais é possível respigar dados pessoais dos fregueses como a extração social, residência, parentesco, naturalidade, disposições testamentárias, etc. A partir desses elementos é possível estabelecer análises tanto quantitativas quanto qualitativas (FRAGOSO & alii (org.). Arquivos paroquiais e história social na América Lusa, séculos XVII e XVIII: métodos e técnicas de pesquisa na reinvenção de um corpus documental. Rio de Janeiro: Mauad X, 2014).

Por outro lado, como bem resumiu Nireu Cavalcanti (in FLORENTINO, Manolo (org.). Tráfico, cativeiro e liberdade. Rio de Janeiro, séculos XVII-XIX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 17), no campo específico do comércio escravagista durante o período colonial brasileiro há escassez de trabalhos publicados, carência de instrumentos de pesquisa arquivística, ausência de dados estatísticos consolidados e falta de informações sobre as pessoas envolvidas no tráfico.

Essas lacunas só podem ser vencidas com comparações, inferências e projeções, método pelo qual foi possível estimar em 675.481 o número de africanos escravizados que entraram pelo porto do Rio de Janeiro ao longo de todo o século XVIII (ibidem, p. 66).


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.