Saudade da paisagem carioca

François Froger. St. Sebastien (1695). Às portas do século XVIII, a área urbanizada do Rio de Janeiro já era a várzea da praia entre os Morros do Castelo (D) e São Bento (B). Ao fundo se divisa o edifício que seria o futuro palácio episcopal, no Morro da Conceição (E).

[A cidade] não consegue contradizer
o quadro da natureza
e sua silhueta se confunde com a paisagem.
Nenhum rigor, nenhum método,
sempre este abandono característico,
que se exprime na palavra desleixo.

Sérgio Buarque de Holanda, Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1976, p. 76

Saudade em latim se traduz por desiderius, de-sidério, carência de céu, nostalgia das noites da terra natal. Por isso Gonçalves Dias teria escrito que nosso firmamento possui mais estrelas que o de além-mar. Saudade do céu, que exprime a saudade da terra. Entre o céu e a terra, um Rio de saudade. Saudade de um sonho de cidade que nunca se realizou. Saudade de um céu cujo contorno não mais se vislumbra senão entre as severas linhas de uma arquitetura duvidosa. Contudo, a saudade típica dos anos da Guanabara, logo após a criação de Brasília, contém muitos esquecimentos.

Houve época em que o skyline do Rio não era o Pão de Açúcar com o Corcovado. O Rio visto do avião teima em substituir o Rio visto do mar.  A verdadeira mágica carioca consiste em ser o Gigante Adormecido visto das ilhas Cagarras, esconde-se nos recôncavos da formosa baía em que as baleias iam brincar.

O Centro do Rio visto atualmente da Baía de Guanabara. Os acidentes geográficos da figura anterior praticamente desapareceram, ao mesmo tempo que sobressai o prédio negro da Cândido Mendes, construído sobre o antigo convento do Carmo.

Por falar em varanda, é forçoso admitir que os inúmeros “balcões” da cidade foram os antecedentes das nossas janelas de avião. Desde os morros da ocupação original — Castelo, São Bento, Santo Antônio e Conceição — divisavam-se panoramas inusitados, ostentando uma beleza cativante para os adventícios do século XVIII. No cadinho étnico, cultural e natural do Rio de Janeiro juntaram-se nativos e aventureiros, europeus e africanos, exploradores e admiradores. A despeito das dificuldades locais e da diversidade de objetivos, o pluralismo e a diversidade souberam conviver sob a égide do fascínio da paisagem carioca.

Nos tempos de criança, eu adorava contemplar o Centro do Rio da varanda da barca que voltava de Niterói. Estranhava a enorme mole de vidro, o edifício da Faculdade Cândido Mendes, negro e descomunal, pousado numa paisagem que não parecia ser a dele, mas que o IPHAN achava que já não pertencia a ninguém. Este é o Rio de Janeiro original, onde tudo começou: o Castelo inexistente, o São Bento então escondido pela Perimetral, o Paço Imperial camuflado na Praça XV. Mas não só: há muito mais escondido ali.

O maravilhamento sentido nos setecentos devia ser ainda maior diante da feracidade da terra, a integridade das paisagens e a limpidez dos ambientes. Tanto que muitos viajantes oriundos de múltiplas nações registraram abundantemente suas impressões em aquarelas, gravuras e desenhos. Apesar de que alguns artistas tenham reinterpretado as paisagens cariocas numa chave europeia — o estilo das montanhas, o padrão arquitetônico, as espécies vegetais, a incidência luminosa —, seu legado é extremamente importante e aportam importantes informações para o estudo da história da cidade. A imagem, quer valha ou não por mil palavras, também conta história.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.