200 anos do Museu Nacional, marco da história, das ciências e do patrimônio brasileiros

A 6 de junho de 1818, Dom João VI decretava “que nesta Corte se estabeleça um Museu Real”, cujo objetivo seria “propagar os conhecimentos e estudos das ciências naturais no Reino do Brasil, que encerra em si milhares de objetos dignos de observação e exame”. E assim, em 6 de junho passado, o Museu Real, hoje Museu Nacional/UFRJ, comemorou seu bicentenário.

Primeira instituição científica e museológica do país, nosso querido Museu nasceu e cresceu possuidor de missões importantes para o desenvolvimento intelectual do Brasil. Além disso, com o advento da República, trocou de nome e de endereço, saindo do Campo de Sant’Ana e indo ocupar o Paço de São Cristóvão na Quinta da Boa Vista, antiga residência imperial. Desse modo, o Museu Nacional uniu ciência e patrimônio cultural, constituindo um pequeno conjunto representativo da história brasileira.

Ao longo dos seus duzentos anos, o Museu Nacional ainda passou por muitas vicissitudes: as profundas transformações dos paradigmas museológicos e científicos, a incorporação à então Universidade do Brasil (UFRJ) em 1946, a reforma universitária dos anos 1960, a escassez de recursos para a execução dos projetos de expansão, etc. Instituição singular, apesar de tudo sempre manteve seu encanto e o prestígio de seus cursos de pós-graduação, contados entre os melhores do país.

É o momento de resgatar a sua presença no imaginário carioca e de superar a invisibilidade de que sofre o Museu Nacional no Rio de Janeiro. Tais dificuldades seagravaram com a insegurança pública na cidade e o processo de decadência do Jardim Zoológico municipal, seu vizinho. Por outro lado, há 25 anos, quando uma infiltração em um dos telhados umedeceu algumas peças do acervo do Museu guardadas no terceiro andar, criou-se a falsa impressão de que o Palácio estava comprometido como um todo, ideia propalada de forma injusta e irresponsável.

Na verdade, desde então tanto a instituição quanto a Associação Amigos d’O Museu têm feito um grande esforço de preservação patrimonial, tanto das coleções quanto do edifício tombado. Foram restauradas a fachada frontal, diversas salas de exposição e 90% das coberturas do edifício. Novos projetos já foram aprovados pelo IPHAN e serão executados pela UFRJ e mediante a captação de recursos privados. Entre eles se destacam a restauração do Jardim das Princesas (que foi o “playground” da Princesa Isabel) e a restauração artística de três salas de grande valor histórico por seus usos imperiais.

De acordo com o plano de desenvolvimento estratégico do Museu Nacional, a instituição busca expandir suas atividades acadêmicas e laboratoriais para fora da Quinta da Boa Vista, reservando o Palácio de São Cristóvão apenas para as exposições. Para o desenvolvimento desses projetos, serão necessários mais pessoal técnico especializado e novos investimentos financeiros.

A comemoração dos 200 anos do Museu Nacional vai durar doze meses e se espalhará por todos os museus do país. O Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) promoveu inclusive o “Passaporte de Museus 2018” comemorativo, em parceria com o Município. Visite o primeiro museu do Brasil, confira a programação, pegue e carimbe seu passaporte, e divulgue essa história aberta ao futuro.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.