Museu Nacional (1818-2018)

O artigo abaixo, O Brasil na Fogueira, de Rafael Cardoso, foi publicado na Revista Pessoa:

A destruição do Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, é uma perda de proporções incalculáveis. O amplo destaque dado ao fato pela imprensa mundial talvez surpreenda muita gente, Brasil afora. Imagino um dentista em Maceió, uma dona-de-casa em Ribeirão Preto, um funcionário público em Brasília, uma taxista em Belém, um juiz em Curitiba vendo as imagens na televisão e pensando com seus botões: “poxa, nem sabia que esse museu era tão importante”. Pois, fiquem sabendo que era. Era de um valor que não dá nem para começar a dimensionar sem o devido preparo. Qualquer pessoa que fez uma faculdade de Museologia, uma pós-graduação em Antropologia, um doutorado em História, ou outro curso assemelhado, terá condição de explicar o tamanho da catástrofe. Está naquela rara categoria de acontecimentos que, mesmo sem provocar nenhuma morte, equivale a uma tragédia para a humanidade. Em coisa de duas horas, deixaram de existir para sempre milhões de artefatos insubstituíveis e um legado de duzentos anos de pesquisa e trabalho dedicados a dar sentido à nossa existência coletiva. O mundo perdeu, de ontem para hoje, um pedaço significativo da única coisa que justifica o canhestro reinado humano sobre a Terra: a cultura que produzimos.

A imagem das pessoas assistindo ao incêndio pela televisão traz à mente uma frase bem conhecida dos historiadores brasileiros: “O povo assistiu àquilo bestializado, atônito, surpreso, sem conhecer o que significava.” Essa frase, escrita pelo jornalista republicano Aristides Lobo, em 18 de novembro de 1889, tentava dar conta da reação popular à Proclamação da República, poucos dias antes. Entrou para o anedotário político e foi resgatada quase um século depois pelo magistral livro de José Murilo de Carvalho, Os bestializados: O Rio de Janeiro e a república que não foi (1987). Mesmo sem pedir licença ao grande historiador, vou pegar emprestado o conceito para tecer algumas considerações sobre o incêndio do Museu Nacional – o qual, além de tragédia, foi crime. Um crime que condena a sociedade brasileira quase inteira, com exceção dos poucos e bons que lutam bravamente para manter vivas a memória e a cultura contra o descaso da maioria esmagadora.

A Proclamação da República ocorreu a poucos metros do primeiro endereço do Museu Nacional, que ficava no Campo de Santana, atual Praça da República, no Rio de Janeiro, local que era à época o mais importante jardim público do país e hoje se encontra relegado aos ladrões que roubam gradis centenários para vender como ferro velho. Existe, portanto, um tênue fio histórico que liga os bestializados daquele tempo aos de hoje. Sob a República ali proclamada, começaram os percalços políticos que culminariam na calamidade de ontem. O antigo Museu Real foi fundado por D. João VI em 1818 como parte do desventurado projeto de dotar o Brasil de instituições científicas. Rebatizado Museu Nacional após a Independência, funcionou ao longo do século 19 como um dos mais destacados centros de estudos e pesquisa das Américas. Em 1892, o governo republicano transferiu o museu para o antigo Paço de São Cristóvão, na Quinta da Boa Vista. O pretexto era dotar a instituição de mais espaço, mas a ação também encerrava a vantagem estratégica de apagar um dos símbolos mais visíveis da monarquia, ao transformar a residência do imperador deposto em órgão público dedicado ao conhecimento. Mais ou menos o mesmo que a Revolução Francesa fez ao transformar o antigo palácio real francês em Museu do Louvre, exemplo que certamente não escapou aos nossos líderes republicanos. Na comoção em torno da destruição do Museu Nacional, não se deve esquecer a história precedente do edifício histórico que o abrigava.

Em 1945 a 1946, com a reorganização dos estatutos, o Museu Nacional foi incorporado à Universidade do Brasil, “gozando das mesmas prerrogativas e autonomia” das mais de vinte faculdades, escolas e institutos costurados na colcha de retalhos que foi o projeto universitário imposto pelo Estado Novo em 1937, o qual ainda subsiste no DNA da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Apesar da pomposa garantia legal de prerrogativas, a incorporação à universidade representou um segundo deslocamento do museu de sua centralidade anterior. Afastado fisicamente do Centro da cidade para a Zona Norte em 1892, a mudança estatutária segregou o Museu Nacional de seus semelhantes como Museu Histórico Nacional e Museu Nacional de Belas Artes, agregados sob o Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, criado também em 1937, e o situou como único museu dentro de uma estrutura administrativa universitária. A decisão pode ter parecido acertada à época, mas acabou por se revelar desastrosa após a mudança da capital para Brasília e a subsequente perda de posto como Universidade do Brasil. Com o decreto da ditadura de 1964 que alterou seu nome, a UFRJ passou a ser uma entre outras universidades federais, e o Museu Nacional, mais uma unidade competindo pelos mesmos minguados recursos para a educação. Assim, o museu que começou sua existência como menina dos olhos de imperadores completou sua metamorfose como estranho no ninho.

Quando tomei contato pessoal com o Museu Nacional, por volta de 1989, a situação de abandono já estava configurada. Alunos, pesquisadores e professores reclamavam abertamente dos cupins e das goteiras que ameaçavam o prédio. Funcionários e museólogos comentavam à boca pequena sobre o descaso com que a hierarquia universitária negligenciava o acervo. Para muita gente, aquele monte de cacareco velho era um atraso de vida. A prioridade da universidade era o ensino, e era quase impossível sensibilizar reitores a retirar verbas escassas de outras atividades para bancar a conservação de fósseis e múmias. Dificultava ainda mais essa tarefa o fato de que muitos dos artefatos ali preservados eram de origem indígena. Beira o desprezo o modo como a cultura dos povos originais desta terra é tratada por seus descendentes ilegítimos. As mesmas empresas que se atropelavam para patrocinar exposições de Matisse e livros sobre artistas viajantes não enxergavam no Museu Nacional nenhum potencial para fazer marketing cultural. No plano pessoal, como minhas pesquisas gravitavam mais em torno do MNBA, do IHGB e da Biblioteca Nacional, fui perdendo contato direto com o museu da Quinta. De vez em quando, tinha notícias por intermédio de colegas que trabalhavam lá ou mesmo pela imprensa, quando chovia em cima de uma múmia, entre outros absurdos. Em 1995, Antonio Callado resumiu assim a história de negligência da casa: “O Museu da Quinta da Boa Vista só sugere tristeza, a tristeza da incúria e da falta de verbas, que são os canos que trazem chuva, chuva que empapa mesmo aqueles homens que se imaginavam múmias, isto é, incorruptíveis.”

Tudo isso é para constatar que o incêndio do Museu Nacional não foi uma fatalidade, um acidente de percurso como os que podem ocorrer em qualquer lugar, a qualquer hora. Foi sina e destino. A consequência inevitável de um desleixo que não data de hoje mas que atingiu patamares insuportáveis nos últimos dois anos. Era questão de tempo, conforme têm repetido pela imprensa os incansáveis funcionários e diretores que mantinham aquela casa aberta contra todas as agruras. Mais cedo ou mais tarde, viria o desastre. O fato que veio no momento em que o museu acaba de comemorar os seus duzentos anos soa como ironia histórica ou, talvez, como castigo divino. Como coletividade, não soubemos zelar por aquele patrimônio, assim como não atribuímos o devido cuidado a nenhum de nossos preciosos acervos públicos e instituições culturais. Somos uma sociedade que não respeita o berço em que nasceu. Como certos pássaros, emporcalhamos o próprio ninho. Jogamos lixo na rua, esgoto no mar, veneno nos rios. Roubamos monumentos para fundir o bronze e vender por peso. Nomeamos para cargos públicos pessoas que surrupiam o patrimônio da nação. Às vezes, dos próprios acervos de que seriam guardiães. Este ano, tivemos a comprovação de que peças furtadas da Biblioteca Nacional entre 2003 e 2005 foram parar no acervo do Itaú Cultural. Se você acha que uma coisa não está relacionada à outra, você não conhece os meandros da cultura no Brasil.

Essa breve contextualização histórica da decadência e destruição do Museu Nacional não isenta em nada os governos atuais. Diante do corte de verbas drástico enfrentando pela instituição ao longo dos últimos anos, não há exagero em afirmar que o presidente Michel Temer e seus ministros da educação, Mendonça Filho e Rossieli Soares, são os responsáveis em última instância pelo estado de calamidade que se abateu sobre a instituição. Um museu que sobreviveu a duzentos anos de descaso, desmandos e politicagens, a chuvas e cupins, acabou sucumbindo aos roederes da coisa pública que retiram escancaradamente da saúde, educação e cultura para maquiar contas que não fecham. Para que a presente crítica não assuma um tom partidário, cabe apontar a omissão criminosa de um governo estadual que abandonou a infraestrutura urbana ao ponto em que falta água nos hidrantes para apagar um incêndio. Tampouco seria justo isentar a reitoria da UFRJ, cujo atual titular se limitou ao papel triste de acusar todas as outras instâncias sem assumir que a universidade também contribuiu para o desfecho trágico dessa história. Tenho convicção que as devidas investigações irão determinar qual parcela de responsabilidade compete a cada um desses atores, com todo rigor, para depois concluir que a culpa não foi de ninguém a não ser do fogo.

Enquanto isso, seguimos assistindo bestializados ao desfile de platitudes que emanam das bocas de presidentes, ministros, governadores, secretários, entre outras nulidades pomposas. “Uma perda incalculável”, “um dia de profunda tristeza”, “um trágico incidente”, “fizemos o possível mas não foi o suficiente”. Tudo pronunciado às pressas antes de retornarem à tarefa premente de fazer eleições. O prefeito Marcelo Crivella, que não dispõe de verba para custear nem os museus da Prefeitura e não detém nenhuma relação hierárquica com o Museu Nacional, anunciou ser “um dever nacional reconstruí-lo das cinzas”. Não, senhor prefeito, não será possível reconstruir o que se perdeu. Um museu não é uma unidade habitacional de má qualidade que se conserta com cimento e colher de pedreiro. O que se apagou ontem foi a memória de muitos povos que o senhor ignora e da cidade que lhe elegeu, para sua própria infelicidade. Queimaram-se as esperanças de toda criança que algum dia se deslumbrou ao ver ali um dinossauro de verdade, dos milhares de pesquisadores que trabalharam milhões de horas para que o Brasil pudesse se conhecer um pouquinho melhor. Para quem tem compromisso de verdade com o patrimônio e a cultura, o momento é de lágrimas e revolta, não de promessas furadas.

O aspecto mais cruel da tragédia é que a maioria da população brasileira sequer dimensiona o tamanho da perda. Amanhã, ou semana que vem no máximo, o assunto do dia será outro. O juiz em Curitiba e a dona-de-casa em Ribeirão Preto talvez sentissem mais se o incêndio houvesse destruído o Magic Kingdom em Orlando ou, na mais generosa das hipóteses, algum museu europeu. O poço de abandono ao qual o Museu Nacional viveu relegado tem o tamanho do desprezo coletivo que sentimos pela pesquisa, pelo conhecimento, pela cultura, pela erudição. Basta comprar o salário de um professor universitário ao de um deputado, ou os custos de manutenção de um juiz do Supremo Tribunal Federal com o orçamento anual do museu reduzido a pó. Todo aquele tesouro da humanidade se perdeu porque nossa sociedade nunca lhe atribuiu muito valor. Agora é tarde. Para a pequena parcela de leitores que se preocupam com a memória e o patrimônio no Brasil, uma confidência entre amigos: da próxima vez que você pensar em reclamar que o Museu Nacional da Dinamarca deveria devolver o manto tupinambá ao Brasil, pense duas vezes.

Rafael Cardoso é escritor e historiador da arte, PhD pelo Courtauld Institute of Art (Londres). Seu livro mais recente é O Remanescente, publicado em 2016 pela Companhia das Letras e traduzido para alemão (S. Fischer) e holandês (Nieuw Amsterdam). É autor de mais três livros de ficção e corroteirista do longa-metragem Maresia (dir. Marcos Guttmann, 2016). É também autor de diversos livros sobre história da arte e do design no Brasil, incluindo Design para um mundo complexo (Cosac Naify, 2012). Atua ainda como curador independente, responsável, entre outras, pelas exposições Do Valongo à Favela: Imaginário e periferia (Museu de Arte do Rio, 2014). E colaborador do Instituto de Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, mora atualmente em Berlim.


1 comentário a “Museu Nacional (1818-2018)

  1. Eu ainda não me conformo, minha mãe ia sexta-feira pois queria ver a coleção egípcia, agora nunca mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.