A talha rococó da Matriz de Santa Rita

IMG_9574A matriz de Santa Rita de Cássia, outrora chamada “igreja dos malfeitores”, e em cujo Largo homônimo havia um cemitério de pretos-novos, é o único templo barroco da cidade do Rio de Janeiro que conserva intactas, como bem integrado, talhas rococós do século XVIII. Relacionadas ao surgimento das primeiras Irmandades cariocas, as singularidades decorativas da igreja de Santa Rita — cuja tipologia, integralmente preservada, permite seu estudo sistemático — disponibilizam indícios sobre o sentimento religioso popular vivido durante o período colonial e, concomitantemente, refletem o quotidiano setecentista do Rio de Janeiro.

A análise arquitetônica, tantas vezes negligenciada como fonte documental, contribui de forma determinante e significativa para a investigação de determinado período histórico e a compreensão da sociedade que nele incidiu, com suas ideologias. Sandra Poleshuck de Faria Alvim, ao estudar a arquitetura religiosa colonial no Rio de Janeiro, apontou como a análise da talha de madeira permite explicitar as mudanças da vida econômica, social e religiosa, assim como as tendências de gosto. Tratando-se as talhas como um “artefato remanescente de cultura material”, produz-se um aporte privilegiado para a compreensão antropológica e arqueológica do edifício, o qual reúne símbolos, registra tendências e conserva os traços das sucessivas intervenções.

► Leia o trabalho apresentado no XII Congresso Internacional de Reabilitação do Patrimônio Arquitetônico e Edificado — A dimensão cotidiana do patrimônio e desafios para sua preservação (outubro de 2014).


Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *