Objetos em disputa

Cemitério do Valongo
Cemitério do Valongo (foto: portomaravilha.com.br/noticiasdetalhe/4446)

O Rio de Janeiro é a primeira cidade brasileira a promover, através de uma operação consorciada com a iniciativa privada, a reestruturação urbana da sua área portuária, com cinco milhões de metros quadrados.

Por ali, território pertencente à Freguesia de Santa Rita, chegaram ao Brasil quase dois milhões de africanos escravizados, entre os séculos XVIII e XIX. Pesquisas arqueológicas feitas nos últimos anos ressaltaram a importância histórica e cultural da região para o conhecimento da diáspora africana, dentre as quais destacam-se os estudos realizados sobre os cemitérios de pretos novos (escravos não crioulizados), mortos antes de serem vendidos.

O destino de seus restos mortais — e de seus artefatos etnográficos correlatos —, embora não seja objeto de disputa por suas nações de origem, constitui para a agenda pública uma oportunidade de estreitar os laços diplomáticos internacionais e de reparar pelo passado escravagista do país, transformando o mal afamado cemitério em um lugar de memória mediante a sua musealização.

No entanto, para além da genuína celebração dos mortos, a estratégia política memorialista está marcada por ressignificações, servindo como instrumento de legitimação para grupos minoritários, denúncia de desigualdades sociais contemporâneas, apropriações religiosas ou mesmo como vetor de interesse turístico e incentivo econômico.

A negociação de identidades em torno do patrimônio cultural expõe o desacordo teórico entre direitos individuais, justiça social e representação histórica de minorias, com as consequentes contradições de índole prática. A apropriação cultural do patrimônio público reflete, portanto, um aspecto importante da dinâmica entre o passado histórico e a sociedade contemporânea, cujas políticas apontam novas tendências do modo de compreender a propriedade.

Por outro lado, o cuidado atual com os remanescentes humanos por parte de uma sociedade tida como secularizada contrasta com a negligência funerária de uma época supostamente mais religiosa, porém menos escrupulosa em aparência. A agência dos corpos mortos levanta, pois, a questão do atual fetiche pelos objetos e indaga o lugar ocupado pelo corpo nas diferentes ideologias.


Publicado por

João Carlos Nara

Arquiteto e Urbanista (UFF), Licenciado em História (UniRio), Mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) e Doutor em História Comparada (UFRJ). Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, de cuja revista é editor. Tem interesse por hodologia (rotas, caminhos e métodos) e pela abordagem 4A (Arquitetura, Arte, Arqueologia, Antropologia), sob o enfoque OPEN (objetos, práticas, entornos e narrativas). Trabalha atualmente na Biblioteca Nacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.