Rio de Janeiro setecentista

Compre aqui. A imagem é simbólica, pois o livro só tem 100 páginas!

Uma boa história contém rostos com nome e sobrenome. Estamos fartos daquelas narrativas sobre classes, coletivos, causas e efeitos, bons e maus, oprimidos e vencedores, feita de uma massa de anônimos. Também ansiamos por uma história abrangente, que contemple não apenas os colonizadores europeus, os caciques derrotados e os potentados africanos, mas também a gente da rua, o proprietário da esquina, a pessoa de carne e osso.

Encontramos isso ao estudar a freguesia de Santa Rita. Na época em que o Rio de Janeiro colonial ainda possuía uma muralha na altura da atual Rua Uruguaiana, um fidalgo resolveu construir uma capela familiar para a sua santa de devoção, a italiana Rita de Cássia, então recém-beatificada. A igrejinha, próxima da muralha, viria a se tornar a matriz dessa bela região exterior, pontilhada de chácaras, a que hoje damos o nome de Porto Maravilha. Berço do samba, útero da Pequena África, mãe da alma carioca, ali se instalou o sistema escravagista até a abolição do tráfico em 1831.

Mas quem foi Manoel Nascentes Pinto (1672-1731), esse fidalgo que construiu a matriz de Santa Rita? Qual era a sua função na Alfândega do Rio de Janeiro, onde trabalhava? Quem eram seus parentes? Que rede de relações sociais construíram? — Por meio dessas e doutras indagações, é possível fazer uma instigante aproximação a um período pouco explorado da história do Brasil, quando os conquistadores do século XVII cediam seu espaço político para a ascensão dos comerciantes do século XVIII.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
João Carlos Nara Jr. (29 de Fevereiro de 2020). Rio de Janeiro setecentista. FREGUESIA DE SANTA RITA DO RIO DE JANEIRO. Recuperado em 15 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/tvn4


Publicado por

João Carlos Nara Jr.

Arquiteto e Urbanista (UFF), doutor em História Comparada (UFRJ), mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) e licenciado em História (UniRio). Assessor de Patrimônio Cultural do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ. Foi Coordenador-geral do Projeto Resgate de documentação histórica Barão do Rio Branco e Membro da seção brasileira da Comissão Luso-Brasileira para Salvaguarda e Divulgação do Patrimônio Documental (COLUSO) de 2020 a 2022. Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro (IHGRJ). Dedicou-se à preservação do Patrimônio Cultural em âmbito federal como Diretor Executivo da Fundação Biblioteca Nacional (2022), Coordenador de Cooperação Institucional da Fundação Biblioteca Nacional (2020-2021), chefe substituto da Equipe de Engenharia do Arquivo Nacional (2019-2020) e arquiteto do Escritório Técnico da UFRJ (2013-2018). Pesquisa o Rio de Janeiro colonial e tem interesse por hodologia (rotas, caminhos e métodos), abordagem 4A (Arquitetura, Arte, Arqueologia, Antropologia) e enfoque OPEN (objetos, práticas, entornos e narrativas). Coordena atualmente o projeto Identificação e exposição dos documentos históricos relativos ao processo de Independência do Brasil, aprovado no âmbito do Edital da FAPERJ: Programa Apoio a Projetos no Âmbito do Bicentenário da Independência do Brasil (2021-2024).

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search