Segredos da arte sacra no Rio Antigo

A que servia a arte sacra no período colonial?

Uma primeira resposta prioriza os interesses pessoais, quer vaidosos (ostentação), quer políticos (representação). Mas tanto a ostentação quanto a representatividade são análises que ficam na exterioridade, no âmbito das aparências.

Outra linha frisa a função catequética da arte, muito embora tal ferramenta tenha serventia difusa, haja vista ser incapaz de esgotar o conteúdo dogmático que se pretende transmitir.

Uma nova via a ser explorada é a da existência de uma função da arte sacra precipuamente latrêutica, litúrgica, ou de oferta votiva.

Para saber mais, assista à nossa live na quarta-feira, 8 de julho, às 18h.

ACOMPANHE ESSAS E OUTRAS LIVES EM @jcnarajr


Publicado por

João Carlos Nara

Arquiteto e Urbanista (UFF), Licenciado em História (UniRio), Mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) e Doutor em História Comparada (UFRJ). Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, de cuja revista é editor. Tem interesse por hodologia (rotas, caminhos e métodos) e pela abordagem 4A (Arquitetura, Arte, Arqueologia, Antropologia), sob o enfoque OPEN (objetos, práticas, entornos e narrativas). Trabalha atualmente na Biblioteca Nacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.