3 formas de interpretar a decoração

Monograma Auspice Maria no altar do retábulo de
Nossa Senhora da Graça (Matriz Santa Rita)

O inventário dos aspectos funcionais do estilo rococó empregado na decoração da Matriz de Santa Rita evidencia a ambiguidade da simbologia decorativa, a despeito de sua eventual decodificação.

A decoração religiosa é passível de ressignificação e traz no seu bojo a marca da historicidade. Contudo, ambivalência não quer dizer ilusão, mas amplidão, pois o símbolo — ao saltar o abismo entre a representação artística e o conteúdo transcendente do numinoso — traz consigo a marca da própria insuficiência, embora não impeça o numinoso de se fazer presente.

O melhor modo de interpretar imagens consiste em abdicar de lê-las como se fossem ideogramas, pois a questão imagética versa menos sobre as mensagens, do que sobre a eloquência dos mensageiros.

De que forma o mensageiro se vale da fragilidade do símbolo para persuadir sua a audiência? E que audiência é essa, capaz de fazer da experiência estética uma experiência religiosa?

Essa discussão vem tratada em pormenor no artigo Eloquência, ambivalência, audiência: Arqueologia da primeira decoração rococó religiosa nas Américas, publicado na Revista Imagem Brasileira, nº 9.


Publicado por

João Carlos Nara

Arquiteto e Urbanista (UFF) dedicado à preservação, promoção e difusão do Patrimônio Cultural no âmbito da União. Atual Diretor Executivo da Fundação Biblioteca Nacional. Coordenador do Centro de Memória do Projeto Resgate. Licenciado em História (UniRio), Mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) e Doutor em História Comparada (UFRJ). Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro. Pesquisa o Rio de Janeiro colonial e, mais especificamente, a freguesia de Santa Rita, responsável pelos cemitérios de pretos novos cariocas, cuja matriz é detentora da primeira decoração religiosa rococó nas Américas. Tem interesse por hodologia (rotas, caminhos e métodos), pela abordagem 4A (Arquitetura, Arte, Arqueologia, Antropologia) e pelo enfoque OPEN (objetos, práticas, entornos e narrativas).

2 comentários em “3 formas de interpretar a decoração”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search