Cronologia (corrigida) da freguesia de Santa Rita e seus cemitérios

Costuma-se propolar muita impropriedade quanto às datas de criação dos cemitérios de pretos novos, assim como dos eventos que lhe foram concomitantes.

O erro mais comum é afirmar que o cemitério do Largo de Santa Rita existiu entre 1722 (quando o rei pediu um novo cemitério) e 1769 (quando o Marquês do Lavradio, que operou a transferência do cemitério para o Valongo, iniciou o seu mandato).

As datas corretas são:
Cemitério de Santa Rita: 1741?-1774
Cemitério do Valongo: 1774-1831?

Algo semelhante ocorre com as datas da primitiva capela (fundação, construção, doação etc.).

Portanto, reúnem-se aqui, em um só lugar, os dados cronológicos esparsos.

ORIGEM DA CAPELA
1700:
a família Nascentes Pinto se muda para o Bairro da Vila Verde (atual esquina da Avenida Presidente Vargas com Rua Miguel Couto)
1710: início das novenas a Santa Rita na casa da família Nascentes Pinto
1718: compra do terreno da futura igreja no Terreiro da Prainha (futuro Largo de Santa Rita)
1719: lançamento da pedra fundamental da capela de Santa Rita (dependente da Candelária)

CRUZAMENTO DE INTERESSES
1721: doação da capela-mor com os alicerces da nave para a Mitra (suspensa por causa do pedido de padroado) | Denúncia do cabido diocesano contra o cemitério franciscano de pretos novos da Carioca
1722: pedido do rei ao governador para fazer um novo cemitério (não atendido pelo menos até 1726)
1726: Breve Apostólico de Bento XIII para o uso familiar da capela de Santa Rita pelos Nascentes Pinto
1728: conclusão da nave da capela

DESENVOLVIMENTO DO BAIRRO DA VILA VERDE
1733: criação da cadeia do Aljube (atual Rua Acre com Rua Major Demon) por Dom Guadalupe
1741: efetivação da doação da capela para a Mitra por Ignacio Nascentes Pinto (e presumível enterro de pretos novos no adro)
1751: elevação da capela de Santa Rita à condição de matriz paroquial
1753: ereção da vigairaria de Santa Rita
1759: conclusão da talha rococó

CEMITÉRIOS DE PRETOS NOVOS
1765: informação oficial de que os pretos novos estavam sendo enterrados na praça
1774: transferência do cemitério de pretos novos para o Valongo
1818: desmembramento do território de Santa Rita para a implantação da freguesia de Sant’Ana
1825: remoção do cruzeiro cemiterial do Largo de Santa Rita
1831: fim do tráfico negreiro e consequente encerramento das atividades funerárias no Valongo



Citar este post
João Carlos Nara Jr. (2020, 11 Dezembro). Cronologia (corrigida) da freguesia de Santa Rita e seus cemitérios. FREGUESIA DE SANTA RITA DO RIO DE JANEIRO. Recuperado em 15 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/tvno

Publicado por

João Carlos Nara Jr.

Arquiteto e Urbanista (UFF), doutor em História Comparada (UFRJ), mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) e licenciado em História (UniRio). Assessor de Patrimônio Cultural do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ. Foi Coordenador-geral do Projeto Resgate de documentação histórica Barão do Rio Branco e Membro da seção brasileira da Comissão Luso-Brasileira para Salvaguarda e Divulgação do Patrimônio Documental (COLUSO) de 2020 a 2022. Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro (IHGRJ). Dedicou-se à preservação do Patrimônio Cultural em âmbito federal como Diretor Executivo da Fundação Biblioteca Nacional (2022), Coordenador de Cooperação Institucional da Fundação Biblioteca Nacional (2020-2021), chefe substituto da Equipe de Engenharia do Arquivo Nacional (2019-2020) e arquiteto do Escritório Técnico da UFRJ (2013-2018). Pesquisa o Rio de Janeiro colonial e tem interesse por hodologia (rotas, caminhos e métodos), abordagem 4A (Arquitetura, Arte, Arqueologia, Antropologia) e enfoque OPEN (objetos, práticas, entornos e narrativas). Coordena atualmente o projeto Identificação e exposição dos documentos históricos relativos ao processo de Independência do Brasil, aprovado no âmbito do Edital da FAPERJ: Programa Apoio a Projetos no Âmbito do Bicentenário da Independência do Brasil (2021-2024).

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search