Cronologia (corrigida) da freguesia de Santa Rita e seus cemitérios

Costuma-se propolar muita impropriedade quanto às datas de criação dos cemitérios de pretos novos, assim como dos eventos que lhe foram concomitantes.

O erro mais comum é afirmar que o cemitério do Largo de Santa Rita existiu entre 1722 (quando o rei pediu um novo cemitério) e 1769 (quando o Marquês do Lavradio, que operou a transferência do cemitério para o Valongo, iniciou o seu mandato).

As datas corretas são:
Cemitério de Santa Rita: 1741?-1774
Cemitério do Valongo: 1774-1831?

Algo semelhante ocorre com as datas da primitiva capela (fundação, construção, doação etc.).

Portanto, reúnem-se aqui, em um só lugar, os dados cronológicos esparsos.

ORIGEM DA CAPELA
1700:
a família Nascentes Pinto se muda para o Bairro da Vila Verde (atual esquina da Avenida Presidente Vargas com Rua Miguel Couto)
1710: início das novenas a Santa Rita na casa da família Nascentes Pinto
1718: compra do terreno da futura igreja no Terreiro da Prainha (futuro Largo de Santa Rita)
1719: lançamento da pedra fundamental da capela de Santa Rita (dependente da Candelária)

CRUZAMENTO DE INTERESSES
1721: doação da capela-mor com os alicerces da nave para a Mitra (suspensa por causa do pedido de padroado) | Denúncia do cabido diocesano contra o cemitério franciscano de pretos novos da Carioca
1722: pedido do rei ao governador para fazer um novo cemitério (não atendido pelo menos até 1726)
1726: Breve Apostólico de Bento XIII para o uso familiar da capela de Santa Rita pelos Nascentes Pinto
1728: conclusão da nave da capela

DESENVOLVIMENTO DO BAIRRO DA VILA VERDE
1733: criação da cadeia do Aljube (atual Rua Acre com Rua Major Demon) por Dom Guadalupe
1741: efetivação da doação da capela para a Mitra por Ignacio Nascentes Pinto (e presumível enterro de pretos novos no adro)
1751: elevação da capela de Santa Rita à condição de matriz paroquial
1753: ereção da vigairaria de Santa Rita
1759: conclusão da talha rococó

CEMITÉRIOS DE PRETOS NOVOS
1765: informação oficial de que os pretos novos estavam sendo enterrados na praça
1774: transferência do cemitério de pretos novos para o Valongo
1818: desmembramento do território de Santa Rita para a implantação da freguesia de Sant’Ana
1825: remoção do cruzeiro cemiterial do Largo de Santa Rita
1831: fim do tráfico negreiro e consequente encerramento das atividades funerárias no Valongo


Publicado por

João Carlos Nara

Arquiteto e Urbanista (UFF) dedicado à preservação, promoção e difusão do Patrimônio Cultural no âmbito da União. Atual Diretor Executivo da Fundação Biblioteca Nacional. Coordenador do Centro de Memória do Projeto Resgate. Licenciado em História (UniRio), Mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) e Doutor em História Comparada (UFRJ). Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro. Pesquisa o Rio de Janeiro colonial e, mais especificamente, a freguesia de Santa Rita, responsável pelos cemitérios de pretos novos cariocas, cuja matriz é detentora da primeira decoração religiosa rococó nas Américas. Tem interesse por hodologia (rotas, caminhos e métodos), pela abordagem 4A (Arquitetura, Arte, Arqueologia, Antropologia) e pelo enfoque OPEN (objetos, práticas, entornos e narrativas).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search