Escravos coveiros

enterro Largo da Carioca

Guta: Largo da Carioca em 1650 (detalhe do enterro dos escravos)

Dando prosseguimento às questões levantadas na postagem anterior sobre a morte na cultura africana, é hora de comentar a prática da inumação no Brasil colonial.

A “vala comum” da Santa Casa de Misericórdia, a sepultura improvisada pelo convento de Santo Antônio no Largo da Carioca e os cemitérios clandestinos de mulatos no Campo do Rocio e no Largo de São Domingos não deviam se diferenciar muito dos cemitérios de pretos novos que, aliás, chegavam ao Novo Mundo para morrer sem a companhia de parentes.

O naturalista alemão G. W. Freireyss deixou constância de suas impressões sobre o Valongo, fazendo entrever que a breve encomendação dos corpos provavelmente não constituía suplência necessária às exigências da cultura religiosa africana:

Próximo à rua Valongo está o cemitério dos que escapam para sempre à escravidão. Em companhia do meu amigo dr. Schaeffer, que chegou aqui a bordo do navio russo Suvarow, em maio de 1814, em viagem ao redor do mundo, visitei este triste lugar. Na entrada daquele espaço, cercado por um muro de cerca de 50 braças em quadra, estava assentado um velho com vestes de padre, lendo um livro de rezas pelas almas dos infelizes que tinham sido arrancados da sua pátria por homens desalmados, e a uns 20 passos dele alguns pretos estavam ocupados em cobrir de terra seus patrícios mortos e, sem se darem ao trabalho de fazer uma cova, jogam apenas um pouco de terra sobre o cadáver, passando em seguida a sepultar outro. No meio deste espaço havia um monte de terra da qual, aqui e acolá, subiam restos de cadáveres descobertos pelas chuvas que tinham carregado a terra e ainda havia muitos cadáveres no chão que não tinham sido enterrados. Nus, estavam apenas envoltos numa esteira, amarrada por cima da cabeça e por baixo dos pés. Provavelmente procede-se ao enterramento apenas uma vez por semana e como os cadáveres facilmente se decompõem, o mau cheiro é insuportável. Finalmente chegou-se a melhor compreensão, queimando de vez em quando um monte de cadáveres semidecompostos. (FREIREYSS, 1906, p. 224-225)

Há um interessante detalhe na narrativa de G. W. Freireyss: “pretos estavam ocupados em cobrir de terra seus patrícios mortos e, sem se darem ao trabalho de fazer uma cova, jogam apenas um pouco de terra sobre o cadáver”. O pormenor levanta mais questões do que fornece respostas. O ritual sumário correspondia à quantidade excessiva de cadáveres? Ou a insuficiente periodicidade semanal dos enterros estipulava a pressa dos procedimentos? Ou ainda: seria tal descuido proveniente da apatia dos coveiros em função de seu triste ofício?

É notável a ausência de qualquer tradição africana na inumação, pois indica desconstrução identitária: a perda dos hábitos, representações e práticas socialmente construídas. O motivo pode ser auferido aplicando-se, por analogia, uma observação de Thompson acerca do direito consuetudinário: “o costume vigorava num contexto de normas e tolerâncias sociológicas. […] Era possível reconhecer os direitos costumeiros dos pobres e, ao mesmo tempo, criar obstáculos a seu exercício” (THOMPSON, 1998, p. 89). Que maiores obstáculos que a orfandade, a violência, a insalubridade?

Referências

FREIREYSS, G. W. Viagem ao interior do Brazil nos annos de 1814-1815. Revista do Instituto Historico e Geographico de São Paulo, São Paulo, v. XI, p. 158-228, 1906.

THOMPSON, Edward Palmer. Costumes em comum. Estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Cia das Letras. 1998.


1 thought on “Escravos coveiros

  1. Pingback: Medicina colonial | O “case” Santa Rita (Rio de Janeiro)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.