Rio de Janeiro, cidade porosa

Bruno Carvalho é professor de cultura hispano-portuguesa na Princeton University. Carioca da gema, escreveu um delicioso livro — premiado no exterior, mas não traduzido aqui — em que descreve a história cultural da Cidade Maravilhosa à luz da Praça Onze.

A “imortal” Praça Onze do samba-enredo Bum Bum Praticumbum Prugurundum da Império Serrano é um desses “poros” explorados pelo autor para adentrar na fronteira da Cidade Nova, onde a Pequena África encontrava o Bairro Judeu.

Πόρος é um termo grego que significa vau, fiorde, travessia; estreito; rota marítima; ponte; caminho; duto, abertura; aqueduto; porto; jornada, viagem. Terá sido mera coincidência que a Guanabara tenha sido chamada, em português castiço, “Ria de Janeiro”, isto é, “abertura da porta (ianua)”?

Leitura obrigatória para repensar o Rio de Janeiro não como cidade dividida, mas como cidade porosa, a partir do rico acervo de fontes históricas, teóricas e literárias trazidas ao debate sobre a urbanização e a modernidade cariocas. Excelente modelo metodológico para as pesquisas acadêmicas sobre a Cidade Nova e Cidade Velha, o Rio de antes e o Rio de sempre.

CARVALHO, Bruno. Porous city: a cultural history of Rio de Janeiro (from 1810s onward). Princeton: Princeton University Press, 2013.


Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *