Cristãos-novos na Freguesia de Santa Rita

Detalhe da planta do Barão do Rio Branco que mostra o ataque de Duguay-Trouin à Cidade do Rio de Janeiro em 1711

O fidalgo Manoel Nascentes Pinto (1672-1731) — proprietário dos ofícios de meirinho do mar, guarda e porteiro da alfandega do Rio de Janeiro, e fundador da igreja de Santa Rita — legou um testamento que aduz valiosas informações sobre as suas posses. Ao referir-se a uma chácara adquirida na região do Valongo, dom Manoel fornece o nome de seu anterior proprietário: Damião Rodrigues Moeda.

Natural de Idanha a Nova (Guarda, Portugal), advogado e lavrador de cana, Damião foi preso por judaísmo em 1710, aos 45 anos, sendo condenado ao cárcere e hábito penitencial ao arbítrio dos inquisidores. A venda do sítio teria ocorrido, portanto, antes das invasões francesas de Jean-François Duclerc e René Duguay-Trouin no Rio de Janeiro. Este último, aliás, enquanto esteve na Cidade, libertou cem cristãos-novos que aguardavam a deportação para Portugal.

É sabido que, por aquela época, os cristãos-novos se organizavam clandestinamente na tentativa de evitar os rigores da Inquisição; pelo que é razoável supor que a liquidação da chácara do Valongo tenha a ver com as cautelas da família. Damião Moeda também denunciou vários parentes seus, que foram igualmente sentenciados. Tais transações e expedientes constituíam uma estratégia de sobrevivência para os cristãos-novos e lhes serviram para negociar ou garantir seus direitos e privilégios.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *