Sobre João Carlos Nara

Arquiteto e Urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados do Escritório Técnico da UFRJ. Mestre em Arqueologia pelo Museu Nacional e doutorando em História Comparada pela UFRJ.

Testemunhos da Escravatura

Livro de Registo de Fianças

O Arquivo Histórico do Tribunal de Contas de Portugal (AHTC) possui documentação sobre o controle financeiro praticado pelo Erário Régio lusitano, criado a 22/12/1761.

Esse Arquivo revela aspetos relacionados aos contratos dos escravos e à utilização de mão de obra escrava, nomeadamente registros das receitas arrecadadas pela Coroa.

Alguns documentos foram disponibilizados (veja aqui) no Projeto Testemunhas da Escravatura, de 2017, quando Lisboa foi a capital ibero-americana da cultura.

Visita guiada à igreja de Santa Rita

Lavabo embrechado de Santa Rita

O Centro Loyola da PUC-Rio está organizando a seguinte visita:

Data: Sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019, das 13h às 15h.

Descrição: Nesta visita guiada iremos conhecer uma das mais belas Igrejas do Centro do Rio de Janeiro, que guarda elementos da primeira aparição do estilo rococó na América. Também descobriremos como a cidade colonial se expandiu para o Valongo e o papel dessa matriz paroquial em relação ao tráfico de escravos no Rio de Janeiro.

Palestrante: João Carlos Nara Júnior é Arquiteto e Urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados do Escritório Técnico da UFRJ. Historiador e Mestre em Arqueologia, é sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, membro do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos e do Laboratório de História das Experiências Religiosas do Instituto de História da UFRJ.

Local: Encontro às 12h45, em frente à Igreja de Santa Rita, no Largo de Santa Rita, próximo às ruas Marechal Floriano e Miguel Couto.

Investimento: R$ 30.

INSCREVA-SE AQUI.

A Alfândega do Rio de Janeiro

Thomas Ender, Hauptmauth / Alfândega, 1817.

A Alfândega do Rio de Janeiro foi criada como parte da Provedoria da Fazenda Real da capitania em 1566.

O edifício da Alfândega era vizinho ao Palácio dos Governadores, uma antiga propriedade do Provedor da Fazenda Real Pedro de Sousa Pereira, adquirida pela capitania em 1699. Esse palácio ficava onde hoje está o Centro Cultural Banco do Brasil, na rua Primeiro de Março. Entre 1743 e 1815, o edifício sediou o Erário Régio e a Junta Real da Fazenda, sendo por isso denominado “Casa dos Contos”. Em seguida abrigou, passando sucessivamente ao Banco do Brasil, Correios e Caixa de Amortização.

O trabalho fiscal aumentou significativamente com o ciclo aurífero a ponto de que fosse instituído em 1703 o novo ofício de Juiz e Ouvidor da Alfândega, distinto do de Provedor da Fazenda Real.

A descoberta das minas e a necessidade de um novo caminho para ouro transformaram o Rio de Janeiro em um entreposto estratégico para a Metrópole, mas também em um alvo para os aventureiros estrangeiros, particularmente os franceses.

Durante a invasão perpetrada por Jean Francois Du Clerc em 1710, tanto o Palácio dos Governadores quanto a antiga Alfândega sofreram sérias avarias por ocasião da explosão da Casa da Pólvora, que ficava próxima, vindo a falecer durante o incêndio o almoxarife Francisco Moreira da Costa, colega de Manoel Nascentes Pinto, o fundador da freguesia de Santa Rita.

O edifício seria depois reformado; mas, embora o serviço crescesse e o quadro funcional aumentasse, a Alfândega passou quedas na arrecadação tão graves que o prédio chegou a 1748 definitivamente arruinado.

Existe uma importante planta, anexa à solicitação de um novo edifício ao Conselho Ultramarino , feita a 14 de junho de 1748, pelo tenente-general engenheiro José Fernandes Pinto Alpoim.

A nova sede foi levantada em 1752, de cujo complexo existem algumas raras aquarelas do pintor vienense Thomas Ender (1793-1875). Corresponde à atual Casa França-Brasil, que também já serviu de sede do Tribunal do Júri.

Por esses edifícios passavam os escravos chegados ao Brasil após a quarentena, a fim de que se pagasse o fisco.

.

Trilha urbana como recurso pedagógico

Como fruto de uma atividade de extensão desenvolvida na UFRJ pelos professores Gleide Alencar do Nascimento Dias, Paulo Elísio Marinho Abrantes, Reinaldo Bernardo Tavares e João Carlos Nara Jr., foi publicado um artigo sobre o uso do geoprocessamento para a análise espaço-temporal em trilhas urbanas desenvolvidas no Rio de Janeiro, no livro eletrônico Ensino, pesquisa e realizações, organizado por Michélle Barreto Justus.

O artigo, que está no capítulo 22, inclui uma breve referência a Santa Rita e pode ser lido em http://dx.doi.org/10.22533/at.ed.06318121222.

Evento “Quilombolas”

Na sede do TRF2, à Rua Acre, 80, haverá a seguinte programação:

21/11, 15h: Exposição

23/11, das 9h às 17h: Seminário Quilombolas: aspectos políticos, jurídicos e políticas públicas inclusivas consequentes à edição do Decreto nº 4887/2003 e do julgamento da ADI nº 3239.

24/11, 10h: Ato inter-religioso e descerramento de placa alusiva ao reconhecimento de vestígios de ancestrais africanos na região da Pequena África.

Gestão e interpretação do Cais do Valongo

A Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, a Representação da Unesco no Brasil e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional promovem o Seminário Internacional Cais do Valongo – Patrimônio Mundial desafios de Gestão e Interpretação, dia 23 de novembro, no Museu de Arte do Rio. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas através do e-mail seminariointernacionalvalongo@gmail.com até o dia 20 de novembro.

A atividade pretende ampliar o diálogo com a população sobre o processo de construção da gestão compartilhada do Sítio Arqueológico Cais do Valongo e do seu museu de território – o Museu da História e da Cultura Afro-brasileira. Confira a programação:

9h – Credenciamento e Welcome Coffee

10h – Mesa de abertura e entrega do Título de Patrimônio Mundial – Cais do Valongo (pela UNESCO às autoridades federal, estadual, municipal e da sociedade civil organizada)

11h30 – Mesa 1 – Museus de Memória Sensível – Desafios e Perspectivas para o futuro. 

Mediador: Cristina Lodi (Secretaria Municipal de Cultura)

– O caso do Memorial ACTe de Guadalupe, França: Thiérry L’Etang

– O caso de Robben Island (RIM – Robben Island Museum), complexo prisional em Cape Town –  África do Sul – Patrimônio Mundial da UNESCO:  Deirdre Prins-Solani e  Vuyo Mfanekiso

13h – 14h – Intervalo para o Almoço

14h – Mesa 2 – Desafios da Interpretação de Sítios de Memória Sensível

Mediador: Marcelo Brito (diretor de Cooperação e Fomento do Iphan)

– Especialista em interpretação de sítios – Professor Associado da Universidad Pablo de Olavid – UPO, Sevilha, Espanha: Marcelo Martín

15h30 –  Mesa 3 – Projetos no território da Pequena África

Mediador: Mônica Lima (LABHOI e LeÁfrica)

– O caso do Museu da Escravidão e da Liberdade como interpretação do Cais do Valongo e seu território: Nilcemar Nogueira e Vinícius Natal (Secretaria Municipal de Cultura)

–  O território da Pequena África, seus circuitos, interpretações e pesquisas: Instituto Pretos Novos (Merced Guimarães), Quilombo da Pedra do Sal, Centro Cultural Pequena África (Rubem Confete), Remanescentes de Tia Ciata (Gracy Moreira) e Afoxé Filhos de Gandhi

– A interpretação do território através de seus personagens: Martha Abreu  (UFF-LABHOI)

16h30 – Mesa 4 – Projetos e Resultados da Gestão do Valongo

Mediador: Nilcemar Nogueira (Secretária Municipal de Cultura do Rio de Janeiro)

– O projeto do Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana e o acervo arqueológico da região do Valongo: Claudia Escarlate (IRPH)

– O plano inicial de Gestão do Sítio Arqueológico Cais do Valongo, suas diretrizes e resultados: Representante do Comitê Gestor do Valongo – indicado pelo Comitê

–  Apresentação do projeto de consolidação e conservação do Cais do Valongo: Ricardo Piquet, Diretor-Presidente do IDG – Instituto de Desenvolvimento e Gestão

18h – Encerramento: Posse do Conselho Consultivo do Museu da História de da Cultura Afro-brasileira.

Fonte: http://www.rio.rj.gov.br/web/smc/exibeconteudo?id=8718292

I Colóquio de História do Rio de Janeiro Colonial

Nas últimas décadas, a historiografia brasileira sobre o período colonial cresceu, se diversificou e amadureceu.

Em razão de sua importância, o Rio de Janeiro foi um espaço privilegiado pelos pesquisadores, tendo sido objeto de diversos trabalhos que abriram novas perspectivas para o estudo de toda a América Portuguesa.

I Colóquio de História do Rio de Janeiro Colonial, organizado pelo Manto –Núcleo de Estudos Coloniais na Época Moderna – reunirá alguns dos principais especialistas brasileiros em atuação para fazer um balanço do estágio atual da historiografia sobre a capitania fluminense e debater as perspectivas futuras de pesquisa.

De 21 a 23 de novembro, na UNIRIO. Organizadores: Maria Isabel de Siqueira e Thiago Krause. Programação aqui. Inscrições aqui.

Arqueologia e africanidade fluminense

Durante a exposição de cartografia da africanidade fluminense na Casa França-Brasil, ocorrerá, na quarta-feira dia 14 de novembro, das 14 às 19h, um workshop sobre arqueologia em que serão explicadas as pesquisas efetuadas na freguesia de Santa Rita: cais do Valongo, cemitérios da Gamboa e de Santa Rita, etc.

Não perca!

O evento reunirá alguns dos mais conhecidos pesquisadores sobre o tema da Africanidade e pretende apresentar e debater aspectos relacionados as culturas Africanas, bem como se deu o translado dos Africanos para o Brasil e as diversas formas de como eram tratados e escravizados, usados como instrumento de trabalho e de enriquecimento de outras pessoas.

As escavações arqueológicas conduzidas no Rio de Janeiro serão apresentadas ao publico de forma gratuita dentro da programação geral da exposição.

A ordem de fala no Workshop será:

  • MARCELO MONTEIRO: Professor, Pesquisador, Estudioso e Consultor das Tradições Culturais de Matriz Africana Yorubá; Olóyè Asògun Odearaoffa; Presidente Nacional e Fundador do CETRAB – Centro de Tradições Afro-Brasileiras; Diretor e Fundador do IPN – Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos.
  • CLAUDIO PRADO DE MELLO: Arqueólogo pela Universidade Estácio de Sá/UNESA (1986). Professo Mestre em História Antiga e Medieval pela Universidade Federal Fluminense/UFF (1994). Especialista em Arqueologia Funerária do Egito Antigo e Ex-Membro da Mission Archeologique Du Bubasteion – Saqqarah (1996-2002). Fundador (1990) e atual Presidente do Instituto de Pesquisa Histórica e Arqueológica do Rio de Janeiro/IPHARJ. Membro Fundador (1990) e Ex-Professor Convidado do Laboratório de História Antiga do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ (1990-2002). Artista Plástico e Membro da European Association of Archaeology e do British Council of Archaeology. Atual Diretor do Museu da Humanidade.Atual Conselheiro da Cadeira Territorialidade do Conselho Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, e Membro do Conselho Estadual de Tombamento.
  • RODRIGO PEREIRA: Doutorando em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) desde 2015. Mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ). Mestre em Ciências Sociais (UERJ). Bacharel e Licenciado Pleno em CiênciaS Sociais (UFES). Pesquisador de religiões e religiosidades, em especial as afro-brasileiras. Em Antropologia pesquisa o candomblé debatendo micro política em terreiros, eventos de sucessão de lideranças e temas relacionados à liminaridade. Quanto a arqueologia pesquisa, pela etnoarqueologia, elementos da cultura material e espaços edificados em terreiros de candomblé, bem como a formação e expansão dessa religião no estado do Rio de Janeiro. Para tanto, realizou escavações no extinto Terreiro da Gomeia (Duque de Caxias/RJ). Possui ainda experiência na pesquisa de elementos ligados a etnicidade, rituais de passagem, história da imigração pomerana e alemã para o estado do Espírito Santo e historiografia do luteranismo no Brasil e Espírito Santo. Pesquisador do Laboratório de História das Experiências Religiosas (Instituto de História/UFRJ
  • JOÃO CARLOS NARA JÚNIOR: Arquiteto e Urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados do Escritório Técnico da UFRJ. Mestre em Arqueologia pelo Museu Nacional e doutorando em História Comparada pela UFRJ. Sócio do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro. Membro do Instituto Pretos Novos e do Laboratório de História das Experiências Religiosas do Instituto de História da UFRJ. Investiga a Freguesia de Santa Rita, cuja Matriz constitui a primeira aparição do rococó religioso na América e diante da qual se encontra o sítio arqueológico do primeiro cemitério de pretos novos do Rio de Janeiro.
  • REINALDO BERNARDO TAVARES: Licenciado em História pela Universidade Salgado de Oliveira (2008) e mestre e doutor em Arqueologia pelo Museu Nacional (2012 e 2018). Atualmente é técnico industrial em edificações da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, diretor do departamento de arqueologia do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos (IPN), coordenador e professor da PROL ESTUDOS – Associação de Democratização do Conhecimento. Tem experiência na área de História, atuando principalmente nos temas: arqueologia da diáspora africana, patrimônio, arqueologia, cemitério dos pretos novos e arqueologia da paisagem.
  • MARCUS ANTONIO MONTEIRO NOGUEIRA: Colecionador particular de quase 40.000 itens históricos e arqueológicos. Formado em Direito e História é um grande conhecedor do Patrimônio Brasileiro e ocupa pela segunda vez a Direção Geral do INEPAC. Ele é o Curador da Exposição CARTOGRAFIA DA AFRICANIDADE FLUMINENSE.

O evento é gratuito e as inscrições são reservadas ao numero de assentos na sala de conferencias e as inscrições podem ser feitas pelo e-mail: pradodemello@hotmail.com.