Santa Rita como lugar de memória

Salvem a data!

No dia 20/9, quinta-feira, das 17h às 21h30, vamos debater sobre obras de reurbanização na freguesia de Santa Rita e o respeito devido aos ancestrais africanos enterrados no chão revirado pela obras do VLT. O presidente da CDURP confirmou sua presença.

No auditório do Arquivo Nacional, Praça da República, 173 – Centro – Rio de Janeiro.

Organização: IPEAFRO

Programação completa:

Mestre de cerimônia – Milsoul Santos
17h – Exibição de filmes e reportagens sobre a diáspora africana e o Cais do Valongo 

18h – “Padê de Exu Libertador” na voz de Abdias Nascimento | Performance com Thaís Ayomide e Fernando Luiz

18h10 – Apresentação do tema 
• Monica Lima, historiadora e coordenadora do Laboratório de Estudos Africanos (LEÁFRICA/UFRJ); e integrante do comitê científico que preparou o dossiê da candidatura do Cais do Valongo a Patrimônio da Humanidade
• Elisa Larkin Nascimento, diretora do Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros (IPEAFRO)

18h30 – Mesa de debates 
• Milton Guran, vice-presidente do Comitê Científico Internacional do Projeto Rota do Escravo da UNESCO
• João Carlos Nara, Jr., sócio do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, arquiteto e urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados da UFRJ, especialista na história de Santa Rita
• Luiz Eduardo Alves de Oliveira (Negrogun), presidente do Conselho de Direitos do Negro do Estado do Rio de Janeiro e membro da Comissão Pequena África
• Mediação: Flávia Oliveira, jornalista e membro do Conselho de Matriz Africana do Museu do Amanhã

19h50 – Palavra da prefeitura
• Antonio Carlos Mendes Barbosa, presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região Portuária (CDURP) 

20h20 – Discussão com o público presente

21h20 – Encerramento com poesia: Milsoul Santos

Loja de escravos

A casa de venda de escravos é o sobrado do meio (detalhe do Mapa Arquitetural do Rio de Janeiro, 1874)

Em meio às escavações desenvolvidas pela Artefato Arqueologia durante as obras do VLT foram evidenciadas as fundações de uma loja em que se revenderam escravos por volta de 1860.

O imóvel ficava na antiga Rua dos Ourives, atual Miguel Couto, no trecho que foi demolido por Pereira Passos no início do século XX, para a abertura da Avenida Marechal Floriano.

Com base na cartografia de época, é possível conhecer a fachada do imóvel e recuperar a paisagem e a ambiência do Largo de Santa Rita na época em questão. A grande referência é o Mapa Arquitetural do Rio de Janeiro, de Rocha Fragoso (1874).

O que será do cemitério de Santa Rita?

Escavações para construção dos trilhos do VLT encontram achados arqueológicos que pode ser do Cemitério de Pretos Novos do Largo de Santa Rita, no centro do Rio de Janeiro.

Em 1º de julho passado, a Agência Brasil publicou a reportagem Escavações podem revelar cemitério de escravos africanos no Rio, que é reproduzida abaixo.

Ressalto alguns pontos que me parecem problemáticos ou imprecisos:

  • O cemitério de Santa Rita perdurou de 1722 a 1769. Esse é um lugar comum que toma por base tanto a Provisão régia de 27 de maio de 1722 na qual Dom João V pedia ao governador Ayres de Saldanha que construísse um cemitério, quanto o ano de início do governo do Marquês de Lavradio, 1769.
  • O cemitério de Santa Rita deve permanecer intocado. Parece contraditório que o cemitério do Valongo tenha sido escavado e se valha de vitrines, mas o de Santa Rita não. Além disso, passam por cima dele transeuntes e o próprio VLT.
  • Rubem Confete fala que havia uma irmandade negra em Santa Rita e que os irmãos eram sepultados na rua. Ora, nenhuma das irmandades de Santa Rita (Santíssimo Sacramento, São Miguel e Almas, Espírito Santo) era de negros. Quanto aos irmãos, eles eram sepultados na igreja, não na rua.

Quem atravessa o Largo de Santa Rita, no centro da cidade do Rio de Janeiro, depara-se com uma das heranças da escravidão de africanos no Brasil. Ali, a sociedade civil e os historiadores apontam o que pode ser um dos primeiros cemitérios para africanos recém-chegados ao país, os chamados pretos novos.

Os registros indicam que os africanos mortos nos tumbeiros ou ao chegarem eram enterrados em frente à Igreja de Santa Rita, atual Largo de Santa Rita, entre 1722 e 1769. O local ficava perto do mercado de escravos da Praça XV e distante do Largo da Carioca, onde ficava a nobreza. Os corpos teriam sido descartados em covas rasas, muitos, cobertos de doenças, como as bexigas de varíola, provocadas pelas péssimas condições do translado. Funcionou como cemitério até a transferência para o Cais do Valongo, na zona portuária do Rio.

Essa é uma das versões que pode vir à tona com as escavações arqueológicas no local, que antecedem a instalação do último trecho do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), ligando a Central do Brasil à Avenida Marechal Floriano. As obras estão previstas para começar no próximo mês e aguardam a autorização do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O local foi interditado há uma semana e a igreja está sendo escorada para não sofrer danos.

Ainda não está claro, no entanto, como as peças arqueológicas e o próprio sítio serão tratados, questões que preocupam organizações do movimento negro. “Entendemos que todo o local é um espaço de referência para nossa ancestralidade. Passando por cima, ou passando por baixo [o VLT], escavando ou não escavando, é uma área sensível para nós e queremos, de cara, a preservação”, disse o presidente do Conselho Estadual dos Direitos do Negro (Cedine), Luiz Eduardo Oliveira Negrogun. Na última quinta-feira (28), ele visitou o canteiro de obras a convite do Iphan, acompanhado de engenheiros do VLT e de uma equipe de arqueologia.

Apagamento da memória

Os ativistas reclamam que a prefeitura, ao estabelecer o trajeto do VLT, e o Iphan, ao autorizar as obras, não levou em consideração o fato de o local nem sequer ser sinalizado como marco de um crime contra a humanidade. “Ao pular esta etapa, a sociedade pode repetir o erro de apagar a memória da escravidão”, alertou Negrogun.

Essa é a mesma preocupação do jornalista Rubem Confete, profundo conhecedor dos marcos afro-brasileiros no Rio. “O objetivo deles é fazer os trilhos para o VLT, não estão interessados pela história. No Cais do Valongo, tiraram quatro ou cinco contêineres de utensílios, peças religiosas, e está tudo escondido, não temos acesso. Esse é um problema. O segundo é: se a arqueologia for realmente trabalhar, vai atrasar a obra. É isso o que querem?”, questiona. A previsão é que o novo trecho do VLT seja entregue até o fim de 2018.

Confete, no entanto, acredita que as escavações no Largo de Santa Rita encontrem um cemitério comum, onde eram enterrados membros da irmandade negra da Igreja de Santa Rita. “Era uma irmandade onde o negro predominava. Era um local de reunião. Além de frequentarem as missas, os africanos e seus descendentes reconstruíram ali laços de amizade”, explicou. Por ser mais afastada do centro, Santa Rita teria sido uma das primeiras igrejas onde essa convivência era possível, reunindo africanos libertos, lideranças religiosas e escravizados.

Tesouros

Segundo projeto apresentado pela consultoria Artefato ao Iphan e disponível na internet, as escavações arqueológicas, que fazem parte das contrapartidas do VLT, pretendem identificar e delimitar o cemitério de pretos novos, conservando o máximo possível de peças no local. Conforme o documento, que corrobora a tese de que o cemitério era de pretos novos, todo o material retirado será enviado para a Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj).

A coordenadora científica das escavações, a professora pós-doutora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Maria Dulce Gaspar, não foi autorizada pelo consórcio a dar entrevistas. No entanto, na visita ao canteiro de obras, quinta-feira (28), explicou à comissão de ativistas que tudo que há sobre o cemitério de pretos novos são hipóteses.

“Há muita coisa remexida. Não penso em nada mágico, que vamos abrir e encontrar tudo organizado”, declarou. “Mas se nós fizermos uma demarcação [do cemitério] e eu, como arqueóloga, não posso ir além disso, o que tenho para dar, desculpem-me a presunção, é precioso: saber onde começa e onde termina e em quais condições está”, declarou Maria Dulce.

As primeiras sondagens arqueológicas resgataram faiança (louça de barro coberta por esmalte) fina, portuguesa, porcelana, fragmentos de cachimbo de cerâmica e de caulim, além de uma série de fragmentos de ossos humanos como crânio, dentes e tíbia.

O arquiteto e urbanista João Nara Júnior concorda que definir os limites do cemitério, após uma série de intervenções urbanas na região será um grande passo. Ele fez mestrado sobre a Igreja de Santa Rita e pesquisa o cemitério do largo para a tese de doutorado na UFRJ. “Essa questão da exclusividade dos enterros [só de pretos novos], temos que relativizar. Teoricamente, eles poderiam ser enterrados em qualquer lugar. Mas, de fato, havia pretos novos ali”, disse.

Segundo Nara Júnior, há referências nos autos da Câmara de Vereadores do Rio sobre o sepultamento de pretos novos no local. Ele cita como uma das evidências mais emblemáticas a anotação de uma pessoa queixando-se da indignidade de enterrar pessoas em plena rua. “Tinha até um cruzeiro no local para que as pessoas orassem por essas almas”, ressaltou.

Preservação

Procurado para esclarecer o que será feito no sítio, o Iphan respondeu que não se pronunciará antes do resultado conclusivo da arqueologia. O órgão levantou dúvidas sobre a existência de cemitério de pretos novos ou de escravizados, apesar das referências apontadas pelos especialistas.

A prefeitura do Rio informou que não pode antecipar nenhuma medida de preservação ou de sinalização. Por meio da assessoria, a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto explicou que qualquer ação depende das descobertas e das recomendações a serem feitas pelo Iphan, mas ressaltou que todas as sugestões serão seguidas.

Todas as escavações são feitas no Porto Maravilha, região formada por uma série de sítios históricos e locais de referências que compõem o Circuito Histórico e Arqueológico da Celebração da Herança Africana. Além do Cais do Valongo, registrado como Patrimônio da Humanidade em 2017, a região abriga o Instituto dos Pretos Novos, que preserva descobertas do cemitério de pretos novos do Valongo. O local foi descoberto na década de 1990, após moradores tentarem reformar a própria casa e se depararem com ossos humanos.

 

Escavações em Santa Rita na imprensa

Escavações no sítio da igreja de São Joaquim

As obras da linha 3 do VLT perpassam três sítios arqueológicos: a rua de São Joaquim, a igreja de São Joaquim e o Largo de Santa Rita.

As descobertas ao longo da Avenida Marechal Floriano têm atraído muito a curiosidade das pessoas e da mídia. Eis algumas reportagens:

Minicurso sobre o cemitério de pretos novos de Santa Rita

O Instituto Pretos Novos irá realizar, na sede da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (CDURP), um minicurso sobre o cemitério de pretos novos de Santa Rita, ministrado por mim.

Os temas das aulas serão:

17/7 – Antecedentes, dúvidas e certezas sobre o Largo de Santa Rita.
24/7 – A relação do Largo de Santa Rita com o porto do Rio de Janeiro e o tráfico negreiro.
31/7 – O papel do Largo de Santa Rita na expansão urbana do Rio de Janeiro no século XVIII.

Investimento: R$ 25 por aula, para apoio ao Instituto Pretos Novos.

O salvamento do cemitério de pretos novos de Santa Rita em O Globo

Área da Igreja de Santa Rita, no Centro – Marcos de Paula / Agência O Globo

RIO – As obras do último trecho do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) no Centro vão ajudar a desenterrar mais um pedaço da história do Rio de Janeiro. Previsto para sair da Central do Brasil e atravessar a Avenida Marechal Floriano em direção à Avenida Rio Branco, a nova linha passará por cima de um sítio arqueológico do século XVIII, que pode ser o Cemitério de Pretos Novos do Largo de Santa Rita, construído em frente à igreja de Santa Rita. A descoberta fez as obra do VLT ficarem parada cinco meses, aguardando liberação dos órgão de proteção ao patrimônio. Segundo historiadores, um cemitério funcionou ali entre 1722 e 1769, quando o mercado de escravos foi transferido da área urbanizada da cidade para a região do Valongo. Aquele teria sido o primeiro local da cidade de sepultamento de pretos novos (africanos mortos na chegada ou durante a viagem de navio até o Rio), antes mesmo do cemitério da Rua Pedro Ernesto, na Gamboa, descoberto na década de 1996, que funcionou entre 1779 e 1830. LEIA A MATÉRIA NA ÍNTEGRA (exclusiva para assinantes): Obra do VLT pode revelar sítio arqueológico no Centro do Rio

Hodologia da diáspora africana no Rio de Janeiro

Durante o III SEMINÁRIO INTERNACIONAL EM MEMÓRIA SOCIAL (III SIM), que será realizado de 15 a 18 de maio de 2018 na UniRio, haverá o simpósio Hodologia da Diáspora Africana.

O simpósio será na sexta-feira, dia 18, das 14 às 16h, no Instituto Europeu de Design, sala M5.

Na mesa serão tratados os seguintes temas:

Caminhos do tráfico negreiro, por Carlos Eugênio Líbano Soares (UFRRJ). O tema da escravidão africana e da diáspora é dos mais comentados e pesquisados na história do ocidente. Mas ainda restam subtemas que tem grande importância e que foram negligenciados. Um deles o mercado de escravos africanos da região do Valongo. Entre 1774 e 1831 o litoral norte da cidade do Rio de Janeiro se tornou área exclusiva para o desembarque de escravos africanos, que eram revendidos, em grande maioria, para vastas áreas rurais do interior do pais. Nosso objeto é entender como este tráfico funcionava, principalmente no plano da microeconomia, dos pequenos mercadores do varejo da mercadoria humana. Esta economia tem de ser entendida na dimensão geográfica (a localização estratégica e a proximidade com o mercado consumidor em expansão, no caso a economia pecuária e cafeicultora da fronteira de Minas e do interior fluminense) e na econômica (a dilatação dos agentes econômicos urbanos fornecedores ao mercado rural consumidor). Este mercado da rua do Valongo ficava a meio caminho das rotas do sertão africano (notadamente o chamado sertão de Angola) e dos sertões brasílicos da fronteira agrícola em expansão. Ponto importante das relações internacionais da economia brasileira ele foi estabelecido pelo estado, responsável final pelo abastecimento da economia privada no âmbito da internacionalização do trabalho. Estado e mercado se complementam na lógica escravista. A ideia de nação também é diversa e difusa na África de então, não se confundindo com o Estado-Nação da modernidade, mas ligado a “identidade de nação” construída pelo mercado para nomear os africanos capturados pelo tráfico. Um milhão de africanos passaram pelo mercado do Valongo em 57 anos de funcionamento. Para onde foram estas pessoas? Qual era o mercado mais promissor para o trato negreiro? Qual papel da economia mineira, paulista, paranaense, de todo Brasil no complexo negreiro do Valongo? E as relações com a Bahia? Estas as perguntas que serão formuladas e as respostas (provisórias?) serão apresentadas.

Caminhos da diáspora africana na baía de Guanabara, por João Carlos Nara Júnior (UFRJ). A dinâmica do tráfico escravagista dialoga com a porosidade do Rio de Janeiro, cidade portuária cuja memória dos caminhos diaspóricos foi sepultada pelas águas da Guanabara, mas que ainda é perceptível em suas ilhas, cais, cemitérios de pretos novos e outros monumentos espalhados pela freguesia de Santa Rita. Tal abordagem dos caminhos do tráfico no Rio de Janeiro pode iluminar o uso político dos achados arqueológicos no contexto da revitalização do Porto Maravilha, assim como o enquadramento ideológico imposto pelo ativismo social sobre a materialidade da diáspora africana. Essa conceituação pode oferecer uma percepção mais robusta e coerente dos monumentos históricos e de sua relação com a paisagem e a temporalidade. Com efeito, o tráfico seguia um método, envolvendo fiscalização sanitária, quarentena, controle alfandegário, casas de recuperação, lojas de comércio e até cemitérios exclusivos. O primeiro deles, instalado no século XVIII no Largo de Santa Rita, tornou a terceira matriz paroquial do Rio de Janeiro um ponto nodal para a expansão urbana para além do termo da cidade, configurando a atual zona portuária. Tão intrincado sistema reclama uma narrativa mais complexa que supere as generalidades e aporias que perpetuam uma compreensão superficial da importância da região e seus monumentos, em especial o Cais do Valongo, aclamado Patrimônio Mundial pela UNESCO em 2017.

Expansão urbana carioca nos pés das Irmandades negras, por Marcos Coutinho (UFRJ). A historiografia referente às devoções, confrarias e irmandades de homens pretos e pardos é consubstanciada com a própria crônica social do Rio de Janeiro Setecentista. Compuseram, estes grêmios, a mais notável expressão social de vida fraterna em solo carioca, e, quiçá, em todo o Brasil-Colônia nesse período. Desse modo, busca-se o propósito de tomar como objeto de pesquisa a atuação das irmandades de homens pretos e pardos como uma das promotoras da expansão do território da cidade do Rio de Janeiro durante o século XVIII. Muito além de pautar a investigação no papel institucional da Igreja Católica, procura-se depreender o sentido e a forma de sua ação na seara que envolve o estabelecimento de políticas voltadas para o planejamento de vilas e cidades em terras luso-brasileiras. Ausente qualquer normativa civil destinada à implementação de políticas urbanas, preencheu, a Igreja, o lugar do Estado, assumindo os códigos e constituições eclesiásticos a função axial como leis definidoras e orientadoras do sentido que iriam tomar os terrenos das cidades portuguesas na América. E no Rio de Janeiro, esse processo não foi diferente. A ação desses sodalícios será analisada a partir de dois vieses: o primeiro, ampara-se no templo religioso como vetor e orientador da expansão da cidade; já o segundo, toma a ação do fiel de cor como agente que modela e “desenha” os caminhos desse que virá a se constituir como um novo território a ser urbanizado. Dentro dessa linha de pensamento, o trabalho pretende ampliar as formas interpretativas que inserem ou relegam o negro afro-brasileiro a mero agente figurante, incapaz de atuar com protagonismo no processo histórico em questão. O objetivo, se pertinente for, é produzir um discurso crítico que procura influenciar e alterar a forma como se interpreta o papel do indivíduo escravizado no século XVIII.

Inumação desumana: o enterramento dos pretos novos no Rio de Janeiro

Texto da comunicação oral feita na 9ª Conferência Internacional sobre Diáspora Africana da ASWAD, ocorrida novembro em Sevilha.

*****

Hello! Nice to meet you! This presentation has five parts. First: where are the carioca burial grounds. Second: some discoveries about them. Third: which testimonies we already have access to. Fourth: the action of the ancient gravediggers. And fifth: how to explain their conduct.

① Rio de Janeiro was founded in fifteen-sixty-five and became the colonial capital in seventeen-sixty-three. Rio also received the Portuguese kingdom court in eighteen-o-eight and remain as the Brazilian capital until nineteen-sixty.

In the community area of Santa Rita parish existed a slave complex until eighteen-fifty.

The slave traffic indeed obeyed a method, involving sanitarian surveillance, customs house, quarantine, docks, eventual fattening houses, commercial booths, and even a specific burial ground to pretos novos (namely, newcomer slaves, especially who had died before the sale).

② Have you ever found a treasure? What would you do if this treasure was black slave bones? This happens with the couple Merced and Petrúcio Guimarães, who found the last African burial ground of Rio de Janeiro at home, in their living room. Based on the Brazilian federal law on archaeological heritage, Guimarães family has converted their house into a cultural center to celebrate the Afro-American memory. Merced likes to say that the African slave trade has constituted “a black holocaust”.

A pretos novos burial ground is different from the standard parish burial grounds because who were buried there were not creolized, but newcomers Africans.

As we have seen in the map, other places in Rio de Janeiro had served as pretos novos burial ground before Valongo: Santa Rita, São Domingos, Carioca, and Santa Casa de Misericórdia. In Santa Rita, for example, we know there are many remains. And I intend to seek for even more. In this film, you can see us working with a ground penetration radar in quest for new evidences.

③ I would like to show you two historical accounts about these places.

In 1722, Dom João V, king of Portugal, asked the governor of Rio de Janeiro to build the Santa Rita cemetery because of the bad conditions of the burials made near the Franciscan monastery. The king mentioned three problems: the little space available, the risk of hiding corpses and the unworthy manner of bury.

In 1814, after Valongo burial ground had replaced Santa Rita burial ground, the German naturalist Georg Wilhelm Freyreiss wrote about his impressions:

Near the Valongo street is the cemetery of those who escape forever to slavery. In the company of my friend dr. Schaeffer, who arrived here aboard the Russian ship Suvarow in May 1814, on a voyage around the world, I visited this sad place. At the entrance of that space, surrounded by a wall of about 50 fathoms in court, sat an old man in priest’s garments, reading a prayer book for the souls of the unfortunate who had been plucked from their homeland by soulless men, and at about twenty some of the blacks were busy covering their dead patricians with dirt, and, without bothering to make a grave, they threw only a little dirt on the corpse, and then buried another. In the middle of this space, there was a lot of land from which, here and there, the remains of bodies discovered by the rains that had carried the earth and still there were many corpses in the ground that had not been buried. Naked, they were only wrapped in a mat, tied over their heads and under their feet. Probably one buries only once a week and as the corpses easily decompose, the bad smell is unbearable. Finally, a better understanding finally arrived, burning a bunch of semi-decomposed corpses from time to time. (Viagem ao Interior do Brasil, 1906, pp. 224-225)

④ Perhaps to be a gravedigger was a bad job. Some authors, speaking about the significance of death in African culture, explain how the type of death may affect the attitude towards the corpses. As an exterior magic fact, the death may tell much about the life of the deceased. In this case, the habitual contact with the death probably has brought religious discomfort to the gravediggers.

How have the gravediggers handled with this? There was no trace of African burial tradition in the form of inhumation described by either these historical resources. So, we can speak of a lack of habits, representations, and practices. In other words: these deceased could be decently buried by their fellows but in fact, the gravediggers have played reproducing the disregard of their masters to the dead pretos novos.

This apparent contradiction shall be illuminated with the words of the Marxist English historian Edward Palmer Thompson:

Custom took effect within a context of sociological norms and tolerances. It also took effect within a workaday routine of livelihood. It was possible to acknowledge the customary rights of the poor, but place obstacles in the way of their exercise. (Customs in common, 1993:101-2)

⑤ At the same time, Valongo burial ground also confounds the researchers. In twenty years, since its discovery in 1996, the cemetery has changed from a scientific and archaeological site to a historical and protestation site, and then to an activist and sacred site.

In the first stage, the scientists were recognized as heroes; in the second, historians were called to speak inside this new VIP space; nowadays, adepts of Afro-Brazilian religions demand respect for the sacred place.

However, this manifold perspective brings to us some interesting questions about the contemporaneous fetish for the body. How could be a heavily Catholic society so negligent with the deceased? How could be the present-day secularized society so concerned about the dead?

Some concluding remarks:

First, this oblivion was collective in Rio de Janeiro: neither the white people, neither the black people had conserved these memories, even though Santa Rita is a black neighborhood. So, we must be prudent when speaking about “erasing” memory.

Second: there was really some care in Valongo burial ground. When we speak about a “black holocaust”, we may not confuse the poverty of the burials with a mass grave of a concentration camp.

Third: nevertheless, the slave-based society was truly a society of human discard and this needs to be clarified.

Fourth: we must establish some procedures to link the scientific and cultural interests with the proper respect due to our ancestors.

Thank you very much!

Cartografia carioca e transformações históricas

Mesa sobre os marcos geográficos do Rio de Janeiro, durante o workshop Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca, realizado a 4/9/2017 no Arquivo Nacional:

Fortificações militares e acidentes geográficos
     Francisco José Correa Martins, historiador (DEGEO/UFRRJ)
   Análise espaço-temporal e toponímica do Rio de Janeiro
     Paulo Márcio Leal de Menezes​, geógrafo (PPGG/UFRJ)
   Aplicação da geofísica para a reconstrução histórica do Rio de Janeiro
     Gleide Dias, geofísica (IGEO/UFRJ)