Simpósio: mesa Linguagens

simposio-santa-rita-mesa-2-musica-arquitetura-antropologia

Na segunda mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Rodrigo Bastos, Paulo Sá e Raquel Lima.

Rodrigo Bastos, cantor, Arquiteto e Urbanista, Engenheiro Civil, Professor de Arquitetura da UFSC, recebeu diversos prêmios, entre eles por sua tese A maravilhosa fábrica de virtudes: o decoro na arquitetura religiosa de Vila Rica, Minas Gerais (1711-1822), publicada pela Edusp em 2013. Sua apresentação versará da retórica poética da Arquitetura.

Paulo Sá, professor de Música da UFRJ e Diretor Artístico do Momento Rio Bandolim, executará peças musicais populares no Rio de Janeiro do século XVIII, acompanhado do músico Adriano Palma Correa.

Raquel Lima, Historiadora, doutora em Antropologia Social e especialista em Ciência da Religião, é professora do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Viçosa. Sua apresentação versará da devoção a Santa Rita em seu lugar pioneiro no Brasil.

Antes do Valongo: Santa Rita

simposio-antes-do-valongo-santa-ritaSerá realizado no Salão Nobre do IFCS/IH-UFRJ (Largo de São Francisco, nº 1, Centro do Rio), o Simpósio Antes do Valongo: Santa Rita.

O encontro, que ocorrerá dia 5 de dezembro, segunda-feira, das 14h às 19h, constará de três mesas transdisciplinares (História e Arqueologia, Arquitetura e Antropologia, Arqueometria e Patrimônio), com intervalos entre uma e outra.

Os palestrantes serão:

  • Raquel Lima: Antropologia da devoção à Santa Rita
  • Paulo Sá: Música carioca no século XVIII: modinha, lundu e a invenção do choro
  • Rodrigo Bastos: Arqueologia poética da Arquitetura

A mediação será feita pelos professores André Chevitarese, Daniel Pêcego e Maurício Marinho.

Ao fim do evento será lançado o livro Arqueologia da Persuasão: o simbolismo rococó da Matriz de Santa Rita.

 

Representação decorativa dos querubins

IMG_9637

Queubim da capela-mor de Santa Rita

Os anjos barrocos, tradicionalmente chamados de “querubins”, costumavam ser representados como jovens cupidos ou putti (crianças aladas). Segundo Nancy Rabelo, o querubim de corpo inteiro foi mais recorrente no barroco do que no rococó; os artistas posteriores preferiram representar apenas rostos alados. À medida que o rococó infiltrava na cultura material, o querubim tornou-se uma parte importante do léxico decorativo: assim, a incorporação de símbolos clássicos alegóricos com o estilo naturalista de meados dos setecentos foi o epítome do gosto e da moda.

Os arqueólogos têm especulado acerca da conotação do emprego icônico dessas criaturas na arquitetura, usual desde o advento da Idade Moderna, embora menos frequente em tempos recentes. James Deetz, por exemplo, atribui à secularização que os anjos sejam representados com símbolos neoclássicos; outros estudos, porém, desabonam qualquer relação entre a moda artística e o fervor religioso. Tal discussão, porém, frequentemente se restringiu a âmbitos de cultura protestante, onde o uso de imagens sempre teve caráter problemático.

Para o arqueólogo Adam Heinrich, a figura alada tinha valor ambivalente e o seu significado dependeria do contexto. Por isso, o que os querubins ou os putti significavam para as pessoas do século XVIII é incerto: se foi visto como uma imagem alegórica clássica ou se representava um ser celestial judeo-cristão. Seu sentido provavelmente dependeria do tema da pintura ou da escultura: se religioso (sagrado), eles são querubins; se secular ou mítico (profano), eles são putti.

A questão não tem fácil solução, uma vez que certa linha da tradição judaica atribuiu um aspecto pueril aos querubins do Templo salomônico. Com efeito, uma aggadah (texto rabínico não jurídico) interpreta o termo “querubim” como “semelhante a uma criança” em aramaico (Talmud, Sukkah 5b). É possível, portanto, que os putti renascentistas fossem oriundos desta interpretação e não dos cupidos greco-romanos (ἔρωτες), os quatro filhos de Afrodite (Eros, Anteros, Himeros e Pothos).

No entanto, Flávio Josefo não conhecia tal tradição, afirmando que “dificilmente se poderia imaginar a forma desses querubins” (Antiguidades Judaicas, VIII, 2, 327). Além de tardia, a aggadah contradiz o próprio dado bíblico (cf. Ez 1,5-14.22-28; 10,8.14.20-22). Na Escritura, com efeito, o quarteto dos querubins é parecido ao quarteto dos serafins (Is 6,2s; Ap 4,6-8), a ponto de até um autor como Dante Alighieri confundir ambas as castas (cf. Commedia, Purgatorio, XXIX, 92-104).

O nome querubim parece provir, na verdade, do termo acádio karibu (literalmente, “ser próximo”: orante, intercessor) e faria referência ao gênio alado da mitologia babilônica com corpo de animal e rosto humano, guardião dos palácios e assessor dos deuses.

Na tradição cristã, ocupam o segundo dos nove coros angélicos, inferiores aos serafins e superiores aos ofanins ou tronos. Ezequiel (1,5b-7) afirma a respeito deles: “Este era seu aspecto: Tinham forma humana. Cada um apresentava quatro faces e tinha quatro asas. Quanto às pernas, tinham pernas retas e patas como as de bezerro; reluziam como o brilho do bronze polido”. Além disso, as faces eram de boi, de homem, de leão e de águia… — Nada parecidos com os putti das igrejas barrocas!

Arqueometria do quadro de Santa Rita

INTERESSE HISTÓRICO

Santa Rita de Cássia (óleo do século XVII)

Santa Rita de Cássia (óleo do século XVII)

O Brasil foi pioneiro na difusão da devoção a Santa Rita de Cássia. Sua igreja no Rio de Janeiro antecipa-se duzentos anos à sua canonização e trezentos anos à sua inclusão no Calendário Romano.

A devoção carioca começou em torno ao quadro a óleo do século XVII, trazido pelo fidalgo Manoel Nascentes Pinto e colocado em sua chácara no Sítio Valverde, atual Centro do Rio. A efígie da santa italiana se conserva na sacristia da matriz, como bem integrado. Quando da edificação do templo, o mesmo fidalgo adquiriu uma talha que serviu de orago e que também se encontra hoje na sacristia.

Para um melhor conhecimento dos objetos em questão, conviria que se realizassem neles pesquisas arqueométricas a fim de precisar a data de composição e estabelecer parâmetros para sua conservação e eventuais trabalhos de restauro.

Como ambas as peças — a pintura e a talha primitiva — estão razoavelmente bem preservadas, são protegidas por lei e têm uso habitual na igreja, é preferível adotar um método não-destrutivo e preferencialmente realizado in locu, o qual identifique os elementos químicos presentes nas mesmas a fim de inferir os pigmentos empregados, assim como os materiais usados nos retoques.

Consta do próprio quadro de Santa Rita que ele sofreu reparos, conforme se lê escrito sobre a própria tela:

Antiquissimo quadro de Santa Rita,
venerado na antiga Capella
anterior á Matriz.
Restaurado em 1912.
Vig.º Conego Dr. Victor.

Contudo, são desconhecidos o artífice, a cidade de origem e a data de execução da imagem, que é provavelmente anterior a 1697. Nesse sentido, nada impede que se descubram pinturas escondidas sob a composição. Além disso, sua análise permitiria avaliar seu atual estado de conservação.

Com relação à talha, também se ignoram o artífice e a data de execução.

TÉCNICAS APLICÁVEIS

A análise dos pigmentos utilizados na pintura permitiria avaliar o método de trabalho do artista:

… que pimentos utilizou, de que modo foram misturados para criar uma coloração específica e que pigmentos foram usados no fundo da tela. Tal análise é também extremamente importante para os procedimentos de restauração na medida que pode ajudar a distinguir as seções originais de uma pintura das outras restauradas ou adicionadas. Além disso, a caracterização dos pigmentos pode ser crucial para importantes decisões referentes à remoção de camadas espúrias ou à escolha dos pigmentos mais apropriados para os retoques. Um terceiro propósito concerne à conservação: já que alguns pigmentos podem ser sensíveis à luz, umidade, poluentes ou calor, uma pintura pode requerer condições especiais de armazenamento e exibição. Além disso, a identificação dos pigmentos é necessária antes de se aplicar tratamentos químicos para reverter ou estancar os processos de deterioração. Como a cronologia dos pigmentos mais utilizados é bem documentada, conhecer sua composição permite caracterizar um pigmento mediante a concentração de constituintes e, consequentemente, estabelecer a procedência, período histórico e autenticidade de uma pintura.

(CALZA, C., PEDREIRA, A., LOPES, R. T. Analysis of paintings from the nineteenth century Brazilian painter Rodolfo Amoedo using EDXRF portable system. In: X-Ray Spectrometry 38 (2009) 327-332)

Três são as técnicas elementares não destrutivas mais indicadas para esse estudo: Fluorescência de Raios X (XRF), Espectroscopia no Infravermelho Transformada de Fourier (FTIR) e Radiografia computadorizada (CR/DR).

A Fluorescência de Raios X (XRF) informa o traço dos elementos químicos a partir dos picos do espectro de emissão de raios X de uma amostra, permitindo investigar que pigmentos foram utilizados pelo artista e a eventual existência de retoques antigos ou modernos.

A Espectroscopia no Infravermelho Transformada de Fourier (FTIR) identifica a composição química da amostra a partir das bandas dos espectros. Como sua interpretação é difícil, costuma-se fazer a análise prévia por Fluorescência de Raios X. Embora seja mais comum recolher fragmentos para estudo em laboratório, também é possível utilizar-se equipamentos portáteis de análise direta não destrutiva.

A Radiografia Computadorizada ou Digital (CR/DR) oferece uma imagem 2D das peças, evidenciando emassamento, rasgos, rachaduras e craquelês da pintura, assim como detalhes da tela: tramas, emendas, pregadura, sobreposição de pintura.

Como Santa Rita costuma ser representada de hábito negro, seu quadro oferece um problema particular: uma vez que os raios X são atenuados distintamente pelas áreas de pintura de acordo com a energia da radiação, densidade, espessura e composição das camadas pictóricas, a quantidade de áreas escuras permitiria a passagem abundante dos raios X, dificultando sua análise, a qual restringir-se-ia provavelmente ao rosto, às mãos e à palma.

Por outro lado, no caso específico da talha da Santa, a radiografia permitiria avaliar seu estado de conservação ao exibir sua estrutura interna e possíveis rachaduras.

Entretanto, sabe-se que a identificação dos pigmentos às vezes é dificultosa, pois podem ter sido misturados no intuito de se obter uma tonalidade em particular. Por isso, quando o emprego de uma única técnica analítica elementar não seja suficiente para a identificação precisa de um pigmento, pode ser necessário recorrer a uma análise adicional para confirmação.

Nesse caso, uma Espectroscopia Raman realizada in situ poderia ser útil. A interpretação dos resultados é complexa, pois se baseia na forma de espalhamento do laser aplicado sobre o objeto de estudo, mas seria facilitada pelo resultado prévio da Fluorescência de Raios X.

Estudos antropológicos sobre a devoção a Rita de Cássia

Alfred Martinet - Santa Rita de Cássia - CopiaRaquel dos Santos Sousa Lima, doutora em Antropologia Social pelo Museu Nacional, produziu diversos estudos sobre a devoção a Rita de Cássia no Brasil.

Sua dissertação de mestrado, realizada na UFF, sobre representação e práticas da devoção em Viçosa, está disponível online aqui.

Sobre a Matriz carioca de Santa Rita, a pesquisadora estudou no doutorado os “processos de simbolização e transformações rituais na devoção à santa dos impossíveis”.

Santa Rita da Paraíba

O Brasil foi pioneiro na devoção à Santa Rita de Cássia, cuja canonização só ocorreria em 1900 e cuja memória só seria incluída no Calendário Romano em 2002.

O santuário da cidade de Santa Rita, na Paraíba, data de 1776, sendo posterior à do Rio de Janeiro por poucas décadas.

Conheça mais a respeito com o pesquisador Marcelo Gomes (estudante do Curso de Ciências das Religiões na UFPB):

A pequena Capela em honra de Santa Rita, hoje Santuário, foi construída quando um núcleo habitacional muito acanhado começava a surgir. Pode-se dizer que, em meados de 1776, Santa Rita não passava de um pequeno arraial, um simples povoado.

A respeito disso, Lapemberg Medeiros de Almeida informa (em um trabalho que infelizmente nunca chegou a ser publicado) que a parte urbana desta povoação é “produto do desenvolvimento de algum agrupamento de tropas, ponto de pernoite”. Segundo o autor, aquilo que hoje corresponde ao centro habitacional começou como acampamento de apoio para os viajantes que cruzavam a Paraíba, da capital ao sertão e vice-versa, encontrando em Santa Rita aprazível paragem onde aos poucos surgiram habitações no entorno do ponto originário.

A famosa obra Datas e notas parpedraa História da Paraíba, escrita em 1909 por Irineu Ferreira Pinto, registra que a Igreja de Santa Rita “foi edificada no presente ano (1776), segundo um dístico existente na fachada da dita Igreja”. Tal dístico encontra-se no interior da Igreja, ao lado esquerdo da porta principal, encravado na parede.

É com certeza um pequeno mimo dos tempos passados, que guardado com tanto carinho e em local adequado, continua a cumprir sua secular função de informar em tão precioso letreiro datas importantes para a história da cidade e de seu passado religioso. Tal cuidado é devido à sabedoria e zelo do saudoso Monsenhor Rafael de Barros Moreira, que o quis colocá-lo ali em 1932, no período da conclusão dos trabalhos da inauguração da torre que deu nova forma à fachada da igreja.

nossa igrejaNão há fontes que forneçam detalhes sobre como a devoção a Santa Rita de Cássia chegou à Paraíba colonial nem sobre quem construiu o templo primitivo. Lapemberg escreveu que a igreja de Santa Rita foi “inicialmente uma capela de pedra e cal, de estilo modesto, desprovida dos requintes da arte e do bom gosto, sem o cuidado arquitetônico, sem a perfeição da arte”. Com base nisto e desejosos de conhecer traços de sua construção original, nos arriscamos a desenhar este modesto estudo em nanquim, que representa um pouco da primeira fase arquitetônica desta Igreja, que vai de 1776 à década de 1920.

Quando a capela foi construída, a Diocese da Paraíba ainda não existia. A circunscrição pertencia antes de 1892 ao Bispado de Olinda. A Diocese estava então sob o comando de Dom Tomás da Encarnação da Costa e Lima, titular de 1774 a 1784. A Freguesia de Santa Rita foi criada aos 20 de fevereiro de 1839, por força da Lei Provincial nº 2, sendo a capela elevada a categoria de Matriz.

Hoje, ao admirarmos o templo que se destaca na praça central da cidade, fica quase que impossível compara-lo àquela capela inicial, que foi sendo ampliada e adornada ao longo dos anos e que viu nascer um povoado, uma freguesia, uma cidade chamada Santa Rita.

REFERÊNCIAS

  • ALMEIDA, Lapemberg Medeiros de. Santa Rita antes e depois de 1889. Apontamentos para a História do Município. [Inédito.] Santa Rita, 1948.
  • PINTO, Irineu Ferreira. Datas e Notas para a História da Paraíba. V. 1. João Pessoa: Editora Universitária UFPB, 1977.

O sarcófago de Santa Rita em Cássia

Sarcófago de Santa Rita

Sarcófago de Santa Rita

O sarcófago de Santa Rita, conservado na cidade italiana de Cascia, é emblemático e traz em código icônico um resumo da sua vida e santidade, representando-a associada a Maria Madalena, cujo culto, aliás, experimentaria

… uma renovação durante o Barroco porque teria sido pecadora,
tornando-a um modelo mais próximo para os católicos correntes
(especialmente as mulheres),
do que os santos que viveram piedosas vidas de perfeição.
Assim a Madalena se tornou um dos mais populares temas no Barroco.
(BAILEY, Gauvin Alexander. Baroque & Rococo.
Londres: Phaidon Press, 2012, p. 74)

Tal identificação da “Madalena” (Lc 8,2s) com a “pecadora” que ungiu de lágrimas os pés de Cristo (Lc 7,36-50) só foi comum entre os intérpretes latinos; entre os gregos, porém, as personagens são tidas por distintas.

Enquanto no Ocidente as relíquias de Maria Madalena são cultuadas em Marselha desde o século VIII, no Oriente elas são veneradas em Constantinopla, para onde teriam sido transferidas desde Éfeso no século IX.

Logicamente, Rita foi representada ao lado da Madalena tanto por ter sido religiosa do convento a ela dedicado, quanto por se considerada participante da Paixão de Cristo em virtude de seu estigma, à semelhança da santa de Magdala, que esteve ao pé da cruz (Jo 19,25).

No entanto, alguns autores viram na associação à Madalena uma alusão, sem fundamento, ao pretenso caráter “impuro” (?!) do matrimônio contraído por Rita.