Observar a flora

Detalhe do intradorso do arco-cruzeiro da matriz de Santa Rita. Foto de Mateus Rosada (2014).

É preciso observar a flora.

Nenhum artista verdadeiro pintaria ou cinzelaria uma determinada flor ou árvore sem que ela alargasse o sentido e o alcance do seu trabalho.

Nenhuma planta é posta em uma tela ou em uma talha apenas para ocupar um espaço vazio.

Alegoria, tradição, exegese e espiritualidade se cruzam na iconografia, na imaginária, na pintura, na tapeçaria. Essa interpenetração conceitual produz um verdadeiro mosaico pedagógico, catequético, cultural e místico, útil para gerações inteiras.

Frei Clarêncio Neotti escreveu um singelo livro sobre o espaço ocupado pela zoologia na arte sacra. Como bom franciscano, soube ver como os animais acompanham o homem desde a primeira página do Gênesis até o Apocalipse.

Suas considerações, que reproduzo aqui, me estimularam a trilhar um caminho similar ao seu, mas pelo reino vegetal.

Nenhuma religião dispensa o símbolo: a melhor linguagem para expressar o numinoso é o símbolo.

As gerações que desprezaram o símbolo foram pobres em humanidade e socialmente desequilibradas.

A visão ecossistêmica contemporânea se purificada do panteísmo, da misantropia e do relativismo rasos, que a tornam a hipocrisia do momento bem pode recuperar a necessária linguagem de respeito ao mundo animal, vegetal e mineral.

É preciso observar a flora.

5 formas de utilizar o conceito de fronteira

A “Universidade Livre do Leme”, com seu curso contínuo e aberto de Filosofia na Praia, apresentará as diversas “fronteiras filosóficas” com que o Rio de Janeiro setecentista pode ser analisado e explicado.

A atividade, regularmente realizada em um quiosque da Praia do Leme, procura divulgar temas filosóficos para o grande público.

No sábado dia 23 de novembro, das 11 às 12h, a pauta será a freguesia de Santa Rita.

A palestra terá por título Rio Colonial: Fronteiras Filosóficas. O objetivo é indicar cinco abordagens diferentes do Rio de Janeiro colonial, por meio do conceito de fronteira:

Cemitério de Rosas Negras

A segunda edição do Seminário Morte, Arte Fúnebre e Patrimônio: interlocuções, lugares e documentos post mortem ocorrerá nos dias 16 e 17 de outubro de 2019 no Centro Cultural de Ciência e Tecnologia da UFRJ, uma realização do Grupo de Pesquisas Paisagens Híbridas (EBA/UFRJ), do Grupo de Estudos de Arquitetura Cemiterial (EAU/UFF) e do Laboratório de Ensino de História (Universidade Federal de Pelotas).

O Seminário pretende alinhar argumentos que estruturam as reflexões gerais em torno da natureza e limites do conhecimento humano no que diz respeito à morte, aos ritos, às práticas culturais dos cuidados dados aos mortos, à certificação do cadáver como documento e às paisagens constituídas com base nos fatos que definem o universo físico e metafísico no âmbito da finitude humana.

Na mesa do dia 17, às 10h, será apresentada a comunicação As Rosas Negras do Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita: sinais de um patrimônio invisível, que tem o seguinte resumo:

No Largo de Santa Rita, no Centro do Rio de Janeiro, houve durante o século XVIII um cemitério para africanos escravizados recém-chegados, que morreram antes de ser vendidos. Em 1774 o tráfico negreiro e seu respectivo cemitério foram transferidos ao Valongo, subúrbio pertencente à mesma freguesia de Santa Rita. O antigo cemitério foi esquecido, mas a recente instalação do VLT carioca no Largo de Santa Rita ocasionou uma contestação dos movimentos sociais sobre a legitimidade das pesquisas arqueológicas na região. Como sucedâneo à necessária rememoração desses mortos, o IPHAN propôs a representação de rosas negras no chão do cemitério, que continua servindo de logradouro público. A análise das contradições políticas do episódio e o estranhamento diante da não-paisagem de Santa Rita reclamam da academia e das instituições públicas respostas mais robustas, cujas linhas serão sugeridas na conclusão.

Livro, arte, devoção

  • A Faculdade de São Bento do Rio de Janeiro abre suas portas para o Seminário Permanente sobre Arte e Devoção. A proposta é difundir o conhecimento científico em diálogo com os diversos ramos do conhecimento humano.

Nos meses de setembro e outubro as comunicações desse evento gratuito serão voltadas para a história do livro, na sua dupla acepção de livros civis e litúrgicos.

Os interessados deverão confirmar presença por e-mail.

No dia 30 de setembro, às 16h20, a apresentação será O Breve apostólico dos privilégios de Santa Rita.

A palestra abordará a análise paleográfica de um documento pontifício de 1726 sobre o uso permitido da capela de Santa Rita, que afetou a urbanização do sítio do Valverde, no atual Centro do Rio.

O que é diáspora

Diáspora vem do grego δια + σπείρω, “semear através”, ou seja, dispersar.

Três enfoques podem ser dados ao termo, e que devem ser utilizados com rigor:

Exílio

Diáspora foi originalmente um conceito exclusivo da experiência judaica de expatriação e dispersão por vários países. Subjaz a ideia de deslocamento forçado, com todos os seus traumas.

Sonho do retorno

Violências alimentam o desejo de recuperar a pátria perdida. Com esse tipo de abordagem, diáspora pôde ser aplicada analogicamente, por exemplo, às populações armênias e africanas.

Comunidade transnacional

O uso impróprio e sub-acadêmico do termo diáspora fez com que o conceito designasse qualquer grupo cujas relações sociais, econômicas e políticas atravessem as fronteiras nacionais: imigrantes, trabalhadores temporários, minorias, refugiados, peregrinos.

Livro sobre o fundador de Santa Rita!

Em dezembro será lançado o livro O Rio de Janeiro entre conquistadores e comerciantes: Manoel Nascentes Pinto (1672-1731) e fundação da freguesia de Santa Rita.

A microanálise da vida de Manoel Nascentes Pinto (1672-1731), meirinho da Alfândega do Rio de Janeiro, permite conhecer como se cruzavam aspectos distintos da vida política fluminense no início do século XVIII, mediante a descrição das relações sociais desse fidalgo português, de suas pretensões religiosas e do papel desempenhado por ele na conjuntura econômica de então.

Paralelamente, ilumina pontos obscuros dos começos do sistema escravagista carioca, que seria fixado na freguesia de Santa Rita, primitivo subúrbio do Rio de Janeiro Colonial, cuja matriz foi por ele fundada.

COMPRE O LIVRO DIRETO NA AMAZON

Profanando Giorgio Agamben

O grande paradoxo da escatologia contemporânea pode ser encontrado na filosofia pós-marxista de Giogio Agamben, para quem o tempo messiânico — designado por ele como “a comunidade que vem” — se identifica com a realização da utopia anarquista.

Só incautos veem sentido em que a Universidade suíça de Friburg tenha laureado esse filósofo com o doutorado honoris causa em Teologia em 2012. Com efeito, em sua crítica do poder, o uso que Giorgio Agamben faz da teologia em geral e da escatologia em particular é claramente pós-cristã e inclusive a-teológica.

Em seu pensamento apocalíptico, Agamben alimenta a expectativa de que a profanação do “trono”, símbolo da “Glória”, será o caminho para o advento do “Reino” na terra.

Mas Agamben tem uma noção bastante peculiar de “profanação”: profanar consistiria em neutralizar, em tornar inoperante, em desativar o aparato de poder que tinha isolado os objetos na esfera do sagrado através do sacrifício. A profanação seria, portanto, distinta da secularização, que é a mera transferência de poder do espaço sagrado para o espaço profano, fenômeno pelo qual a estrutura sacramental da Igreja serviu de modelo à construção no Estado moderno. Em suas próprias palavras:

A profanação implica […] uma neutralização daquilo que profana. Depois de ter sido profanado, o que estava indisponível e separado perde a sua aura e acaba restituído ao uso. [A profanação] desativa os dispositivos do poder e devolve ao uso comum os espaços que ele havia confiscado. (Profanações. São Paulo: Boitempo Editorial, 2007, p. 61)

Convém deixar claro que a filosofia de Agamben faz da prática e do pensamento cristãos um sucedâneo crítico para o esgotamento do marxismo. Seu equívoco consiste em reduzir o sagrado a um conceito meramente jurídico, não primariamente religioso. O filósofo estabelece o sagrado em oposição ao profano, como se a categoria da sacralidade fosse privada de entidade própria. Para ele, a valência do sagrado procede exclusivamente do arbítrio que estabelece a separação entre a esfera sacral e a esfera mundana, com independência do sujeito que o imponha, quer seja a Igreja, quer seja o Estado. Assim, a religião não implicaria em uma religação com o divino, mas se concentraria na própria construção da fronteira que torna inacessível os objetos sacralizados:

Pode-se definir como religião aquilo que subtrai coisas, lugares, animais ou pessoas ao uso comum e as transfere para uma esfera separada. Não só não há religião sem separação, como toda separação contém ou conserva em si um núcleo genuinamente religioso. O dispositivo que realiza e regula a separação é o sacrifício. (Ibidem, p. 58)

Entretanto, Agamben entende o sagrado simultaneamente como excluído do âmbito divino. O sagrado estaria, portanto, encerrado em um limbo no qual se entra mediante uma “violência que excede tanto a esfera do direito quanto a do sacrifício” (idem, Homo sacer: o poder soberano e a vida nua, I. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007, p. 93), e o coloca numa zona de fronteira entre o divino e o mundano.

Chega-se a tais conclusões, entre outros motivos, quando não se atribui personalidade à divindade, quando não se atina que entre Deus e as coisas possa haver relação de pertencimento. Pois “pessoa” é, precisamente, “relação”: pessoa é relação subsistente.

A bem da verdade, algo é santo ou sagrado não tanto em sua contraposição ao profano, mas sim por sua relação com Deus, por sua pertença a Deus. Nesse sentido, é possível afirmar que o sagrado não é inacessível; antes se revela como o elemento mais dinâmico e atuante na vida dos seres humanos, tornando-lhes presente o mistério divino e conferindo um sentido numinoso à sua existência. Ao mesmo tempo, o profano ou secular não será inoperante na medida em que se deixar fecundar pela presença e o sentido do sagrado.

Seminário Internacional de Patrimônio da Igreja no Rio de Janeiro

A recém-criada Comissão arquidiocesana de Patrimônio Cultural dará início às suas atividades com um seminário internacional de 3 a 7 de junho no Auditório do Museu Histórico Nacional.

Cada dia terá sua ênfase, com conferências especiais e mesas de debate. Em linhas gerais serão tratados os seguintes temas, com o nome de alguns convidados:

Segunda, dia 3: Tipologia religiosa como herança da fé. Convidado especial: Prof. João Brigola (Évora).

Terça, dia 4: Proteção do Patrimônio Cultural. Convidados: Joaquim de Arruda Falcão Neto (ABL), Ellen Gracie Northfleet (STF), Kátia Bogea (IPHAN).

Quarta, dia 5: Métodos de preservação.

Quinta, dia 6: Gestão e recursos.

Sexta, dia 7: Estudos de caso. Visita guiada ao Museu Arquidiocesano de Arte Sacra.

Veja a programação completa.

Dia de Santa Rita: a coroa da humildade

Sarcófago de Santa Rita, com seu corpo incorrupto, em Cássia, na Úmbria, Itália

Hoje, 22 de maio, é a memória litúrgica da taumaturga italiana Margherita Loti, conhecida como Rita de Cássia. Em sua cidade, Cascia, na igreja de seu mosteiro, é possível visitar seu túmulo. Nele vai escrito:

POSVISTI IN CAPITE EIVS CORONAM

Essa divisa, puseste uma coroa em sua cabeça, alude ao estigma de um espinho da coroa de Cristo que ela recebeu na fronte após pedir em suas orações que pudesse participar das dores da sua Paixão.

Palma triplamente coroada, no intradorso do arco cruzeiro da Matriz de Santa Rita

O singular fenômeno místico fez com que, na iconografia, Rita passasse a ser representada com a palma, atributo típico dos mártires.

Ou seja: mesmo sem ter passado pelo martírio, ela recebe na Igreja a honra dos mártires, pois se tornou partícipe da Paixão, isto é, sofreu a compaixão, como aquelas Santas Mulheres que estiveram ao pé da cruz do Salvador, ao lado de São João Apóstolo e Maria Santíssima.

Seu atributo vem completado por três coroas, representação de seu matrimônio e dois filhos, mas também dos três estados de vida pelos que passou: donzela, esposa e religiosa.

A oração coleta da memória de Santa Rita faz menção justamente à lógica sobrenatural que subverte os valores humanos:

Ó Deus, grandeza dos humildes, que fizestes santa Rita de Cássia distinguir-se pela caridade e paciência, dai-nos, por suas preces e méritos, a graça de amar-vos sempre, carregando a cruz de cada dia.

Minicurso Religiões em Contato

O Instituto Pretos Novos apresenta um novo minicurso, dado por João Carlos Nara Jr., sobre temas sensíveis no encontro entre as tradições religiosas africanas e cristãs.

O funeral católico extensivamente praticado no Brasil colonial e a existência de cemitérios de pretos novos no Rio de Janeiro levantam a indagação sobre o contato entre as religiões tradicionais africanas e o cristianismo na prática dos enterramentos. O minicurso apresentará pontos de convergência e contrastes existentes na visão do além-túmulo e na participação dos vivos no descanso dos mortos.

Serão seis aulas com o seguinte conteúdo:

  1. Introdução • 28/3
    • Conceito de religião
    • Classificação das religiões
    • Religião e política
  2. Ar • 4/4
    • Fé e crença
    • Teogonia e cosmogonia
    • Espaço sagrado
  3. Fogo • 11/4
    • Rito e sacrifício
    • Sacerdócio e trabalho
    • Tempo sagrado
  4. Terra • 25/4
    • Mito
    • Corpus literário sagrado
    • Arte sacra
  5. Água • 2/5
    • Emoção e experiência
    • Dogma e autoridade
    • Ortodoxia e heterodoxia
  6. Conclusão • 9/5
    • Antropologia
    • Escatologia
    • Secularização

Sempre às quintas-feiras, 18h. Investimento: R$ 130.

Local: CDURP, Auditório André Rebouças. Rua Sacadura Cabral, 133, Saúde.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search