A família Nascentes Pinto

Brasão de Armas dos fidalgos Nascentes Pinto

O genealogista Nelson Pamplona, Sócio Titular do Colégio Brasileiro de Genealogia, publicou, em edição particular, um extenso levantamento sobre a família Nascentes.

Dom Manoel (1672-1731) e dona Antônia Maria (1677-1749) Nascentes Pinto foram os pioneiros da devoção a Santa Rita no Brasil e os fundadores da igreja dedicada à taumaturga italiana na cidade do Rio de Janeiro.

Referência: PAMPLONA, Nelson Vieira. Os Nascentes Pinto. Rio de Janeiro, s/ed., 2016.

 

Carta aberta do IPN


Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos corre o risco de fechar as portas

OUÇA A ENTREVISTA NA CBN


Mais um ano se inicia e renovam-se as incertezas e agonias quanto ao funcionamento do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos – IPN, que novamente se encontra em situação de dificuldade financeira. Assim como em dezembro de 2014, percebo que se não houver um apoio duradouro à instituição, que garanta ao mínimo o custeio básico, não teremos outra saída a não ser decretar o fechamento do IPN, em caráter definitivo.
Destaco que isso não se trata de descompromisso ou chantagem, mas na verdade, o reflexo de uma nefasta ausência de políticas públicas para o aporte e manutenção de instituições culturais, o que se agrava, e muito, quando o complexo cultural em questão, está relacionado à presença e participação social negra no contexto da escravidão e da diáspora.
Desde 2013, contamos com o apoio da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto – CDURP para o custeio (energia elétrica, água, telefone, demais taxas e material de limpeza) e da Concessionária Porto Novo, com o apoio ao projeto de Oficinas e Exposições da Galeria de Arte Contemporânea, entre outros eventos. Mas, neste cenário de crise, embora essas empresas continuem nos apoiando e incentivando, esse custeio não poderá ser renovado até meados do ano e ainda não sabemos se haverá ou não o aporte para nossas oficinas.
Estamos nos mobilizando para atender emergencialmente algumas demandas com a promoção de cursos especiais, com o intuito principal de arrecadar material de limpeza e pequenos reparos, como o banheiro feminino. Obviamente, não conseguiremos custear o IPN com o oferecimento de cursos, tanto pela crise financeira que intimida o investimento em formação, quanto pela nossa missão institucional que prima pela preservação e difusão da memória da diáspora africana de forma democrática, gratuita e com qualidade.
Com as obras de impacto urbano na região portuária e a crescente popularidade do IPN, estamos recebendo um número cada vez maior de visitantes o que demanda uma crescente necessidade de investimento da estrutura básica de funcionamento, como água e insumos de higiene, por exemplo. Lembrando que dos pontos que compõem o Circuito de Herança Africana, é no IPN que os visitantes tem acesso gratuito a água e sanitários, além de ambiente refrigerado para assistirem ao vídeo institucional. E a nossa visitação tende a crescer ainda mais, se considerarmos que, em breve, ocorrerá a inauguração da Estação Harmonia do VLT, que vai aumentar significativamente o número de visitantes em função da facilitação do acesso. Neste tocante, vale ressaltar que o IPN recebeu em 2014, 2015 e 2016 cerca de 49.000 visitantes. E, somente no ano passado, cerca de 15.000 pessoas.
A princípio, fecharíamos o IPN até que houvesse o restabelecimento do custeio e do apoio, ou a sensibilização de novos apoiadores e/ou benfeitores, mas seria uma perda absurda para o campo da memória daqueles sujeitos trazidos compulsoriamente de África para o Brasil, e, sobretudo, uma frustração tanto para minha família que luta há 21 anos por esse patrimônio, assim como para os colaboradores e voluntários que, trabalham com carinho e afinco para tornar esse lugar de memória da desumanidade, violência, vilipêndio sofrido pelos africanos escravizados, expressos pelo testemunho das janelas arqueológicas do cemitério, cada vez mais um centro irradiador de cultura, de combate ao preconceito, de construção do conhecimento, de guarda da memória e sobretudo, expressar o valor e o respeito que temos perante esses indivíduos que aqui jazem.
A situação se torna ainda mais delicada por estarmos em pleno desenvolvimento de uma pesquisa arqueológica na nossa sede, e acabarmos de fechar uma excelente programação para a Semana Nacional dos Museus, que tem como tema: Museus e histórias controversas: dizer o indizível em museus”. Com o início do ano letivo, já que recebemos um grande número de turmas dos mais diversos níveis de ensino. Assim, mesmo tendo nossos recursos financeiros se esgotando, gostaríamos de convidar a todos para juntarem-se a nós na campanha IPN RESISTE!
Não podemos fechar este Instituto de Pesquisa e Memória que há 12 anos busca implementar ações de preservação, pesquisa e dinamização do patrimônio cultural africano e afro-brasileiro, numa perspectiva diaspórica, visando à valorização da dignidade humana, a universalidade aos conhecimentos, a igualdade racial e religiosa e a construção no presente das memórias soterradas no passado.
Para conhecer mais sobre o IPN acesse: www.pretosnovos.com.br/informativo.
E nos ajude a reverter esta situação.

Atenciosamente,
Ana Maria de La Merced G. G. G. dos Anjos
Presidente IPN
#ipnresiste

Passeio histórico pela Freguesia de Santa Rita

mapaheranca_africana

http://www.portomaravilha.com.br/circuito

Passeios a pé, de baixo custo, que têm como vantagem a proximidade entre os pontos visitados, e que permitem conhecer as construções do Rio Antigo. — Bom, não é verdade? O Rio Antigo é, simplesmente, o Brasil Antigo. A sede da Colônia, a Corte Imperial, o berço da República: onde há mais recordações dessas fases da nação do que na Cidade Maravilhosa?

Forçoso é reconhecer que Rio de Janeiro, apesar das reformas urbanas, ainda necessita de mais conservação, sinalização e limpeza. Mas acredito que conhecer suas riquezas escondidas é o primeiro passo para estimular o atendimento a essas necessidades.

De certo modo, pode-se dizer que a antiga Freguesia de Santa Rita, diferente do resto da Cidade, possui um roteiro oficial. De fato, a Prefeitura do Rio, através do Decreto 34.803/2011, criou o Circuito Histórico e Arqueológico de Celebração da Herança Africana. Naturalmente, esse roteiro não esgota as possibilidades culturais e históricas da região. A Matriz de Santa Rita, por exemplo, nem mesmo é lembrada, embora tenha recebido o primeiro cemitério de pretos novos, entre 1722 e 1769.

O projeto Passados Presentes acrescenta muitos outros pontos omitidos no circuito da Prefeitura, mas que estão no Inventário dos Lugares de Memória do Tráfico Atlântico de Escravos e da História dos Africanos Escravizados no Brasil (trabalho coordenado por Hebe Mattos, Martha Abreu e Milton Guran, no Laboratório de História Oral e Imagem da UFF, com apoio do Projeto Rota do Escravo da Unesco). Esses dados podem ser consultados também através de um aplicativo para Android.

 

O Arquivo da Cúria do Rio

logo-arquidiocese-de-sao-sebastiao-do-rio-de-janeiroDentre as tantas fontes documentais de que os historiadores dispomos para o estudo do Rio de Janeiro colonial destaca-se o Arquivo da Cúria Metropolitana da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro. Atualmente, o Arquivo funciona às terças, quartas e quintas-feiras, entre 14 e 18 horas.

Por sorte, os registros de nascimento, casamento e óbito das mais antigas freguesias cariocas já foram digitalizados e podem ser consultados no site Family Search, o qual também permite o download do material.

No entanto, fique atento! Por confusão, parte dos registros referentes à Santa Rita estão na pasta do Santíssimo Sacramento da Antiga Sé.

Naturalmente, os registros de Santa Rita anteriores à sua ereção como paróquia em 1751 devem ser buscados na pasta de Nossa Senhora da Candelária, de cuja freguesia Santa Rita fora capela até então.

Dicionários de português arcaico

Raphael BluteauPara a consulta de documentação primária do período colonial, além de conhecimentos básicos de paleografia e diplomática, é de grande valia a consulta de antigos dicionários.

Na Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin é possível ter acesso aos verbetes dessas importantes fontes.

Dentre esses léxicos, destaca-se o monumental Vocabulario de Raphael Bluteau, publicado em Coimbra entre 1712 e 1728. Além de seus oito volumes, mais dois tomos de suplementos, monumental é também seu nome completo, aliás bastante curioso:

VOCABULARIO PORTUGUEZ & LATINO:
Aulico, Anatomico, Architectonico, Bellico, Botanico, Brasilico, Comico, Critico, Chimico, Dogmatico, Dialectico, Dendrologico, Ecclesiastico, Etymologico, Economico, Florifero, Forense, Fructifero, Geographico, Geometrico, Gnomonico, Hydrographico, Homonymico, Hierologico, Ichtyologico, Indico, Ifagogico, Laconico, Liturgico, Lithologico, Medico, Musico, Metereologico, Nautico, Numerico, Neoterico, Ortographico, Optico, Ornithologico, Poético, Philologico, Pharmaceutico, Quidditativo, Qualitativo, Quantitativo, Rethorico, Rustico, Romano, Symbolico, Synonimico, Syllabico, Theologico, Terapteutico, Technologico, Uranologico, Xenophonico, Zoologico,
Autorizdo com exemplos dos melhores escritores portuguezes e latinos

O Rio em 1565

1624-rio-generoO projeto “Rio de Janeiro 450 anos: a fundação da cidade e seus marcos históricos” inclui um inventário de documentos originais do século XVI (mapas, livros, ilustrações, manuscritos) que tratam da fundação do Rio de Janeiro e sintetiza a contribuição dos principais autores sobre o tema. Tomando por base esse conjunto, foi desenvolvido um modelo 3D da região, com hipóteses sobre a geografia da época do descobrimento e as edificações pioneiras. Além do livro, você pode baixar o aplicativo e o filme construídos a partir do modelo 3D.

Fonte: http://imagensdafundacaodorio.com.br/.

Conferências do Simpósio sobre Santa Rita (mesa 1)

mesa-1

Professores Ondemar Dias, Daniel Pêcego e Carlos Eugênio Soares

  • Abertura do Simpósio Antes do Valongo: Santa Rita

MESA 1 (ARQUEOLOGIA, HISTÓRIA)

whatsapp-image-2016-12-07-at-12-52-04-2

O autor com os professores Ondemar Dias e Jandira Neto

Simpósio: mesa histórico-arqueológica

simposio-santa-rita-mesa-1-historia-arqueologia

Na primeira mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Ondemar Dias e Carlos Eugênio Soares.

Ondemar Dias, Livre Docente Titular do IH-UFRJ, é fundador e diretor presidente do Instituto de Arqueologia Brasileira. Sua apresentação versará da atuação do referido Instituto em prol da arqueologia carioca, percorrendo as seguintes pesquisas efetuadas:

  • Anos 60 – A Fábrica de Anil do “Vale do elefante”
  • Anos 70 – O metrô do Rio de Janeiro
  • Anos 80 – O “Apicum” de Guaratiba
  • Anos 90 – A picota da Pavuna
  • Anos 2000 – Antiga Sé, Forte do Campinho, Rua dos Inválidos, Rua Jardim Botânico e curadoria do Cais do Valongo.

Carlos Eugênio Soares, Professor de História na UFRRJ, pesquisa a escravidão africana urbana no Brasil, a capoeira, os africanos nas cidades do Rio de Janeiro e Salvador no século XVIII. Atuou nos estudos do cais do Valongo. Sua apresentação versará da Pequena África setecentista.

Antes do Valongo: Santa Rita

simposio-antes-do-valongo-santa-ritaSerá realizado no Salão Nobre do IFCS/IH-UFRJ (Largo de São Francisco, nº 1, Centro do Rio), o Simpósio Antes do Valongo: Santa Rita.

O encontro, que ocorrerá dia 5 de dezembro, segunda-feira, das 14h às 19h, constará de três mesas transdisciplinares (História e Arqueologia, Arquitetura e Antropologia, Arqueometria e Patrimônio), com intervalos entre uma e outra.

Os palestrantes serão:

  • Raquel Lima: Antropologia da devoção à Santa Rita
  • Paulo Sá: Música carioca no século XVIII: modinha, lundu e a invenção do choro
  • Rodrigo Bastos: Arqueologia poética da Arquitetura

A mediação será feita pelos professores André Chevitarese, Daniel Pêcego e Maurício Marinho.

Ao fim do evento será lançado o livro Arqueologia da Persuasão: o simbolismo rococó da Matriz de Santa Rita.

 

Olhos-d’água

M: São Bento. N: Alfândega. O: Prainha. Q: Fortaleza da Conceição. R: Palácio episcopal. S: muro da cidade (Massé, 1714)

M: São Bento. N: Alfândega. O: Prainha. Q: Fortaleza da Conceição. R: Palácio episcopal. S: muro da cidade (Massé, 1714)

A região do Sítio Valverde, em que se localiza Santa Rita, era uma área extremamente encharcada no século XVII. Conta-se até que, quando as chuvas coincidiam com as cheias, o morro de São Bento chegava a ficar ilhado.

Nessa época havia um olho-d’água no atual Largo de Santa Rita, correndo o riacho diretamente até à praia. Os beneditinos assorearam o leito, trazendo o córrego para junto do morro de São Bento. O leito seco passou a se chamar da travessa dos Pescadores, hoje rua Visconde de Inhaúma.

Resquícios dessas águas são os poços que havia na região. No quintal da chácara de dom Manoel Nascentes Pinto, o fundador de Santa Rita, havia um lindo poço. A poucos metros de distância, outro aquífero servia à igreja. Suas águas, então consideradas milagrosas pela piedade popular, atualmente estão seladas.

A ironia da história é a secura da região em inícios do século XIX, que fez o governo mandar construir um chafariz, com águas advindas da Carioca…

Escravos coveiros

enterro Largo da Carioca

Guta: Largo da Carioca em 1650 (detalhe do enterro dos escravos)

Dando prosseguimento às questões levantadas na postagem anterior sobre a morte na cultura africana, é hora de comentar a prática da inumação no Brasil colonial.

A “vala comum” da Santa Casa de Misericórdia, a sepultura improvisada pelo convento de Santo Antônio no Largo da Carioca e os cemitérios clandestinos de mulatos no Campo do Rocio e no Largo de São Domingos não deviam se diferenciar muito dos cemitérios de pretos novos que, aliás, chegavam ao Novo Mundo para morrer sem a companhia de parentes.

O naturalista alemão G. W. Freireyss deixou constância de suas impressões sobre o Valongo, fazendo entrever que a breve encomendação dos corpos provavelmente não constituía suplência necessária às exigências da cultura religiosa africana:

Próximo à rua Valongo está o cemitério dos que escapam para sempre à escravidão. Em companhia do meu amigo dr. Schaeffer, que chegou aqui a bordo do navio russo Suvarow, em maio de 1814, em viagem ao redor do mundo, visitei este triste lugar. Na entrada daquele espaço, cercado por um muro de cerca de 50 braças em quadra, estava assentado um velho com vestes de padre, lendo um livro de rezas pelas almas dos infelizes que tinham sido arrancados da sua pátria por homens desalmados, e a uns 20 passos dele alguns pretos estavam ocupados em cobrir de terra seus patrícios mortos e, sem se darem ao trabalho de fazer uma cova, jogam apenas um pouco de terra sobre o cadáver, passando em seguida a sepultar outro. No meio deste espaço havia um monte de terra da qual, aqui e acolá, subiam restos de cadáveres descobertos pelas chuvas que tinham carregado a terra e ainda havia muitos cadáveres no chão que não tinham sido enterrados. Nus, estavam apenas envoltos numa esteira, amarrada por cima da cabeça e por baixo dos pés. Provavelmente procede-se ao enterramento apenas uma vez por semana e como os cadáveres facilmente se decompõem, o mau cheiro é insuportável. Finalmente chegou-se a melhor compreensão, queimando de vez em quando um monte de cadáveres semidecompostos. (FREIREYSS, 1906, p. 224-225)

Há um interessante detalhe na narrativa de G. W. Freireyss: “pretos estavam ocupados em cobrir de terra seus patrícios mortos e, sem se darem ao trabalho de fazer uma cova, jogam apenas um pouco de terra sobre o cadáver”. O pormenor levanta mais questões do que fornece respostas. O ritual sumário correspondia à quantidade excessiva de cadáveres? Ou a insuficiente periodicidade semanal dos enterros estipulava a pressa dos procedimentos? Ou ainda: seria tal descuido proveniente da apatia dos coveiros em função de seu triste ofício?

É notável a ausência de qualquer tradição africana na inumação, pois indica desconstrução identitária: a perda dos hábitos, representações e práticas socialmente construídas. O motivo pode ser auferido aplicando-se, por analogia, uma observação de Thompson acerca do direito consuetudinário: “o costume vigorava num contexto de normas e tolerâncias sociológicas. […] Era possível reconhecer os direitos costumeiros dos pobres e, ao mesmo tempo, criar obstáculos a seu exercício” (THOMPSON, 1998, p. 89). Que maiores obstáculos que a orfandade, a violência, a insalubridade?

Referências

FREIREYSS, G. W. Viagem ao interior do Brazil nos annos de 1814-1815. Revista do Instituto Historico e Geographico de São Paulo, São Paulo, v. XI, p. 158-228, 1906.

THOMPSON, Edward Palmer. Costumes em comum. Estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Cia das Letras. 1998.

A morte na cultura africana

enterroÉ bem sabido o quanto a historiografia brasileira viveu, por décadas, intoxicada pelo marxismo. Uma lufada de ar, porém, foi trazida pela Nova Esquerda através da obra de Edward Palmer Thompson.

Prescindindo das incongruências do pensamento do marxista britânico — qualificado por Roger Scruton como menos um sábio que um crédulo, pela histeria com que ele se autoproclamava marxista apesar de ser tão heterodoxo —, interessa anotar aqui que o autor ajudou os historiadores brasileiros a estarem mais voltados para a antropologia e a reabilitarem o indivíduo a despeito das explicações totalizantes do marxismo.

Assim, a discussão sobre a escravidão passou a incluir relações sociais concretas, a experiência dos africanos no cativeiro, a solidariedade e os atritos entre os agentes, etc. Novos campos de pesquisa no Brasil passaram a falar da resistência escrava, da formação dos quilombos, da configuração familiar, do desenvolvimento das irmandades negras, entre outras questões.

Nessa linha, um tópico de pesquisa possível consiste na análise da prática dos enterramentos dos escravos, tomando-se os cemitérios de pretos novos como referência. Ora, a primeira questão se impõe é: a inumação ali realizada resguardava algum aspecto da cultura africana?

Segundo o historiador Flávio Gomes, há registros no Rio de Janeiro setecentista de “africanos centrais, angolas e benguelas. Há igualmente […] para africanos ocidentais, denominados minas, talvez batizados nas paróquias urbanas” (GOMES, 2012, p. 82). É natural, portanto, questionar a existência de uma cultura compartilhada por pessoas de tão variegada procedência.

Baseando-se em outros autores, Robert Slenes argumenta que realmente há um conjunto de valores comuns a várias áreas culturais diferentes:

Valores ligados ao conceito de “ventura-desventura” […], à ideia de que o universo é caracterizado em seu estado normal pela harmonia, o bem-estar e a saúde, e que o desequilíbrio, o infortúnio e a doença são causados pela ação malévola de espíritos ou de pessoas, frequentemente através da feitiçaria. Dentro dessa visão de mundo, a manutenção de um estado de pureza ritual, normalmente centrado em objetos ou preparações medicinais consagrados […] que medeiam a relação entre os homens e os espíritos, é o que garante a realização das metas culturais mais importantes. (SLENES, 1999, p. 143)

Relativamente à morte, em princípio ela contém — para os africanos da Guiné — um caráter mágico e exige que, nos primeiros atos fúnebres (ritos de passagem), se averigue a causa mortis e se procedam os jogos divinatórios e sacrifícios cabíveis. A preparação do corpo, da cova, do ataúde, da “bagagem” do defunto e dos coveiros é meticulosa. Por um longo tempo ainda se preveem ritos de permanência, até que o homem desaparecido se transforme em ancestral.

Por sua vez, a escatologia e a devoção cristãs pelos defuntos — potencializadas no período pós-tridentino por motivos apologéticos — sem dúvida contribuíram para a transferência das práticas africanas à praxe católica corrente na América portuguesa, facilitando sua absorção.

Ao falar do tratamento dispensado aos mortos na Inglaterra do século XVIII, E. P. Thompson faz referência ao tabu popular do “respeito, arraigado em superstições, pela integridade dos cadáveres” (THOMPSON, 2001, p. 242). Sem acolher o aspecto pejorativo de tal avaliação, é razoável afirmar que a morte sempre exerce certo horror sagrado sobre o homem, horror que o homem busca controlar mediante rituais religiosos.

Muito embora o cristianismo se impusesse como a prática legítima e as tradições religiosas africanas se encontrassem desenraizadas e desarticuladas no solo brasileiro, são conhecidas tanto a existência de mandingueiros na Colônia quanto as soluções de compromisso que a massa de escravos parcamente evangelizada fazia entre crenças opostas.

Apesar da crescente patrimonialização étnica operada sobre a religiosidade afro-brasileira daí nascida, está claro que a amálgama religiosa tem múltipla procedência. Nesse contexto multivariado, Mary Karasch descreve o esforço dos negros em formar suas próprias irmandades dentro do ambiente católico

… a fim de assegurar-se de benefícios importantes […] serviços religiosos básicos, como missa, sacramentos e orações pelos mortos, bem como prover lugar para enterrar seus membros. De outro modo, a vala comum da Santa Casa os esperava. Tendo em vista as crenças religiosas africanas na necessidade de um ritual apropriado no enterro, em combinação com tradições católicas que enfatizavam o enterro em local consagrado e rezas pelas almas dos mortos, as irmandades de negros e pardos eram essenciais na prestação desses serviços aos membros e suas famílias. (KARASCH, 2000, p. 133)

[Continua…]

Referências

GOMES, Flávio. A demografia atlântica dos africanos no Rio de Janeiro, séculos XVII, XVIII e XIX: algumas configurações a partir dos registros eclesiásticos. História, Ciências, Saúde — Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 19, supl., p.81-106, dez. 2012.

KARASCH, Mary. A Vida dos Escravos no Rio de Janeiro, 1808-1850. São Paulo: Cia. das Letras, 2000.

SLENES, Robert. Na senzala, uma flor: esperanças e recordações na formação da família escrava. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999.

THOMPSON, Edward Palmer. As Peculiaridades dos Ingleses e Outros Artigos. Campinas: Editora da Unicamp, 2001.

ImagináRio | ImagineRio

Fonte: HRC Project | ImagineRio | Atlas (pt-br)

Visite a plataforma criada por pesquisadores da Rice University Humanities Research Center.

Ela consiste em um atlas dinâmico que ilustra a evolução urbana do Rio de Janeiro ao longo de toda a sua história, com base em cartografia de época, iconografia e dados arquitetônicos.

A igreja de Santa Rita aparece no mapa no ano 1721. (No entanto, o arquivo da Santa Casa de Misericórdia já refere o templo como construído em 1719.)