Audiência pública sobre a Pequena África

A Comissão Permanente de Cultura da CMRJ fará uma Audiência Pública para debater ações e políticas voltadas para a Pequena África (bairros da Saúde, Gamboa e Santo Cristo), áreas que guardam a memória da escravidão no Brasil e são essenciais para entender a história do país, a formação da nossa sociedade e a realidade atual.

Esse debate torna-se ainda mais urgente a partir do reconhecimento, pela Unesco, do Cais do Valongo como Patrimônio da Humanidade, na categoria memória e sofrimento, e dos debates em torno da proposta de criação do Museu da Escravidão e da Liberdade, pela Prefeitura.

A audiência será no dia 11 de agosto, sexta-feira, às 14h, no Plenário da Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

Fazer nosso o Porto do Rio

Dodô Azevedo, escritor e colunista do G1, a historiadora Jéssika Rezende e Felipe Nin, que está à frente do movimento Ocupa Dops, serão entrevistados ao vivo sobre a importância de preservar a memória da região portuária carioca.

A conversa será liderada por Natalia Viana, codiretora da Agência Pública e idealizadora do Museu do Ontem, aplicativo que torna possível a exploração de histórias da zona portuária do Rio.

A entrada é franca e o evento será transmitido ao vivo pelas redes sociais.

Cais do Valongo: Patrimônio da Humanidade

A UNESCO inscreveu hoje o Cais do Valongo na lista de Patrimônio da Humanidade:

Valongo Wharf Archaeological Site (Brazil)

Valongo Wharf Archaeological Site is located in central Rio de Janeiro and encompasses the entirety of Jornal do Comércio Square. It is in the former harbour area of Rio de Janeiro in which the old stone wharf was built for the landing of enslaved Africans reaching the South American continent from 1811 onwards. An estimated 900,000 Africans arrived in South America via Valongo. The physical site is composed of several archaeological layers, the lowest of which consists of floor pavings in pé de moleque style, attributed to the original Valongo Wharf. It is the most important physical trace of the arrival of African slaves on the American continent.

Mauá 360

Antes da manifestação da UNESCO sobre a elevação do Cais do Valongo à categoria de Patrimônio da Humanidade, haverá no dia 27 de junho, no Museu do Amanhã, o Seminário Mauá 360 – Cais do Valongo. Essa edição tem como objetivo dar maior visibilidade às reflexões urgentes reforçadas pela candidatura carioca.

Inscrições e outras informações em https://museudoamanha.org.br/pt-br/maua-360-cais-do-valongo.

Curso de paleografia no IHGB

Estão abertas as inscrições para o IV Curso de Paleografia no IHGB, a ser realizado entre 8 de agosto a 26 de setembro, todas as terças-feiras, das 9h15 às 16h (carga de 60 horas).

As inscrições podem ser feitas presencialmente ou pelo e-mail secretaria@ihgb.org.br.

O valor do curso é de R$ 350,00 (Bradesco, agência 2545, conta corrente 1145-2, CNPJ 33.636.697/0001-40 INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO).

 

Palestra sobre Santa Rita no IHGRJ

Na quinta-feira, 8 de junho, haverá no IHGRJ (sala CEPHAS) uma sessão temática sobre as igrejas do Rio de Janeiro.

Das 15h às 17h haverá duas comunicações:

  • O simbolismo rococó da matriz de Santa Rita, pelo Arquiteto João Carlos Nara Júnior.
  • Igreja Santo Antônio dos Pobres, pela Msc. Roselene de Cássia Coelho Martins.

Em seguida, no terraço haverá um lanche de congraçamento e feira de livros.

O endereço é Avenida Augusto Severo, 8/10º andar, Glória.

Streets, Routes, Methods

Ocorre em Florença, Itália, nos dias 5 e 6 de maio, a conferência internacional Streets, Routes, Methods I: Reflections on Paths, Spaces and Temporalities (outro link aqui), organizado pelo Kunsthistorisches Institut in Florenz – Max Planck Institute e o eikones NCCR Iconic Criticism da Universidade da Basileia.

A relação da expansão da Freguesia de Santa Rita com as rotas do tráfico negreiro na Guanabara será apresentada no segundo dia do evento.

Paths can be serpentine, straight and anything in between; they might traverse barely accessible mountains, like the Inca Trail, or be straight, like desire lines. Paths come before roads, survive into the time of roads, or reappear in response to them. Paths tend to be overgrown, to disappear – in the desert sand – to be overbuilt or abandoned. They have their temporalities, seasons and spatialities, between proximity and distance. Paths are therefore not purely spatial affairs. Paths have a genuine temporal dimension beyond the duration of a traveler’s journey. Paths can be seen as chronotopoi, with literary, pictorial and cinematographic histories. Paths must be trodden in order to survive, exemplifying the Heraclitian formula μεταβάλλον α` ναπαύεται (‘it is in changing that things find repose’). The temporal dimension of paths ultimately allows us to overcome the sterile dichotomy between real and imagined paths (metaphors, allegories, models). They have a rich life in the world of metaphors, intrinsic to the notion of met-hodos, based on the Greek word for way, or path. This allies paths to language and, more specifically, writing, whose elements are also repetitions, tracks that are ‘inked in’ It is the remembered, the described, and thereby the reusable and transferable path. Paths within language can become ritual tools for the creation of new ones.

Beyond the above mentioned approaches to paths, the conference will explore their relationship to the environment, in line with the eco-art historical project at the Kunsthistorisches Institut in Florenz. How do paths, trails and routes shape or even create landscape? What is the interplay of geomorphology, flora and fauna, animal and human agency? Paths introduce directionalities, itineraries and nets into the environment, they are linked to technologies of transport and movement; they offer viewpoints, changing horizons or deep immersion into flora or architecture; experiencing them is a multi-sensorial endeavor. Under the hodological conditions of global urban environments and post / industrial landscapes, paths run across streets, they can be subversive, democratic or pragmatic. They can be reinstalled as nostalgic evocations of a lost or overcome past, of rural or pastoral life, or serve mass tourism as well as new ecological approaches.

Organized by Hannah Baader, Adam Jasper, Stefan Neuner, Gerald Wildgruber and Gerhard Wolf

Friday, 5 May 2017
09:30 Hannah Baader (Florence/Berlin) and Stefan Neuner (Basel)
Welcome and Introduction

10:15 Philip Ursprung (Zurich)
Volcano Walks: Following the Explorer Franz Junghuhn on the Island of Java

11:00 Bas Princen (Rotterdam)
(Central) Perspectives

11:45 Break

12:00 Catalina Ospina (Chicago)
At a Crossroads: the Emergence of Mopa Mopa Images in the Colonial Andes

12:45 Marco Musillo (Florence)
The Ecology of Silent Descriptions: Semantic and Symbolical Paths towards the King of Trees

13:30 Lunch Break

15:00 Himanshu Burte (Mumbai)
Path, Place, and Network: The Politics of Roads in Mumbai

15:45 John Xaviers (Noira, Uttar Pradesh)
Mattancherry Jew Street

16:30 Break

17:00 Maia Mania (Tbilisi)
„Le chemin des anes, le chemin des hommes …“

17:45 Lutz Robbers (Oldenburg)
Paths and Lines: Negotiations in Architectural Image Practices

18:30 Break

18:45 Presentation of Works by Bas Princen

19:15 Joseph Rykwert (London) and Francesco Pellizzi (New York)
A Conversation

Saturday, 6 May 2017
09:15 Fabian Horn (Munich)
The Conceptualization “Life is a Journey” in Early Greek Poetry and Thought

10:00 Velizar Sadovski (Vienna)
The Roads of Indo-Iranian Ritual: Multidimensional Sacred Space and Topology of Transcendence

10:45 Break

11:15 Gérard Chouin (Williamsburg, VA)
(Im)Materiality, Diachrony, and Spatiality: Preliminary Thoughts about Three Dimensions of Long-Distance
‘Trade’ Routes in Medieval to Early Modern West Africa

12:00 João Carlos Nara Jr. (Rio de Janeiro)
African Diaspora in Guanabara Bay: Slave Paths, Maritime Routes and Trade Streets in the Rio de Janeiro of 18th Century

12:45 J. Lorand Matory (Durham, NC)
At the Crossroads: Afro-Atlantic and Central European Ethics of Intersectionality

13:30 Lunch Break

15:00 Martin Thiering (Berlin/Rome)
Implicit and Tacit Knowledge in Flavio Biondo’s Historiographical and Geographical “Italia Illustrata”

15:45 Antonieta Reis Leite (Coimbra)
Paths, Spaces and Temporalities on the Azores Islands Settlement (Sixteen Century). Methods to the
Creation of a New Landscape.

16:30 Nuno Grancho (Coimbra)
Representation of Urban Spaces and Temporalities in the Colonial City of Diu

17:15 Gerhard Wolf (Florence)
Concluding Remarks & Final Discussion

Territorialização e herança africana no Rio de Janeiro

Simpósio sobre o Museu da Escravidão e da Liberdade, que pretende integrar o Circuito da Herança Africana. Excelente ocasião para discutir a história e a cultura da antiga Freguesia de Santa Rita, Bairro da Saúde, hoje Porto Maravilha.

No Instituto de História da UFRJ, Prédio do Largo de São Francisco de Paula, nº 1, dias 15 e 16 de maio.

Concurso do IHGRJ sobre Histórias do Rio

Art. 1. O Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro (IHGRJ) institui, pelo presente, o primeiro Concurso de Estudo e Difusão da História do Rio de Janeiro, que se destina a premiar estudantes de níveis médio e superior, incentivando a pesquisa, o estudo e a difusão da História, além de promover e defender o patrimônio natural e cultural da Cidade e do Estado do Rio de Janeiro.

Art. 2. O concurso destina-se à escolha de trabalhos que tratem de pequenas histórias do Rio de Janeiro, passadas em qualquer século e que abordem pessoas, bairros, ruas, instituições, fatos, e/ou quaisquer acontecimentos.

Art. 3. Poderão participar do concurso estudantes de nível  médio e de nível superior, devidamente matriculados em qualquer universidade na cidade e no estado do Rio de Janeiro, que não possuam vínculo de parentesco de até segundo grau com os membros da comissão julgadora.

Art. 4. Para a presente edição institui-se o Prêmio Mem de Sá em três níveis:

a) Prêmio Mem de Sá — nível médio.
b) Prêmio Mem se Sá — nível superior.
c) Prêmio Mem de Sá — nível pós graduação.

Art. 5. A premiação do Concurso ocorrerá em cerimônia a ser realizada na sala CEPHAS do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, no mês de dezembro, durante a sessão magna do IHGRJ, quando serão entregues os seguintes prêmios:

  1. Livros de autoria de todos os sócios do IHGRJ aos vencedores dos níveis superior e pós graduação.
  2. Prêmio especial ao primeiro colocado do nível superior: um notebook.
  3. Publicação dos trabalhos dos três primeiros colocados, nos três níveis, na Coluna do IHGV, no Jornal Tribuna do Interior da cidade de Vassouras.
  4. Publicação, na Revista do IHGRJ, dos primeiros colocados nos níveis superior e pós-graduação.

Art. 6. Os trabalhos concorrentes ao Prêmio Mem de Sá deverão observar os seguintes requisitos:

  1. Obediência às normas da ABNT;
  2. Digitação em papel modelo A4;
  3. Número de páginas – 10 no mínimo e 20 no máximo;
  4. Espaço entre linhas – 1,5 digitadas em fonte Arial, tamanho 12 e espaço 1,5, de um só lado, com a indicação, na capa, do pseudônimo do candidato;
  5. Citação de fontes bibliográficas, no mínimo de 10 obras (livros, revistas, jornais, etc).

Art. 7. O julgamento dos trabalhos concorrentes será feito da forma abaixo discriminada:

  1. Os critérios de avaliação serão baseados na originalidade, qualidade de linguagem; concisão no texto e qualidade do conteúdo;
  2. O Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro constituirá comissão, formada por quatro historiadores (quatro), especialmente indicada para julgar os trabalhos apresentados;
  3. As decisões da Comissão Julgadora será definitiva, não cabendo qualquer recurso ou impugnação.

Art. 8. Serão inscritos no concurso todos os estudantes que tiverem entregado ou postado seu trabalho em qualquer agência dos correios até a data limite, comprovada pelo carimbo de postagem e que tenham os seguintes documentos:

  1. Envelope fechado contendo: folha de identificação do autor, seu pseudônimo, endereço e telefone, o título de seu trabalho, comprovantes de estar matriculado no nível superior. Este envelope não deverá conter externamente, qualquer marca ou sinal de identificação e será numerado pela comissão julgadora.
  2. Envelope contendo o trabalho, propriamente dito, que não deverá conter qualquer identificação e que receberá o mesmo número do primeiro envelope, pela comissão julgadora.

Art. 9. Não haverá formulários específicos e todos os candidatos deverão entregar ou enviar via Correio seus trabalhos em 03 (três) vias, para o seguinte endereço:

Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro
Av. Augusto Severo, 8/12º andar
Glória, CEP 20021- 040

Art. 10. Não serão aceitos trabalhos enviados por fax ou e-mail.

Art. 11. O não atendimento as exigências previstas em edital resultará na anulação da inscrição do candidato.

Art. 12. O presente Concurso do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, obedecerá ao seguinte Calendário:

  1. Lançamento Oficial: 9 de março de 2017. Divulgação da Comissão Julgadora;
  2. Prazo limite para entrega ou postagem nos correios: 30 de setembro de 2017;
  3. Julgamento: 15 de outubro a 15 de novembro de 2017;
  4. Proclamação dos Resultados: 16 de novembro de 2017;
  5. Entrega dos prêmios: 14 de dezembro de 2017.

Art. 13. Os trabalhos não premiados serão devolvidos na sessão magna de 14 de dezembro de 2017.

Art. 14. Os trabalhos premiados constarão de uma lista em edital do IHGRJ à disposição na sede provisória do IHGRJ, na Avenida Augusto Severo, 8/12º andar, Glória, CEP 20021- 040.

Art. 15. Face à eventual impossibilidade de comparecimento para o recebimento dos prêmios, os ganhadores poderão enviar representantes.

Art. 16. Os casos omissos neste regulamento serão resolvidos pela Comissão Julgadora.

 

Neusa Fernandes
Presidente do IHGRJ