Gestão e interpretação do Cais do Valongo

A Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, a Representação da Unesco no Brasil e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional promovem o Seminário Internacional Cais do Valongo – Patrimônio Mundial desafios de Gestão e Interpretação, dia 23 de novembro, no Museu de Arte do Rio. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas através do e-mail seminariointernacionalvalongo@gmail.com até o dia 20 de novembro.

A atividade pretende ampliar o diálogo com a população sobre o processo de construção da gestão compartilhada do Sítio Arqueológico Cais do Valongo e do seu museu de território – o Museu da História e da Cultura Afro-brasileira. Confira a programação:

9h – Credenciamento e Welcome Coffee

10h – Mesa de abertura e entrega do Título de Patrimônio Mundial – Cais do Valongo (pela UNESCO às autoridades federal, estadual, municipal e da sociedade civil organizada)

11h30 – Mesa 1 – Museus de Memória Sensível – Desafios e Perspectivas para o futuro. 

Mediador: Cristina Lodi (Secretaria Municipal de Cultura)

– O caso do Memorial ACTe de Guadalupe, França: Thiérry L’Etang

– O caso de Robben Island (RIM – Robben Island Museum), complexo prisional em Cape Town –  África do Sul – Patrimônio Mundial da UNESCO:  Deirdre Prins-Solani e  Vuyo Mfanekiso

13h – 14h – Intervalo para o Almoço

14h – Mesa 2 – Desafios da Interpretação de Sítios de Memória Sensível

Mediador: Marcelo Brito (diretor de Cooperação e Fomento do Iphan)

– Especialista em interpretação de sítios – Professor Associado da Universidad Pablo de Olavid – UPO, Sevilha, Espanha: Marcelo Martín

15h30 –  Mesa 3 – Projetos no território da Pequena África

Mediador: Mônica Lima (LABHOI e LeÁfrica)

– O caso do Museu da Escravidão e da Liberdade como interpretação do Cais do Valongo e seu território: Nilcemar Nogueira e Vinícius Natal (Secretaria Municipal de Cultura)

–  O território da Pequena África, seus circuitos, interpretações e pesquisas: Instituto Pretos Novos (Merced Guimarães), Quilombo da Pedra do Sal, Centro Cultural Pequena África (Rubem Confete), Remanescentes de Tia Ciata (Gracy Moreira) e Afoxé Filhos de Gandhi

– A interpretação do território através de seus personagens: Martha Abreu  (UFF-LABHOI)

16h30 – Mesa 4 – Projetos e Resultados da Gestão do Valongo

Mediador: Nilcemar Nogueira (Secretária Municipal de Cultura do Rio de Janeiro)

– O projeto do Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana e o acervo arqueológico da região do Valongo: Claudia Escarlate (IRPH)

– O plano inicial de Gestão do Sítio Arqueológico Cais do Valongo, suas diretrizes e resultados: Representante do Comitê Gestor do Valongo – indicado pelo Comitê-

–  Apresentação do projeto de consolidação e conservação do Cais do Valongo: Ricardo Piquet, Diretor-Presidente do IDG – Instituto de Desenvolvimento e Gestão

18h – Encerramento: Posse do Conselho Consultivo do Museu da História de da Cultura Afro-brasileira.

Fonte: http://www.rio.rj.gov.br/web/smc/exibeconteudo?id=8718292

Arqueologia e africanidade fluminense

Durante a exposição de cartografia da africanidade fluminense na Casa França-Brasil, ocorrerá, na quarta-feira dia 14 de novembro, das 14 às 19h, um workshop sobre arqueologia em que serão explicadas as pesquisas efetuadas na freguesia de Santa Rita: cais do Valongo, cemitérios da Gamboa e de Santa Rita, etc.

Não perca!

O evento reunirá alguns dos mais conhecidos pesquisadores sobre o tema da Africanidade e pretende apresentar e debater aspectos relacionados as culturas Africanas, bem como se deu o translado dos Africanos para o Brasil e as diversas formas de como eram tratados e escravizados, usados como instrumento de trabalho e de enriquecimento de outras pessoas.

As escavações arqueológicas conduzidas no Rio de Janeiro serão apresentadas ao publico de forma gratuita dentro da programação geral da exposição.

A ordem de fala no Workshop será:

  • MARCELO MONTEIRO: Professor, Pesquisador, Estudioso e Consultor das Tradições Culturais de Matriz Africana Yorubá; Olóyè Asògun Odearaoffa; Presidente Nacional e Fundador do CETRAB – Centro de Tradições Afro-Brasileiras; Diretor e Fundador do IPN – Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos.
  • CLAUDIO PRADO DE MELLO: Arqueólogo pela Universidade Estácio de Sá/UNESA (1986). Professo Mestre em História Antiga e Medieval pela Universidade Federal Fluminense/UFF (1994). Especialista em Arqueologia Funerária do Egito Antigo e Ex-Membro da Mission Archeologique Du Bubasteion – Saqqarah (1996-2002). Fundador (1990) e atual Presidente do Instituto de Pesquisa Histórica e Arqueológica do Rio de Janeiro/IPHARJ. Membro Fundador (1990) e Ex-Professor Convidado do Laboratório de História Antiga do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ (1990-2002). Artista Plástico e Membro da European Association of Archaeology e do British Council of Archaeology. Atual Diretor do Museu da Humanidade.Atual Conselheiro da Cadeira Territorialidade do Conselho Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, e Membro do Conselho Estadual de Tombamento.
  • RODRIGO PEREIRA: Doutorando em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) desde 2015. Mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ). Mestre em Ciências Sociais (UERJ). Bacharel e Licenciado Pleno em CiênciaS Sociais (UFES). Pesquisador de religiões e religiosidades, em especial as afro-brasileiras. Em Antropologia pesquisa o candomblé debatendo micro política em terreiros, eventos de sucessão de lideranças e temas relacionados à liminaridade. Quanto a arqueologia pesquisa, pela etnoarqueologia, elementos da cultura material e espaços edificados em terreiros de candomblé, bem como a formação e expansão dessa religião no estado do Rio de Janeiro. Para tanto, realizou escavações no extinto Terreiro da Gomeia (Duque de Caxias/RJ). Possui ainda experiência na pesquisa de elementos ligados a etnicidade, rituais de passagem, história da imigração pomerana e alemã para o estado do Espírito Santo e historiografia do luteranismo no Brasil e Espírito Santo. Pesquisador do Laboratório de História das Experiências Religiosas (Instituto de História/UFRJ
  • JOÃO CARLOS NARA JÚNIOR: Arquiteto e Urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados do Escritório Técnico da UFRJ. Mestre em Arqueologia pelo Museu Nacional e doutorando em História Comparada pela UFRJ. Sócio do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro. Membro do Instituto Pretos Novos e do Laboratório de História das Experiências Religiosas do Instituto de História da UFRJ. Investiga a Freguesia de Santa Rita, cuja Matriz constitui a primeira aparição do rococó religioso na América e diante da qual se encontra o sítio arqueológico do primeiro cemitério de pretos novos do Rio de Janeiro.
  • REINALDO BERNARDO TAVARES: Licenciado em História pela Universidade Salgado de Oliveira (2008) e mestre e doutor em Arqueologia pelo Museu Nacional (2012 e 2018). Atualmente é técnico industrial em edificações da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, diretor do departamento de arqueologia do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos (IPN), coordenador e professor da PROL ESTUDOS – Associação de Democratização do Conhecimento. Tem experiência na área de História, atuando principalmente nos temas: arqueologia da diáspora africana, patrimônio, arqueologia, cemitério dos pretos novos e arqueologia da paisagem.
  • MARCUS ANTONIO MONTEIRO NOGUEIRA: Colecionador particular de quase 40.000 itens históricos e arqueológicos. Formado em Direito e História é um grande conhecedor do Patrimônio Brasileiro e ocupa pela segunda vez a Direção Geral do INEPAC. Ele é o Curador da Exposição CARTOGRAFIA DA AFRICANIDADE FLUMINENSE.

O evento é gratuito e as inscrições são reservadas ao numero de assentos na sala de conferencias e as inscrições podem ser feitas pelo e-mail: pradodemello@hotmail.com.


Letras e gastronomia

Na Semana da Consciência Negra, o Saberes e Sabores convida para uma viagem pela literatura brasileira, angolana e moçambicana, temperada com os aromas da gastronomia dos três países.

O encontro será quarta-feira, 21 de novembro, 19h, e começa com uma conversa sobre as aproximações entre os escritores do Brasil, Angola e Moçambique em meio às tensões e desafios nacionais do século XX. 

O tema será apresentado pelo professor Alexandre Montaury, Diretor do Departamento de Letras da PUC-Rio, que irá abordar a proximidade dos projetos literários de escritores comprometidos com as lutas anticoloniais na África, anti-Salazarista em Portugal e de esquerda no Brasil. Serão tratados textos de José Luandino Vieira, Ruy Duarte de Carvalho, Rui Knopfli, Noémia de Sousa, Costa Andrade, Mia Couto, entre outros.

Após a palestra, será o momento de degustar pratos preparados pela chef Dida Nascimento, uma brasileira apaixonada pela cozinha africana, que há anos pesquisa os ingredientes, receitas e hábitos alimentares de vários países da África.

O encontro será  na sede do Centro Loyola PUC-Rio, na Estrada da Gávea, 1.

O valor da inscrição para palestra+degustação é de R$ 60. Estudantes de graduação de qualquer curso ou universidade pagam R$ 40.

Inscrições aqui.

Roteiro da Herança Africana no Rio de Janeiro

A obra, realizada por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura, traz uma lista com quinze espaços que mantêm viva a presença afro na cultura carioca.

São locais a serem visitados, onde estão representados aspectos históricos, manifestações culturais e práticas políticas e religiosas.

Obviamente, não esgotam todos os marcos do Circuito Histórico e Arqueológico da Pequena África.

Eis a lista dos capítulos e seus respectivos autores:

  • No fio mágico do cordão da memória (Milton Guran)
  • Cais do Valongo (Monica Lima e Souza)
  • Instituto Pretos Novos (Cláudio Honorato)
  • Docas Pedro II (Keila Grinberg)
  • Pedra do Sal (Martha Abreu)
  • Pequena África (Monica Lima e Souza)
  • Praça do Mercado (Juliana Barreto Farias)
  • Igreja de Santa Efigênia (Mariza de Carvalho Soares)
  • Quilombo do Leblon (Eduardo Silva)
  • Os povos de terreiro do Rio de Janeiro (Leon Araújo)
  • Capoeira (Maurício Barros de Castro)
  • “Abre caxambu, Saravá jongueiro” (Álvaro Nascimento)
  • Praça da Harmonia (Cláudio Honorato)
  • As vozes do samba: Um percurso de luta da comunidade Quilombola do Sacopã (Fábio Reis Mota)
  • Museu do Samba: espaço de memórias vivas (Nilcemar Nogueira)
  • O Réveillon de Iemanjá (Cristina Chacel)

Dos artefatos e das margens

No dia 27 de setembro, quinta-feira, na Livraria Folha Seca, a partir das 17h, ocorrerá o lançamento do livro organizado pelos professores André Chevitarese e Flávio Gomes.

Dois capítulos são dedicados a Santa Rita:

A matriz de Santa Rita sob o olhar do arqueólogo: inferências transdisciplinares a partir da decoração religiosa.

Antes do Valongo: cultura material, memória e africanos no Rio de Janeiro, século XVIII. Notas de uma investigação multidisciplinar.

Santa Rita como lugar de memória

Salvem a data!

No dia 20/9, quinta-feira, das 17h às 21h30, vamos debater sobre obras de reurbanização na freguesia de Santa Rita e o respeito devido aos ancestrais africanos enterrados no chão revirado pela obras do VLT. O presidente da CDURP confirmou sua presença.

No auditório do Arquivo Nacional, Praça da República, 173 – Centro – Rio de Janeiro.

Organização: IPEAFRO

Programação completa:

Mestre de cerimônia – Milsoul Santos
17h – Exibição de filmes e reportagens sobre a diáspora africana e o Cais do Valongo 

18h – “Padê de Exu Libertador” na voz de Abdias Nascimento | Performance com Thaís Ayomide e Fernando Luiz

18h10 – Apresentação do tema 
• Monica Lima, historiadora e coordenadora do Laboratório de Estudos Africanos (LEÁFRICA/UFRJ); e integrante do comitê científico que preparou o dossiê da candidatura do Cais do Valongo a Patrimônio da Humanidade
• Elisa Larkin Nascimento, diretora do Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros (IPEAFRO)

18h30 – Mesa de debates 
• Milton Guran, vice-presidente do Comitê Científico Internacional do Projeto Rota do Escravo da UNESCO
• João Carlos Nara, Jr., sócio do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, arquiteto e urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados da UFRJ, especialista na história de Santa Rita
• Luiz Eduardo Alves de Oliveira (Negrogun), presidente do Conselho de Direitos do Negro do Estado do Rio de Janeiro e membro da Comissão Pequena África
• Mediação: Flávia Oliveira, jornalista e membro do Conselho de Matriz Africana do Museu do Amanhã

19h50 – Palavra da prefeitura
• Antonio Carlos Mendes Barbosa, presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região Portuária (CDURP) 

20h20 – Discussão com o público presente

21h20 – Encerramento com poesia: Milsoul Santos

Escavações em Santa Rita na imprensa

Escavações no sítio da igreja de São Joaquim

As obras da linha 3 do VLT perpassam três sítios arqueológicos: a rua de São Joaquim, a igreja de São Joaquim e o Largo de Santa Rita.

As descobertas ao longo da Avenida Marechal Floriano têm atraído muito a curiosidade das pessoas e da mídia. Eis algumas reportagens:

Patrimônio das águas

O INEPAC e o IHGB organizam nos dias 13 e 14 de agosto o seminário Águas e Patrimônio Cultural, na sede do IHGB, no bojo das comemorações do Ano do Patrimônio das Águas.

Na segunda mesa a arquiteta Vera Dias irá falar dos chafarizes históricos da Cidade do Rio de Janeiro, entre os quais se contava o chafariz do Largo de Santa Rita.

Maiores informações pelo e-mail patrimonioinepac@gmail.com.

Visita guiada à igreja de Santa Rita

Lavabo embrechado de Santa Rita

O Centro Loyola da PUC-Rio está organizando a seguinte visita:

Data: Sexta-feira, 31 de agosto de 2018, das 13h às 14h30.

Descrição: Nesta visita guiada iremos conhecer uma das mais belas Igrejas do Centro do Rio de Janeiro, que guarda elementos da primeira aparição do estilo rococó na América. Também descobriremos como a cidade colonial se expandiu para o Valongo e o papel dessa matriz paroquial em relação ao tráfico de escravos no Rio de Janeiro.

Palestrante: João Carlos Nara Júnior é Arquiteto e Urbanista, e Mestre em Arqueologia. Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, membro do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos e do Laboratório de História das Experiências Religiosas do Instituto de História da UFRJ. Atualmente dirige a Divisão de Preservação do Museu Nacional no Escritório Técnico da UFRJ.

Local: Encontro às 12h45, em frente à Igreja de Santa Rita, no Largo de Santa Rita, próximo às ruas Marechal Floriano e Miguel Couto.

Investimento: R$ 30.

INSCREVA-SE AQUI.