Patrimônio das águas

O INEPAC e o IHGB organizam nos dias 13 e 14 de agosto o seminário Águas e Patrimônio Cultural, na sede do IHGB, no bojo das comemorações do Ano do Patrimônio das Águas.

Na segunda mesa a arquiteta Vera Dias irá falar dos chafarizes históricos da Cidade do Rio de Janeiro, entre os quais se contava o chafariz do Largo de Santa Rita.

Maiores informações pelo e-mail patrimonioinepac@gmail.com.

Visita guiada à igreja de Santa Rita

Lavabo embrechado de Santa Rita

O Centro Loyola da PUC-Rio está organizando a seguinte visita:

Data: Sexta-feira, 31 de agosto de 2018, das 13h às 14h30.

Descrição: Nesta visita guiada iremos conhecer uma das mais belas Igrejas do Centro do Rio de Janeiro, que guarda elementos da primeira aparição do estilo rococó na América. Também descobriremos como a cidade colonial se expandiu para o Valongo e o papel dessa matriz paroquial em relação ao tráfico de escravos no Rio de Janeiro.

Palestrante: João Carlos Nara Júnior é Arquiteto e Urbanista, e Mestre em Arqueologia. Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, membro do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos e do Laboratório de História das Experiências Religiosas do Instituto de História da UFRJ. Atualmente dirige a Divisão de Preservação do Museu Nacional no Escritório Técnico da UFRJ.

Local: Encontro às 12h45, em frente à Igreja de Santa Rita, no Largo de Santa Rita, próximo às ruas Marechal Floriano e Miguel Couto.

Investimento: R$ 30.

INSCREVA-SE AQUI.

O salvamento do cemitério de pretos novos de Santa Rita em O Globo

Área da Igreja de Santa Rita, no Centro – Marcos de Paula / Agência O Globo

RIO – As obras do último trecho do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) no Centro vão ajudar a desenterrar mais um pedaço da história do Rio de Janeiro. Previsto para sair da Central do Brasil e atravessar a Avenida Marechal Floriano em direção à Avenida Rio Branco, a nova linha passará por cima de um sítio arqueológico do século XVIII, que pode ser o Cemitério de Pretos Novos do Largo de Santa Rita, construído em frente à igreja de Santa Rita. A descoberta fez as obra do VLT ficarem parada cinco meses, aguardando liberação dos órgão de proteção ao patrimônio. Segundo historiadores, um cemitério funcionou ali entre 1722 e 1769, quando o mercado de escravos foi transferido da área urbanizada da cidade para a região do Valongo. Aquele teria sido o primeiro local da cidade de sepultamento de pretos novos (africanos mortos na chegada ou durante a viagem de navio até o Rio), antes mesmo do cemitério da Rua Pedro Ernesto, na Gamboa, descoberto na década de 1996, que funcionou entre 1779 e 1830. LEIA A MATÉRIA NA ÍNTEGRA (exclusiva para assinantes): Obra do VLT pode revelar sítio arqueológico no Centro do Rio

David Eltis no Brasil

David Eltis, professor emérito de história da Emory University (Atlanta), que dedicou grande parte de seus estudos à análise do tráfico atlântico de africanos, estará na UFF a partir de 8 de junho, dia em que dará uma conferência. Na semana seguinte, participará de dois workshops (maiores informações nos flyers).

Uma de suas grandes contribuições é o Transatlantic Slave Trade Database, que contou com a colaboração de historiadores de todo o mundo. Ali se reúnem dados quantitativos (estimativas sobre o tráfico por portos de embarque e desembarque) e qualitativos (nome dos barcos, capitães, etc.).

 

Reportagem sobre o Valongo

Saiu uma interessante reportagem sobre a situação do Cais do Valongo, que tem sido o pivô de grande desinteligência entre os órgãos públicos. Assista no link abaixo:

https://globoplay.globo.com/v/6730494/

Vale a pena rever a palestra Vestígios da memória como vetores da cidade na Freguesia de Santa Rita. Ali estão enumerados os compromissos assumidos pelo Rio de Janeiro para a manutenção da chancela de patrimônio mundial outorgada pela UNESCO ao Cais do Valongo.

Concurso do IHGRJ sobre Histórias do Rio

Art. 1. O Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro (IHGRJ) institui, pelo presente, o segundo Concurso de Estudo e Difusão da História do Rio de Janeiro, que se destina a premiar estudantes de níveis médio e superior, incentivando a pesquisa, o estudo e a difusão da História, além de promover e defender o patrimônio natural e cultural da Cidade e do Estado do Rio de Janeiro.

Art. 2. O concurso destina-se à escolha de trabalhos que tratem de pequenas histórias do Rio de Janeiro, passadas em qualquer século e que abordem pessoas, bairros, ruas, instituições, fatos, e/ou quaisquer acontecimentos.

Art. 3. Poderão participar do concurso estudantes de nível médio e de nível superior, devidamente matriculados em qualquer universidade na cidade e no estado do Rio de Janeiro, que não possuam vínculo de parentesco de até segundo grau com os membros da comissão julgadora.

Art. 4. Para a presente edição institui-se o Prêmio Mem de Sá em três níveis:

a) Prêmio Mem de Sá — nível médio.
b) Prêmio Mem se Sá — nível superior.
c) Prêmio Mem de Sá — nível pós graduação.

Art. 5. A premiação do Concurso ocorrerá em cerimônia a ser realizada na sala CEPHAS do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, no mês de dezembro, durante a sessão magna do IHGRJ, quando serão entregues os seguintes prêmios:

  1. Livros de autoria de todos os sócios do IHGRJ aos vencedores dos níveis superior e pós-graduação.
  2. Prêmio especial aos dois primeiros colocados do nível superior: um tablet.
  3. Prêmio especial ao primeiro colocado do nível médio: um tablet.
  4. Publicação, na Revista do IHGRJ, dos primeiros colocados nos níveis superior e pós-graduação.

Art. 6. Os trabalhos concorrentes ao Prêmio Mem de Sá deverão observar os seguintes requisitos:

  1. Obediência às normas da ABNT;
  2. Digitação em papel modelo A4;
  3. Número de páginas – 10 no mínimo e 20 no máximo;
  4. Espaço entre linhas – 1,5 digitadas em fonte Arial, tamanho 12 e espaço 1,5, de um só lado, com a indicação, na capa, do pseudônimo do candidato;
  5. Citação de fontes bibliográficas, no mínimo de 10 obras (livros, revistas, jornais, etc.).

Art. 7. O julgamento dos trabalhos concorrentes será feito da forma abaixo discriminada:

  1. Os critérios de avaliação serão baseados na originalidade, qualidade de linguagem; concisão no texto e qualidade do conteúdo;
  2. O Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro constituirá comissão, formada por quatro historiadores (quatro), especialmente indicada para julgar os trabalhos apresentados;
  3. As decisões da Comissão Julgadora será definitiva, não cabendo qualquer recurso ou impugnação.

Art. 8. Serão inscritos no concurso todos os estudantes que tiverem entregado ou postado seu trabalho em qualquer agência dos correios até a data limite, comprovada pelo carimbo de postagem e que tenham os seguintes documentos:

  1. Envelope fechado contendo: folha de identificação do autor, seu pseudônimo, endereço e telefone, o título de seu trabalho, comprovantes de estar matriculado no nível superior. Este envelope não deverá conter externamente, qualquer marca ou sinal de identificação e será numerado pela comissão julgadora.
  2. Envelope contendo o trabalho, propriamente dito, que não deverá conter qualquer identificação e que receberá o mesmo número do primeiro envelope, pela comissão julgadora.

Art. 9. Não haverá formulários específicos e todos os candidatos deverão entregar ou enviar via Correio seus trabalhos em 03 (três) vias, para o seguinte endereço:

Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro
Av. Augusto Severo, 8/12º andar
Glória, CEP 20021- 040

Art. 10. Não serão aceitos trabalhos enviados por fax ou e-mail.

Art. 11. O não atendimento as exigências previstas em edital resultará na anulação da inscrição do candidato.

Art. 12. O presente Concurso do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, obedecerá ao seguinte Calendário:

  1. Lançamento Oficial: 15 de abril de 2018. Divulgação da Comissão Julgadora;
  2. Prazo limite para entrega ou postagem nos correios: 30 de setembro de 2018;
  3. Julgamento: 15 de outubro a 15 de novembro de 2018;
  4. Proclamação dos Resultados: 16 de novembro de 2018;
  5. Entrega dos prêmios: 13 de dezembro de 2018.

Art. 13. Os trabalhos não premiados serão devolvidos na sessão magna de 13 de dezembro de 2018.

Art. 14. Os trabalhos premiados constarão de uma lista em edital do IHGRJ à disposição na sede provisória do IHGRJ, na Avenida Augusto Severo, 8/12º andar, Glória, CEP 20021- 040.

Art. 15. Face à eventual impossibilidade de comparecimento para o recebimento dos prêmios, os ganhadores poderão enviar representantes.

Art. 16. Os casos omissos neste regulamento serão resolvidos pela Comissão Julgadora.

 

Neusa Fernandes
Presidente do IHGRJ

Magalhães Correia e a Preservação

Tomarei posse no Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro da cadeira cujo patrono é Armando Magalhães Correia, autor de O Sertão Carioca, obra clássica sobre a Zona Oeste do Rio, publicada em 1930.

Magalhães Correia trabalhava no Museu Nacional e foi um dos primeiros preservacionistas brasileiros. Adorava desenhar e representou o Largo de Santa Rita com o seu primitivo chafariz.

Seminário sobre Memória e Turismo

O III SEMINÁRIO INTERNACIONAL EM MEMÓRIA SOCIAL (III SIM) será realizado de 15 a 18 de maio de 2018, na Universidade Federal do Estado do Rio Janeiro (UNIRIO), com o tema “Memória e Turismo: roteiros, trajetórias, discursos e subjetividades em construção”. O evento se coloca como um fórum de discussões dos desdobramentos da relação entre Memória e Turismo tendo como tema provocador o caso do Cais do Valongo (Rio de Janeiro). Neste sentido, as temáticas abordadas nesta terceira edição abrangem a memória em relação à

1. Memória e Patrimônio

  • Diáspora Africana: Materialidade e Imaterialidade
  • Legislações
  • Gestão e Conservação
  • Arqueologia
  • Regimes de Patrimonialização e Novos Patrimônios
  • Processo de Memoração e Usos Turísticos
  • Políticas Culturais Para Bens Patrimonializados
  • Patrimônio Cultural e Patrimônio Natural

2. Memória e Espaço

  • Fluxos Diaspóricos
  • Políticas de Planejamento Urbano
  • Políticas Culturais e Manifestações Territoriais
  • Manifestações Socioespaciais da Religiosidade
  • Meio do Ambiente
  • Apropriação pelo Turismo
  • Conflitos Territoriais
  • Produção Audiovisual

3. Memória e Linguagem

  • Diáspora Africana
  • Turismo
  • Práticas Identitárias
  • Narrativas
  • Discurso e Trauma
  • Performatividade
  • Produção de Sentidos
  • Literatura

4. Memória e Subjetividade

  • Construção de Atravessamentos Religiosos
  • Memórias Traumáticas
  • Resistência à diferença e resistência da diferença
  • Movimentos Sociais
  • Processos de Turistificação
  • Singularidade e Criação
  • Corporeidade
  • Violência Urbana