Como foi o lançamento na Livraria da Travessa

No início da noite de terça-feira (21/3), foi lançado o livro Arqueologia da Persuasão: O Simbolismo Rococó da Matriz de Santa Rita, na livraria da Travessa, em Botafogo, Zona Sul do Rio. O lançamento foi noticiado pelo Jornal do Brasil.

A obra, resultado de dois anos de pesquisa, oferece ao leitor uma abordagem polissêmica da arte sacra do Brasil Colonial, à luz do simbolismo empregado em sua decoração.

A decoração da igreja matriz da Freguesia de Santa Rita de Cássia, aliás, inaugura o estilo rococó na América.

Esse livro é o fruto de dois anos de pesquisas sobre a freguesia de Santa Rita, terceira paróquia urbana do Rio de Janeiro. Durante o tempo que estive em campo, procurei estabelecer um diálogo entre a arquitetura, a arte, a arqueologia e a história. À medida em que me debruçava sobre o tema, mergulhei em Santa Rita em três diferentes etapas, assim como faz um observador que cerra os olhos para enxergar melhor: sua igreja, seu tempo e seu simbolismo. (João Carlos Nara Jr.)

Inventário dos monumentos do Rio de Janeiro

Monumento a Zumbi dos Palmares

Monumento a Zumbi dos Palmares

Um site novinho em folha — http://inventariodosmonumentosrj.com.br/ —, mostra o trabalho da arquiteta Vera Dias, gerente de monumentos e chafarizes do Rio de Janeiro e apaixonada pela Cidade Maravilhosa.

Ali você encontra fontes e chafarizes, obras públicas, estátuas e bustos, representações religiosas, esculturas e marcos que enriquecem nossas ruas.

Entre outros monumentos, o site traz a fonte que houve no Largo de Santa Rita entre 1884 e 1904, e da qual há um cópia em operação no Rio Comprido.

Santa Rita no Instituto Pretos Novos

Santa Rita - IPN

O Instituto Pretos Novos abriu sua sede (a três quadras da estação Utopia/AquaRio do VLT), onde se encontra o cemitério do Valongo, para uma conversa sobre a Matriz de Santa Rita.

Escavando o Rio: Jacarepaguá

A arqueóloga Sílvia Peixoto convida para participar do seu trabalho de campo do Doutorado, em um engenho do século XVII na região do Camorim, Jacarepaguá.

Excelente oportunidade para escavar em um sítio histórico colonial de grande antiguidade e entrar em contato com diversos materiais referentes a contextos dos séculos XVII e XVIII!

As atividades serão realizadas na primeira quinzena de janeiro. Os interessados devem entrar em contato pelo e-mail silviapeixoto@gmail.com.

Esta postagem saiu originalmente no blogue Arqueologia e Pré-História.

Escavando o Rio: cemitério do Valongo

whatsapp-image-2016-12-12-at-23-16-33O Arqueólogo Reinaldo Tavares iniciou no dia 12 de dezembro um novo ciclo de escavações no cemitério do Valongo, no Instituto Pretos Novos.

O sítio arqueológico Cemitério dos Pretos Novos do Valongo, no bairro carioca da Gamboa, sucedeu ao cemitério de Santa Rita, perdurando até o fim do tráfico negreiro no século XIX.Nele encontram-se sepultados os cativos africanos que morreram antes de serem vendidos. Em tais circunstâncias, eles careciam de domicílio e, consequentemente, de paróquia onde serem sepultados. Os cemitérios para pretos novos foram uma criação do Estado, mas pastoralmente estavam sob a responsabilidade do pároco da circunscrição eclesiástica em que se encontravam (até 1751: Candelária; desde então, Santa Rita).
O Instituto Pretos Novos funciona para visitações ao público de terça a sexta, das 11 às 18 h. Não deixe de conferir as escavações do Sítio Arqueológico Cemitério dos Pretos Novos agendando a visita pelo e-mail comunicacao@pretosnovos.com.br.

Discurso de encerramento do Simpósio sobre Santa Rita

img-20161207-wa0011

Neste breve encerramento, desejo dizer três palavras.

Primeiramente: OBRIGADO.

Quero externar meu mais sentido agradecimento a todos vocês que me acompanharam com generosidade e paciência ao longo dos últimos quatro anos. Em particular, todos os ilustres Professores que falaram no Simpósio têm importante papel nesta caminhada:

Ondemar Dias é um verdadeiro mestre que me transmite profissionalismo e espírito de equipe. Carlos Eugênio Soares é um grande colaborar, que demonstra grande finura, senso de humor e coragem nas adversidades. Paulo Sá me ensinou a ouvir o século XVIII, a perceber que o tempo é feito também de arte e sentimento. Daniel Pêcego é como um braço direito e um arrimo. Versátil, comunica experiência e sabedoria. Raquel Lima foi a primeira colega do Museu Nacional a me ajudar na pesquisa, tão logo comecei o mestrado, “apresentando-me” à Rita de Cássia. Rodrigo Bastos me ajudou — parafraseando Emmanuel Kant em seu tributo a David Hume — a “despertar do sonho dogmático” acerca da espacialidade arquitetônica (desde quando o conheci em um curso ministrado na Casa de Rui Barbosa). Gleide Dias é minha fiel escudeira para todas as horas, daquelas pessoas que nunca duvidam de você e sempre topam generosamente ajudar com entusiasmo. Naylor Vilas Boas demonstrou abertura e disponibilidade sem iguais, facilitando ferramentas cujo uso superam minhas possibilidades. Maurício Marinho, meu coordenador de Preservação de Imóveis Tombados no Escritório Técnico da UFRJ, foi muito acolhedor e compreensivo em uma fase crítica pela qual passei, fazendo-me apreciar ainda mais o campo do Patrimônio.

Evidentemente, deveria citar muitos outros que poderiam ter estado à mesa e que, de antemão, convido para uma próxima ocasião. Entre eles, destaco alguns nomes como Nireu Cavalcanti, Pe. Marcelo Nascimento, Jandira Neto, Helder Viana, Simone Mesquita, André Perlingeiro, Vera Dias, Alejandra Saladino, Mateus Rosada, Alberto Gomes.

O segundo ponto que desejo compartilhar com vocês é uma LIÇÃO.

Aprendi ao longo dos últimos anos que é possível fazer pesquisa no Brasil. Recordo com carinho o dia em que, já desiludido com tantas negativas recebidas na pós-graduação, animado mais uma vez pelos Professores Jorge Cintra e Renato Moraes vim ao Instituto de História me entrevistar com André Chevitarese. Como não o encontrasse em sua sala, indaguei a dois Professores que conversavam animadamente na escadaria do edifício se saberiam onde ele se encontrava. Logo percebi que falava com o próprio, o qual jocosamente indicava Flávio Gomes, que estava a seu lado, dizendo-me para ter cuidado com ele.

A partir de então começamos uma caminhada acadêmica surpreendente. Ingressei no mestrado em Arqueologia do Museu Nacional e me debrucei sobre o simbolismo da matriz de Santa Rita. Sendo amante da história do Rio, Santa Rita revelou-se uma joia despercebida, um ponto de encontro de interesses e um nó de perguntas ainda sem resposta. Situada no limite da Cidade no início do século XVIII, Santa Rita abriu o caminho para o sertão carioca e permaneceu incólume às agruras do tempo e das reformas urbanas, quer infelizes quer felizes.

Após concluir no Museu Nacional o estudo da Arqueologia da Persuasão — isto é, do uso retórico da arte rococó na Matriz —, iniciei no Instituto de História o estudo da Arqueologia da Transição — ou seja, da sua função no sistema da diáspora africana na América, especialmente através do seu cemitério de pretos novos.

André Chevitarese e Flávio Gomes são acadêmicos exemplares. Ensinaram-me com a sua conduta e as suas palavras que, apesar dos problemas da Universidade brasileira, é possível fazer pesquisa de alto nível. Sem dúvida há obstáculos burocráticos, acadêmicos, teóricos, financeiros. De fato, vemos a Universidade — especialmente a área de humanas — gerida de forma precária, convulsionada por reivindicações irracionais, contaminada por dogmatismos deletérios e carente de recursos econômicos. Em outras palavras, padecemos com artifícios administrativos, agendas pseudopolíticas com presunção de tolerância, preconceito religioso disfarçado de cientificidade, dificuldade de acesso à informação e reserva de mercado.

No entanto, mais fortes são aqueles que perseveram apesar das barreiras; que tentam de novo, apesar das injustiças; que não se calam, a despeito do patrulhamento ideológico; que investem, mesmo sem apoio institucional. Esta pesquisa precisou superar tudo isso. Com o auxílio financeiro de amigos, integrando perspectivas teóricas rechaçadas, evitando altercações inúteis e correndo contra o relógio, creio que chegamos, nesta primeira fase, a bom termo!

Por fim, a terceira ideia que gostaria de lhes dirigir consiste em um CONVITE.

Recomendo que se estude e se valorize mais Santa Rita. Que ela não passe despercebida na Paisagem Cultural do Rio de Janeiro, nem fique à margem da atenção dada ao Porto Maravilha. Que mais alunos se sintam estimulados a se debruçar sobre esse microcosmo carioca. Que a memória de nossos “ancestrais” e irmãos africanos — cativos no corpo, mas livres na alma — seja reverenciada e celebrada, especialmente em Santa Rita, por onde passaram há 300 anos atrás.

Muito boa noite, e obrigado a todos os presentes!

João Carlos Nara Júnior, 5/12/16

whatsapp-image-2016-12-07-at-21-31-59-1

Simpósio: mesa Patrimônio

simposio-santa-rita-mesa-3-patrimonio-modelagem-arqueometriaNa terceira mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Gleide Dias e Naylor Vilas Boas.

Gleide Dias, Física e Professora de geofísica, atuante nas áreas de Geociências e Petrofísica. Sua apresentação versará do uso de georradar para análises não invasivas do subsolo, como recurso para a Arqueologia.

Naylor Vilas BoasArquiteto Doutor em História do Urbanismo, é Professor e Coordenador do Laboratório de Análise Urbana e Representação Digital do Programa de Pós-Graduação em Urbanismo da UFRJ. Apresentará as recentes pesquisas desenvolvidas pelo Laboratório relacionadas com a exploração da representação gráfica digital na reconstrução histórica de espaços do centro do Rio de Janeiro. A partir de uma reflexão sobre os caminhos de pesquisa trilhados pelo grupo em diferentes estudos já elaborados, a produção atual e as possibilidades futuras serão discutidas a partir de suas contribuições, limites e possibilidades para a visualização e para o entendimento das dinâmicas de transformação urbana da cidade.

Simpósio: mesa Linguagens

simposio-santa-rita-mesa-2-musica-arquitetura-antropologia

Na segunda mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Rodrigo Bastos, Paulo Sá e Raquel Lima.

Rodrigo Bastos, cantor, Arquiteto e Urbanista, Engenheiro Civil, Professor de Arquitetura da UFSC, recebeu diversos prêmios, entre eles por sua tese A maravilhosa fábrica de virtudes: o decoro na arquitetura religiosa de Vila Rica, Minas Gerais (1711-1822), publicada pela Edusp em 2013. Sua apresentação versará da retórica poética da Arquitetura.

Paulo Sá, professor de Música da UFRJ e Diretor Artístico do Momento Rio Bandolim, executará peças musicais populares no Rio de Janeiro do século XVIII, acompanhado do músico Adriano Palma Correa.

Raquel Lima, Historiadora, doutora em Antropologia Social e especialista em Ciência da Religião, é professora do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Viçosa. Sua apresentação versará da devoção a Santa Rita em seu lugar pioneiro no Brasil.

Simpósio: mesa histórico-arqueológica

simposio-santa-rita-mesa-1-historia-arqueologia

Na primeira mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Ondemar Dias e Carlos Eugênio Soares.

Ondemar Dias, Livre Docente Titular do IH-UFRJ, é fundador e diretor presidente do Instituto de Arqueologia Brasileira. Sua apresentação versará da atuação do referido Instituto em prol da arqueologia carioca, percorrendo as seguintes pesquisas efetuadas:

  • Anos 60 – A Fábrica de Anil do “Vale do elefante”
  • Anos 70 – O metrô do Rio de Janeiro
  • Anos 80 – O “Apicum” de Guaratiba
  • Anos 90 – A picota da Pavuna
  • Anos 2000 – Antiga Sé, Forte do Campinho, Rua dos Inválidos, Rua Jardim Botânico e curadoria do Cais do Valongo.

Carlos Eugênio Soares, Professor de História na UFRRJ, pesquisa a escravidão africana urbana no Brasil, a capoeira, os africanos nas cidades do Rio de Janeiro e Salvador no século XVIII. Atuou nos estudos do cais do Valongo. Sua apresentação versará da Pequena África setecentista.

Antes do Valongo: Santa Rita

simposio-antes-do-valongo-santa-ritaSerá realizado no Salão Nobre do IFCS/IH-UFRJ (Largo de São Francisco, nº 1, Centro do Rio), o Simpósio Antes do Valongo: Santa Rita.

O encontro, que ocorrerá dia 5 de dezembro, segunda-feira, das 14h às 19h, constará de três mesas transdisciplinares (História e Arqueologia, Arquitetura e Antropologia, Arqueometria e Patrimônio), com intervalos entre uma e outra.

Os palestrantes serão:

  • Raquel Lima: Antropologia da devoção à Santa Rita
  • Paulo Sá: Música carioca no século XVIII: modinha, lundu e a invenção do choro
  • Rodrigo Bastos: Arqueologia poética da Arquitetura

A mediação será feita pelos professores André Chevitarese, Daniel Pêcego e Maurício Marinho.

Ao fim do evento será lançado o livro Arqueologia da Persuasão: o simbolismo rococó da Matriz de Santa Rita.

 

Santa Rita na paisagem cultural carioca

pampulha

São Francisco da Pampulha

Realizou-se em setembro, na UFMG, o 4º Colóquio Ibero-Americano sobre Paisagem Cultural. Foi uma oportunidade de se falar da importância de Santa Rita na paisagem cultural carioca.

Como explica o site do evento:

Nos últimos anos tem se acentuado a discussão em torno da categoria “paisagem cultural”, apesar de ela ter sido incluída há mais de vinte anos na Convenção do Patrimônio Mundial da UNESCO e de dezenas de paisagens já terem sido nela inscritas, inclusive o Rio de Janeiro em 2012. Ao lado do desafio colocado pelo próprio conceito de “paisagem cultural”, uma das questões que mais tem preocupado os pesquisadores e órgãos do patrimônio ao redor do mundo tem sido a da sua gestão. Afinal, como tratar essa nova dimensão – tão complexa e ampla – e que envolve sempre múltiplos – e muitas vezes conflitantes – interesses e atores?

Ao mesmo tempo em que essa categoria dá margem à polêmica, ela tem sido cada vez mais utilizada ao redor do mundo por pesquisadores, profissionais e órgãos de preservação. O fato é que a ideia de “paisagem cultural” tem aberto novas possibilidades para a área do patrimônio, combinando aspectos materiais e imateriais do conceito, que tradicionalmente foram operados separadamente, e indicando haver porções territoriais cujo valor cultural se expressa pelas interrelações intrínsecas e de longa data entre grupos sociais e o meio ambiente natural. Com isso, recoloca-se o próprio campo do patrimônio cultural, abrindo-se uma perspectiva contemporânea para, ao lado das novas contribuições se pensar também de forma mais integrada diversas ideias tradicionais do campo da preservação.

Diante dos desafios colocados pelo conceito de paisagem cultural especialmente no que tange à necessária interdisciplinaridade para a construção de políticas públicas de modo participativo e com incidência no território, faz-se necessário aprofundar o debate sobre a gestão do patrimônio cultural, de modo ampliado, e, ao mesmo tempo, reconhecer as limitações do campo do patrimônio para a condução dos trabalhos, implicando articulação, (re)definição de papéis e construção de novas estratégias para a ação preservacionista, com vistas ao desenvolvimento.

É frente a este quadro que acontece em 2016 a quarta edição do já tradicional “Colóquio Ibero-americano Paisagem Cultural, patrimônio e projeto”, promovido pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e pelo Instituto de Estudos do Desenvolvimento Sustentável (IEDS), aos quais este ano vem se juntar o Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS-BRASIL).

Nesse colóquio vão se aprofundar as discussões iniciadas nas edições anteriores, fazendo-se uma avaliação das diversas dimensões da ideia da paisagem cultural, tanto aquelas de natureza conceitual, metodológica e projetual, quanto suas implicações para as políticas de preservação,intervenção e gestão do patrimônio, com vistas ao desenvolvimento.

Restituição e retorno cultural

direito-processual-civilO Professor Walter dos Santos Rodrigues coordena, na Faculdade Nacional de Direito da UFRJ, um grupo de pesquisa chamado Direito, Processo, Justiça e Democracia. Como conclusão da programação do semestre, ocorreu no Auditório Pedro Lessa a palestra Objetos em disputa, curadoria, restituição e retorno cultural: questões jurídicas decorrentes das escavações arqueológicas das obras do Porto Maravilha.

A apresentação vai abaixo: