Saudade da paisagem carioca

François Froger. St. Sebastien (1695). Às portas do século XVIII, a área urbanizada do Rio de Janeiro já era a várzea da praia entre os Morros do Castelo (D) e São Bento (B). Ao fundo se divisa o edifício que seria o futuro palácio episcopal, no Morro da Conceição (E).

[A cidade] não consegue contradizer
o quadro da natureza
e sua silhueta se confunde com a paisagem.
Nenhum rigor, nenhum método,
sempre este abandono característico,
que se exprime na palavra desleixo.

Sérgio Buarque de Holanda, Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1976, p. 76

Saudade em latim se traduz por desiderius, de-sidério, carência de céu, nostalgia das noites da terra natal. Por isso Gonçalves Dias teria escrito que nosso firmamento possui mais estrelas que o de além-mar. Saudade do céu, que exprime a saudade da terra. Entre o céu e a terra, um Rio de saudade. Saudade de um sonho de cidade que nunca se realizou. Saudade de um céu cujo contorno não mais se vislumbra senão entre as severas linhas de uma arquitetura duvidosa. Contudo, a saudade típica dos anos da Guanabara, logo após a criação de Brasília, contém muitos esquecimentos.

Houve época em que o skyline do Rio não era o Pão de Açúcar com o Corcovado. O Rio visto do avião teima em substituir o Rio visto do mar.  A verdadeira mágica carioca consiste em ser o Gigante Adormecido visto das ilhas Cagarras, esconde-se nos recôncavos da formosa baía em que as baleias iam brincar.

O Centro do Rio visto atualmente da Baía de Guanabara. Os acidentes geográficos da figura anterior praticamente desapareceram, ao mesmo tempo que sobressai o prédio negro da Cândido Mendes, construído sobre o antigo convento do Carmo.

Por falar em varanda, é forçoso admitir que os inúmeros “balcões” da cidade foram os antecedentes das nossas janelas de avião. Desde os morros da ocupação original — Castelo, São Bento, Santo Antônio e Conceição — divisavam-se panoramas inusitados, ostentando uma beleza cativante para os adventícios do século XVIII. No cadinho étnico, cultural e natural do Rio de Janeiro juntaram-se nativos e aventureiros, europeus e africanos, exploradores e admiradores. A despeito das dificuldades locais e da diversidade de objetivos, o pluralismo e a diversidade souberam conviver sob a égide do fascínio da paisagem carioca.

Nos tempos de criança, eu adorava contemplar o Centro do Rio da varanda da barca que voltava de Niterói. Estranhava a enorme mole de vidro, o edifício da Faculdade Cândido Mendes, negro e descomunal, pousado numa paisagem que não parecia ser a dele, mas que o IPHAN achava que já não pertencia a ninguém. Este é o Rio de Janeiro original, onde tudo começou: o Castelo inexistente, o São Bento então escondido pela Perimetral, o Paço Imperial camuflado na Praça XV. Mas não só: há muito mais escondido ali.

O maravilhamento sentido nos setecentos devia ser ainda maior diante da feracidade da terra, a integridade das paisagens e a limpidez dos ambientes. Tanto que muitos viajantes oriundos de múltiplas nações registraram abundantemente suas impressões em aquarelas, gravuras e desenhos. Apesar de que alguns artistas tenham reinterpretado as paisagens cariocas numa chave europeia — o estilo das montanhas, o padrão arquitetônico, as espécies vegetais, a incidência luminosa —, seu legado é extremamente importante e aportam importantes informações para o estudo da história da cidade. A imagem, quer valha ou não por mil palavras, também conta história.

O que é hodologia

Você tem interesse na proposta metodológica abaixo? Entre em contato comigo para discutir melhor esse assunto!

Os caminhos dos seres humanos são sinuosos ou retilíneos, diaspóricos ou confluentes, inóspitos ou acomodados.

Povoadas por milhões de peregrinos e migrantes, por gente traficada ou sem destino, viajantes e aventureiros, as rotas são cicatrizes cujas marcas podem ser abandonadas, apagadas e esquecidas, ou ampliadas, corrigidas e reabertas.

Todo trajeto implica uma topologia e uma cronologia, assim como uma geomorfologia determinada pela agência e pela interdependência dos homens, da fauna e da flora.

Podem ser navegáveis ou carroçáveis, percorridos a pé, com pressa ou lentidão. Os itinerários delineiam a paisagem e estabelecem metáforas vitais.

As rotas são um método (μεθ-ὁδός, “através do caminho”) para gerir a proximidade e a distância, segregar e unir.

Os caminhos possibilitam a transição, são cadenciados pela espera e dialogam com as fronteiras.

As condições hodológicas da cidade estão na raiz da nostalgia pela vida bucólica, da viabilidade do turismo de massa, e do surgimento de espaços hodológicos democráticos ou até mesmo subversivos.

No encontro de diversas epistemologias — urbanismo, geografia, arqueologia, história, antropologia, ciência da religião, etc. — a Freguesia de Santa Rita (a histórica Zona Portuária carioca) oferece um caso de estudo aberto a enquadramentos teóricos inovadores como o da hodologia.

O passado e o futuro do patrimônio cultural carioca

Mesa sobre os novos marcos culturais do Rio de Janeiro, durante o workshop Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca, realizado a 4/9/2017 no Arquivo Nacional:

Alterações e embargos: entraves no resgate de uma memória portuária
     Antônio Carlos Higino da Silva, historiador (PPGHC/UFRJ)
   Cidade Nova e HESFA, sobre rupturas e permanências
     Eliara Beck Souza, arquiteta e urbanista (DIPRIT/ETU/UFRJ)
   Vestígios da memória como vetores da cidade na Freguesia de Santa Rita
     João Carlos Nara Jr., arquiteto e arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)

Cartografia carioca e transformações históricas

Mesa sobre os marcos geográficos do Rio de Janeiro, durante o workshop Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca, realizado a 4/9/2017 no Arquivo Nacional:

Fortificações militares e acidentes geográficos
     Francisco José Correa Martins, historiador (DEGEO/UFRRJ)
   Análise espaço-temporal e toponímica do Rio de Janeiro
     Paulo Márcio Leal de Menezes​, geógrafo (PPGG/UFRJ)
   Aplicação da geofísica para a reconstrução histórica do Rio de Janeiro
     Gleide Dias, geofísica (IGEO/UFRJ)

Símbolos clássicos espalhados pelo Rio de Janeiro

Mesa sobre os marcos clássicos do Rio de Janeiro, durante o workshop Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca, realizado a 4/9/2017 no Arquivo Nacional:

Signos da civilização: memória, patrimônio e instituições no Brasil Imperial
     Mariáh Martins, historiadora da ciência (Museu Nacional/UFRJ)
   De onde vem essa nação? Os fios e os rastros do projeto nacional brasileiro
     Leonardo Amatuzzi, arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)
   Patrimônio ressignificado e ação do poder público
     Andre Angulo, museólogo (Museu da República)

Hodologia: estudo dos caminhos

Vídeo do debate entre os pesquisadores Joseph Rykwert (Londres) e Francesco Pellizzi (Nova Iorque) durante o congresso internacional de hodologia organizado pelo Kunsthistorisches Institut in Florenz – Max Planck Institute e pelo eikones NCCR Iconic Criticism da Universidade da Basileia, em maio de 2017.

Joseph Rykwert and Francesco Pellizzi: A Conversation from KHI Florenz on Vimeo.

Rio de Janeiro, cidade porosa

Bruno Carvalho é professor de cultura hispano-portuguesa na Princeton University. Carioca da gema, escreveu um delicioso livro — premiado no exterior, mas não traduzido aqui — em que descreve a história cultural da Cidade Maravilhosa à luz da Praça Onze.

A “imortal” Praça Onze do samba-enredo Bum Bum Praticumbum Prugurundum da Império Serrano é um desses “poros” explorados pelo autor para adentrar na fronteira da Cidade Nova, onde a Pequena África encontrava o Bairro Judeu.

Πόρος é um termo grego que significa vau, fiorde, travessia; estreito; rota marítima; ponte; caminho; duto, abertura; aqueduto; porto; jornada, viagem. Terá sido mera coincidência que a Guanabara tenha sido chamada, em português castiço, “Ria de Janeiro”, isto é, “abertura da porta (ianua)”?

Leitura obrigatória para repensar o Rio de Janeiro não como cidade dividida, mas como cidade porosa, a partir do rico acervo de fontes históricas, teóricas e literárias trazidas ao debate sobre a urbanização e a modernidade cariocas. Excelente modelo metodológico para as pesquisas acadêmicas sobre a Cidade Nova e Cidade Velha, o Rio de antes e o Rio de sempre.

CARVALHO, Bruno. Porous city: a cultural history of Rio de Janeiro (from 1810s onward). Princeton: Princeton University Press, 2013.

Inventário dos monumentos do Rio de Janeiro

Monumento a Zumbi dos Palmares

Monumento a Zumbi dos Palmares

Um site novinho em folha — http://inventariodosmonumentosrj.com.br/ —, mostra o trabalho da arquiteta Vera Dias, gerente de monumentos e chafarizes do Rio de Janeiro e apaixonada pela Cidade Maravilhosa.

Ali você encontra fontes e chafarizes, obras públicas, estátuas e bustos, representações religiosas, esculturas e marcos que enriquecem nossas ruas.

Entre outros monumentos, o site traz a fonte que houve no Largo de Santa Rita entre 1884 e 1904, e da qual há um cópia em operação no Rio Comprido.

Conferências do Simpósio sobre Santa Rita (mesa 3)

Professores Naylor, Maurício e Gleide

Professores Naylor, Maurício e Gleide

MESA 3 (GEOFÍSICA, URBANISMO)

  • Gleide Dias: Geofísica aplicada à Arqueologia histórica

img_3578

Simpósio: mesa Patrimônio

simposio-santa-rita-mesa-3-patrimonio-modelagem-arqueometriaNa terceira mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Gleide Dias e Naylor Vilas Boas.

Gleide Dias, Física e Professora de geofísica, atuante nas áreas de Geociências e Petrofísica. Sua apresentação versará do uso de georradar para análises não invasivas do subsolo, como recurso para a Arqueologia.

Naylor Vilas BoasArquiteto Doutor em História do Urbanismo, é Professor e Coordenador do Laboratório de Análise Urbana e Representação Digital do Programa de Pós-Graduação em Urbanismo da UFRJ. Apresentará as recentes pesquisas desenvolvidas pelo Laboratório relacionadas com a exploração da representação gráfica digital na reconstrução histórica de espaços do centro do Rio de Janeiro. A partir de uma reflexão sobre os caminhos de pesquisa trilhados pelo grupo em diferentes estudos já elaborados, a produção atual e as possibilidades futuras serão discutidas a partir de suas contribuições, limites e possibilidades para a visualização e para o entendimento das dinâmicas de transformação urbana da cidade.

Simpósio: mesa Linguagens

simposio-santa-rita-mesa-2-musica-arquitetura-antropologia

Na segunda mesa do simpósio Antes do Valongo: Santa Rita falarão os professores Rodrigo Bastos, Paulo Sá e Raquel Lima.

Rodrigo Bastos, cantor, Arquiteto e Urbanista, Engenheiro Civil, Professor de Arquitetura da UFSC, recebeu diversos prêmios, entre eles por sua tese A maravilhosa fábrica de virtudes: o decoro na arquitetura religiosa de Vila Rica, Minas Gerais (1711-1822), publicada pela Edusp em 2013. Sua apresentação versará da retórica poética da Arquitetura.

Paulo Sá, professor de Música da UFRJ e Diretor Artístico do Momento Rio Bandolim, executará peças musicais populares no Rio de Janeiro do século XVIII, acompanhado do músico Adriano Palma Correa.

Raquel Lima, Historiadora, doutora em Antropologia Social e especialista em Ciência da Religião, é professora do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Viçosa. Sua apresentação versará da devoção a Santa Rita em seu lugar pioneiro no Brasil.

Santa Rita na paisagem cultural carioca

pampulha

São Francisco da Pampulha

Realizou-se em setembro, na UFMG, o 4º Colóquio Ibero-Americano sobre Paisagem Cultural. Foi uma oportunidade de se falar da importância de Santa Rita na paisagem cultural carioca.

Como explica o site do evento:

Nos últimos anos tem se acentuado a discussão em torno da categoria “paisagem cultural”, apesar de ela ter sido incluída há mais de vinte anos na Convenção do Patrimônio Mundial da UNESCO e de dezenas de paisagens já terem sido nela inscritas, inclusive o Rio de Janeiro em 2012. Ao lado do desafio colocado pelo próprio conceito de “paisagem cultural”, uma das questões que mais tem preocupado os pesquisadores e órgãos do patrimônio ao redor do mundo tem sido a da sua gestão. Afinal, como tratar essa nova dimensão – tão complexa e ampla – e que envolve sempre múltiplos – e muitas vezes conflitantes – interesses e atores?

Ao mesmo tempo em que essa categoria dá margem à polêmica, ela tem sido cada vez mais utilizada ao redor do mundo por pesquisadores, profissionais e órgãos de preservação. O fato é que a ideia de “paisagem cultural” tem aberto novas possibilidades para a área do patrimônio, combinando aspectos materiais e imateriais do conceito, que tradicionalmente foram operados separadamente, e indicando haver porções territoriais cujo valor cultural se expressa pelas interrelações intrínsecas e de longa data entre grupos sociais e o meio ambiente natural. Com isso, recoloca-se o próprio campo do patrimônio cultural, abrindo-se uma perspectiva contemporânea para, ao lado das novas contribuições se pensar também de forma mais integrada diversas ideias tradicionais do campo da preservação.

Diante dos desafios colocados pelo conceito de paisagem cultural especialmente no que tange à necessária interdisciplinaridade para a construção de políticas públicas de modo participativo e com incidência no território, faz-se necessário aprofundar o debate sobre a gestão do patrimônio cultural, de modo ampliado, e, ao mesmo tempo, reconhecer as limitações do campo do patrimônio para a condução dos trabalhos, implicando articulação, (re)definição de papéis e construção de novas estratégias para a ação preservacionista, com vistas ao desenvolvimento.

É frente a este quadro que acontece em 2016 a quarta edição do já tradicional “Colóquio Ibero-americano Paisagem Cultural, patrimônio e projeto”, promovido pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e pelo Instituto de Estudos do Desenvolvimento Sustentável (IEDS), aos quais este ano vem se juntar o Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS-BRASIL).

Nesse colóquio vão se aprofundar as discussões iniciadas nas edições anteriores, fazendo-se uma avaliação das diversas dimensões da ideia da paisagem cultural, tanto aquelas de natureza conceitual, metodológica e projetual, quanto suas implicações para as políticas de preservação,intervenção e gestão do patrimônio, com vistas ao desenvolvimento.