Museu Nacional (1818-2018)

O artigo abaixo, O Brasil na Fogueira, de Rafael Cardoso, foi publicado na Revista Pessoa:

A destruição do Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, é uma perda de proporções incalculáveis. O amplo destaque dado ao fato pela imprensa mundial talvez surpreenda muita gente, Brasil afora. Imagino um dentista em Maceió, uma dona-de-casa em Ribeirão Preto, um funcionário público em Brasília, uma taxista em Belém, um juiz em Curitiba vendo as imagens na televisão e pensando com seus botões: “poxa, nem sabia que esse museu era tão importante”. Pois, fiquem sabendo que era. Era de um valor que não dá nem para começar a dimensionar sem o devido preparo. Qualquer pessoa que fez uma faculdade de Museologia, uma pós-graduação em Antropologia, um doutorado em História, ou outro curso assemelhado, terá condição de explicar o tamanho da catástrofe. Está naquela rara categoria de acontecimentos que, mesmo sem provocar nenhuma morte, equivale a uma tragédia para a humanidade. Em coisa de duas horas, deixaram de existir para sempre milhões de artefatos insubstituíveis e um legado de duzentos anos de pesquisa e trabalho dedicados a dar sentido à nossa existência coletiva. O mundo perdeu, de ontem para hoje, um pedaço significativo da única coisa que justifica o canhestro reinado humano sobre a Terra: a cultura que produzimos.

A imagem das pessoas assistindo ao incêndio pela televisão traz à mente uma frase bem conhecida dos historiadores brasileiros: “O povo assistiu àquilo bestializado, atônito, surpreso, sem conhecer o que significava.” Essa frase, escrita pelo jornalista republicano Aristides Lobo, em 18 de novembro de 1889, tentava dar conta da reação popular à Proclamação da República, poucos dias antes. Entrou para o anedotário político e foi resgatada quase um século depois pelo magistral livro de José Murilo de Carvalho, Os bestializados: O Rio de Janeiro e a república que não foi (1987). Mesmo sem pedir licença ao grande historiador, vou pegar emprestado o conceito para tecer algumas considerações sobre o incêndio do Museu Nacional – o qual, além de tragédia, foi crime. Um crime que condena a sociedade brasileira quase inteira, com exceção dos poucos e bons que lutam bravamente para manter vivas a memória e a cultura contra o descaso da maioria esmagadora.

A Proclamação da República ocorreu a poucos metros do primeiro endereço do Museu Nacional, que ficava no Campo de Santana, atual Praça da República, no Rio de Janeiro, local que era à época o mais importante jardim público do país e hoje se encontra relegado aos ladrões que roubam gradis centenários para vender como ferro velho. Existe, portanto, um tênue fio histórico que liga os bestializados daquele tempo aos de hoje. Sob a República ali proclamada, começaram os percalços políticos que culminariam na calamidade de ontem. O antigo Museu Real foi fundado por D. João VI em 1818 como parte do desventurado projeto de dotar o Brasil de instituições científicas. Rebatizado Museu Nacional após a Independência, funcionou ao longo do século 19 como um dos mais destacados centros de estudos e pesquisa das Américas. Em 1892, o governo republicano transferiu o museu para o antigo Paço de São Cristóvão, na Quinta da Boa Vista. O pretexto era dotar a instituição de mais espaço, mas a ação também encerrava a vantagem estratégica de apagar um dos símbolos mais visíveis da monarquia, ao transformar a residência do imperador deposto em órgão público dedicado ao conhecimento. Mais ou menos o mesmo que a Revolução Francesa fez ao transformar o antigo palácio real francês em Museu do Louvre, exemplo que certamente não escapou aos nossos líderes republicanos. Na comoção em torno da destruição do Museu Nacional, não se deve esquecer a história precedente do edifício histórico que o abrigava.

Em 1945 a 1946, com a reorganização dos estatutos, o Museu Nacional foi incorporado à Universidade do Brasil, “gozando das mesmas prerrogativas e autonomia” das mais de vinte faculdades, escolas e institutos costurados na colcha de retalhos que foi o projeto universitário imposto pelo Estado Novo em 1937, o qual ainda subsiste no DNA da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Apesar da pomposa garantia legal de prerrogativas, a incorporação à universidade representou um segundo deslocamento do museu de sua centralidade anterior. Afastado fisicamente do Centro da cidade para a Zona Norte em 1892, a mudança estatutária segregou o Museu Nacional de seus semelhantes como Museu Histórico Nacional e Museu Nacional de Belas Artes, agregados sob o Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, criado também em 1937, e o situou como único museu dentro de uma estrutura administrativa universitária. A decisão pode ter parecido acertada à época, mas acabou por se revelar desastrosa após a mudança da capital para Brasília e a subsequente perda de posto como Universidade do Brasil. Com o decreto da ditadura de 1964 que alterou seu nome, a UFRJ passou a ser uma entre outras universidades federais, e o Museu Nacional, mais uma unidade competindo pelos mesmos minguados recursos para a educação. Assim, o museu que começou sua existência como menina dos olhos de imperadores completou sua metamorfose como estranho no ninho.

Quando tomei contato pessoal com o Museu Nacional, por volta de 1989, a situação de abandono já estava configurada. Alunos, pesquisadores e professores reclamavam abertamente dos cupins e das goteiras que ameaçavam o prédio. Funcionários e museólogos comentavam à boca pequena sobre o descaso com que a hierarquia universitária negligenciava o acervo. Para muita gente, aquele monte de cacareco velho era um atraso de vida. A prioridade da universidade era o ensino, e era quase impossível sensibilizar reitores a retirar verbas escassas de outras atividades para bancar a conservação de fósseis e múmias. Dificultava ainda mais essa tarefa o fato de que muitos dos artefatos ali preservados eram de origem indígena. Beira o desprezo o modo como a cultura dos povos originais desta terra é tratada por seus descendentes ilegítimos. As mesmas empresas que se atropelavam para patrocinar exposições de Matisse e livros sobre artistas viajantes não enxergavam no Museu Nacional nenhum potencial para fazer marketing cultural. No plano pessoal, como minhas pesquisas gravitavam mais em torno do MNBA, do IHGB e da Biblioteca Nacional, fui perdendo contato direto com o museu da Quinta. De vez em quando, tinha notícias por intermédio de colegas que trabalhavam lá ou mesmo pela imprensa, quando chovia em cima de uma múmia, entre outros absurdos. Em 1995, Antonio Callado resumiu assim a história de negligência da casa: “O Museu da Quinta da Boa Vista só sugere tristeza, a tristeza da incúria e da falta de verbas, que são os canos que trazem chuva, chuva que empapa mesmo aqueles homens que se imaginavam múmias, isto é, incorruptíveis.”

Tudo isso é para constatar que o incêndio do Museu Nacional não foi uma fatalidade, um acidente de percurso como os que podem ocorrer em qualquer lugar, a qualquer hora. Foi sina e destino. A consequência inevitável de um desleixo que não data de hoje mas que atingiu patamares insuportáveis nos últimos dois anos. Era questão de tempo, conforme têm repetido pela imprensa os incansáveis funcionários e diretores que mantinham aquela casa aberta contra todas as agruras. Mais cedo ou mais tarde, viria o desastre. O fato que veio no momento em que o museu acaba de comemorar os seus duzentos anos soa como ironia histórica ou, talvez, como castigo divino. Como coletividade, não soubemos zelar por aquele patrimônio, assim como não atribuímos o devido cuidado a nenhum de nossos preciosos acervos públicos e instituições culturais. Somos uma sociedade que não respeita o berço em que nasceu. Como certos pássaros, emporcalhamos o próprio ninho. Jogamos lixo na rua, esgoto no mar, veneno nos rios. Roubamos monumentos para fundir o bronze e vender por peso. Nomeamos para cargos públicos pessoas que surrupiam o patrimônio da nação. Às vezes, dos próprios acervos de que seriam guardiães. Este ano, tivemos a comprovação de que peças furtadas da Biblioteca Nacional entre 2003 e 2005 foram parar no acervo do Itaú Cultural. Se você acha que uma coisa não está relacionada à outra, você não conhece os meandros da cultura no Brasil.

Essa breve contextualização histórica da decadência e destruição do Museu Nacional não isenta em nada os governos atuais. Diante do corte de verbas drástico enfrentando pela instituição ao longo dos últimos anos, não há exagero em afirmar que o presidente Michel Temer e seus ministros da educação, Mendonça Filho e Rossieli Soares, são os responsáveis em última instância pelo estado de calamidade que se abateu sobre a instituição. Um museu que sobreviveu a duzentos anos de descaso, desmandos e politicagens, a chuvas e cupins, acabou sucumbindo aos roederes da coisa pública que retiram escancaradamente da saúde, educação e cultura para maquiar contas que não fecham. Para que a presente crítica não assuma um tom partidário, cabe apontar a omissão criminosa de um governo estadual que abandonou a infraestrutura urbana ao ponto em que falta água nos hidrantes para apagar um incêndio. Tampouco seria justo isentar a reitoria da UFRJ, cujo atual titular se limitou ao papel triste de acusar todas as outras instâncias sem assumir que a universidade também contribuiu para o desfecho trágico dessa história. Tenho convicção que as devidas investigações irão determinar qual parcela de responsabilidade compete a cada um desses atores, com todo rigor, para depois concluir que a culpa não foi de ninguém a não ser do fogo.

Enquanto isso, seguimos assistindo bestializados ao desfile de platitudes que emanam das bocas de presidentes, ministros, governadores, secretários, entre outras nulidades pomposas. “Uma perda incalculável”, “um dia de profunda tristeza”, “um trágico incidente”, “fizemos o possível mas não foi o suficiente”. Tudo pronunciado às pressas antes de retornarem à tarefa premente de fazer eleições. O prefeito Marcelo Crivella, que não dispõe de verba para custear nem os museus da Prefeitura e não detém nenhuma relação hierárquica com o Museu Nacional, anunciou ser “um dever nacional reconstruí-lo das cinzas”. Não, senhor prefeito, não será possível reconstruir o que se perdeu. Um museu não é uma unidade habitacional de má qualidade que se conserta com cimento e colher de pedreiro. O que se apagou ontem foi a memória de muitos povos que o senhor ignora e da cidade que lhe elegeu, para sua própria infelicidade. Queimaram-se as esperanças de toda criança que algum dia se deslumbrou ao ver ali um dinossauro de verdade, dos milhares de pesquisadores que trabalharam milhões de horas para que o Brasil pudesse se conhecer um pouquinho melhor. Para quem tem compromisso de verdade com o patrimônio e a cultura, o momento é de lágrimas e revolta, não de promessas furadas.

O aspecto mais cruel da tragédia é que a maioria da população brasileira sequer dimensiona o tamanho da perda. Amanhã, ou semana que vem no máximo, o assunto do dia será outro. O juiz em Curitiba e a dona-de-casa em Ribeirão Preto talvez sentissem mais se o incêndio houvesse destruído o Magic Kingdom em Orlando ou, na mais generosa das hipóteses, algum museu europeu. O poço de abandono ao qual o Museu Nacional viveu relegado tem o tamanho do desprezo coletivo que sentimos pela pesquisa, pelo conhecimento, pela cultura, pela erudição. Basta comprar o salário de um professor universitário ao de um deputado, ou os custos de manutenção de um juiz do Supremo Tribunal Federal com o orçamento anual do museu reduzido a pó. Todo aquele tesouro da humanidade se perdeu porque nossa sociedade nunca lhe atribuiu muito valor. Agora é tarde. Para a pequena parcela de leitores que se preocupam com a memória e o patrimônio no Brasil, uma confidência entre amigos: da próxima vez que você pensar em reclamar que o Museu Nacional da Dinamarca deveria devolver o manto tupinambá ao Brasil, pense duas vezes.

Rafael Cardoso é escritor e historiador da arte, PhD pelo Courtauld Institute of Art (Londres). Seu livro mais recente é O Remanescente, publicado em 2016 pela Companhia das Letras e traduzido para alemão (S. Fischer) e holandês (Nieuw Amsterdam). É autor de mais três livros de ficção e corroteirista do longa-metragem Maresia (dir. Marcos Guttmann, 2016). É também autor de diversos livros sobre história da arte e do design no Brasil, incluindo Design para um mundo complexo (Cosac Naify, 2012). Atua ainda como curador independente, responsável, entre outras, pelas exposições Do Valongo à Favela: Imaginário e periferia (Museu de Arte do Rio, 2014). E colaborador do Instituto de Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, mora atualmente em Berlim.

Escavações em Santa Rita na imprensa

Escavações no sítio da igreja de São Joaquim

As obras da linha 3 do VLT perpassam três sítios arqueológicos: a rua de São Joaquim, a igreja de São Joaquim e o Largo de Santa Rita.

As descobertas ao longo da Avenida Marechal Floriano têm atraído muito a curiosidade das pessoas e da mídia. Eis algumas reportagens:

Patrimônio das águas

O INEPAC e o IHGB organizam nos dias 13 e 14 de agosto o seminário Águas e Patrimônio Cultural, na sede do IHGB, no bojo das comemorações do Ano do Patrimônio das Águas.

Na segunda mesa a arquiteta Vera Dias irá falar dos chafarizes históricos da Cidade do Rio de Janeiro, entre os quais se contava o chafariz do Largo de Santa Rita.

Maiores informações pelo e-mail patrimonioinepac@gmail.com.

200 anos do Museu Nacional, marco da história, das ciências e do patrimônio brasileiros

A 6 de junho de 1818, Dom João VI decretava “que nesta Corte se estabeleça um Museu Real”, cujo objetivo seria “propagar os conhecimentos e estudos das ciências naturais no Reino do Brasil, que encerra em si milhares de objetos dignos de observação e exame”. E assim, em 6 de junho passado, o Museu Real, hoje Museu Nacional/UFRJ, comemorou seu bicentenário.

Primeira instituição científica e museológica do país, nosso querido Museu nasceu e cresceu possuidor de missões importantes para o desenvolvimento intelectual do Brasil. Além disso, com o advento da República, trocou de nome e de endereço, saindo do Campo de Sant’Ana e indo ocupar o Paço de São Cristóvão na Quinta da Boa Vista, antiga residência imperial. Desse modo, o Museu Nacional uniu ciência e patrimônio cultural, constituindo um pequeno conjunto representativo da história brasileira.

Ao longo dos seus duzentos anos, o Museu Nacional ainda passou por muitas vicissitudes: as profundas transformações dos paradigmas museológicos e científicos, a incorporação à então Universidade do Brasil (UFRJ) em 1946, a reforma universitária dos anos 1960, a escassez de recursos para a execução dos projetos de expansão, etc. Instituição singular, apesar de tudo sempre manteve seu encanto e o prestígio de seus cursos de pós-graduação, contados entre os melhores do país.

É o momento de resgatar a sua presença no imaginário carioca e de superar a invisibilidade de que sofre o Museu Nacional no Rio de Janeiro. Tais dificuldades seagravaram com a insegurança pública na cidade e o processo de decadência do Jardim Zoológico municipal, seu vizinho. Por outro lado, há 25 anos, quando uma infiltração em um dos telhados umedeceu algumas peças do acervo do Museu guardadas no terceiro andar, criou-se a falsa impressão de que o Palácio estava comprometido como um todo, ideia propalada de forma injusta e irresponsável.

Na verdade, desde então tanto a instituição quanto a Associação Amigos d’O Museu têm feito um grande esforço de preservação patrimonial, tanto das coleções quanto do edifício tombado. Foram restauradas a fachada frontal, diversas salas de exposição e 90% das coberturas do edifício. Novos projetos já foram aprovados pelo IPHAN e serão executados pela UFRJ e mediante a captação de recursos privados. Entre eles se destacam a restauração do Jardim das Princesas (que foi o “playground” da Princesa Isabel) e a restauração artística de três salas de grande valor histórico por seus usos imperiais.

De acordo com o plano de desenvolvimento estratégico do Museu Nacional, a instituição busca expandir suas atividades acadêmicas e laboratoriais para fora da Quinta da Boa Vista, reservando o Palácio de São Cristóvão apenas para as exposições. Para o desenvolvimento desses projetos, serão necessários mais pessoal técnico especializado e novos investimentos financeiros.

A comemoração dos 200 anos do Museu Nacional vai durar doze meses e se espalhará por todos os museus do país. O Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) promoveu inclusive o “Passaporte de Museus 2018” comemorativo, em parceria com o Município. Visite o primeiro museu do Brasil, confira a programação, pegue e carimbe seu passaporte, e divulgue essa história aberta ao futuro.

Integração dos aspectos sociais, culturais e naturais na prática da preservação

 

Discurso de posse de João Carlos Nara Jr. no IHGRJ

Senhora Vice-Presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro. Eminentes confrades. Senhoras e senhores. Agradeço sobremaneira a honra que me foi outorgada pelo Instituto ao me admitir no quadro de seus sócios. Sinto-me muito obrigado ao arquiteto e urbanista Alex Nicolaeff por me ter apresentado e pela estima de sua acolhida desde que nos conhecemos. E espero corresponder à confiança em mim depositada pela professora Miridan Britto Fauci, cuja amizade e interesse sempre me surpreenderam positivamente e consolaram, e a quem sinto o dever de expressar o meu agradecimento mais especial.

I

Assumo a cadeira 29, cujo patrono é Armando Magalhães Correia (nascido a 1889 e finado em 1944). Por feliz coincidência, partilho com meu patrono o orgulho de trabalhar no Museu Nacional, a mais antiga instituição científica e museológica do país, cujo bicentenário será comemorado a 6 de junho próximo.

Armando Magalhães Correia — artífice, escultor, pintor, desenhista, escritor, professor, naturalista, etnógrafo — trabalhou por mais de vinte anos como modelador do Museu Nacional, e oferecendo capacitação aos professores. Pioneiro na defesa das reservas naturais brasileiras, recolheu em sua famosa obra O Sertão Carioca, publicada em 1936 na Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, os artigos que escrevera anteriormente para O Correio da Manhã. Carioca de Jacarepaguá, Magalhães Correia coligiu informações primárias sobre moradores, tipos humanos, fazendas, casas, objetos, trilhas, estradas, paisagens, campos, praias, lagos, barragens, aquedutos, pontes… Seu ingente trabalho, todo ilustrado por sua mesma pena, traça o perfil da região dominada pelos maciços da Tijuca e da Pedra Branca.

Segundo suas próprias palavras, o sertão carioca, cujo coração é a baixada de Jacarepaguá, era um “exemplo dessa calamidade que abrange todo o território brasileiro” (CORREIA, 1936, p. 237).

A que calamidade fazia referência nosso conservacionista? — Era a calamidade dos sertanejos, carentes dos meios mais elementares de desenvolvimento. Era a calamidade dos homens dessas paragens desatendidas pelo poder público e exauridas dos seus recursos naturais.

O Brasil nacionalista dos anos 1930 — zeloso da própria identidade — já trazia no bojo um contrassenso: nas suas florestas, o brasileiro não encontra mais o pau-brasil; tanto como o habitante do Rio de Janeiro também não encontra mais o rio Carioca. O Brasil tem brasileiros, mas os brasileiros não têm mais o Brasil. Tornando a citar Magalhães Correia (ibidem),

[…] o problema fundamental no Brasil é o de uma sadia brasilidade, a começar pelo reflorestamento, a conservação dos mananciais, para garantia de nossa fauna, e assim possa haver meios de subsistência aos seus habitantes.

Armando Magalhães Correia, portanto, partilhava com seus colegas do Museu Nacional — Cândido de Mello Leitão, Paulo Roquette-Pinto, Bertha Lutz, Heloísa Alberto Torres, Alberto José Sampaio — a preocupação pela conservação do patrimônio natural. No entanto, sua grande contribuição foi saber integrar a preservação da natureza com a necessidade de reformas sociais.

Sendo assim, uma indagação se nos impõe: como integrar na prática da preservação os diferentes aspectos sociais, culturais e naturais?

II

Para responder tal questionamento, convém compreender a abrangência do conceito de patrimônio e o que significa a sua preservação.

Pode-se definir patrimônio como o conjunto de bens materiais e imateriais que, por seu próprio e relevante valor simbólico, se associa à história ou à identidade cultural de determinado povo ou nação, estando esses bens passíveis de preservação.

É sabido que ao lado do patrimônio natural também se reconhece o construído pelo homem. Conforme se lê na Carta de Atenas de 1931, cujo relator foi o arquiteto Le Corbusier, o patrimônio consiste nas

[…] obras materiais, traçados ou construções que […] conferem sua personalidade própria [às cidades] e dos quais emana pouco a pouco a sua alma. São testemunhos preciosos do passado que serão respeitados, a princípio por seu valor histórico ou sentimental, depois porque alguns trazem uma virtude plástica na qual se incorporou o mais alto grau de intensidade do gênio humano. (Carta de Atenas, 1931, nº 65)

A partir da percepção de que o patrimônio natural é afetado pela antropia, isto é, pela atuação transformadora do homem sobre o ambiente, forjou-se mais recentemente a categoria de paisagem cultural. O Rio de Janeiro tem o mérito de ser a primeira cidade a receber tal chancela da UNESCO. Como explica o geógrafo Rafael Winter Ribeiro (2007, p. 111),

[…] a grande vantagem da categoria de paisagem cultural reside […] no seu caráter relacional e integrador de diferentes aspectos que as instituições de preservação do patrimônio no Brasil e no mundo trabalharam historicamente de maneiras apartadas. É na possibilidade de valorização da integração entre material e imaterial, cultural e natural, entre outras, que reside a riqueza da abordagem do patrimônio através da paisagem cultural e é esse o aspecto que merece ser valorizado.

No entanto, há de se reconhecer que nenhuma dessas abordagens dá conta satisfatoriamente da dimensão social que o patrimônio deve ter. Como alerta o Papa Francisco (Carta encíclica Laudato sì, 143), convém prestar atenção

[…] às culturas locais, quando se analisam questões relacionadas com o ambiente, fazendo a linguagem técnico-científica dialogar com a linguagem popular. É a cultura — entendida não só como os monumentos do passado, mas especialmente no seu sentido vivo, dinâmico e participativo — que não se pode excluir na hora de repensar a relação do ser humano com o ambiente.

Portanto, a consciência do débito de cada um para com a sociedade precisa se concretizar em práticas preservacionistas, educativas e desenvolvimentistas, abertas às gerações presentes e futuras, como um corolário do princípio da solidariedade.

III

Mas o que significa preservar? Define-se a preservação como a proteção e a conservação de bens culturais cujo significado e permanência constituem referenciais importantes para a memória de uma nação, de um povo, de uma cidade ou região.

Convém estar alerta, pois diversos grupos de interesse reivindicam a prerrogativa de avaliar o passado para estabelecer o que deve ser reconhecido, protegido, resgatado ou restaurado: indígenas, religiosos, políticos, arqueólogos, historiadores, arquitetos, urbanistas, etc. Por outro lado, é recorrente encontrar entre militantes e ativistas a pretensão de possuírem um compromisso antropológico com os “dominados”, isto é, padecem do elitismo de se considerarem no direito de “dar voz” às pessoas sem oportunidade. Além disso, há de se reconhecer que frequentemente ocorrem graves tensões entre interesses locais e globais, e entre interesses econômicos e ideológicos.

Desse modo, fica evidente o quanto a noção de patrimônio precisa ser alargada e mais bem compreendida, a fim de que a sua preservação vise de fato ao bem comum e ao ser humano que dele usufrui, sem que seja reduzida a uma moeda de troca nas mãos ou de uma direita reacionária, ou de uma esquerda beligerante.

IV

A fim de responder à indagação inicial — como integrar na prática da preservação os diferentes aspectos sociais, culturais e naturais? —, arrisco apontar três âmbitos de atuação para os conservacionistas, que se incluem como círculos concêntricos.

O primeiro campo que necessita ser mais bem desenvolvido é o da educação patrimonial. Embora seja uma exigência dos órgãos de tutela para os agentes que trabalham com os bens protegidos, a educação patrimonial corre o frequente risco de se reduzir à mera ilustração didática dos empreendimentos.

Outro âmbito que reclama uma urgente mudança de mentalidade no Brasil é o da conservação preventiva e curativa. Faz-se urgente criar uma “cultura da manutenção”. A restauração, último recurso da prática da preservação — que visa a recuperar a apreciação, a compreensão e o uso —, deve ser evitada na medida do possível. Muito mais eficaz e econômico é o combate das deteriorações e perdas, dos processos danosos e dos problemas estruturais.

Finalmente, um terceiro campo estratégico de atuação é o da preparação dos profissionais capazes de assumir os desafios concernentes à salvaguarda do patrimônio. Com efeito, a conservação e a gestão patrimonial são trabalhos extremamente exigentes, transdisciplinares e especializados, que levam tempo para serem assimilados e desenvolvidos. É de justiça que tal serviço seja mais reconhecido e valorizado.

É admirável ler em O Sertão Carioca todo um programa de preservação para o Brasil em que Magalhães Correia incluía o saneamento rural, a educação agrária, a assistência judiciária e a gestão racional do povoamento, tendo nos próprios cidadãos interessados o elemento ativo da proteção do nosso patrimônio.

Obrigado.

Referências

CORREIA, Armando Magalhães. O Sertão Carioca. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1936.

Francisco (papa). Carta encíclica Laudato sì sobre o cuidado da casa comum, 24/5/2015 (Acta Apostolicæ Sedis 107, 9).

FRANCO, J. L. de A.; DRUMMOND, J. A. Armando Magalhães Corrêa: gente e natureza de um sertão quase metropolitano. História, Ciências, Saúde Manguinhos, v. 12, nº 3, p. 1033-1059, set.-dez., 2005.

Le Corbusier. A Carta de Atenas [1931]. São Paulo: Edusp, 1993.

NARA JR., João Carlos. Proposta de Ampliação da Paisagem Cultural do Rio de Janeiro: a importância da Freguesia de Santa Rita. In: 4º COLÓQUIO IBERO-AMERICANO PAISAGEM CULTURAL, PATRIMÔNIO E PROJETO, de 26 a 28 de setembro de 2016. Anais… Belo Horizonte: UFMG, 2016.

International Council of Museums — Committee for Conservation (ICOM-CC). Resolução da 15ª Conferência trienal: Terminologia para definir a conservação do patrimônio cultural tangível. Nova Delhi: 2008.

RIBEIRO, Rafael Winter. Paisagem Cultural e Patrimônio. Rio de Janeiro: IPHAN/COPEDOC, 2007.

Reportagem sobre o Valongo

Saiu uma interessante reportagem sobre a situação do Cais do Valongo, que tem sido o pivô de grande desinteligência entre os órgãos públicos. Assista no link abaixo:

https://globoplay.globo.com/v/6730494/

Vale a pena rever a palestra Vestígios da memória como vetores da cidade na Freguesia de Santa Rita. Ali estão enumerados os compromissos assumidos pelo Rio de Janeiro para a manutenção da chancela de patrimônio mundial outorgada pela UNESCO ao Cais do Valongo.

Hodologia da diáspora africana no Rio de Janeiro

Durante o III SEMINÁRIO INTERNACIONAL EM MEMÓRIA SOCIAL (III SIM), que será realizado de 15 a 18 de maio de 2018 na UniRio, haverá o simpósio Hodologia da Diáspora Africana.

O simpósio será na sexta-feira, dia 18, das 14 às 16h, no Instituto Europeu de Design, sala M5.

Na mesa serão tratados os seguintes temas:

Caminhos do tráfico negreiro, por Carlos Eugênio Líbano Soares (UFRRJ). O tema da escravidão africana e da diáspora é dos mais comentados e pesquisados na história do ocidente. Mas ainda restam subtemas que tem grande importância e que foram negligenciados. Um deles o mercado de escravos africanos da região do Valongo. Entre 1774 e 1831 o litoral norte da cidade do Rio de Janeiro se tornou área exclusiva para o desembarque de escravos africanos, que eram revendidos, em grande maioria, para vastas áreas rurais do interior do pais. Nosso objeto é entender como este tráfico funcionava, principalmente no plano da microeconomia, dos pequenos mercadores do varejo da mercadoria humana. Esta economia tem de ser entendida na dimensão geográfica (a localização estratégica e a proximidade com o mercado consumidor em expansão, no caso a economia pecuária e cafeicultora da fronteira de Minas e do interior fluminense) e na econômica (a dilatação dos agentes econômicos urbanos fornecedores ao mercado rural consumidor). Este mercado da rua do Valongo ficava a meio caminho das rotas do sertão africano (notadamente o chamado sertão de Angola) e dos sertões brasílicos da fronteira agrícola em expansão. Ponto importante das relações internacionais da economia brasileira ele foi estabelecido pelo estado, responsável final pelo abastecimento da economia privada no âmbito da internacionalização do trabalho. Estado e mercado se complementam na lógica escravista. A ideia de nação também é diversa e difusa na África de então, não se confundindo com o Estado-Nação da modernidade, mas ligado a “identidade de nação” construída pelo mercado para nomear os africanos capturados pelo tráfico. Um milhão de africanos passaram pelo mercado do Valongo em 57 anos de funcionamento. Para onde foram estas pessoas? Qual era o mercado mais promissor para o trato negreiro? Qual papel da economia mineira, paulista, paranaense, de todo Brasil no complexo negreiro do Valongo? E as relações com a Bahia? Estas as perguntas que serão formuladas e as respostas (provisórias?) serão apresentadas.

Caminhos da diáspora africana na baía de Guanabara, por João Carlos Nara Júnior (UFRJ). A dinâmica do tráfico escravagista dialoga com a porosidade do Rio de Janeiro, cidade portuária cuja memória dos caminhos diaspóricos foi sepultada pelas águas da Guanabara, mas que ainda é perceptível em suas ilhas, cais, cemitérios de pretos novos e outros monumentos espalhados pela freguesia de Santa Rita. Tal abordagem dos caminhos do tráfico no Rio de Janeiro pode iluminar o uso político dos achados arqueológicos no contexto da revitalização do Porto Maravilha, assim como o enquadramento ideológico imposto pelo ativismo social sobre a materialidade da diáspora africana. Essa conceituação pode oferecer uma percepção mais robusta e coerente dos monumentos históricos e de sua relação com a paisagem e a temporalidade. Com efeito, o tráfico seguia um método, envolvendo fiscalização sanitária, quarentena, controle alfandegário, casas de recuperação, lojas de comércio e até cemitérios exclusivos. O primeiro deles, instalado no século XVIII no Largo de Santa Rita, tornou a terceira matriz paroquial do Rio de Janeiro um ponto nodal para a expansão urbana para além do termo da cidade, configurando a atual zona portuária. Tão intrincado sistema reclama uma narrativa mais complexa que supere as generalidades e aporias que perpetuam uma compreensão superficial da importância da região e seus monumentos, em especial o Cais do Valongo, aclamado Patrimônio Mundial pela UNESCO em 2017.

Expansão urbana carioca nos pés das Irmandades negras, por Marcos Coutinho (UFRJ). A historiografia referente às devoções, confrarias e irmandades de homens pretos e pardos é consubstanciada com a própria crônica social do Rio de Janeiro Setecentista. Compuseram, estes grêmios, a mais notável expressão social de vida fraterna em solo carioca, e, quiçá, em todo o Brasil-Colônia nesse período. Desse modo, busca-se o propósito de tomar como objeto de pesquisa a atuação das irmandades de homens pretos e pardos como uma das promotoras da expansão do território da cidade do Rio de Janeiro durante o século XVIII. Muito além de pautar a investigação no papel institucional da Igreja Católica, procura-se depreender o sentido e a forma de sua ação na seara que envolve o estabelecimento de políticas voltadas para o planejamento de vilas e cidades em terras luso-brasileiras. Ausente qualquer normativa civil destinada à implementação de políticas urbanas, preencheu, a Igreja, o lugar do Estado, assumindo os códigos e constituições eclesiásticos a função axial como leis definidoras e orientadoras do sentido que iriam tomar os terrenos das cidades portuguesas na América. E no Rio de Janeiro, esse processo não foi diferente. A ação desses sodalícios será analisada a partir de dois vieses: o primeiro, ampara-se no templo religioso como vetor e orientador da expansão da cidade; já o segundo, toma a ação do fiel de cor como agente que modela e “desenha” os caminhos desse que virá a se constituir como um novo território a ser urbanizado. Dentro dessa linha de pensamento, o trabalho pretende ampliar as formas interpretativas que inserem ou relegam o negro afro-brasileiro a mero agente figurante, incapaz de atuar com protagonismo no processo histórico em questão. O objetivo, se pertinente for, é produzir um discurso crítico que procura influenciar e alterar a forma como se interpreta o papel do indivíduo escravizado no século XVIII.

Magalhães Correia e a Preservação

Tomarei posse no Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro da cadeira cujo patrono é Armando Magalhães Correia, autor de O Sertão Carioca, obra clássica sobre a Zona Oeste do Rio, publicada em 1930.

Magalhães Correia trabalhava no Museu Nacional e foi um dos primeiros preservacionistas brasileiros. Adorava desenhar e representou o Largo de Santa Rita com o seu primitivo chafariz.

A busca da verdade como questão de memória

Um pequeno trecho da Carta encíclica Lumen fidei (nº 25), escrita a quatro mãos pelos papas Francisco e Bento XVI, traz ideias importantes reflexões para o conceito de memória e o seu lugar para a sociedade e a história:

Na cultura contemporânea, tende-se frequentemente a aceitar como verdade apenas a da tecnologia: é verdadeiro aquilo que o homem consegue construir e medir com a sua ciência; é verdadeiro porque funciona, e assim torna a vida mais cômoda e aprazível. Esta verdade parece ser, hoje, a única certa, a única partilhável com os outros, a única sobre a qual se pode conjuntamente discutir e comprometer-se; depois haveria as verdades do indivíduo, como ser autêntico face àquilo que cada um sente no seu íntimo, válidas apenas para o sujeito mas que não podem ser propostas aos outros com a pretensão de servir o bem comum. A verdade grande, aquela que explica o conjunto da vida pessoal e social, é vista com suspeita. Porventura não foi esta — perguntam-se — a verdade pretendida pelos grandes totalitarismos do século passado, uma verdade que impunha a própria concepção global para esmagar a história concreta do indivíduo? No fim, resta apenas um relativismo, no qual a questão sobre a verdade de tudo — que, no fundo, é também a questão de Deus — já não interessa. Nesta perspectiva, é lógico que se pretenda eliminar a ligação da religião com a verdade, porque esta associação estaria na raiz do fanatismo, que quer emudecer quem não partilha da crença própria. A este respeito, pode-se falar de uma grande obnubilação da memória no nosso mundo contemporâneo; de fato, a busca da verdade é uma questão de memória, de memória profunda, porque visa algo que nos precede e, desta forma, pode conseguir unir-nos para além do nosso «eu» pequeno e limitado; é uma questão relativa à origem de tudo, a cuja luz se pode ver a meta e também o sentido da estrada comum.

O passado e o futuro do patrimônio cultural carioca

Mesa sobre os novos marcos culturais do Rio de Janeiro, durante o workshop Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca, realizado a 4/9/2017 no Arquivo Nacional:

Alterações e embargos: entraves no resgate de uma memória portuária
     Antônio Carlos Higino da Silva, historiador (PPGHC/UFRJ)
   Cidade Nova e HESFA, sobre rupturas e permanências
     Eliara Beck Souza, arquiteta e urbanista (DIPRIT/ETU/UFRJ)
   Vestígios da memória como vetores da cidade na Freguesia de Santa Rita
     João Carlos Nara Jr., arquiteto e arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)

Símbolos clássicos espalhados pelo Rio de Janeiro

Mesa sobre os marcos clássicos do Rio de Janeiro, durante o workshop Caminhos da Memória: marcos da paisagem cultural carioca, realizado a 4/9/2017 no Arquivo Nacional:

Signos da civilização: memória, patrimônio e instituições no Brasil Imperial
     Mariáh Martins, historiadora da ciência (Museu Nacional/UFRJ)
   De onde vem essa nação? Os fios e os rastros do projeto nacional brasileiro
     Leonardo Amatuzzi, arqueólogo (Museu Nacional/UFRJ)
   Patrimônio ressignificado e ação do poder público
     Andre Angulo, museólogo (Museu da República)