I Colóquio de História do Rio de Janeiro Colonial

Nas últimas décadas, a historiografia brasileira sobre o período colonial cresceu, se diversificou e amadureceu.

Em razão de sua importância, o Rio de Janeiro foi um espaço privilegiado pelos pesquisadores, tendo sido objeto de diversos trabalhos que abriram novas perspectivas para o estudo de toda a América Portuguesa.

I Colóquio de História do Rio de Janeiro Colonial, organizado pelo Manto –Núcleo de Estudos Coloniais na Época Moderna – reunirá alguns dos principais especialistas brasileiros em atuação para fazer um balanço do estágio atual da historiografia sobre a capitania fluminense e debater as perspectivas futuras de pesquisa.

De 21 a 23 de novembro, na UNIRIO. Organizadores: Maria Isabel de Siqueira e Thiago Krause. Programação aqui. Inscrições aqui.

Arqueologia e africanidade fluminense

Durante a exposição de cartografia da africanidade fluminense na Casa França-Brasil, ocorrerá, na quarta-feira dia 14 de novembro, das 14 às 19h, um workshop sobre arqueologia em que serão explicadas as pesquisas efetuadas na freguesia de Santa Rita: cais do Valongo, cemitérios da Gamboa e de Santa Rita, etc.

Não perca!

O evento reunirá alguns dos mais conhecidos pesquisadores sobre o tema da Africanidade e pretende apresentar e debater aspectos relacionados as culturas Africanas, bem como se deu o translado dos Africanos para o Brasil e as diversas formas de como eram tratados e escravizados, usados como instrumento de trabalho e de enriquecimento de outras pessoas.

As escavações arqueológicas conduzidas no Rio de Janeiro serão apresentadas ao publico de forma gratuita dentro da programação geral da exposição.

A ordem de fala no Workshop será:

  • MARCELO MONTEIRO: Professor, Pesquisador, Estudioso e Consultor das Tradições Culturais de Matriz Africana Yorubá; Olóyè Asògun Odearaoffa; Presidente Nacional e Fundador do CETRAB – Centro de Tradições Afro-Brasileiras; Diretor e Fundador do IPN – Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos.
  • CLAUDIO PRADO DE MELLO: Arqueólogo pela Universidade Estácio de Sá/UNESA (1986). Professo Mestre em História Antiga e Medieval pela Universidade Federal Fluminense/UFF (1994). Especialista em Arqueologia Funerária do Egito Antigo e Ex-Membro da Mission Archeologique Du Bubasteion – Saqqarah (1996-2002). Fundador (1990) e atual Presidente do Instituto de Pesquisa Histórica e Arqueológica do Rio de Janeiro/IPHARJ. Membro Fundador (1990) e Ex-Professor Convidado do Laboratório de História Antiga do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ (1990-2002). Artista Plástico e Membro da European Association of Archaeology e do British Council of Archaeology. Atual Diretor do Museu da Humanidade.Atual Conselheiro da Cadeira Territorialidade do Conselho Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, e Membro do Conselho Estadual de Tombamento.
  • RODRIGO PEREIRA: Doutorando em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) desde 2015. Mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ). Mestre em Ciências Sociais (UERJ). Bacharel e Licenciado Pleno em CiênciaS Sociais (UFES). Pesquisador de religiões e religiosidades, em especial as afro-brasileiras. Em Antropologia pesquisa o candomblé debatendo micro política em terreiros, eventos de sucessão de lideranças e temas relacionados à liminaridade. Quanto a arqueologia pesquisa, pela etnoarqueologia, elementos da cultura material e espaços edificados em terreiros de candomblé, bem como a formação e expansão dessa religião no estado do Rio de Janeiro. Para tanto, realizou escavações no extinto Terreiro da Gomeia (Duque de Caxias/RJ). Possui ainda experiência na pesquisa de elementos ligados a etnicidade, rituais de passagem, história da imigração pomerana e alemã para o estado do Espírito Santo e historiografia do luteranismo no Brasil e Espírito Santo. Pesquisador do Laboratório de História das Experiências Religiosas (Instituto de História/UFRJ
  • JOÃO CARLOS NARA JÚNIOR: Arquiteto e Urbanista da Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados do Escritório Técnico da UFRJ. Mestre em Arqueologia pelo Museu Nacional e doutorando em História Comparada pela UFRJ. Sócio do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro. Membro do Instituto Pretos Novos e do Laboratório de História das Experiências Religiosas do Instituto de História da UFRJ. Investiga a Freguesia de Santa Rita, cuja Matriz constitui a primeira aparição do rococó religioso na América e diante da qual se encontra o sítio arqueológico do primeiro cemitério de pretos novos do Rio de Janeiro.
  • REINALDO BERNARDO TAVARES: Licenciado em História pela Universidade Salgado de Oliveira (2008) e mestre e doutor em Arqueologia pelo Museu Nacional (2012 e 2018). Atualmente é técnico industrial em edificações da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, diretor do departamento de arqueologia do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos (IPN), coordenador e professor da PROL ESTUDOS – Associação de Democratização do Conhecimento. Tem experiência na área de História, atuando principalmente nos temas: arqueologia da diáspora africana, patrimônio, arqueologia, cemitério dos pretos novos e arqueologia da paisagem.
  • MARCUS ANTONIO MONTEIRO NOGUEIRA: Colecionador particular de quase 40.000 itens históricos e arqueológicos. Formado em Direito e História é um grande conhecedor do Patrimônio Brasileiro e ocupa pela segunda vez a Direção Geral do INEPAC. Ele é o Curador da Exposição CARTOGRAFIA DA AFRICANIDADE FLUMINENSE.

O evento é gratuito e as inscrições são reservadas ao numero de assentos na sala de conferencias e as inscrições podem ser feitas pelo e-mail: pradodemello@hotmail.com.


Letras e gastronomia

Na Semana da Consciência Negra, o Saberes e Sabores convida para uma viagem pela literatura brasileira, angolana e moçambicana, temperada com os aromas da gastronomia dos três países.

O encontro será quarta-feira, 21 de novembro, 19h, e começa com uma conversa sobre as aproximações entre os escritores do Brasil, Angola e Moçambique em meio às tensões e desafios nacionais do século XX. 

O tema será apresentado pelo professor Alexandre Montaury, Diretor do Departamento de Letras da PUC-Rio, que irá abordar a proximidade dos projetos literários de escritores comprometidos com as lutas anticoloniais na África, anti-Salazarista em Portugal e de esquerda no Brasil. Serão tratados textos de José Luandino Vieira, Ruy Duarte de Carvalho, Rui Knopfli, Noémia de Sousa, Costa Andrade, Mia Couto, entre outros.

Após a palestra, será o momento de degustar pratos preparados pela chef Dida Nascimento, uma brasileira apaixonada pela cozinha africana, que há anos pesquisa os ingredientes, receitas e hábitos alimentares de vários países da África.

O encontro será  na sede do Centro Loyola PUC-Rio, na Estrada da Gávea, 1.

O valor da inscrição para palestra+degustação é de R$ 60. Estudantes de graduação de qualquer curso ou universidade pagam R$ 40.

Inscrições aqui.

Roteiro da Herança Africana no Rio de Janeiro

A obra, realizada por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura, traz uma lista com quinze espaços que mantêm viva a presença afro na cultura carioca.

São locais a serem visitados, onde estão representados aspectos históricos, manifestações culturais e práticas políticas e religiosas.

Obviamente, não esgotam todos os marcos do Circuito Histórico e Arqueológico da Pequena África.

Eis a lista dos capítulos e seus respectivos autores:

  • No fio mágico do cordão da memória (Milton Guran)
  • Cais do Valongo (Monica Lima e Souza)
  • Instituto Pretos Novos (Cláudio Honorato)
  • Docas Pedro II (Keila Grinberg)
  • Pedra do Sal (Martha Abreu)
  • Pequena África (Monica Lima e Souza)
  • Praça do Mercado (Juliana Barreto Farias)
  • Igreja de Santa Efigênia (Mariza de Carvalho Soares)
  • Quilombo do Leblon (Eduardo Silva)
  • Os povos de terreiro do Rio de Janeiro (Leon Araújo)
  • Capoeira (Maurício Barros de Castro)
  • “Abre caxambu, Saravá jongueiro” (Álvaro Nascimento)
  • Praça da Harmonia (Cláudio Honorato)
  • As vozes do samba: Um percurso de luta da comunidade Quilombola do Sacopã (Fábio Reis Mota)
  • Museu do Samba: espaço de memórias vivas (Nilcemar Nogueira)
  • O Réveillon de Iemanjá (Cristina Chacel)

Dos artefatos e das margens

No dia 27 de setembro, quinta-feira, na Livraria Folha Seca, a partir das 17h, ocorrerá o lançamento do livro organizado pelos professores André Chevitarese e Flávio Gomes.

Dois capítulos são dedicados a Santa Rita:

A matriz de Santa Rita sob o olhar do arqueólogo: inferências transdisciplinares a partir da decoração religiosa.

Antes do Valongo: cultura material, memória e africanos no Rio de Janeiro, século XVIII. Notas de uma investigação multidisciplinar.

Minicurso sobre o cemitério de pretos novos de Santa Rita

O Instituto Pretos Novos irá realizar, na sede da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (CDURP), um minicurso sobre o cemitério de pretos novos de Santa Rita, ministrado por mim.

Os temas das aulas serão:

17/7 – Antecedentes, dúvidas e certezas sobre o Largo de Santa Rita.
24/7 – A relação do Largo de Santa Rita com o porto do Rio de Janeiro e o tráfico negreiro.
31/7 – O papel do Largo de Santa Rita na expansão urbana do Rio de Janeiro no século XVIII.

Investimento: R$ 25 por aula, para apoio ao Instituto Pretos Novos.

David Eltis no Brasil

David Eltis, professor emérito de história da Emory University (Atlanta), que dedicou grande parte de seus estudos à análise do tráfico atlântico de africanos, estará na UFF a partir de 8 de junho, dia em que dará uma conferência. Na semana seguinte, participará de dois workshops (maiores informações nos flyers).

Uma de suas grandes contribuições é o Transatlantic Slave Trade Database, que contou com a colaboração de historiadores de todo o mundo. Ali se reúnem dados quantitativos (estimativas sobre o tráfico por portos de embarque e desembarque) e qualitativos (nome dos barcos, capitães, etc.).

 

O que é hodologia

Você tem interesse na proposta metodológica abaixo? Entre em contato comigo para discutir melhor esse assunto!

Os caminhos dos seres humanos são sinuosos ou retilíneos, diaspóricos ou confluentes, inóspitos ou acomodados.

Povoadas por milhões de peregrinos e migrantes, por gente traficada ou sem destino, viajantes e aventureiros, as rotas são cicatrizes cujas marcas podem ser abandonadas, apagadas e esquecidas, ou ampliadas, corrigidas e reabertas.

Todo trajeto implica uma topologia e uma cronologia, assim como uma geomorfologia determinada pela agência e pela interdependência dos homens, da fauna e da flora.

Podem ser navegáveis ou carroçáveis, percorridos a pé, com pressa ou lentidão. Os itinerários delineiam a paisagem e estabelecem metáforas vitais.

As rotas são um método (μεθ-ὁδός, “através do caminho”) para gerir a proximidade e a distância, segregar e unir.

Os caminhos possibilitam a transição, são cadenciados pela espera e dialogam com as fronteiras.

As condições hodológicas da cidade estão na raiz da nostalgia pela vida bucólica, da viabilidade do turismo de massa, e do surgimento de espaços hodológicos democráticos ou até mesmo subversivos.

No encontro de diversas epistemologias — urbanismo, geografia, arqueologia, história, antropologia, ciência da religião, etc. — a Freguesia de Santa Rita (a histórica Zona Portuária carioca) oferece um caso de estudo aberto a enquadramentos teóricos inovadores como o da hodologia.

Concurso do IHGRJ sobre Histórias do Rio

Art. 1. O Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro (IHGRJ) institui, pelo presente, o segundo Concurso de Estudo e Difusão da História do Rio de Janeiro, que se destina a premiar estudantes de níveis médio e superior, incentivando a pesquisa, o estudo e a difusão da História, além de promover e defender o patrimônio natural e cultural da Cidade e do Estado do Rio de Janeiro.

Art. 2. O concurso destina-se à escolha de trabalhos que tratem de pequenas histórias do Rio de Janeiro, passadas em qualquer século e que abordem pessoas, bairros, ruas, instituições, fatos, e/ou quaisquer acontecimentos.

Art. 3. Poderão participar do concurso estudantes de nível médio e de nível superior, devidamente matriculados em qualquer universidade na cidade e no estado do Rio de Janeiro, que não possuam vínculo de parentesco de até segundo grau com os membros da comissão julgadora.

Art. 4. Para a presente edição institui-se o Prêmio Mem de Sá em três níveis:

a) Prêmio Mem de Sá — nível médio.
b) Prêmio Mem se Sá — nível superior.
c) Prêmio Mem de Sá — nível pós graduação.

Art. 5. A premiação do Concurso ocorrerá em cerimônia a ser realizada na sala CEPHAS do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, no mês de dezembro, durante a sessão magna do IHGRJ, quando serão entregues os seguintes prêmios:

  1. Livros de autoria de todos os sócios do IHGRJ aos vencedores dos níveis superior e pós-graduação.
  2. Prêmio especial aos dois primeiros colocados do nível superior: um tablet.
  3. Prêmio especial ao primeiro colocado do nível médio: um tablet.
  4. Publicação, na Revista do IHGRJ, dos primeiros colocados nos níveis superior e pós-graduação.

Art. 6. Os trabalhos concorrentes ao Prêmio Mem de Sá deverão observar os seguintes requisitos:

  1. Obediência às normas da ABNT;
  2. Digitação em papel modelo A4;
  3. Número de páginas – 10 no mínimo e 20 no máximo;
  4. Espaço entre linhas – 1,5 digitadas em fonte Arial, tamanho 12 e espaço 1,5, de um só lado, com a indicação, na capa, do pseudônimo do candidato;
  5. Citação de fontes bibliográficas, no mínimo de 10 obras (livros, revistas, jornais, etc.).

Art. 7. O julgamento dos trabalhos concorrentes será feito da forma abaixo discriminada:

  1. Os critérios de avaliação serão baseados na originalidade, qualidade de linguagem; concisão no texto e qualidade do conteúdo;
  2. O Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro constituirá comissão, formada por quatro historiadores (quatro), especialmente indicada para julgar os trabalhos apresentados;
  3. As decisões da Comissão Julgadora será definitiva, não cabendo qualquer recurso ou impugnação.

Art. 8. Serão inscritos no concurso todos os estudantes que tiverem entregado ou postado seu trabalho em qualquer agência dos correios até a data limite, comprovada pelo carimbo de postagem e que tenham os seguintes documentos:

  1. Envelope fechado contendo: folha de identificação do autor, seu pseudônimo, endereço e telefone, o título de seu trabalho, comprovantes de estar matriculado no nível superior. Este envelope não deverá conter externamente, qualquer marca ou sinal de identificação e será numerado pela comissão julgadora.
  2. Envelope contendo o trabalho, propriamente dito, que não deverá conter qualquer identificação e que receberá o mesmo número do primeiro envelope, pela comissão julgadora.

Art. 9. Não haverá formulários específicos e todos os candidatos deverão entregar ou enviar via Correio seus trabalhos em 03 (três) vias, para o seguinte endereço:

Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro
Av. Augusto Severo, 8/12º andar
Glória, CEP 20021- 040

Art. 10. Não serão aceitos trabalhos enviados por fax ou e-mail.

Art. 11. O não atendimento as exigências previstas em edital resultará na anulação da inscrição do candidato.

Art. 12. O presente Concurso do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, obedecerá ao seguinte Calendário:

  1. Lançamento Oficial: 15 de abril de 2018. Divulgação da Comissão Julgadora;
  2. Prazo limite para entrega ou postagem nos correios: 30 de setembro de 2018;
  3. Julgamento: 15 de outubro a 15 de novembro de 2018;
  4. Proclamação dos Resultados: 16 de novembro de 2018;
  5. Entrega dos prêmios: 13 de dezembro de 2018.

Art. 13. Os trabalhos não premiados serão devolvidos na sessão magna de 13 de dezembro de 2018.

Art. 14. Os trabalhos premiados constarão de uma lista em edital do IHGRJ à disposição na sede provisória do IHGRJ, na Avenida Augusto Severo, 8/12º andar, Glória, CEP 20021- 040.

Art. 15. Face à eventual impossibilidade de comparecimento para o recebimento dos prêmios, os ganhadores poderão enviar representantes.

Art. 16. Os casos omissos neste regulamento serão resolvidos pela Comissão Julgadora.

 

Neusa Fernandes
Presidente do IHGRJ

Fontes sobre o Rio de Janeiro setecentista

Está assente que a investigação historiográfica sobre o século XVIII carioca foi prejudicada pelo incêndio criminoso que destruiu o Arquivo Municipal em 1790. Para sortear essa dificuldade, os historiadores costumam recorrer à correspondência política e administrativa de instâncias como a do Conselho Ultramarino (vide o Projeto Resgate).

Mais recentemente, porém, também os lançamentos paroquiais seriados têm fornecido aos pesquisadores valiosas informações demográficas. Tais registros englobam relatórios de visitas pastorais e assentos de batismo, matrimônio e óbito, nos quais é possível respigar dados pessoais dos fregueses como a extração social, residência, parentesco, naturalidade, disposições testamentárias, etc. A partir desses elementos é possível estabelecer análises tanto quantitativas quanto qualitativas (FRAGOSO & alii (org.). Arquivos paroquiais e história social na América Lusa, séculos XVII e XVIII: métodos e técnicas de pesquisa na reinvenção de um corpus documental. Rio de Janeiro: Mauad X, 2014).

Por outro lado, como bem resumiu Nireu Cavalcanti (in FLORENTINO, Manolo (org.). Tráfico, cativeiro e liberdade. Rio de Janeiro, séculos XVII-XIX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 17), no campo específico do comércio escravagista durante o período colonial brasileiro há escassez de trabalhos publicados, carência de instrumentos de pesquisa arquivística, ausência de dados estatísticos consolidados e falta de informações sobre as pessoas envolvidas no tráfico.

Essas lacunas só podem ser vencidas com comparações, inferências e projeções, método pelo qual foi possível estimar em 675.481 o número de africanos escravizados que entraram pelo porto do Rio de Janeiro ao longo de todo o século XVIII (ibidem, p. 66).