3 formas de interpretar a decoração

Monograma Auspice Maria no altar do retábulo de
Nossa Senhora da Graça (Matriz Santa Rita)

O inventário dos aspectos funcionais do estilo rococó empregado na decoração da Matriz de Santa Rita evidencia a ambiguidade da simbologia decorativa, a despeito de sua eventual decodificação.

A decoração religiosa é passível de ressignificação e traz no seu bojo a marca da historicidade. Contudo, ambivalência não quer dizer ilusão, mas amplidão, pois o símbolo — ao saltar o abismo entre a representação artística e o conteúdo transcendente do numinoso — traz consigo a marca da própria insuficiência, embora não impeça o numinoso de se fazer presente.

O melhor modo de interpretar imagens consiste em abdicar de lê-las como se fossem ideogramas, pois a questão imagética versa menos sobre as mensagens, do que sobre a eloquência dos mensageiros.

De que forma o mensageiro se vale da fragilidade do símbolo para persuadir sua a audiência? E que audiência é essa, capaz de fazer da experiência estética uma experiência religiosa?

Essa discussão vem tratada em pormenor no artigo Eloquência, ambivalência, audiência: Arqueologia da primeira decoração rococó religiosa nas Américas, publicado na Revista Imagem Brasileira, nº 9.

Informações arqueológicas oficiais sobre Santa Rita

Em verde, a área do cemitério de pretos novos de Santa Rita.

Em novembro de 2019, durante o V Seminário de Preservação de Patrimônio Arqueológico, realizado no Museu de Astronomia e Ciências Afins, a equipe do programa de gestão do patrimônio arqueológico e histórico na área de instalação da linha do VLT em Santa Rita apresentou uma comunicação sobre o material ósseo coletado. Tornou-se público que, com o objetivo de delimitar o cemitério, foram feitas 17 sondagens sob o leito dos trilhos e outras 22 sondagens em pontos estratégicos ao redor. Oito delas forneceram resultados positivos para a presença de contexto cemiterial. No total, foram resgatados 2.319 elementos ósseos em elevado grau de fragmentação, grande parte com menos de três centímetros.

A monumental documentação de encerramento do processo, porém, só seria publicada a 13 de maio passado, perfazendo mais de duas mil páginas:

GASPAR, Maria Dulce (coord.). Programa de Gestão do Patrimônio Arqueológico e Histórico da Área de Implantação do Sistema Veículo Leve Sobre Trilhos – VLT e Respectivas Paradas para Acesso de Passageiros – Trecho L900 – Centro, Rio de Janeiro/RJ e Área de Ampliação. Relatório Final – 8 volumes. Artefato Arqueologia, processo nº 01500.002422/2017‐06. Rio de Janeiro: 13/5/2020.

O sítio de Santa Rita representa uma parte significativa dos oito volumes de informação sobre as áreas afetadas pela implantação do VLT. O relatório final sublinha que os “ossos humanos, quando evidenciados em contexto, foram identificados pela equipe de bioarqueólogos, registrados em fichas específicas e croquis e protegidos, encerrando-se as escavações”.

Remanescentes humanos em contexto anatômico apenas foram encontrados em uma caixa e em duas sondagens. Por outro lado, os demais ossos dispersos por interferências recentes, encontrados no Largo de Santa Rita entre 40 e 70 centímetros de profundidade, apresentavam tal grau de fragmentação que se tornou impraticável estimar o número, a idade e o sexo dos indivíduos. No entanto, graças à presença de restos dentários, foi possível compor uma amostra de pelo menos nove pessoas jovens, entre 8 e 17 anos. Alguns eram modificados, ao estilo “dente de piranha”, típico da África Centro-ocidental. A análise das escavações levou à conclusão de que “o contexto do cemitério estava à ‘flor da terra’” e de que “havia densidade significativa de sepultamentos”.

Além de descrever em pormenor os demais sítios afetados pelo empreendimento, o relatório também contém dados interessantíssimos sobre a configuração da antiga vala da Cidade, cuja contenção em alvenaria de rochas e arco de tijolo maciço condiz com as descrições de época.

O documento tem dificuldade para articular com clareza os dados arqueológicos com a narrativa histórica do bairro da Vila Verde. Mesmo assim, as imprecisões costumeiras sobre o Largo de Santa Rita — supô-lo não urbanizado, reduzido ou inabitado no período de operação do cemitério — são definitivamente contraditadas pela aparição de porcelana chinesa do século XVII nas casas de seu entorno. Portanto, o Terreiro da Prainha já era então bem delimitado e ocupava uma área de 1.398,24 m². Aliás, o testemunho residual de um sambaqui e presença de material lítico e cerâmico pré-colonial atestam que a presença humana nessa região vem de longa data.

Segredos da arte sacra no Rio Antigo

A que servia a arte sacra no período colonial?

Uma primeira resposta prioriza os interesses pessoais, quer vaidosos (ostentação), quer políticos (representação). Mas tanto a ostentação quanto a representatividade são análises que ficam na exterioridade, no âmbito das aparências.

Outra linha frisa a função catequética da arte, muito embora tal ferramenta tenha serventia difusa, haja vista ser incapaz de esgotar o conteúdo dogmático que se pretende transmitir.

Uma nova via a ser explorada é a da existência de uma função da arte sacra precipuamente latrêutica, litúrgica, ou de oferta votiva.

Para saber mais, assista à nossa live na quarta-feira, 8 de julho, às 18h.

ACOMPANHE ESSAS E OUTRAS LIVES EM @jcnarajr

Formas de enterrar, modos de morrer

Duas lives esta semana abordarão a prática cemiterial no Brasil colonial.

A primeira, que ocorrerá na quarta-feira, dia 24 de junho, às 18h, será com a historiadora Elisiana Trilha Castro, presidente da Associação Brasileira de Estudos Cemiteriais (ABEC). A live abordará a dinâmica e a perenidade dos espaços cemiteriais, desde a época colonial até hoje.

A outra será EM BREVE, no mesmo horário, com Marcos Coutinho, pesquisador do IPPUR/UFRJ. Versará sobre o o impacto cultural das crenças escatológicas, mas também do protagonismo das irmandades leigas de afro-brasileiros na expansão urbana do Rio de Janeiro do século XVIII.

ACOMPANHE ESSAS E OUTRAS LIVES EM @jcnarajr

Educação: importância das raízes indígenas e africanas

Durante o Seminário Regional sobre Ensino de África e Africanidades da UVA, tópicos sobre Santa Rita foram tratados no webinar Práxis educativa e as Leis 10.639 e 11.645, a ser realizado a 16 de junho, terça-feira, às 9h.

Os complementos à Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (9.394/1996; cf. 10.639/2003 e 11.645/2008) procuram valorizar a história, a luta, a cultura e a contribuição dos povos indígenas e negros na formação da sociedade e da nacionalidade brasileiras.

Assista a um trecho do Webinar sobre práxis educativa, organizado pela UVA:

Conceição, Saúde, Valongo

A devoção à Virgem Maria, característica essencial do cristianismo, teve contornos típicos e específicos no Rio de Janeiro setecentista e especialmente na freguesia de Santa Rita.

Para tratar do assunto, um webinar foi promovido pelo Museu Arquidiocesano de Arte Sacra do Rio de Janeiro (MAAS), com o apoio do Projeto de Extensão e Cultura Igrejas Históricas no Rio de Janeiro: Descobrindo e Revelando seus acervos, da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura da UNIRIO.

Nesse encontro, conheceremos as raízes das invocações marianas que deram nome ao Morro da Conceição (em frente ao Largo de Santa Rita) e à Ponta da Saúde (em cuja chácara ficava o cemitério do Valongo), as colinas extremas da freguesia.

Sábado, dia 30 de maio, às 15h, participe da roda de conversa (transmitida pelo ZOOM), da qual participam os seguintes especialistas:

Assista no YouTube à gravação do webinar

  • 00:08:30 a 00:42:00 → Imaculada Conceição, pelo Dr. João Carlos Nara Jr. (Arquiteto e Urbanista, Arqueólogo e Historiador).
  • 00:42:00 a 01:51:30 →Maria, Saúde dos Enfermos, pela Dr.ª Márcia Valéria Rosa (UNIRIO & Projeto Igrejas Históricas no Rio de Janeiro).
  • 01:51:30 a 02:32:00 → A igreja de Nossa Senhora da Saúde (no bairro da Gamboa, Rio de Janeiro), pela Prof.ª Lydia de Carvalho Coelho (historiadora, mestranda em Arqueologia).
  • 01:51:30 a 02:32:00 → As virgens negras, pela Prof.ª Marli de Assis (Museóloga do MAAS).

A mesma apresentação sobre a Imaculada Conceição foi apresentada, com alguma atualização, durante um seminário promovido pelo Centro Loyola, da PUC-Rio:

Lançamento virtual

Sábado 25 de abril, a partir das 11h, participe de um bate-papo de lançamento virtual do livro O Rio de Janeiro entre conquistadores e comerciantes.

Além do autor, João Carlos Nara Jr., também falarão o historiador e jurista Daniel Pêcego e o historiador da arte Daniel Forain.

Conheça detalhes insuspeitados do Rio de Janeiro colonial e adquira o cupom de desconto se quiser comprar o livro!

Rio de Janeiro setecentista

Compre aqui. A imagem é simbólica, pois o livro só tem 100 páginas!

Uma boa história contém rostos com nome e sobrenome. Estamos fartos daquelas narrativas sobre classes, coletivos, causas e efeitos, bons e maus, oprimidos e vencedores, feita de uma massa de anônimos. Também ansiamos por uma história abrangente, que contemple não apenas os colonizadores europeus, os caciques derrotados e os potentados africanos, mas também a gente da rua, o proprietário da esquina, a pessoa de carne e osso.

Encontramos isso ao estudar a freguesia de Santa Rita. Na época em que o Rio de Janeiro colonial ainda possuía uma muralha na altura da atual Rua Uruguaiana, um fidalgo resolveu construir uma capela familiar para a sua santa de devoção, a italiana Rita de Cássia, então recém-beatificada. A igrejinha, próxima da muralha, viria a se tornar a matriz dessa bela região exterior, pontilhada de chácaras, a que hoje damos o nome de Porto Maravilha. Berço do samba, útero da Pequena África, mãe da alma carioca, ali se instalou o sistema escravagista até a abolição do tráfico em 1831.

Mas quem foi Manoel Nascentes Pinto (1672-1731), esse fidalgo que construiu a matriz de Santa Rita? Qual era a sua função na Alfândega do Rio de Janeiro, onde trabalhava? Quem eram seus parentes? Que rede de relações sociais construíram? — Por meio dessas e doutras indagações, é possível fazer uma instigante aproximação a um período pouco explorado da história do Brasil, quando os conquistadores do século XVII cediam seu espaço político para a ascensão dos comerciantes do século XVIII.

Tese sobre o Cemitério de pretos novos de Santa Rita

O tráfico negreiro pressupôs a instalação de um complexo escravagista no Rio de Janeiro colonial, o qual incluía, entre outras instâncias (controle sanitário, aduana, lojas etc.), um cemitério exclusivo para os africanos recém-chegados ao Brasil (“pretos novos”) que não resistissem ao translado para a América.

Essas pessoas anônimas, cuja história se desconhecia, representam fronteiras étnicas, geográficas e escatológicas. Mas por meio de seus remanescentes arqueológicos, presentes nos cemitérios da freguesia de Santa Rita, os pretos novos podem alçar a sua voz silenciosa para fazer parte, pela primeira vez, da memória brasileira.

LEIA A TESE AQUI

Observar a flora

Detalhe do intradorso do arco-cruzeiro da matriz de Santa Rita. Foto de Mateus Rosada (2014).

É preciso observar a flora.

Nenhum artista verdadeiro pintaria ou cinzelaria uma determinada flor ou árvore sem que ela alargasse o sentido e o alcance do seu trabalho.

Nenhuma planta é posta em uma tela ou em uma talha apenas para ocupar um espaço vazio.

Alegoria, tradição, exegese e espiritualidade se cruzam na iconografia, na imaginária, na pintura, na tapeçaria. Essa interpenetração conceitual produz um verdadeiro mosaico pedagógico, catequético, cultural e místico, útil para gerações inteiras.

Frei Clarêncio Neotti escreveu um singelo livro sobre o espaço ocupado pela zoologia na arte sacra. Como bom franciscano, soube ver como os animais acompanham o homem desde a primeira página do Gênesis até o Apocalipse.

Suas considerações, que reproduzo aqui, me estimularam a trilhar um caminho similar ao seu, mas pelo reino vegetal.

Nenhuma religião dispensa o símbolo: a melhor linguagem para expressar o numinoso é o símbolo.

As gerações que desprezaram o símbolo foram pobres em humanidade e socialmente desequilibradas.

A visão ecossistêmica contemporânea se purificada do panteísmo, da misantropia e do relativismo rasos, que a tornam a hipocrisia do momento bem pode recuperar a necessária linguagem de respeito ao mundo animal, vegetal e mineral.

É preciso observar a flora.