Há 400 anos começava a escravidão nos EUA

Julia Michaels escreveu um ótimo artigo intitulado O 1619 Project: um grande jornal questiona o mito fundador dos EUA.

O artigo vem preencher uma lacuna da imprensa brasileira acerca das comemorações dos 400 anos da escravidão nos EUA, alegadamente iniciada com o sequestro de africanos destinados ao Brasil.

Leia também aqui o Project 1619.

Livro, arte, devoção

  • A Faculdade de São Bento do Rio de Janeiro abre suas portas para o Seminário Permanente sobre Arte e Devoção. A proposta é difundir o conhecimento científico em diálogo com os diversos ramos do conhecimento humano.

Nos meses de setembro e outubro as comunicações desse evento gratuito serão voltadas para a história do livro, na sua dupla acepção de livros civis e litúrgicos.

Os interessados deverão confirmar presença por e-mail.

No dia 30 de setembro, às 16h20, a apresentação será O Breve apostólico dos privilégios de Santa Rita.

A palestra abordará a análise paleográfica de um documento pontifício de 1726 sobre o uso permitido da capela de Santa Rita, que afetou a urbanização do sítio do Valverde, no atual Centro do Rio.

O que é diáspora

Diáspora vem do grego δια + σπείρω, “semear através”, ou seja, dispersar.

Três enfoques podem ser dados ao termo, e que devem ser utilizados com rigor:

Exílio

Diáspora foi originalmente um conceito exclusivo da experiência judaica de expatriação e dispersão por vários países. Subjaz a ideia de deslocamento forçado, com todos os seus traumas.

Sonho do retorno

Violências alimentam o desejo de recuperar a pátria perdida. Com esse tipo de abordagem, diáspora pôde ser aplicada analogicamente, por exemplo, às populações armênias e africanas.

Comunidade transnacional

O uso impróprio e sub-acadêmico do termo diáspora fez com que o conceito designasse qualquer grupo cujas relações sociais, econômicas e políticas atravessem as fronteiras nacionais: imigrantes, trabalhadores temporários, minorias, refugiados, peregrinos.

Cronologia dos cemitérios de escravos no Rio de Janeiro

Até meados do século XIX, todas as pessoas cristãs (escravas e livres) costumavam ser enterradas nas suas igrejas ou capelas paroquiais, ou nas igrejas das irmandades a que pertencessem, de acordo com a sua preferência.

Havia três possibilidades:

  • na nave da igreja: enterro ad sanctos
  • ao redor da igreja, no adro: enterro apud ecclesiam
  • junto da igreja: depósito em catacumbas

Os pretos novos (recém-chegados de África) que morressem antes de ser vendidos, eram tratados como indigentes, por não terem ainda domicílio e, consequentemente, não terem paróquia.

Quando a Santa Casa de Misericórdia deixou de ter capacidade de atender a tantos enterros de doentes e indigentes falecidos, algumas ordens religiosas e irmandades leigas vieram em auxílio, recebendo esses defuntos em suas necrópoles particulares.

Em seguida, novos cemitérios, exclusivos para pretos novos, surgiram na cidade do Rio de Janeiro, em função de ordens régias que instavam a solução do problema. O do Largo de Santa Rita foi o primeiro desses cemitérios exclusivos, embora precário, por estar em logradouro público.

Dali foi transferido ao Valongo pelo Marquês do Lavradio.

A fim de ter uma noção do arco temporal dessas idas e vindas, visite a linha do tempo em https://www.timetoast.com/timelines/1820162.

Árvore do esquecimento ou da memória?

Laurentino Gomes lança sua nova sequência de livros sobre história do Brasil, dessa vez sobre a escravidão.

Um tema que ele recordou recentemente foi a Árvore do Esquecimento em Ajudá (Ouidah), atual Benin.

Sabemos que a memória muitas vezes inventa a história.

No caso em questão, a tradição sobre tal árvore foi criada em 1992, durante o Festival Ouidah 1992, cujo objetivo foi valorizar a tradição vodu do país.

Logotipo do Festival Ouidah 1992

A bem da verdade, nenhuma fonte de época fala das Árvores do Esquecimento e do Retorno. O que sim existe é uma referência às três voltas que o Yovogan da cidade e os seus oficiais davam a uma árvore, a título de boas-vindas, quando recebiam os traficantes europeus.

Também se recorda a árvore sob a qual o rei Agajá de Daomé (1673-1740) bebeu gim europeu pela primeira vez, após destruir o reino de Hueda e arrebatar a cidade de Ajudá em 1727.

Árvore do Retorno em Ajudá (Ouidah), Benin.

Mais do que históricos, esses monumentos de memória são um modo contemporâneo de a população do Benin lidar com o triste passado de Daomé, um Estado predatório que exportou milhares de pessoas escravizadas para o Brasil, especialmente para o Recôncavo Baiano (os jejes), nos séculos XVIII e XIX.

Alguns poucos navios oriundos de Ajudá também vieram ao Rio de Janeiro. É o caso, por exemplo, da corveta do capitão Francisco Antônio de Etrê, morador da rua dos Ourives (atual Miguel Couto), que trouxe consigo 306 cativos em 1766. Dessas pessoas, estima-se que uma delas morreu durante a viagem. É provável que outras 12 tenham falecido no Rio de Janeiro antes de serem vendidas, sendo então enterradas no cemitério de Santa Rita.

Fantasmas na rua Acre, 80

Como é sabido, lamentavelmente se decidiu não proceder ao salvamento arqueológico dos remanescentes humanos sobre os quais se passou a linha 3 do VLT, no Largo de Santa Rita.

Em compensação, a fim de se delimitar o Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita, foram feitas prospecções nas áreas adjacentes, em especial nas ruas Acre e Alcântara Machado.

Prospectar a rua Acre tinha, entre outros objetivos, o estranho propósito de comprovar a lenda de que o Cemitério de Santa Rita alcançava o edifício do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, situado naquela rua, nº 80.

O boato se tornara popular em julho de 2018, por ocasião de uma jocosa notícia do Anselmo Gois no Jornal O Globo que contava os sustos dos funcionários do Tribunal, causados por manifestações de um poltergeist no edifício, cujas portas batiam sem razão aparente. O vulgo atribuía o fenômeno à suposta presença de ossos humanos sob os alicerces da edificação.

A pedido da Corte, redigi um breve parecer a 21 de setembro, dirimindo a questão, que carecia de qualquer fundamento. Afinal, o imóvel hoje ocupado pelo TRF-2 corresponde à reunião de vários pequenos lotes que pertenceram aos beneditinos até o século XX, salvo engano.

Em 24 de novembro, uma placa comemorativa foi instalada no saguão do Tribunal pelo Desembargador Federal André Fontes, com os dizeres:

O prédio onde se encontra a sede do Tribunal Regional Federal da 2ª Região integra a região do Centro da Cidade conhecida como ‘Pequena África’ (Praça Mauá e adjacências), onde por séculos aportaram navios negreiros.

A Corte realiza singelo preito às pessoas oriundas da África e busca trazer à lume o resgate da história do Brasil no período da escravização.

Quanto às prospecções na rua Acre… investir nesse tipo de pesquisa arqueológica parece ter sido algo despropositado.

Tudo pela ciência e a história do Rio de Janeiro!

Em nome das estações do VLT

Andersen Ross Photography Inc/Getty Images

A empresa Artefato Arqueologia foi encarregada do programa de gestão do patrimônio arqueológico e histórico pela concessionária do VLT, haja vista que a Linha 3 passa por pelo menos sete sítios arqueológicos, três deles de significativa importância cultural: o Caminho Largo, a extinta igreja de São Joaquim e o Largo de Santa Rita. O relatório inicial do programa de gestão, de fevereiro de 2018, informa que o objetivo das intervenções consistiria em caracterizar, delimitar e registrar os sítios arqueológicos, salvar os materiais ou porções dos sítios atingidos pela instalação da obra.

Não obstante, antes de iniciarem as obras de engenharia, já se tinham realizado, com o aval do IPHAN, trinta unidades de prospecção arqueológica na região, encontrando-se fragmentos de faiança, porcelana, cerâmica, vidro, cachimbo e ossos humanos. Ficou, portanto, confirmada a existência de remanescentes humanos no Largo de Santa Rita, o que em tese corrobora a tradição da presença de um cemitério no logradouro.

Como parte do programa de educação patrimonial, realizou-se a 7 de junho de 2018, na sede da Companhia de Desenvolvimento do Porto Maravilha (CDURP), uma primeira exposição pública das pesquisas feitas até aquele momento, de como se pretendia atuar durante o monitoramento das obras do VLT e dos passos subsequentes quanto à análise laboratorial e à curadoria do material arqueológico encontrado.

A audiência teve ampla participação de movimentos sociais que tinham a expectativa de renegociar o projeto do VLT com as autoridades governamentais. Essas, porém, estavam ausentes, o que causou não pequeno mal-estar. Em consequência, após pedido dos interessados, foram convocadas algumas reuniões, coordenadas pelo IPHAN, a fim de se chegar a um acordo quanto ao tipo de intervenção arqueológica a ser adotada no Largo de Santa Rita.

A postura acordada consistiu em cancelar a pesquisa no Largo de Santa Rita e em não permitir o salvamento arqueológico dos esqueletos humanos que eventualmente aparecessem durante a instalação dos trilhos do VLT. As obras teriam prosseguimento, desde que as estações recebessem denominações ligadas à cultura afro-brasileira (assista ao vídeo).

Embora a superintendência do IPHAN tenha reafirmado que o salvamento arqueológico seria a forma de garantir a preservação do sítio, acabou sendo acolhido o desejo contrário da Comissão Pequena África. Para os mortos ali jazentes, bastará um novo agenciamento paisagístico, pontilhando com rosas negras a área aproximada do cemitério.

Convém ressaltar que os sítios inventariados como herança da escravidão — e o de Santa Rita está expressamente incluído no Circuito Histórico e Arqueológico da Pequena África — só realizam a sua potencialidade quando promovidos em um projeto que integre os aspectos de memória, cultura e turismo, e equilibre interesses locais e regionais (cf. UNESCO, Legacies of Slavery, 2018, p. 20 e 26). Não obstante, tais sítios costumam tropeçar tanto na “falta de visão compartilhada […] e apatia institucional”, quanto no “desenvolvimento de elementos sensacionalistas em detrimento da narrativa dos eventos reais” (ibidem, p. 28).

A UNESCO recomenda expressamente que esses projetos de memória

[…] se baseiem em um sério conhecimento do contexto histórico, atualizado pelas pesquisas científicas, feito público interna e externamente, que envolva a sociedade local e a comunidade de afrodescendentes, em especial as novas gerações e a população residente; que evite o uso de um discurso de vítima ou pessimista, e que convença os gestores públicos dos seus benefícios. (Ibidem, p. 29)

Aliás, o que se decidiu fazer com o cemitério de Santa Rita parece contradizer frontalmente a linha adotada poucos meses antes pelo Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos, em cuja sede, no cemitério do Valongo, durante as pesquisas do arqueólogo Reinaldo Tavares, se expôs em maio de 2017 um indivíduo do sexo feminino, em boa conexão anatômica e condições de preservação, com o objetivo de identificar contextos funerários e facilitar os estudos de arqueologia funerária e bioarqueologia.

As obras de implantação do VLT seguiram seu curso, passando por diversos sítios arqueológicos. Houve grande repercussão midiática com a aparição de corpos de irmãos da Irmandade de São Joaquim no trecho em frente ao Colégio Pedro II. Também chamou a atenção dos cariocas a escavação de uma loja na rua Miguel Couto, sobre a qual existem classificados do século XIX informando que ali se venderam escravos. Quase nada se disse na imprensa, porém, acerca dos resíduos de sambaqui e da estrutura encontrada no fim da rua Acre, que pode ser remanescente da muralha da cidade projetada por João Massé em 1713.

Enquanto isso, o trecho sobre o cemitério de Santa Rita passou silenciado, cercado que foi por um alto tapume, colocado por questões de segurança, para garantir a integridade do sítio arqueológico e evitar vandalismo e furto, cuidado que não tinha sido considerado necessário em outros lugares… Desse modo, os testes com os trens do VLT puderam começar a 20 de novembro de 2018.

Pouco depois, o Ministério Público Federal instaurou um inquérito civil a fim de informar-se do resultado da implementação da linha do VLT. Em Nota Técnica, o IPHAN respondeu que o sítio do cemitério de Santa Rita está repleto de interferências urbanas e que as prospecções eram insuficientes para delimitar com segurança o seu perímetro. Laconicamente, a Nota ainda afirma que não houve a etapa de salvamento arqueológico visando garantir a “adequada proteção à memória”.

Irônico é que o manual para sítios e itinerários de memória da UNESCO (2018, p. 43) afirme que os lugares de memória correm o risco de se tornar inoperantes pela “falta de pesquisas históricas metódicas, ou quando estas são ideologicamente ambíguas”.

Esses acontecimentos demonstram o quanto a Arqueologia corre o risco de ser vista como “profanadora” e não como aliada das causas sociais. Afinal, como aceitar que os remanescentes humanos dos africanos escravizados permaneçam em reservas técnicas por tantos anos, sendo tratados como fósseis? Sem dúvida, faz-se necessário revisar as normativas sobre a curadoria desse tipo de material.

Entretanto, tanto a comunidade acadêmica quanto os profissionais da arqueologia ainda não se manifestaram de forma consistente a respeito do problema.

Livro sobre o fundador de Santa Rita!

Em dezembro será lançado o livro O Rio de Janeiro entre conquistadores e comerciantes: Manoel Nascentes Pinto (1672-1731) e fundação da freguesia de Santa Rita.

A microanálise da vida de Manoel Nascentes Pinto (1672-1731), meirinho da Alfândega do Rio de Janeiro, permite conhecer como se cruzavam aspectos distintos da vida política fluminense no início do século XVIII, mediante a descrição das relações sociais desse fidalgo português, de suas pretensões religiosas e do papel desempenhado por ele na conjuntura econômica de então.

Paralelamente, ilumina pontos obscuros dos começos do sistema escravagista carioca, que seria fixado na freguesia de Santa Rita, primitivo subúrbio do Rio de Janeiro Colonial, cuja matriz foi por ele fundada.

ATUALIZAÇÃO: COMPRE O LIVRO AQUI.

Profanando Giorgio Agamben

O grande paradoxo da escatologia contemporânea pode ser encontrado na filosofia pós-marxista de Giogio Agamben, para quem o tempo messiânico — designado por ele como “a comunidade que vem” — se identifica com a realização da utopia anarquista.

Só incautos veem sentido em que a Universidade suíça de Friburg tenha laureado esse filósofo com o doutorado honoris causa em Teologia em 2012. Com efeito, em sua crítica do poder, o uso que Giorgio Agamben faz da teologia em geral e da escatologia em particular é claramente pós-cristã e inclusive a-teológica.

Em seu pensamento apocalíptico, Agamben alimenta a expectativa de que a profanação do “trono”, símbolo da “Glória”, será o caminho para o advento do “Reino” na terra.

Mas Agamben tem uma noção bastante peculiar de “profanação”: profanar consistiria em neutralizar, em tornar inoperante, em desativar o aparato de poder que tinha isolado os objetos na esfera do sagrado através do sacrifício. A profanação seria, portanto, distinta da secularização, que é a mera transferência de poder do espaço sagrado para o espaço profano, fenômeno pelo qual a estrutura sacramental da Igreja serviu de modelo à construção no Estado moderno. Em suas próprias palavras:

A profanação implica […] uma neutralização daquilo que profana. Depois de ter sido profanado, o que estava indisponível e separado perde a sua aura e acaba restituído ao uso. [A profanação] desativa os dispositivos do poder e devolve ao uso comum os espaços que ele havia confiscado. (Profanações. São Paulo: Boitempo Editorial, 2007, p. 61)

Convém deixar claro que a filosofia de Agamben faz da prática e do pensamento cristãos um sucedâneo crítico para o esgotamento do marxismo. Seu equívoco consiste em reduzir o sagrado a um conceito meramente jurídico, não primariamente religioso. O filósofo estabelece o sagrado em oposição ao profano, como se a categoria da sacralidade fosse privada de entidade própria. Para ele, a valência do sagrado procede exclusivamente do arbítrio que estabelece a separação entre a esfera sacral e a esfera mundana, com independência do sujeito que o imponha, quer seja a Igreja, quer seja o Estado. Assim, a religião não implicaria em uma religação com o divino, mas se concentraria na própria construção da fronteira que torna inacessível os objetos sacralizados:

Pode-se definir como religião aquilo que subtrai coisas, lugares, animais ou pessoas ao uso comum e as transfere para uma esfera separada. Não só não há religião sem separação, como toda separação contém ou conserva em si um núcleo genuinamente religioso. O dispositivo que realiza e regula a separação é o sacrifício. (Ibidem, p. 58)

Entretanto, Agamben entende o sagrado simultaneamente como excluído do âmbito divino. O sagrado estaria, portanto, encerrado em um limbo no qual se entra mediante uma “violência que excede tanto a esfera do direito quanto a do sacrifício” (idem, Homo sacer: o poder soberano e a vida nua, I. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007, p. 93), e o coloca numa zona de fronteira entre o divino e o mundano.

Chega-se a tais conclusões, entre outros motivos, quando não se atribui personalidade à divindade, quando não se atina que entre Deus e as coisas possa haver relação de pertencimento. Pois “pessoa” é, precisamente, “relação”: pessoa é relação subsistente.

A bem da verdade, algo é santo ou sagrado não tanto em sua contraposição ao profano, mas sim por sua relação com Deus, por sua pertença a Deus. Nesse sentido, é possível afirmar que o sagrado não é inacessível; antes se revela como o elemento mais dinâmico e atuante na vida dos seres humanos, tornando-lhes presente o mistério divino e conferindo um sentido numinoso à sua existência. Ao mesmo tempo, o profano ou secular não será inoperante na medida em que se deixar fecundar pela presença e o sentido do sagrado.