A família Nascentes Pinto

Brasão de Armas dos fidalgos Nascentes Pinto

O genealogista Nelson Pamplona, Sócio Titular do Colégio Brasileiro de Genealogia, publicou, em edição particular, um extenso levantamento sobre a família Nascentes.

Dom Manoel (1672-1731) e dona Antônia Maria (1677-1749) Nascentes Pinto foram os pioneiros da devoção a Santa Rita no Brasil e os fundadores da igreja dedicada à taumaturga italiana na cidade do Rio de Janeiro.

Referência: PAMPLONA, Nelson Vieira. Os Nascentes Pinto. Rio de Janeiro, s/ed., 2016.

 

Carta aberta do IPN


Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos corre o risco de fechar as portas

OUÇA A ENTREVISTA NA CBN


Mais um ano se inicia e renovam-se as incertezas e agonias quanto ao funcionamento do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos – IPN, que novamente se encontra em situação de dificuldade financeira. Assim como em dezembro de 2014, percebo que se não houver um apoio duradouro à instituição, que garanta ao mínimo o custeio básico, não teremos outra saída a não ser decretar o fechamento do IPN, em caráter definitivo.
Destaco que isso não se trata de descompromisso ou chantagem, mas na verdade, o reflexo de uma nefasta ausência de políticas públicas para o aporte e manutenção de instituições culturais, o que se agrava, e muito, quando o complexo cultural em questão, está relacionado à presença e participação social negra no contexto da escravidão e da diáspora.
Desde 2013, contamos com o apoio da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto – CDURP para o custeio (energia elétrica, água, telefone, demais taxas e material de limpeza) e da Concessionária Porto Novo, com o apoio ao projeto de Oficinas e Exposições da Galeria de Arte Contemporânea, entre outros eventos. Mas, neste cenário de crise, embora essas empresas continuem nos apoiando e incentivando, esse custeio não poderá ser renovado até meados do ano e ainda não sabemos se haverá ou não o aporte para nossas oficinas.
Estamos nos mobilizando para atender emergencialmente algumas demandas com a promoção de cursos especiais, com o intuito principal de arrecadar material de limpeza e pequenos reparos, como o banheiro feminino. Obviamente, não conseguiremos custear o IPN com o oferecimento de cursos, tanto pela crise financeira que intimida o investimento em formação, quanto pela nossa missão institucional que prima pela preservação e difusão da memória da diáspora africana de forma democrática, gratuita e com qualidade.
Com as obras de impacto urbano na região portuária e a crescente popularidade do IPN, estamos recebendo um número cada vez maior de visitantes o que demanda uma crescente necessidade de investimento da estrutura básica de funcionamento, como água e insumos de higiene, por exemplo. Lembrando que dos pontos que compõem o Circuito de Herança Africana, é no IPN que os visitantes tem acesso gratuito a água e sanitários, além de ambiente refrigerado para assistirem ao vídeo institucional. E a nossa visitação tende a crescer ainda mais, se considerarmos que, em breve, ocorrerá a inauguração da Estação Harmonia do VLT, que vai aumentar significativamente o número de visitantes em função da facilitação do acesso. Neste tocante, vale ressaltar que o IPN recebeu em 2014, 2015 e 2016 cerca de 49.000 visitantes. E, somente no ano passado, cerca de 15.000 pessoas.
A princípio, fecharíamos o IPN até que houvesse o restabelecimento do custeio e do apoio, ou a sensibilização de novos apoiadores e/ou benfeitores, mas seria uma perda absurda para o campo da memória daqueles sujeitos trazidos compulsoriamente de África para o Brasil, e, sobretudo, uma frustração tanto para minha família que luta há 21 anos por esse patrimônio, assim como para os colaboradores e voluntários que, trabalham com carinho e afinco para tornar esse lugar de memória da desumanidade, violência, vilipêndio sofrido pelos africanos escravizados, expressos pelo testemunho das janelas arqueológicas do cemitério, cada vez mais um centro irradiador de cultura, de combate ao preconceito, de construção do conhecimento, de guarda da memória e sobretudo, expressar o valor e o respeito que temos perante esses indivíduos que aqui jazem.
A situação se torna ainda mais delicada por estarmos em pleno desenvolvimento de uma pesquisa arqueológica na nossa sede, e acabarmos de fechar uma excelente programação para a Semana Nacional dos Museus, que tem como tema: Museus e histórias controversas: dizer o indizível em museus”. Com o início do ano letivo, já que recebemos um grande número de turmas dos mais diversos níveis de ensino. Assim, mesmo tendo nossos recursos financeiros se esgotando, gostaríamos de convidar a todos para juntarem-se a nós na campanha IPN RESISTE!
Não podemos fechar este Instituto de Pesquisa e Memória que há 12 anos busca implementar ações de preservação, pesquisa e dinamização do patrimônio cultural africano e afro-brasileiro, numa perspectiva diaspórica, visando à valorização da dignidade humana, a universalidade aos conhecimentos, a igualdade racial e religiosa e a construção no presente das memórias soterradas no passado.
Para conhecer mais sobre o IPN acesse: www.pretosnovos.com.br/informativo.
E nos ajude a reverter esta situação.

Atenciosamente,
Ana Maria de La Merced G. G. G. dos Anjos
Presidente IPN
#ipnresiste

Passeio histórico pela Freguesia de Santa Rita

mapaheranca_africana

http://www.portomaravilha.com.br/circuito

Passeios a pé, de baixo custo, que têm como vantagem a proximidade entre os pontos visitados, e que permitem conhecer as construções do Rio Antigo. — Bom, não é verdade? O Rio Antigo é, simplesmente, o Brasil Antigo. A sede da Colônia, a Corte Imperial, o berço da República: onde há mais recordações dessas fases da nação do que na Cidade Maravilhosa?

Forçoso é reconhecer que Rio de Janeiro, apesar das reformas urbanas, ainda necessita de mais conservação, sinalização e limpeza. Mas acredito que conhecer suas riquezas escondidas é o primeiro passo para estimular o atendimento a essas necessidades.

De certo modo, pode-se dizer que a antiga Freguesia de Santa Rita, diferente do resto da Cidade, possui um roteiro oficial. De fato, a Prefeitura do Rio, através do Decreto 34.803/2011, criou o Circuito Histórico e Arqueológico de Celebração da Herança Africana. Naturalmente, esse roteiro não esgota as possibilidades culturais e históricas da região. A Matriz de Santa Rita, por exemplo, nem mesmo é lembrada, embora tenha recebido o primeiro cemitério de pretos novos, entre 1722 e 1769.

O projeto Passados Presentes acrescenta muitos outros pontos omitidos no circuito da Prefeitura, mas que estão no Inventário dos Lugares de Memória do Tráfico Atlântico de Escravos e da História dos Africanos Escravizados no Brasil (trabalho coordenado por Hebe Mattos, Martha Abreu e Milton Guran, no Laboratório de História Oral e Imagem da UFF, com apoio do Projeto Rota do Escravo da Unesco). Esses dados podem ser consultados também através de um aplicativo para Android.

 

O Arquivo da Cúria do Rio

logo-arquidiocese-de-sao-sebastiao-do-rio-de-janeiroDentre as tantas fontes documentais de que os historiadores dispomos para o estudo do Rio de Janeiro colonial destaca-se o Arquivo da Cúria Metropolitana da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro. Atualmente, o Arquivo funciona às terças, quartas e quintas-feiras, entre 14 e 18 horas.

Por sorte, os registros de nascimento, casamento e óbito das mais antigas freguesias cariocas já foram digitalizados e podem ser consultados no site Family Search, o qual também permite o download do material.

No entanto, fique atento! Por confusão, parte dos registros referentes à Santa Rita estão na pasta do Santíssimo Sacramento da Antiga Sé.

Naturalmente, os registros de Santa Rita anteriores à sua ereção como paróquia em 1751 devem ser buscados na pasta de Nossa Senhora da Candelária, de cuja freguesia Santa Rita fora capela até então.

Dicionários de português arcaico

Raphael BluteauPara a consulta de documentação primária do período colonial, além de conhecimentos básicos de paleografia e diplomática, é de grande valia a consulta de antigos dicionários.

Na Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin é possível ter acesso aos verbetes dessas importantes fontes.

Dentre esses léxicos, destaca-se o monumental Vocabulario de Raphael Bluteau, publicado em Coimbra entre 1712 e 1728. Além de seus oito volumes, mais dois tomos de suplementos, monumental é também seu nome completo, aliás bastante curioso:

VOCABULARIO PORTUGUEZ & LATINO:
Aulico, Anatomico, Architectonico, Bellico, Botanico, Brasilico, Comico, Critico, Chimico, Dogmatico, Dialectico, Dendrologico, Ecclesiastico, Etymologico, Economico, Florifero, Forense, Fructifero, Geographico, Geometrico, Gnomonico, Hydrographico, Homonymico, Hierologico, Ichtyologico, Indico, Ifagogico, Laconico, Liturgico, Lithologico, Medico, Musico, Metereologico, Nautico, Numerico, Neoterico, Ortographico, Optico, Ornithologico, Poético, Philologico, Pharmaceutico, Quidditativo, Qualitativo, Quantitativo, Rethorico, Rustico, Romano, Symbolico, Synonimico, Syllabico, Theologico, Terapteutico, Technologico, Uranologico, Xenophonico, Zoologico,
Autorizdo com exemplos dos melhores escritores portuguezes e latinos

Inventário dos monumentos do Rio de Janeiro

Monumento a Zumbi dos Palmares

Monumento a Zumbi dos Palmares

Um site novinho em folha — http://inventariodosmonumentosrj.com.br/ —, mostra o trabalho da arquiteta Vera Dias, gerente de monumentos e chafarizes do Rio de Janeiro e apaixonada pela Cidade Maravilhosa.

Ali você encontra fontes e chafarizes, obras públicas, estátuas e bustos, representações religiosas, esculturas e marcos que enriquecem nossas ruas.

Entre outros monumentos, o site traz a fonte que houve no Largo de Santa Rita entre 1884 e 1904, e da qual há um cópia em operação no Rio Comprido.

O Rio em 1565

1624-rio-generoO projeto “Rio de Janeiro 450 anos: a fundação da cidade e seus marcos históricos” inclui um inventário de documentos originais do século XVI (mapas, livros, ilustrações, manuscritos) que tratam da fundação do Rio de Janeiro e sintetiza a contribuição dos principais autores sobre o tema. Tomando por base esse conjunto, foi desenvolvido um modelo 3D da região, com hipóteses sobre a geografia da época do descobrimento e as edificações pioneiras. Além do livro, você pode baixar o aplicativo e o filme construídos a partir do modelo 3D.

Fonte: http://imagensdafundacaodorio.com.br/.

Santa Rita no Instituto Pretos Novos

Santa Rita - IPN

O Instituto Pretos Novos abriu sua sede (a três quadras da estação Utopia/AquaRio do VLT), onde se encontra o cemitério do Valongo, para uma conversa sobre a Matriz de Santa Rita.

Escavando o Rio: Jacarepaguá

A arqueóloga Sílvia Peixoto convida para participar do seu trabalho de campo do Doutorado, em um engenho do século XVII na região do Camorim, Jacarepaguá.

Excelente oportunidade para escavar em um sítio histórico colonial de grande antiguidade e entrar em contato com diversos materiais referentes a contextos dos séculos XVII e XVIII!

As atividades serão realizadas na primeira quinzena de janeiro. Os interessados devem entrar em contato pelo e-mail silviapeixoto@gmail.com.

Esta postagem saiu originalmente no blogue Arqueologia e Pré-História.

Escavando o Rio: cemitério do Valongo

whatsapp-image-2016-12-12-at-23-16-33O Arqueólogo Reinaldo Tavares iniciou no dia 12 de dezembro um novo ciclo de escavações no cemitério do Valongo, no Instituto Pretos Novos.

O sítio arqueológico Cemitério dos Pretos Novos do Valongo, no bairro carioca da Gamboa, sucedeu ao cemitério de Santa Rita, perdurando até o fim do tráfico negreiro no século XIX.Nele encontram-se sepultados os cativos africanos que morreram antes de serem vendidos. Em tais circunstâncias, eles careciam de domicílio e, consequentemente, de paróquia onde serem sepultados. Os cemitérios para pretos novos foram uma criação do Estado, mas pastoralmente estavam sob a responsabilidade do pároco da circunscrição eclesiástica em que se encontravam (até 1751: Candelária; desde então, Santa Rita).
O Instituto Pretos Novos funciona para visitações ao público de terça a sexta, das 11 às 18 h. Não deixe de conferir as escavações do Sítio Arqueológico Cemitério dos Pretos Novos agendando a visita pelo e-mail comunicacao@pretosnovos.com.br.

Conferências do Simpósio sobre Santa Rita (mesa 1)

mesa-1

Professores Ondemar Dias, Daniel Pêcego e Carlos Eugênio Soares

  • Abertura do Simpósio Antes do Valongo: Santa Rita

MESA 1 (ARQUEOLOGIA, HISTÓRIA)

whatsapp-image-2016-12-07-at-12-52-04-2

O autor com os professores Ondemar Dias e Jandira Neto

Conferências do Simpósio sobre Santa Rita (mesa 2)

Professores Rodrigo, Daniel e Raquel

Professores Rodrigo, Daniel e Raquel

MESA 2 (MÚSICA, ARQUITETURA, ANTROPOLOGIA)

  • Paulo Sá: Música carioca no século XVIII: modinha, lundu e a invenção do choro
  • Perguntas e comentários à mesa 2
Lançamento do livro Arqueologia da Transição (foto: Larissa Corrêa)

Lançamento do livro Arqueologia da Transição (foto: Larissa Corrêa)