Sacralidade, ciência, memória e reparação

A próxima palestra online no Instituto Pretos Novos ser´a sobre o debate atual em torno ao conceito de sagrado.

Também se falará do papel da história e da arqueologia na construção da identidade, da invenção da memória e da sua difusão.

Por fim, se discutirá como tem sido a prática da reparação nos dois Cemitérios de Pretos Novos do Rio de Janeiro.

Inscreva-se aqui!

Santa Rita, padroeira do Centro do Rio

Santa Rita no Largo de Santa Rita,
como representada por Alfred Martinet (detalhe)

O dia da memória litúrgica de Santa Rita, 22 de maio, foi incluído no calendário oficial do município do Rio de Janeiro, que a proclamou padroeira do Centro da Cidade pela Lei Ordinária 7.187, de 13 de dezembro de 2021. O projeto, de autoria dos vereadores Rafael Aloisio Freitas, Carlo Caiado e Cesar Maia, apela tão somente à importância religiosa de Santa Rita, cujos devotos se mobilizaram, em 2021, para colher assinaturas em prol de sua proclamação como padroeira. A partir de agora, a cidade se compromete, por meio da Lei, a dar mais suporte para a realização da festa de Santa Rita.

Centro de Memória do Projeto Resgate Barão do Rio Branco

Visite o hotsite do Projeto Resgate

Há 25 anos, as Repúblicas do Brasil e de Portugal pactuaram o Plano luso-brasileiro de microfilmagem. À época, o Plano foi um instrumento essencial para a sistematização, ampliação e difusão do acervo compulsado por meio do Projeto Resgate de documentação histórica “Barão do Rio Branco”.

Tal acervo documental, cujos primeiros elementos começaram a ser compilados em 1839 — a pedido do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro — pelo diplomata Antônio Menezes Vasconcelos de Drummond, consiste em um monumento para a memória nacional do Brasil e de Portugal.

Como consequência, o Tratado de Amizade, Cooperação e Consulta entre a República Federativa do Brasil e a República Portuguesa consagrou expressamente, em seu artigo 30, a praxe da nossa cooperação arquivística.

O hercúleo trabalho de catalogação, reprodução e disseminação do patrimônio documental comum entre Brasil, Portugal e outros países constitui um exemplo bem-sucedido de cooperação internacional. Aliás, vai perfeitamente ao encontro das recomendações da Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) de que seus Estados membros reflitam sobre a possibilidade de transferência documental entre países de mesma tradição (cf. Atas da 18ª Sessão de Paris, 17 de outubro a 23 de novembro de 1974, nº 4.212, recomendação nº 1 [p. 68]).

Com a perspectiva das comemorações do bicentenário da Independência do Brasil no
próximo 7 de Setembro, a Fundação Biblioteca Nacional criou, por portaria de 22 de julho de 2022, o Centro de Memória do Projeto Resgate, responsável tanto pela guarda do rico acervo de catálogos, instrumentos de pesquisa e reproduções documentais, quanto pela promoção da historiografia produzida a partir dos documentos custodiados.

Onde os escravos eram enterrados

Guta, Largo da Carioca antes de 1741.
A área cercada corresponde ao cemitério de pretos novos dos franciscanos, anterior ao de Santa Rita.

Quando se aborda o tema do enterro dos escravos no Brasil, convém evitar uma ideia imprecisa: a de que os homens de cor eram enterrados em valas comuns.

A bem da verdade, conforme o direito, todos os católicos (de qualquer cor) eram enterrados nas suas paróquias, ou nas igrejas das irmandades de que eventualmente fizessem parte, quer na nave (ad sanctos), quer no adro (apud ecclesiam), dependendo de quanto podiam pagar. No caso dos não católicos, eles podiam ser sepultados em campos santos meramente bentos.

A ideia da vala comum provém de uma confusão entre o enterro de africanos ladinizados (e seus descendentes) e o enterro de pretos novos, isto é, dos recém-chegados de África. Os pretos novos costumavam receber o mesmo tratamento que os indigentes.

Por outro lado, é frequente na historiografia brasileira acusar os senhores que enterravam seus escravos “em qualquer lugar” a fim de economizar o dinheiro dos estipêndios, delito que era punido pela lei. Mas isso não quer dizer necessariamente que todos os escravos fossem enterrados “em qualquer lugar” ou que todos os senhores fossem impiedosos.

Quando começou o Cemitério do Valongo?

O recurso aos dados fundiários do Rio de Janeiro, conservados no Arquivo Nacional, elucidou questões abertas desde a descoberta do Cemitério de Pretos Novos do Valongo em 1996, com destaque para sua data de início, dimensões, situação urbana e relação com a freguesia de Santa Rita.

Leia a respeito no v. 34, nº 3, da Revista Acervo do Arquivo Nacional, no artigo intitulado Análise do arrendamento do imóvel do Cemitério de Pretos Novos do Valongo (30 de abril de 1774).

O artigo vem acompanhado da transcrição paleográfica do contrato de arrendamento original do imóvel.

O que havia de África no Brasil da Independência?

Entre nós, esquecemos o quanto nossa história está impregnada da contribuição africana e de afrodescendentes. Em mais uma Live da Biblioteca Nacional, comemorativa dos 200 anos da Independência do Brasil, Antonio Carlos Higino da Silva e Carlos Eugênio Líbano Soares tratarão um pouco mais sobre o tema.

Carlos Eugênio discorrerá sobre a importância do complexo negreiro do Valongo, particularmente do Cais do Valongo, durante o ano decisivo de 1822 para o processo da independência e formação do Estado Nacional. Neste ano, com toda propaganda política pelas ruas, o mercado de escravos no Rio estava a todo vapor, contradizendo alguns atores políticos que anteviam mudanças sociais profundas no após 7 de setembro.

Já o professor Antonio Higino conduzirá reflexões acerca das lutas do Conselheiro Antônio Pereira Rebouças, em favor da consolidação dos direitos civis, no contexto dos primeiros anos da emancipação do país. A adoção da perspectiva de análise desse afrodescendente pretende ampliar e renovar os olhares sobre este evento, problematizando a não implementação de relevantes pressupostos a inauguração do Estado Nacional brasileiro.

Os comentários ficarão por conta de João Carlos Nara Jr., Coordenador de Cooperação Institucional da Fundação Biblioteca Nacional.

Antonio Carlos Higino da Silva possui Graduação e Licenciatura Plena em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005), fez o Mestrado (2009) e o Doutorado (2020) em História Comparada no Programa de Pós-Graduação de História Comparada da UFRJ (2009). Em 2019 realizou intercâmbio em nível de doutorado pelo Programa Erasmus +, integrando-se ao Laboratório do Centre de la Méditerranée Moderne et Contemporaine da Université Nice Sophia, atual Université Cotê d’Azur. Atualmente é Pós-doutorando no Programa de Pós-graduação de História da Universidade Federal do Ceará.

Carlos Eugênio Líbano Soares estudou História na UFOP e Antropologia e História na UFRJ, onde se formou em História em 1988. Em 1993 defendeu Mestrado em História na UNICAMP com dissertação premiada pelo Arquivo Municipal do Rio de Janeiro no Concurso Prêmio Carioca de Monografia 1994 intitulada A Negregada instituição: os Capoeiras na Corte Imperial do Rio de Janeiro 1850-1890. Em 1998 defendeu tese de doutorado também na UNICAMP que foi premiada pela coleção do CECULT (Centro de Pesquisa em Cultura) da mesma universidade intitulada A Capoeira Escrava e Outras Tradições Rebeldes do Rio de Janeiro 1808-1850. Em 1998 foi premiado pelo Arquivo Estadual do Rio de Janeiro no concurso Memória Fluminense com o livro Zungu: rumor de muitas Vozes. Em 2003 foi premiado pelo Arquivo Nacional com o livro intitulado No Labirinto das Nações: Africanos e Suas Identidades, Rio de Janeiro Século XIX, escrita conjuntamente com Flávio dos Santos Gomes e Juliana Barreto. Publicou o relatório de pós-doutorado em Arqueologia em 2013 pela UFRJ intitulado Valongo: cais dos escravos, publicada digitalmente pela CDURP (Companhia de Desenvolvimento do Porto Maravilha). Apresentou palestras em eventos internacionais como LASA (Latin American Studies Association) 2001, (Washington DC) e BRASAS (Brazilian Studies Association) 2012 (Illinois, EUA) e Sorbonne 2008 (COFECUBE). Atualmente cursa doutorado em Arqueologia na UFRJ (Museu Nacional) com projeto sobre o mercado de escravos do Valongo no Rio de Janeiro.

Audiência pública sobre o Cais do Valongo

Depois da caótica audiência de 2018, em que o destino das Docas Pedro II roubou a atenção do Cais do Valongo, o Ministério Público Federal convida a uma outra audiência, esta a ser realizada através da plataforma Zoom, no dia 12 de maio próximo.

O objetivo é tratar das medidas adotadas pelos órgãos públicos federais e municipais em relação à conservação e valorização do sítio arqueológico do Cais do Valongo, em cumprimento às obrigações assumidas em 2017, quando da inclusão do sítio na lista do Patrimônio Mundial da Unesco.

Como (quase) sempre, o Estado do Rio estará ausente, apesar da Lei 8.105/2018, que versa do Circuito Histórico e Arqueológico da Pequena África.

INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES AQUI.

Devoção à Santa Rita no Brasil

Santa Rita de Cássia (óleo do século XVII)

Há cerca de dois anos, o clube do livro gaúcho Minha Biblioteca Católica lançou o clássico Vida de Santa Rita de Cássia, do Pe. José Rodrigues Cabezas.

Nessa ocasião, produziram um curta-metragem sobre a devoção da taumaturga italiana no Brasil e no qual as crônicas da matriz de Santa Rita no Rio de Janeiro recebem grande destaque.

O breve documentário é bastante fiel às informações historiográficas. Vale a pena, porém, atentar para algumas raras imprecisões:

  • O papa Bento XIII não autorizou a construção da capela em 1724. Nesse ano ele foi eleito bispo de Roma, mas a pedra fundamental de Santa Rita já tinha sido lançada em 1719. O que de fato fez Bento XIII foi conceder um Breve Apostólico autorizando os Nascentes Pinto a utilizar o templo como capela particular da família.
  • Em 1710, os Nascentes Pinto iniciaram a novena de Santa Rita no Rio de Janeiro, ao redor do quadro à óleo conservado pela família, que já vivia na cidade há pelo menos 15 anos.
  • Frei Francisco de São Jerônimo não se opôs ao padroado requerido por Manoel Nascentes Pinto, pois o bispo morrera seis dias antes de ser feita tal exigência descabida. A oposição à família foi sustentada pelo cabido da diocese, cuja sede ficou vacante por quatro anos.
  • A fonte curadora não é a que aparece no vídeo. A fonte está selada atualmente. O que é exibido é o lavabo da sacristia, peça de mármore embrechado, muito valiosa.

O Cemitério de Santa Rita no IPN

A primeira oficina online gratuita de 2021, patrocinada pelo Instituto Pretos Novos, sobre o Cemitério de Santa Rita, será na quinta-feira, 15 de abril, às 19h.

Saiba tudo sobre quem eram os pretos novos, a história do cemitério existente no Largo de Santa Rita e o que aconteceu durante as obras da Linha 3 do VLT.

Inscreva-se aqui: Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita (Prof. dr. João Carlos Nara) – Sympla

Navegar para outro mundo

A escavação do barco funerário, realizada por Basil Brown em Sutton Hoo, Inglaterra, em 1939.

A Escavação é um filme da Netflix (2021), dirigido por Simon Stone e baseado no romance do jornalista John Preston (2007), que reelabora a história real de uma das maiores descobertas arqueológicas do Reino Unido (1939): um barco funerário anglo-saxão com diversos tesouros hoje expostos no British Museum.

A adaptação põe em evidência o papel do escavador Basil Brown, que descobriu os artefatos na propriedade da viúva Edith Pretty, mas cujo mérito tardou a ser reconhecido pela academia pelo fato de não ter tido formação acadêmica como arqueólogo.

Para além do interesse histórico ou arqueológico do episódio, o filme pretende explorar o tema da fugacidade da vida por meio dos diversos personagens envolvidos na trama.

À certa altura, em função do impacto que sentiram diante dos traços deixados por pessoas de um passado recôndito, os protagonistas discutem sobre como deverão conduzir a pesquisa funerária. Edith Pretty indaga:

— Estou fazendo a coisa certa? É o túmulo de uma pessoa!

— É uma vida que foi revelada, e é por isso que escavamos — responde Basil Brown.

É muito interessante essa compreensão da arqueologia funerária como uma revelação da vida, não uma exposição da morte. Tal abordagem pode ajudar a pesquisa acadêmica de hoje a superar as aporias que cada vez mais a subjugam a compromissos políticos e ideológicos.

Em nome das estações do VLT

Por outro lado, a embarcação como figura da morte é uma constante religiosa universal que tem bastante implicação para a cultura africana. Se para os africanos dos séculos XV a XIX o oceano já encarnava imageticamente o “mundo dos mortos” (em fon: kútòmɛ̀), na prática acabou sendo o primeiro grande cemitério dos escravizados transportados para a América.

Os escravos de Angola associavam o mar ao deus incertus ac remotus, superior às demais divindades e identificado com o Deus dos brancos. Entre ganguelas, ambos, xindongas e hereros, o nome desse Deus é Kalunga. Depois, foi fácil que os cemitérios brasileiros passassem a ser denominados “calunga pequena”, do mesmo modo que o mar tinha sido chamado “calunga grande”.

As águas negras da calunga grande eram infestadas de espíritos aquáticos, os bisimbi, companheiros dos que eram ceifados pela morte prematura.

A morte na cultura africana

Não é coincidência que, para os daomeanos (do atual Benin), assim como para os gregos, o acesso ao além fosse concebido como a travessia de um rio. Com tino, suas cerimônias fúnebres definitivas se chamavam em fon “embarcar”, pôr o cadáver no barco”: cyɔ̀ɖòhŭn. Aliás, um dos portos do Golfo do Benin se chama precisamente Cotonou (Kútɔ̀nú), isto é, “foz do rio dos mortos”.

Árvore do esquecimento ou da memória?

No aperto dos porões, os relatos da terra natal eram como o sal e como o vinho, preservadores da memória e proféticos quanto ao futuro. Certamente seria evocado Hú, o vodum marinho cultuado em Ajudá (cidade de Benin), análogo ao Kalunga dos bantos.

Esse vodum se identificava com a “canoa” (hún) na que estavam presos os cativos, e parecia ser ao mesmo tempo o mar e o anzol que os pescara, pois em ewe o equivalente Ƒù pode significar simultaneamente mar, anzol ou linha. Chegou-se a dizer que os búzios (oriundos do Índico) eram pescados tendo os escravos como isca. Além disso, Àgbè é um dos voduns aquáticos associados ao panteão de Hú. Na língua ewe, àgbè significa vida, existência, energia; mas em fon, àgbè é o próprio mar, àgbètà é o curso das águas profundas, àgbètàwòyó é o grande oceano.

Os sobreviventes à travessia chamavam-se depois entre si “malungo”, um termo hoje aportuguesado no qual confluem sentidos primitivos de diversas línguas bantas: parente, companheiro de sofrimento, grande embarcação, colega da calunga, amigos do além.

À luz dessa fusão linguística, Robert Slenes explica “como os escravos da África bantu podiam encontrar-se, através das palavras, não apenas no mesmo ‘barco’ semântico, mas no mesmo ‘mar’ ontológico” (“Malungu, ngoma vem!”: África encoberta e descoberta no Brasil. São Paulo de Luanda: Museu Nacional da Escravatura; Instituto Nacional do Patrimônio Cultural, 1995, p. 9).

É comum às mitologias estabelecer paralelos entre as ruidosas divindades fluviais e as oceânicas. Por isso — do mesmo modo que os bantos tinham reconhecido em Dandalunda (a foz do rio Dande) a doce companheira de Kalunga —, Hú também devia possuir uma consorte.

Mais tarde, em todas as Américas, essa divindade feminina úmida e fecunda seria sincretizada com a orixá do rio Ògùn, Yemọjá (Iemanjá), que representa a gestação e a procriação.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search