Purgatório: concepção e recepção

Em novembro será ministrado no Centro Dom Vital um minicurso em duas aulas sobre a história de um dos dogmas mais controversos e da sua interpretação ao longo do tempo: o Purgatório.

Serão vistos alguns correlatos em outras religiões e, especificamente, a sua importância no caso dos cemitérios de escravos do Rio de Janeiro (veja uma cronologia aqui).

O curso será ministrado online. As inscrições devem ser feitas pelo formulário do Centro Dom Vital.

Assista a uma introdução:

Xadrez da morte

Cena do filme Sétimo Selo (1957), de Ingmar Bergman.

Ninguém escapa

Ingmar Bergman se consagrou no cenário cinematográfico internacional em 1957 com o filme “Sétimo Selo”. O drama serve de parábola dos tempos do pós-guerra, ainda atormentados pela memória das recentes atrocidades bélicas e pelo medo das possíveis consequências da Guerra Fria. 

Antonius Block, um cruzado que sobrevivera a perigosas batalhas pela fé, tenta furtar-se à Morte que o espreitava sob a máscara da peste quando regressava à sua terra. Para isso, inutilmente joga xadrez com essa exímia estrategista, numa tentativa desesperada de adiar o desenlace.

A certa altura, ao distrair-se da partida, a Morte lhe pergunta: 

— Você perdeu o interesse? 

— Perder o interesse? Pelo contrário! 

— Você parece preocupado. Está escondendo alguma coisa? 

— Nada lhe escapa! 

— Nada me escapa. Ninguém me escapa.

Rito de passagem

O filme costuma ser lido pelos historiadores como uma alegoria do ciclo devorador do tempo. Com efeito, no final apenas sobrevive uma família de artistas, que representaria o Renascimento sucedendo à Idade Média decadente. A Morte seria o tempo, pelo qual a história se desdobra: pois o tempo é o rito de passagem que revelaria a identidade de quem o vivencia.

Embora essa leitura seja válida, não há motivo suficiente para desviar a atenção de que a Morte alcança a cada homem em particular, a você e a mim. É um pedágio ao qual ninguém escapa. A morte, sem dúvida, é o primeiro passo desse obrigatório rito de passagem do tempo para a eternidade. Tanto mais assustadora quanto menos se conhecem os passos ulteriores.

Por exemplo, nas tradições religiosas africanas o tema da morte sempre foi importante; mas geralmente não há, no corpus de sua literatura oral, nem traços de orfismo elisiano (ou libertação da alma pela ascese), nem da crença em um juízo final, nem em uma apocatástase (ou restauração universal). Só lhe são recorrentes a nostalgia da era dourada do glorioso passado de seu país ou a convicção de que os mortos deverão prestar contas aos ancestrais sobre como conduziram e sustentaram a sua linhagem sobre a terra, após uma vida longa, honrada e fecunda.

Mas as tradições também afirmam que as pessoas que morrem em virtude de causas prematuras, inaturais ou violentas (acidentes, patologias, suicídio etc.), teriam sido vitimadas pelo mal que emana de forças preternaturais malignas. Os mortos nessas circunstâncias infaustas são impedidos tanto de se unir aos ancestrais quanto de se associarem aos que vivem na terra. Passam antes a residir nas florestas, montanhas ou rios, em companhia dos demônios desses lugares. Seria o caso típico dos pretos novos falecidos no Rio de Janeiro.

Nesse ponto, porém, a fé cristã é radicalmente diferente, pois olha para a morte de forma otimista: “Aos ‘outros’, a morte os paralisa e assusta. A nós, a morte — a Vida — dá‑nos coragem e impulso. Para eles, é o fim; para nós, o princípio” (São Josemaria, Caminho, 738). Com efeito, a fé cristã é clara quanto à ressurreição final de todos os mortos, com a respectiva retribuição pelo que livremente se praticou em vida. Não há espaço para o fado. A vida eterna ou a condenação eterna dependem do uso que cada um fez da própria liberdade. E, além disso, todos hão de ressuscitar.

Tal doutrina da ressurreição dos mortos é exclusiva do cristianismo e, portanto, está em radical de divergência com as tradições religiosas africanas. Nessas tradições, fala-se apenas de um eventual retorno espiritual dos ancestrais, que alimenta o ciclo social da vida, mas não existe uma perspectiva de esperança pessoal diante da morte.

Mas o que diz a fé cristã acerca do que sucede no período intermediário entre a morte e a ressurreição? É importante compreendê-lo, pois foi um tópico importante de troca cultural entre africanos e europeus no contexto do Brasil colonial.

Justiça misericordiosa

O sentir da Igreja ao longo da história foi unânime em afirmar a necessidade de uma reparação por parte dos defuntos que, merecendo a salvação por terem tido uma derradeira abertura interior para a verdade, sepultaram-na sob repetidos compromissos com o mal. Essa reparação se chama, genericamente, purgatório

De modo específico, fala-se, no Ocidente, de um sofrimento purificador e expiatório das almas no além; no Oriente, fala-se de diversos graus de sofrimento na condição intermédia. É desnecessário tratar aqui da ideologia protestante, que contrariou essa multissecular tradição em nome da elaboração tardia da tese luterana da justificação, na qual o purgatório não tem cabida.

A percepção da graduação da purificação ultratumular, compartilhada pelo Ocidente e pelo Oriente, tradicionalmente admite pelo menos dois níveis de “purgatório”. Assim o atesta São Tomás de Aquino na Summa theologiæ:

Do lugar do purgatório nada se encontra expressamente dito na Escritura, nem se podem aduzir razões eficazes que o determinem. Contudo provavelmente, segundo o mais concorde com o ensino dos santos Padres e a revelação feita a muitos, o purgatório ocupa um duplo lugar. (Apêndice, solução ao art. 2)

É muito provável que o primeiro nível seja o do purgatório tradicional, incluído na proclamação dogmática de Bento XII acerca da sorte póstuma, mediante a Constituição Benedictus Deus de 1336. Nela, o Pontífice fala do que ocorre às almas segundo “a comum ordenação divina” (Denzinger-Hünermann, nº 1000).

Quanto ao segundo nível ou nível inferior do purgatório, esse corresponderia ao das “almas penadas” ou “almas perdidas”, cuja existência é atestada pelas orações litúrgicas, pelos exorcistas e por algumas revelações privadas. O sufrágio por essas almas pode ter sido um remédio consolador para o terror sagrado dos africanos diante dos mortos impedidos, segundo a sua sensibilidade religiosa, de alcançar a ancestralidade.

Não buscar consolo, mas ajudar

Contudo, mais importante do que essas especulações, é que se possa contribuir para o refrigério dessas almas por meio dos sufrágios.

Talvez isso pareça inusitado ao homem de hoje, tão desligado dos seus, vitimado de individualismo e mais desejoso de encontrar nos cultos fúnebres consolo para as suas saudades do que formas de contribuir para a salvação dos que se foram. Nesse sentido, são alentadoras as palavras de Bento XVI: 

Aqui levantar-se-ia uma nova questão: se o «purgatório» consiste simplesmente em ser purificados pelo fogo no encontro com o Senhor, Juiz e Salvador, como pode então intervir uma terceira pessoa ainda que particularmente ligada à outra? Ao fazermos esta pergunta, deveremos dar-nos conta de que nenhum homem é uma mônada fechada em si mesma. As nossas vidas estão em profunda comunhão entre si; através de numerosas interações, estão concatenadas uma com a outra. Ninguém vive só. Ninguém peca sozinho. Ninguém se salva sozinho. Continuamente entra na minha existência a vida dos outros: naquilo que penso, digo, faço e realizo. E, vice-versa, a minha vida entra na dos outros: tanto para o mal como para o bem. Deste modo, a minha intercessão pelo outro não é de forma alguma uma coisa que lhe é estranha, uma coisa exterior, nem mesmo após a morte. Na trama do ser, o meu agradecimento a ele, a minha oração por ele pode significar uma pequena etapa da sua purificação. E, para isso, não é preciso converter o tempo terreno no tempo de Deus: na comunhão das almas fica superado o simples tempo terreno. Nunca é tarde demais para tocar o coração do outro, nem é jamais inútil. Assim se esclarece melhor um elemento importante do conceito cristão de esperança. A nossa esperança é sempre essencialmente também esperança para os outros; só assim é verdadeiramente esperança também para mim. Como cristãos, não basta perguntarmo-nos: como posso salvar-me a mim mesmo? Deveremos antes perguntar-nos: o que posso fazer a fim de que os outros sejam salvos e nasça também para eles a estrela da esperança? Então terei feito também o máximo pela minha salvação pessoal. (Bento XVI, Encíclica Spe salvi 48). 

Sadio realismo

As comemorações com que se inicia o mês de novembro — Todos os Santos e Finados — são muito oportunas para tornar a essas ideias e pensar na única coisa de que temos certeza na vida: a de que morreremos. Pois todos desejamos viver bem, mas nem todos procuram preparar-se para bem morrer.

Ou, como dizia a Morte no filme de Ingmar Bergman:

— A maioria das pessoas nunca reflete, nem sobre a morte, nem sobre a futilidade da vida.

Próximas palestras sobre o Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita

Duas apresentações online sobre o Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita serão realizadas em breve:

A muralha do Rio de Janeiro colonial

Planta da Cidade de Saõ Sebastiaõ do Rio de Janeiro, Com as súas Fortifficaçoins,
de João Massé (1713)

Você sabia que o Rio de Janeiro já teve um muro, que separava a área urbana do seu rossio?

O projeto de 1713 circunscrevia o arrabalde do Morro do Castelo, ou Várzea do Carmo, ou freguesia da Candelária, no atual Centro do Rio, separando a urbe da sua área alodial, isto é, o rossio entre a atual Rua Uruguaiana e o Campo de Sant’Ana.

Cosmopercepção x Cosmovisão

A socióloga feminista nigeriana Oyèrónkẹ Oyěwùmí introduziu no debate acadêmico o apelo em prol da descolonização do conceito de “cosmovisão” (Weltanschauung), que considerou eivado de eurocentrismo. Ao que parece, o termo foi empregado filosoficamente pela primeira vez por Emmanuel Kant em sua Crítica do Juízo (IX, §26) no sentido de “intuição do mundo como fenômeno”.

De fato, alguns pesquisadores identificaram como uma das características da Modernidade a valorização da visão em detrimento da audição. Do ponto de vista religioso, a tendência a opor os dois principais sentidos corporais parece ter raiz na concepção restritiva, defendida pela reforma luterana, da capacidade humana para ter notícia de Deus. Nesse sentido, o antropólogo Harvey Whitehouse denomina “iconofobia logocêntrica” à ênfase protestante na escuta da pregação e na exclusão das imagens. Como reação, o catolicismo teria, nos últimos séculos, feito o contrário, promovendo o culto das imagens, cujo auge propagandístico foi o período Barroco. Portanto, desde a Reforma, a fé cristã padeceria, em tese, por um dilema: ou a tendência pela audição (no protestantismo), ou pela visão (no catolicismo). Não é o que afirma o Papa Francisco na Carta encíclica Lumen fidei, segundo a qual a fé é, simultaneamente, uma escuta e uma visão.

No âmbito secular, por outro lado, outros fatores típicos da mentalidade moderna teriam contribuído para a hipertrofia da visão. Mormente, uma abordagem mecânica e utilitarista da casa, da produção, do trabalho, dos corpos, da natureza. Essa peculiar apreciação dos corpos, alheia a algum elemento espiritual, foi compartilhada inclusive pela medicina moderna. A Revolução Industrial e as demais transformações tecnológicas e da informação só fizeram aumentar a importância da visão.

A resistência ao conceito de cosmovisão e a sua substituição pelos correlatos “cosmosensação” ou “cosmopercepção” seriam, portanto, atitudes mais inclusivas e fariam jus às sensibilidades não-europeias. Além disso, a recuperação de todas as dimensões humanas é urgente no mundo ocidental, em que muitas pessoas sentem a perda de sua unidade interior e se incomodam com a própria corporeidade, têm dificuldade de integrar-se em sociedade e com a natureza.

Convém, no entanto, evitar algumas ciladas epistemológicas que têm prejudicado o verdadeiro diálogo intelectual e político, tanto no ambiente universitário quanto na opinião pública ocidentais.

Primeiramente, é forçoso reconhecer que a acusação de “eurocentrismo” tem servido de bandeira para rechaçar qualquer concepção antropológica que não se coadune aos interesses de certos grupos que se apresentam como “decoloniais”, mas cuja agenda ideológica é a mesma de militantes europeus.

Em segundo lugar, é inútil pretender estabelecer um pensamento completamente independente e autônomo, por temor de um tratamento metodológico colonialista. Seria naïf defender a incomensurabilidade de uma determinada cultura — no caso, a africana —, como se ela não assumisse e acumulasse dados advindos do contato com suas vizinhas, asiáticas e europeias.

Projeto Salvador Escravista

Mapa do projeto, feito na plataforma Esri

Como a cidade de Salvador lida com as memórias da escravidão e do tráfico transatlântico de pessoas escravizadas?

O assassinato de George Floyd nos EUA, a derrubada da estátua do traficantes de africanos escravizados Edward Colston na Inglaterra, e a atuação do movimento Black Lives Matter criaram um ambiente propício para a discussão do impacto do racismo e da desigualdade na organização das sociedades.

O assunto sempre esteve no radar dos movimentos sociais e na agenda dos historiadores da África, do tráfico transatlântico e da escravidão, mas a repercussão social e política permitiu que o tema ganhasse relevância midiática.

Em tal contexto, o projeto SALVADOR ESCRAVISTA busca promover saberes históricos em afinidade com esses valores e com a difusão do saber acadêmico. Pretende assim contribuir para o ensino de história nos níveis fundamental e médio, servindo como uma ferramenta de pesquisa sobre a história da cidade de Salvador e o impacto da escravidão na sociedade soteropolitana, representada, entre outros aspectos, pelas homenagens em estátuas, prédios e nomes de ruas.

Os locais estão identificados no site na seção “MAPA” através de marcadores e verbetes. Cada um dos verbetes vem acompanhado por textos curtos e indicação de leitura para aqueles que desejam aprofundar em determinados temas.

SALVADOR ESCRAVISTA é um projeto colaborativo e incremental que conta com a participação de especialistas em diversas áreas: história da África, comércio transatlântico de pessoas escravizadas, escravidão atlântica e pós-abolição nas Américas etc.

Perguntas, sugestões e informações podem ser enviadas a ssaescravista@gmail.com.

Instagram: instagram.com/ssaescravista
Facebook: facebook.com/ssaescravista
Twitter: twitter.com/ssaescravista

3 vetores de ocupação do Rio de Janeiro Colonial

O curso online, promovido pelo Centro Loyola da PUC-Rio, tratará dos três vetores da ocupação e urbanização do Rio de Janeiro durante o período colonial, com ênfase na participação da Igreja nessa dinâmica.

Para isso, serão explicadas as distintas categorias de fiéis católicos e o papel que cada uma delas desempenhou na implantação do Rio de Janeiro, a começar pela fundação da cidade no século XVI, com a disputa entre franceses e portugueses pela Guanabara.

O curso contemplará tanto a instalação das primeiras ordens religiosas nos quatro morros da ocupação original, quanto a atuação dos “padres fazendeiros” no século XVII.

Seguidamente, será abordada a criação das freguesias urbanas e rurais por parte da administração eclesiástica secular, durante o período setecentista, com particular atenção à questão escravagista na freguesia de Santa Rita.

Será esmiuçada, por fim, a participação das devoções e irmandades leigas na ocupação do velho rossio, para além do muro idealizado após as invasões francesas de 1710 e 1711.

QUANDO: Segundas-feiras. Dias 14, 21 e 28 de setembro e 5 de outubro de 2020, das 19h às 21h.

INSCRIÇÕES: http://www.centroloyola.puc-rio.br/cursos/curso-on-line-a-igreja-no-rio-de-janeiro-colonial-ocupacao-e-urbanizacao/

3 formas de interpretar a decoração

Monograma Auspice Maria no altar do retábulo de
Nossa Senhora da Graça (Matriz Santa Rita)

O inventário dos aspectos funcionais do estilo rococó empregado na decoração da Matriz de Santa Rita evidencia a ambiguidade da simbologia decorativa, a despeito de sua eventual decodificação.

A decoração religiosa é passível de ressignificação e traz no seu bojo a marca da historicidade. Contudo, ambivalência não quer dizer ilusão, mas amplidão, pois o símbolo — ao saltar o abismo entre a representação artística e o conteúdo transcendente do numinoso — traz consigo a marca da própria insuficiência, embora não impeça o numinoso de se fazer presente.

O melhor modo de interpretar imagens consiste em abdicar de lê-las como se fossem ideogramas, pois a questão imagética versa menos sobre as mensagens, do que sobre a eloquência dos mensageiros.

De que forma o mensageiro se vale da fragilidade do símbolo para persuadir sua a audiência? E que audiência é essa, capaz de fazer da experiência estética uma experiência religiosa?

Essa discussão vem tratada em pormenor no artigo Eloquência, ambivalência, audiência: Arqueologia da primeira decoração rococó religiosa nas Américas, publicado na Revista Imagem Brasileira, nº 9.

Informações arqueológicas oficiais sobre Santa Rita

Em verde, a área do cemitério de pretos novos de Santa Rita.

Em novembro de 2019, durante o V Seminário de Preservação de Patrimônio Arqueológico, realizado no Museu de Astronomia e Ciências Afins, a equipe do programa de gestão do patrimônio arqueológico e histórico na área de instalação da linha do VLT em Santa Rita apresentou uma comunicação sobre o material ósseo coletado. Tornou-se público que, com o objetivo de delimitar o cemitério, foram feitas 17 sondagens sob o leito dos trilhos e outras 22 sondagens em pontos estratégicos ao redor. Oito delas forneceram resultados positivos para a presença de contexto cemiterial. No total, foram resgatados 2.319 elementos ósseos em elevado grau de fragmentação, grande parte com menos de três centímetros.

A monumental documentação de encerramento do processo, porém, só seria publicada a 13 de maio passado, perfazendo mais de duas mil páginas:

GASPAR, Maria Dulce (coord.). Programa de Gestão do Patrimônio Arqueológico e Histórico da Área de Implantação do Sistema Veículo Leve Sobre Trilhos – VLT e Respectivas Paradas para Acesso de Passageiros – Trecho L900 – Centro, Rio de Janeiro/RJ e Área de Ampliação. Relatório Final – 8 volumes. Artefato Arqueologia, processo nº 01500.002422/2017‐06. Rio de Janeiro: 13/5/2020.

O sítio de Santa Rita representa uma parte significativa dos oito volumes de informação sobre as áreas afetadas pela implantação do VLT. O relatório final sublinha que os “ossos humanos, quando evidenciados em contexto, foram identificados pela equipe de bioarqueólogos, registrados em fichas específicas e croquis e protegidos, encerrando-se as escavações”.

Remanescentes humanos em contexto anatômico apenas foram encontrados em uma caixa e em duas sondagens. Por outro lado, os demais ossos dispersos por interferências recentes, encontrados no Largo de Santa Rita entre 40 e 70 centímetros de profundidade, apresentavam tal grau de fragmentação que se tornou impraticável estimar o número, a idade e o sexo dos indivíduos. No entanto, graças à presença de restos dentários, foi possível compor uma amostra de pelo menos nove pessoas jovens, entre 8 e 17 anos. Alguns eram modificados, ao estilo “dente de piranha”, típico da África Centro-ocidental. A análise das escavações levou à conclusão de que “o contexto do cemitério estava à ‘flor da terra’” e de que “havia densidade significativa de sepultamentos”.

Além de descrever em pormenor os demais sítios afetados pelo empreendimento, o relatório também contém dados interessantíssimos sobre a configuração da antiga vala da Cidade, cuja contenção em alvenaria de rochas e arco de tijolo maciço condiz com as descrições de época.

O documento tem dificuldade para articular com clareza os dados arqueológicos com a narrativa histórica do bairro da Vila Verde. Mesmo assim, as imprecisões costumeiras sobre o Largo de Santa Rita — supô-lo não urbanizado, reduzido ou inabitado no período de operação do cemitério — são definitivamente contraditadas pela aparição de porcelana chinesa do século XVII nas casas de seu entorno. Portanto, o Terreiro da Prainha já era então bem delimitado e ocupava uma área de 1.398,24 m². Aliás, o testemunho residual de um sambaqui e presença de material lítico e cerâmico pré-colonial atestam que a presença humana nessa região vem de longa data.

Segredos da arte sacra no Rio Antigo

A que servia a arte sacra no período colonial?

Uma primeira resposta prioriza os interesses pessoais, quer vaidosos (ostentação), quer políticos (representação). Mas tanto a ostentação quanto a representatividade são análises que ficam na exterioridade, no âmbito das aparências.

Outra linha frisa a função catequética da arte, muito embora tal ferramenta tenha serventia difusa, haja vista ser incapaz de esgotar o conteúdo dogmático que se pretende transmitir.

Uma nova via a ser explorada é a da existência de uma função da arte sacra precipuamente latrêutica, litúrgica, ou de oferta votiva.

Para saber mais, assista à nossa live na quarta-feira, 8 de julho, às 18h.

ACOMPANHE ESSAS E OUTRAS LIVES EM @jcnarajr

Formas de enterrar, modos de morrer

Duas lives esta semana abordarão a prática cemiterial no Brasil colonial.

A primeira, que ocorrerá na quarta-feira, dia 24 de junho, às 18h, será com a historiadora Elisiana Trilha Castro, presidente da Associação Brasileira de Estudos Cemiteriais (ABEC). A live abordará a dinâmica e a perenidade dos espaços cemiteriais, desde a época colonial até hoje.

A outra será EM BREVE, no mesmo horário, com Marcos Coutinho, pesquisador do IPPUR/UFRJ. Versará sobre o o impacto cultural das crenças escatológicas, mas também do protagonismo das irmandades leigas de afro-brasileiros na expansão urbana do Rio de Janeiro do século XVIII.

ACOMPANHE ESSAS E OUTRAS LIVES EM @jcnarajr