Dossiê sobre o Cais do Valongo na Hemeroteca Digital Brasileira

Para citar este artigo:
NARA JR., João Carlos Nara Jr.; RAMOS, Andressa, Dossiê sobre o Cais do Valongo na Hemeroteca Digital Brasileira. Freguesia de Santa Rita do Rio de Janeiro, 2023. Disponível em: https://doi.org/10.58079/11t1j.

O cotidiano da escravidão no Rio de Janeiro oitocentista.
DEBRET, Jean-Baptiste. Voyage pittoresque et historique au Brésil. Tome deuxième. Paris: Firmin Didot Frères, 1835, página 189. 1 álbum (II, 162p. I [1] 70 f. de estampa), il.; col. (litograv.), mapa, 52,6cm. Disponível em: http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_iconografia/icon393053/icon393053.pdf. Acesso em: 28 dez. 2022.

1. Apresentação

1.1. A freguesia de Santa Rita

A instalação de um complexo escravagista no Rio de Janeiro foi uma necessidade para que funcionasse o tráfico negreiro no sul do Brasil durante o período colonial. O sistema devia prever, ao menos, as seguintes instâncias: fiscalização sanitária, quarentena, controle alfandegário, lojas, e um cemitério exclusivo para os pretos novos, isto é, para os africanos escravizados recém-chegados.

Antes de 1774, o comércio de “grosso trato” (de atacado, incluído o tráfico de escravos) ocorria na Rua Direita, atual Rua Primeiro de Março, no Centro do Rio. Os africanos que não resistissem ao translado para a América e morressem antes da venda, desde 1741 eram sepultados no cemitério de Santa Rita, no Sítio Valverde, a poucos metros da alfândega carioca.

Mas, a partir de 1774, e até o fim oficial do tráfico escravagista em 1831, o comércio de grosso trato passou a operar no subúrbio do Valongo. Tanto o Valverde quanto o Valongo eram regiões administradas pela freguesia de Santa Rita, a terceira a ser criada na cidade, cujo território corresponde hoje, aproximadamente, ao Porto Maravilha (cf. NARA JR., 2024).

No caso específico do mercado do Valongo, cerca de um milhão de africanos passaram por ali, em 57 anos de funcionamento, a fim de abastecer de mão de obra as economias agrícola e aurífera em território fluminense, mineiro, e em outras regiões do sul do Brasil.

A principal entrada marítima na enseada do mercado se dava pelo Cais do Valongo, que a UNESCO proclamou Patrimônio Mundial em 2017, na categoria de patrimônio sensível. Isto significa que ele deve simbolizar todo o sistema envolvido no tráfico em massa de escravos africanos para as Américas, reconhecidamente um crime contra a humanidade (cf. Declaração da Conferência Mundial contra o Racismo, 2001, § 3º).

Além do Cais, outros achados arqueológicos de vulto também atraíram a atenção para a região, particularmente o reencontro dos dois Cemitérios de Pretos Novos: o do Valongo em 1996, e o de Santa Rita em 2018. Por esses motivos, o atual Porto Maravilha, no Rio de Janeiro, constitui um lugar privilegiado para o estudo da história da escravidão e para a celebração da memória afro-brasileira.

1.2. Compromisso com a memória

O manual para sítios e itinerários de memória da UNESCO (2018, p. 12) fala de um “compromisso com a memória” das pessoas que foram escravizadas, e de um seu consequente “direito à história”. Nesse sentido, este guia de fontes, criado a partir da massa documental da Hemeroteca Digital da Fundação Biblioteca Nacional, pretende facilitar a pesquisa e promover a produção de novos conteúdos, a divulgação científica e a solidez acadêmica, mediante o inventário organizado de todas as ocorrências relativas ao Valongo.

Esta pesquisa — realizada com a cooperação da Coordenação de Pesquisa do Centro de Pesquisa e Editoração, e da Coordenação da Biblioteca Nacional Digital do Centro de Processamento e Preservação — vai ao encontro dos atuais desafios das políticas afirmativas e da promoção da História e Cultura Afro-Brasileira, nos termos da Lei Federal nº 10.639/2003.

A pesquisa contou com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro – FAPERJ, em expresso cumprimento do artigo 8º da Lei Estadual nº 8.105/2018, que prevê que as “pesquisas arqueológicas, históricas e de demais áreas do conhecimento que tratem da questão da Diáspora Africana terão incentivo do Estado do Rio de Janeiro, mediante editais e programas de valorização do conhecimento, através de programas da pasta da Ciência e Tecnologia”.

2. Onde é o Valongo

2.1. O porto do Rio de Janeiro

Durante o século XVIII, a região de marinha ao norte da cidade do Rio de Janeiro assumiu e consolidou gradativamente a função portuária que exerce até os dias de hoje.

A pedra fundamental da matriz de Santa Rita, situada no limite da cidade do Rio de Janeiro colonial, foi lançada em 1719, já apontando a intenção de transformar o extenso território extramuros, correspondente à marinha dos sacos do Valongo, da Gamboa e do Alferes, em uma dependência imediata da urbe carioca.

Esta planta mostra as freguesias urbanas do Rio de Janeiro oitocentista: Sé (ocre), Candelária (amarelo), Santa Rita (laranja), São José (rosa), Sant’Ana (azul). Santa Rita já tinha sido desmembrada para a criação da freguesia de Sant’Ana. Ocorre na planta uma rara inversão da toponímia, em que a Praia do Valongo é chamada erroneamente de Valonguinho, e vice-versa. [Planta do Rio de Janeiro, A Capital do Brasil.] Eugéne Hubert de La Michelerie. Litogravura de Steinmann, 1831. Rio de Janeiro, 1831. Disponível em: http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_cartografia/cart326112/cart326112.html.
Acesso em: 28 dez. 2022.

Por ser uma região isolada do rossio público, mas também distinta do sertão com as suas fazendas, aquela marinha pareceu propícia, desde fins do século XVII, como subúrbio apto para a setorização social e a especialização econômica exigidas pelo comércio atlântico. Já em 1726, o rei de Portugal ordenava que se deixassem livres de construção as referidas praias, desde a cidade até a “ponte do Valongo” (cf. ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO – AHU [POR]. Projeto Resgate: Série Rio de Janeiro – Avulsos, cx. 18, doc. 1985).

A antiga demanda de remover o comércio de atacado da área urbana do Rio de Janeiro só se concretizou integralmente no último quartel do século XVIII. Mas ainda no século XIX o Valongo era descrito como sendo habitado “por indivíduos pescadores e (à exceção de mui poucos no todo, que presentemente têm feito ali a sua vivenda, e subsistem mais florentes) quase miseráveis” (PIZARRO E ARAÚJO, 1822, v. 5, p. 298).

Neste voo de pássaro é possível distinguir a entrada da Baía de Guanabara à esquerda, com o Pão de Açúcar, e a cidade à direita. Notam-se claramente os dois portos: em primeiro plano o porto de passageiros perto da Ilha das Cobras, e o porto de cargas na enseada do Valongo, a norte da urbe. [Panorama da cidade do Rio de Janeiro.] Bauch, Emil, 1823-c.1890. Vogler, J., 1873. Disponível em: http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon255675/icon255675.html.
Acesso em: 28 dez. 2022.

2.2. A Praia e a Rua do Valongo

Segundo o geógrafo Elmo Amador, o Valongo era um tômbolo que unia o morro do Livramento à Ponta da Saúde, espraiando-se a oeste para a Gamboa e a Leste até as falésias do morro da Conceição, chamadas Ponta do Sal, onde havia pequenos intervalos arenosos: o Valonguinho, a Saúde, a Prainha. Noronha Santos compartilha da opinião ao prefaciar as Memórias de Luís Gonçalves dos Santos, o Padre Perereca. A atribuição é contestada por Vivaldo Coaracy (2008, p. 237), que disse ser o Valongo o vale hoje correspondente à rua Camerino, embora sem justificar seus motivos. Ora, segundo o Padre Perereca, a rua do Valongo só recebeu esse nome em 1760 (SANTOS, 2013, p. 159). No entanto, o nome Valongo já constava da documentação desde 1701.

Não se encontra a toponímia “Valongo” antes do século XVIII. Aliás, parece que a Praia do Valongo, isto é, a orla que unia o morro do Livramento à Ponta da Saúde, chamava-se anteriormente “Praia das Pombas” (Arquivo Nacional, 1º Ofício de Notas, v. 78, p. 28v, 27/9/1709). Seria possível relacionar, de forma artificial, as antigas ruas do Valongo (atual Rua Camerino), da Valinha (trecho da Avenida Marechal Floriano entre a Rua Uruguaiana e a Avenida Passos) e da Vala (Rua Uruguaiana), como se a toponímia dos três logradouros fizesse referência aos canais que por ali circularam. No entanto, a afinidade entre esses antigos nomes é muito tardia para afirmar que a denominação Valongo tivesse sido dada à rua Camerino com anterioridade, para só depois passar a referir o tômbolo da Gamboa.

2.3. O Valongo hoje: Pequena África

Expressão de resistência, reforço de significado, combinação articulada, ressemantização: são algumas soluções industriosas que revelam o processo de construção de histórias, da cristalização de significados, da marginalização social de certos segmentos, da consagração de experiências individuais, da criação de sínteses ou da afirmação de antíteses.

No caso do Valongo, foi no final do século XVIII, com a instalação do porto de cargas e do tráfico negreiro, que aquele subúrbio se tornaria definitivamente caracterizado pela concentração da presença africana, antecipando em um século o nascimento da “Pequena África”, localizada pelo pintor e compositor Heitor dos Prazeres na extinta Praça XI. Antes da Praça XI, porém, a amálgama cultural que deu origem ao samba estivera na enseada do Valongo, na Pedra do Sal, sítio em que existiu a primeira senzala do Rio de Janeiro.

2.4. Patrimônio Mundial e o seu entorno

Sucessivas descobertas arqueológicas e movimentos sociais e políticos trouxeram o Valongo ao primeiro plano do interesse internacional:

A Pedra do Sal, tombada a nível estadual em 1984, recebeu a demarcação de um quilombo em 2005 e se tornou Área de Especial Interesse Cultural do município em 2014. Pertencia à Ordem Terceira de São Francisco da Penitência e albergou a mais antiga senzala do Rio de Janeiro, que atendia às necessidades do “Trapiche da Ordem”. A toponímia remete ao ponto final do “caminho do sal” que começava nas salinas da Lagoa de Araruama e ia até o Rio de Janeiro, ou por terra até Niterói, ou por mar através de Cabo Frio. É considerada o berço do samba.

Seguidamente, a descoberta fortuita do Cemitério de Pretos Novos do Valongo, em 1996, na residência do casal Merced e Petrúcio Guimarães, e a fundação no local do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos em 2005, ocasionaram a inserção da região na “Rota do Escravo” da UNESCO. Voltaram a se fazer pesquisas arqueológicas no local a partir de 2016, deixando-se à mostra remanescentes humanos ali enterrados.

Em 2011 ganhou destaque o Cais do Valongo, redescoberto nas pesquisas arqueológicas realizadas na área portuária do Rio de Janeiro. Construído em 1811, o Cais público atendeu ao comércio transatlântico de africanos por apenas vinte anos. Seu porte avantajado facilitava a chegada de mercadorias mesmo em preamar e, conforme o levantamento realizado nesta pesquisa, servia inclusive como ponto conserto e de compra e venda de embarcações. Foi remodelado em 1843 para a chegada da Imperatriz Teresa Cristina. É igualmente importante para a memória da imigração na segunda metade do século XIX.

Panorama do Cais do Valongo, após a sua transformação em Cais da Imperatriz por ocasião da chegada de Dona Teresa Cristiana em 1843. PUSTKOW, Frederico. Caes da Imperatriz. Saude. Rio de Janeiro, RJ: G. Leuzinger, [18–]. 1 grav., litograv., pb, 13,7 x 22 cm em papel 24,5 x 30,6 cm. Disponível em: http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon1521613/icon1521613.jpg.
Acesso em: 28 dez. 2022.

Por fim, em 2018, por ocasião da instalação da Linha 3 do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), prospecções arqueológicas feitas pouco antes do início das obras trouxeram à luz fragmentos de faiança, porcelana e cachimbos, mas também de ossos humanos do Cemitério de Pretos Novos do Largo de Santa Rita. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional previu o salvamento dos remanescentes humanos que eventualmente aflorassem quando os trilhos fossem instalados. No entanto, a Comissão Pequena África, que reunia diferentes associações para a promoção da igualdade racial, negou peremptoriamente que se fizesse o resgate dos restos mortais, o que foi acatado com relutância pelo órgão de tutela. Como compensação, o Largo de Santa Rita recebeu um novo agenciamento paisagístico, com a remoção de uma banca de jornais e a decoração do piso com rosas negras.

3. O complexo do Valongo

3.1. Do Valverde ao Valongo

O Marquês do Lavradio, vice-rei de 1769 de 1779, ao entregar o cargo a Luiz de Vasconcelos e Souza, relatou o seu esforço para transferir o tráfico negreiro da cidade do Rio de Janeiro, de próximo ao Sítio Valverde, para o então subúrbio do Valongo (cf. Relatório, 19/6/1779 in: Revista do IHGB, Rio de Janeiro, t. 4, v. 4, nº 16, 1842, p. 450s).

O Mercado de Escravos do Valongo. CHAMBERLAIN, Henry. Views and costumes of the city and neighbourhood of Rio de Janeiro. Londres, 1822. Página 37: Disponível em: http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon393039/icon393039.pdf.
Acesso em: 28 dez. 2022.

O Marquês tinha escrito em 1774 acerca da necessidade do total encerramento dos pretos novos no Valongo: “sem poderem jamais saírem daquele lugar para esta Cidade, por mais justificados motivos que hajam, e nem ainda depois de mortos, para se enterrarem nos cemitérios da Cidade” (Arquivo Nacional, Códice 70, v. 7, Carta do Marquês do Lavradio, 12/4/1774, p. 232).

No contexto mundial, o Rio de Janeiro foi a cidade na qual o modelo administrativo do complexo escravagista teve o mais amplo desenvolvimento, vindo a ser replicado em outros portos brasileiros que também operavam esse tipo de comércio. O entreposto incluía fisco e quarentena, mercado e cemitério de pretos novos.

3.2. Lazareto e Alfândega

A Alfândega fora instituída no Rio de Janeiro em 1566 como estação arrecadadora pioneira. Embora alguns autores pretendam que os escravizados desembarcavam diretamente na Alfândega (cf. TAVARES & alii, 2020), a ordem do processo de entrada no Rio de Janeiro está atestada documentalmente (cf. FLORENTINO, 2005, p. 46).

Em alto mar, junto à ribeira da cidade, ou então próximo da Ilha de Boa Viagem, na banda de Niterói, do outro lado da baía de Guanabara, o vereador responsável pela fiscalização sanitária fazia a “vistoria da saúde” e determinava o tempo de quarentena dos escravos novos recém-chegados de África.

A quarentena se realizava na Ilha de Bom Jesus da Coluna ou na Ilha das Enxadas, até que ficou determinada a instalação de um Lazareto na Gamboa, por alvará régio de 22 de janeiro de 1810.

Só quando vencido o prazo de quarentena é que ocorria, enfim, o controle alfandegário. Em seguida, os escravos eram postos à venda nas lojas.

3.3. Cais do Valongo

A construção do Cais do Valongo em 1811 foi uma iniciativa de Dom João VI. Diferentemente dos demais trapiches privados de madeira que pagavam laudêmio pela exploração da marinha no Rio de Janeiro, o Cais do Valongo, feito de pedra, foi construído com dinheiro público, levantado por meio de um imposto cobrado aos traficantes de escravos, o que lhe confere um significado peculiar no contexto escravagista (cf. SOARES, 2013).

Rara representação da enseada do Valongo, na altura de onde seria construído em 1811 o Cais de pedra.
[Costão de N. S. da Saúde.] Ender, Thomas (desenhista), 1793-1875. [18–] 10cm x 20cm. Disponível em: http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_iconografia/icon395061/icon395061_30_110.jpg.
Acesso em: 28 dez. 2022.

Sua localização é defronte à rua do Valongo (atual Rua Camerino), onde estavam instaladas as lojas. Presume-se que, realizado o controle alfandegário, os escravizados eram levados por mar até atracarem ali, diante dos depósitos. Desse modo, em um momento em que o tráfico negreiro estava vedado no Atlântico Norte, o Cais do Valongo significou tanto a ampliação das relações com a África via Atlântico Sul, quanto o fortalecimento geral da infraestrutura comercial da corte do Reino Unido e, depois, do recém-criado Império do Brasil.

A proclamação do Cais como Patrimônio Mundial pela UNESCO o apontou como um potencial laboratório de pesquisas multidisciplinares e um âmbito para a promoção do patrimônio cultural e de empenho pela reparação das sequelas sociais da escravidão. Não obstante, algumas vozes se alçaram contra a sua elevação, afirmando que são raras as informações sobre ele (cf. TAVARES, 2018). De fato, a pesquisa acadêmica sobre a sua criação, operação, desaparição e redescoberta é surpreendentemente escassa.

3.4. Armazéns e casas de engorda

Desde 1722, com o aumento das reclamações dos senhores de engenho e dos lavradores contra a atuação de atravessadores no mercado de escravos da rua Direita (atual Rua Primeiro de Março), a Câmara do Rio de Janeiro passou a insistir na necessidade de transferi-lo ao Valongo.

Mas foi apenas em 1758 que um acórdão superou as tentativas de embargo dos traficantes que se sentiam prejudicados pela mudança da rua Direita para o Valongo. Muitos homens de negócio ainda permaneceram com lojas abertas na cidade à espera de outro recurso interposto no Tribunal da Relação, o qual, aliás, não recebeu provimento.

O interior de uma loja de escravos, em geral gente muito jovem, na rua do Valongo. Aspectos exteriores do mesmo logradouro. THIERRY FRÉRES. Boutique de la Rue du Val-Longo. Paris: Firmin Didot Fréres, 1835; Disponível em: http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_iconografia/icon393053/icon393053_093.html.
Acesso em: 28 dez. 2022.

A proibição do comércio na área urbana seria reeditada pelo Senado da Câmara em 1766, por causa da resistência tácita dos comerciantes e da inclusão de mais escravos para a venda, oriundos da Companhia de Pernambuco e Maranhão.

A disputa judicial perduraria até a chegada do Marquês do Lavradio, o qual, definitivamente, levaria o mercado para o Valongo. A escritora britânica Maria Graham (1990, p. 274) viria a conhecer a região, deixando constância de suas impressões:

Todas as casas desta longuíssima rua são depósitos de escravos [em que] vi na maior parte delas bancos colocados rente às paredes, nos quais filas de jovens criaturas estavam sentadas com as cabeças raspadas, os corpos macilentos, tendo na pele o sinal da sarna recente. Em alguns lugares as pobres criaturas jazem em tapetes, evidentemente muito fracas para sentar-se.

CALLCOTT, Maria [Graham]. Journal Of A Voyage to Brazil, and residence there, during part of the years 1821, 1822, 1823, página 1. Disponível em: http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_obrasraras/or521397/or521397.pdf.
Acesso em: 28 dez. 2022.

3.5. Cemitério de Pretos Novos

Conforme o direito eclesiástico, os fiéis podem escolher onde ser enterrados: ou no cemitério da sua paróquia, ou no cemitério de alguma irmandade da qual façam parte. Os recém-chegados de África, porém, não tendo domicílio, não pertenciam a nenhuma freguesia nem tiveram a oportunidade de se incorporarem às associações piedosas. Por isso, os escravos novos eram tratados como indigentes quando morriam antes de serem vendidos.

Algumas instituições, como a Santa Casa de Misericórdia, realizaram o enterro dos pretos novos pelo menos até 1741. Desde então, tal função passou à responsabilidade da igreja de Santa Rita, matriz da freguesia em que se encontra o porto de cargas do Rio de Janeiro.

Pouco menos de três semanas depois da decisão do Marquês do Lavradio de transferir o mercado de dentro da cidade para o subúrbio do Valongo, o pároco de Santa Rita arrendou um imóvel a 30 de abril de 1774, a fim de servir como novo cemitério para os pretos novos. O terreno do Cemitério do Valongo tinha apenas 500 metros quadrados de área, sendo três vezes menor que o Cemitério do Largo de Santa Rita, mas tinha a vantagem de ser próximo do porto de cargas (cf. NARA JR., 2021).

A instalação do Lazareto na Gamboa, alguns anos depois, faria com que a freguesia de Santa Rita, que já possuía uma cadeia, ficasse tradicionalmente associada aos chamados “usos sujos” — porto, prisão, hospital, cemitério.

Com o tempo, a situação precária do Cemitério do Valongo acarretaria representações da vizinhança requerendo a sua nova transferência (cf. FBN/MSS II-34,26,3). Mas isto, de fato, nunca ocorreu. Foi graças à extinção oficial do tráfico africano, previsto pela Carta de Lei de 23 de novembro de 1826, de D. Pedro I, cujo prazo de aplicação foi adiado até 13 de março de 1830, que o Cemitério de Pretos Novos perdeu o seu sentido.

A última pessoa anônima foi ali enterrada a 4 de março de 1830 (cf. Arquivo da Cúria Metropolitana de São Sebastião do Rio de Janeiro, Óbitos de Santa Rita, dezembro de 1824 a março de 1830). Já no segundo semestre de 1833, consta do Livro da Décima Urbana a apropriação do imóvel por Antônio Soares Pinto (cf. Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, BR RJAGCRJ.CM.DU.0117).

Os mortos eram transportados em um banguê. Os africanos escravizados que morriam antes da venda e que, portanto, ainda não tinham residência numa paróquia, eram tratados como indigentes e enterrados em um Cemitério de Pretos Novos, sob a jurisdição da Freguesia de Santa Rita, quando não na Santa Casa de Misericórdia. CHAMBERLAIN, Henry. Views and costumes of the city and neighbourhood of Rio de Janeiro. Londres, 1822. Página 66; Disponível em: http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon393039/icon393039.pdf.
Acesso em: 28 dez. 2022.

4. Fontes jornalísticas

4.1. Recorte temporal e temático da pesquisa

Esta pesquisa reuniu e analisou todas as publicações (matérias de jornais e classificados) existentes na Hemeroteca Digital sobre a região do Valongo no período de 1800 até 1831, ano em que o tráfico foi oficialmente suspenso.

As formas de escrita sobre a região mudavam a cada publicação. Foram encontradas inúmeras variantes dentro de um mesmo diário: Valongo; Vallongo; Caes; Cais. O termo mais usado pelos editores do jornal era Vallongo, com dois LL.

Os termos procurados foram: Rua do Valongo; Cemitério do Valongo; Cais do Valongo; Caes do Valongo; Valongo; Vallongo; Vaiongo; Rua do Livramento.

O conteúdo foi localizado nos seguintes jornais:

Diário do Rio de Janeiro;
Correio Braziliense;
Gazeta do Rio De Janeiro;
Diário Mercantil;
Império do Brasil: Diário Fluminense;
Annaes do Parlamento Brasileiro;
Império do Brasil: Diário da Câmara dos Deputados;
O Volatim;
Astrea;
A Aurora Fluminense: Jornal Politico Litterario;
Abelha de Itaculumy (MG);
O Spectador Brasileiro;
Revista Semanaria;
Diário da Camara de Senadores do Imperio do Brasil;
Correio do Rio de Janeiro;
Jornnal do Commercio;
Correio Mercantil;
Nova Luz Brazileira;
A Voz Fluminense e Luz Brasileira.

4.2. O Diário do Rio (1800-1839)

O Diário do Rio de Janeiro ganha destaque neste dossiê por ter sido a maior fonte de ocorrências sobre o Valongo. Encontram-se nele mais de 5.000 ocorrências sobre a região, a rua e o cais, entre 1821 e 1858. Entre elas, as que mais se repetem — como nos demais jornais — são inúmeros classificados, como o aluguel e a venda de morada de casas, o aluguel ou a procura por ama-de-leite, a venda de escravizados, a fuga de escravos e os leilões. 

A primeira publicação encontrada fala da localização de duas pessoas foragidas: “A quem faltarem dois negros de estatura ordinaria, dirija-se a rua do Valongo Nº. 44”. Desde essa data, até 1831, limite temporal da pesquisa, foram publicadas mais de 2.000 notícias sobre o Valongo.

4.3. O Valongo na imprensa estrangeira e alófana

Dois jornais alófanos e um jornal estrangeiro publicaram acerca da região e do cais do Valongo: o Correio Braziliense (de Londres); o L’Écho de L’Amérique Du Sud: Journal Politique, Commercial et Litterarie (do Rio de Janeiro); e o Courrier du Brési Le Courrier du Bresil, Feuilee Politique, Commerciale et Littéraire (do Rio de Janeiro).

O primeiro discorria em 1818 sobre as obras de infraestrutura do Rio de Janeiro, citando “a construcção de caes e rampas entre as quaes se distingue a de Valongo.’’ Clique para ler o texto na íntegra.

O segundo, L’écho de L’amérique Du Sud, por meio de uma análise topográfica, criticava, em 1828, que o Valongo não dialogava com a cidade. Também denunciava que a obra estava sendo realizada sem planejamento e coordenação. Clique para ler o texto na íntegra.

O terceiro, Courrier du Brésil, é o único jornal que não se encontra no acervo da Hemeroteca Digital, mas na Biblioteca Nacional da Áustria. A publicação em tela divulgava uma nova empresa de máquinas a vapor, a 14 de março de 1829, e convidava os interessados a procurar os empreendedores à rua Princesa do Valongo. Clique para ler o texto na íntegra no Google Books.

4.4. Outras ocorrências interessantes

O jornal Império do Brasil: Diário Fluminense traz uma discussão sobre o fim do comércio de escravos e a abolição da escravatura no contexto pós-independência do Brasil. O autor defende que a escravidão deveria ser abolida no mesmo dia que Portugal reconheceu a independência: “Em rigor de direito, em conformidade de sentimentos com todos os Governos do mundo civilisado, e para accelerar o melhoramento de nossa moral, e industria, deveria a não importação de escravos verificar-se desde o dia do Reconhecimento do Imperio”.

O mesmo jornal, em março de 1929, manifesta a preocupação com a saúde pública perante o estado do Cemitério do Valongo: “não sei que a lei trate de novos Cemiterios futuros; e mesmo quando tratasse de novos, eu não vejo como aquelle do Valongo possa ser remediado, se vale a saude dos habitantes daquelle lugar, senão removendo-o dalli, e fazendo- se hum novo.”

Os Annaes do Parlamento Brazileiro: Camara dos Srs. Deputados, informa que, em uma sessão de 1828, foram criticados os fazendeiros de Minas Gerais, que preferiam adquirir novos escravos ao Valongo do que criar os descendentes dos já adquiridos.

Majoritariamente, as referências ao Valongo procedem de classificados sobre leilões de escravos, vendas, aluguéis, trocas e fugas. Uma edição do Jornal do Commercio ilustra como no Valongo se vendiam não somente os recém-chegados de África, mas também os já abrasileirados (ladinos).

5. Inventário cronológico sobre o Valongo na Hemeroteca Digital

1800-1809

Correio Braziliense

Valongo (topônimo em Portugal) (1808)

Gazeta do Rio de Janeiro

Venda de Curveta na região do Valongo (1809)

Venda de murada de casas na região do Valongo (1811)

Venda de terreno na região do Valongo (1811)

Venda de tereno na região do Valongo (1811)

Venda de casa tratar no Valongo (1812)

Leilão de 48 escravos em armazém do Valongo (1812)

Venda de casa na rua do Valongo (1813)

Classificado de vendas tratar na praia do Valongo (1813)

Venda de casa de molhados na rua do Valongo (1813)

Venda do Bergantim Camponeza e todos os pertences para o negócio de escravos (1814)

Venda de chãos no Valongo (1814)

Venda de Bergantim na rua do Valongo (1814)

Negro escravizado achado na rua do Valongo (1815)

Sobre morador do Valongo (1815)

Morador do Valongo perdeu o carimbo (1817)

Venda de carroça no Valongo (1817)

Compra-se uma liteira, se dirigir à casa de Euzébio de Queiroz (1818)

Venda de negra escravizada na rua do Valongo (1818)

Venda de terra tratar na região do Valongo (1818)

Venda de traquitana na rua do Valongo (1819)

Reunião na Região do Valongo (1819)

Venda de loja na rua do Valongo (1819)

Tratar de venda na rua do Valongo (1819)

Venda de negra escravizada na rua do Valongo (1820)

Venda de negra escravizada na rua do Valongo (1820)

Venda de armazém de madeira na praia do Valongo (1820)

Venda de casa na rua do Valongo (1820)

Venda de carruagem inglesa na rua do Valongo (1820)

Venda de casas e de negro escravizado no Valongo (1821)

Sobre morador do Valongo (1821)

Venda de negra escravizada na rua do Valongo (1821)

1810-1819

Correio Braziliense

Não devemos omitir a construção do cais e rampas do Valongo (1818)

1820-1829

Diário do Rio de Janeiro

Negros achados no Valongo (1821)

Negros escravizados vendidos no Valongo (1821)

Informação no Valongo (1821)

Negros desaparecidos (1821)

Precisa-se de uma ama-de-leite no Valongo (1821)

Vende-se negra escravizada na praia do Valongo (1821)

Informação sobre furto no Valongo (1821)

Edital do senado (1821)

Compra-se negros escravizados (1821)

Fuga de dois escravizados (1821)

Compra-se uma ama-de-leite na rua do Valongo (1821)

Venda de objetos na rua do Valongo (1821)

Aluguel de negra para serviços domésticos (1821)

Anúncio sobre vidros na Botica do Valongo (1821)

Venda de dois negros comprados no Valongo (1821)

Venda de negra no largo do Valongo (1821)

Venda de negro no largo do Valongo (1821)

Venda de botequim na praia do Valongo (1821)

Classificado de aluguel de casa (1821)

Anúncio de fuga de negro que deve ser levado para seu dono no Valongo (1821)

Anúncio de venda de cavalo (1821)

Aluguel de armazém na praia do Valongo (1821)

Venda de armazém no Valongo (1821)

Venda de objetos incluindo escravos no Valongo (1822)

Escravo fugido quem achar se dirigir à praia do Valongo (1822)

Resposta de um anúncio anterior (1822)

Venda de pinho (1822)

Perdeu-se uma canoa no Valongo (1822)

Venda de casa no morro do Valongo (1822)

Venda de escravo no Valongo (1822)

Anúncio de escravo fugido no Valongo (1822)

Anúncio de escrava fugida (1822)

Anúncio com informações de um escravo fugido (1822)

Anúncio de escravo desaparecido que se achado deve ser entregue na rua do Valongo (1822)

Venda de mula no Valongo (1822)

Escravo desaparecido (1822)

Pulseira perdida no Valongo (1822)

Portaria de José Bonifácio ao Intendente da Polícia da Corte (1822)

Sobre arrendar o ofício de escrivão (1822)

Venda de besta no Valongo (1822)

Venda de ornamento de missa (1822)

Venda de um sítio em Inhaúma que deve ser tratada no Valongo (1822)

Escravo fugido que deve se entregue no Valongo (1822)

Portaria do Senado sobre as valas e esgoto no Valongo (1822)

Venda de duas escravas na rua do Valongo (1822)

Resposta de um anúncio anterior (1822)

Escravo fugido (1822)

Venda de carroça na rua do Valongo (1822)

Venda de uma parda para serviços doméstico no Valongo (1822)

Venda de escaler no Valongo (1822)

Leilão de objetos para navio no Valongo (1822)

Escravo fugido (1822)

Resposta sobre anúncio da carroça (1822)

Precisa-se de uma ama-de-leite no Valongo (1822)

Aluguel de casa no Valongo (1822)

Negra perdida que ainda está com as miçangas que trouxe do Valongo (1822)

Venda de escravos no armazém de negros novos no Valongo (1822)

Vende-se a Galera Flor do Brasil com todos os pertences para escravatura (1822)

Venda sobre produtos alimentícios no Valongo (1822)

Venda de negra no Valongo (1822)

Quem agarrar um mulato e devolver na rua do Valongo receberá gratificação (1822)

Venda de negra comprada no Valongo (1822)

Perda de objeto no Valongo (1822)

Venda de cofre no Valongo (1822)

Sobre venda de casa no Valongo (1823)

Venda de carroça na rua do Valongo  (1823)

Sobre perda de adereço de cabelo (1823)

Venda de escravo no Valongo (1823)

Perda de crédito (1823)

Negra achada no Valongo (1823)

Fuga de quatro escravos (1823)

Furto de bote na praia do Valongo (1823)

Fuga de um negro na rua do Valongo (1823)

Venda de carroça na praia do Valongo (1823)

Venda de casa no Valongo (1823)

Venda de chácara tratar no Valongo (1823)

Perda de bilhetes de loteria no Valongo (1823)

Venda de tinta no Valongo (1823)

Negro fugido (1823)

Carteira perdida no Valongo (1823)

Sobre bilhete de loteria perdido (1823)

Venda de venda no Valongo (1823)

Venda de armazém no Valongo (1823)

Precisa-se alugar uma casa no Valongo (1823)

Portaria do Senado sobre limpeza de valas (1823)

Compra-se burra de leite na rua do Valongo (1823)

Venda de escrava na rua do Valongo (1823)

Vende-se vinho no largo do Valongo (1823)

Venda de negro no Valongo (1824)

Escravo fugido (1824)

Vende-se Galera Flor do Brasil com utensílios para escravatura fudeada no Valongo (1824)

Furto no Valongo (1825)

Precisa-se de um oficial de boticário no Valongo (1826)

Aluguel de Ama-de-leite no Valongo (1826)

Precisa-se de um ferreiro ou venda de um escravo que seja do ofício no Valongo (1826)

Perdeu-se uma preta vinda do Valongo (1826)

Sobre anúncio anterior (1826)

Venda de bilhete na Botica do Valongo (1826)

Vende-se um negro na rua do Valongo (1826)

Venda de escrava na rua do Valongo (1826)

Venda de produtos alimentícios no largo do Valongo (1826)

Serviços de patentes na rua do Valongo  (1826)

Desaparecimento de cabra no Valongo (1826)

Venda de morada de casas no Valongo (1826)

Engoma-se roupas na rua do Valongo (1826)

Venda de cavalo na praia do Valongo (1826)

Sobre morador do Valongo (1826)

Venda de morada de casas no Valongo (1826)

Negra achada na rua do Valongo (1826)

Procura-se dono de escravo preso (1826)

Vende-se escravo no Valongo (1826)

Aluguel de rapariga no Valongo (1826)

Venda de um pardo no Valongo (1826)

Venda de escravo na rua do Valongo (1826)

Escravo fugido (1826)

Vende-se uma preta com leite no Valongo (1827)

Venda de fardamento na rua do Valongo (1827)

Vende-se um preto ladino na rua do Valongo (1827)

Vende-se armarinho na rua do Valongo (1827)

Portaria do Senado sobre valas no Valongo (1827)

Sobra anúncio anterior (1827)

Vende-se uma sege com painéis de cobre no Vallongo (1828)

Perdeu-se dinheiro no armazém no Vallongo (1828)

Canoas apreendidas estão no quartel de polícia do Valongo (1828)

Leilão de escravos no armazém do Valongo (1828)

Aluga-se na rua Príncipe do Vallongo uma ama-de-leite (1829)

Aluga-se preta na praia do Vallongo (1829)

Aluga-se preta que saiba cozinhar na rua do Vallongo (1829)

Escrava fugida (1830)

Entrega de cartas (1830)

Venda de negro que está na prisão do Calabouço tratar no Valongo (1830)

Quem levar negra fugida até a rua Príncipe do Valongo receberá recompensa (1830)

Aluguel de ama-de-leite na rua do Vallongo (1831)

Ama-de-leite no Vallongo (1831)

Perda de pulseira no Valongo (1831)

Quem quiser vender negros e negras dirija-se para rua do Valongo (1831)

Negro achado na rua do Valongo (1831)

Recado sobre morada (1831)

Sobre embarcação velha na praia do Vallongo (1831)

Diário Mercantil

Venda de escrava na rua do Valongo (1824)

Endereços que cita a rua do Valongo (1824)

Endereço (1825)

Venda de casa no Valongo (1825)

Escravos achados no Valongo (1825)

Precisa-se de caixeiro (1825)

Escravos Fugidos (1825)

Venda de objetos na praia do Valongo (1825)

Escravo fugido, recompensa na rua do Valongo (1825)

Venda de vinho no largo do Valongo (1825)

Venda de escrava na praia de Valongo (1825)

Negro perdido, recompensa no Valongo (1825)

Venda de negro que está na prisão do calabouço, tratar no Valongo (1825)

Compra-se escravo (1825)

Escravo fugido (1825)

Notícia particular (1825)

Compra-se escrava no Valongo (1825)

Vende-se escrava comprada no Valongo (1825)

Perda de itens no Valongo (1825)

Vende-se escravo no Valongo (1826)

Venda de sabão inglês no Valongo (1826)

Aluguel de casa na rua do Valongo (1826)

Entrega de carta (1826)

Aluga-se casa no Valongo (1826)

Entrega de cartas (1826)

Leilão de bergatim que está no Valongo (1826)

Escravos fugidos (1826)

Venda de esteiras de Moçambique na rua do Valongo (1826)

Venda de ama-de-leite na rua do Valongo (1826)

Aluguel de casa no Valongo (1826)

Venda de casa no Valongo (1826)

Vende-se casa no Valongo (1826)

Escravo fugido visto no Valongo (1826)

Aluga-se escrava na rua do Valongo (1826)

Vende-se um escaler no cais do Valongo (1826)

Vende-se escrava no Valongo (1826)

Venda de objetos no Valongo (1826)

Leilão de galera fundeada no Valongo (1826)

Venda de escravo na rua do Valongo (1826)

Venda de objetos no Valongo (1826)

Deseja-se trocar escravo comprado no Valongo (1826)

Aluga-se escrava no Valongo (1826)

Negra achada no Valongo (1826)

Vende-se bergatim para condução de escravatura no caz do Valongo (1826)

Venda de bergatim (1826)

Venda de casa e de escravos no Valongo (1827)

Escravos fugidos, qualquer informação procurar armazém no Valongo (1827)

Venda de escravos na rua do Valongo (1827)

Leilão (1827)

Leilão de bergatim (1827)

Precisa-se de um feitor (1827)

Precisa-se de um feitor (1827)

Venda de armazém no cais do Valongo (1827)

Vende-se cavalo na praia do Valongo (1827)

Vende-se semente na praia do Valongo (1827)

Aluga-se escravo no Valongo (1827)

Escravo fugido, quem achar dirija-se ao Valongo (1827)

Vende-se escrava com o preço mais comôdo que no Valongo (1827)

Venda de escravas no Valongo (1827)

Escravo achado no Valongo e furto de canoa no Vallongo (1827)

Fim de sociedade no armazém do Valongo (1827)

Ajuste de relógio no Valongo (1827)

Venda de telhas na rua do Valongo (1827)

Venda de objeto no Valongo (1827)

Venda de sal na rua do Valongo (1827)

Vende-se escravo na praia do Valongo (1827)

Vende-se sal no armazém de sal do Valongo (1827)

Informações particulares (1827)

Aluguel de escrava no Valongo (1827)

Perdeu-se um embrulhinho de papel (1827)

Vende-se telhas na rua do Valongo (1827)

Vende-se galera que está no cais do Valongo (1827)

Vende-se leite de cabra no Valongo (1827)

Escravo fugido que estava a venda em armazém do Valongo (1827)

Escrava fugida, quem devolver ao senhor no morro do Valongo será recompensado (1827)

Venda de armazém no Valongo (1827)

Arrendamento no Valongo (1827)

Aluga-se ama-de-leite na rua do Valongo (1827)

Venda de bilhetes de loteria na rua do Valongo (1827)

Escravo fugido (1827)

Aluga-se ama-de-leite na rua do Valongo (1827)

Gazeta do Rio de Janeiro

Vende-se uma preta com leite (1820)

Vende-se uma negra na rua do Valongo (1820)

Venda de armazém de madeira na praia do Valongo (1820)

Venda de casa na rua do Valongo (1820)

Venda de carruagem inglesa na rua do Valongo (1820)

Venda de duas casas na rua do Valongo/Venda de crioulo no largo do Valongo  (1821)

Perda de recibo de soldo (1821)

Venda de escrava na rua do Valongo (1821)

Império do Brasil: Diário Fluminense (RJ)

Publicação sobre o fim do tráfico negreiro e a imigração europeia de homens livres(1825)

Publicação sobre o perigo das explosões das minas próximo ao Valongo (1825)

Mudança do tradutor jurado da praça (1825)

Chafariz sobre o mar do Valongo (1828)

Medição da distância do chafariz da Aclamação até o Valongo (1828)

O administrador de obras manda entulhar umas covas na rua S. Lourenço e Praia do Valongo para facilitar o trânsito (1829)

O cemitério do Valongo em uma discussão sobre saúde pública (1829)

Prisão feitas pela Guarda do Valongo (1831)

Denúncia feita à Guarda do Valongo sobre ataque violento de um homem (1831)

Annaes do Parlamento Brasileiro (RJ)

Quando se vai ao Valongo comprar escravos (1826)

Sobre o moinho de vapor do Valongo (1827)

Sobre escravos nos armazéns do Valongo (1827)

Requerimento judicial sobre posse de uma escrava (1827)

É mais fácil buscar negros no Valongo (1828)

Necessidade de acabar com o tráfico de escravos, talvez no Valongo haja muitos para vender  (1831)

Império do Brasil: Diário da Câmara dos Deputados

As ocorrências são idênticas às dos Annaes do Parlamento Brasileiro

O Volatim

Aluga-se uma Ama-de-leite próximo ao Valongo (1822)

Sobre a pedreira do Valongo (1822)

Resposta de anúncio anterior (1822)

Astrea (RJ)

Praia do Valongo entulhada de madeira  (1828)

Limites rua do Valongo (1828)

Resposta sobre o ofício relativo ao Cemitério do Valongo (1829)

Violência no quartel do Valongo (1830)

Sobre morador do Valongo (1830)

Violência policial no Valongo (1830)

Violência policial (1830)

Praia do Valongo (1830)

A Aurora Fluminense: Jornal Político Litterario

Sobre o chafariz do Valongo (1828)

Sobre o Cemitério do Valongo (1829)

Desordens no bairro do Valongo (1830)

Sobre navios na praia do Valongo (1831)

Abelha de Itaculumy (MG)

Sobre os escravos do Valongo (1824)

O Spectador Brasileiro (RJ)

Venda de sabão na rua do Valongo (1825)

Revista Semanaria (RJ)

Sobre cordoaria de Valongo (1828)

Gazeta do Brasil: Quem quer ser livre, deve ser escravo da lei (RJ)

O Intendente deve dar atenção ao Valongo (1827)

Diário da Camara de Senadores do Imperio do Brasil (RJ)

Sobre o pântano na rua do Príncipe, no Valongo (1827)

Correio do Rio de Janeiro (RJ)

Sobre o Lazareto do Valongo (1822)

1830-1839

A Voz Fluminense (RJ)

Um pedido para o Intendente sobre a cordoaria para a segurança do caes público do Valongo (1830)

Luz Brasileira (RJ)

Insatisfação com o preço dos escravos vendidos no Valongo (1830)

Jornal do Commercio (RJ)

Vende-se um escravo na rua do Valongo (1830)

Vende-se uma besta na rua do Valongo (1830)

Vende-se imbé na rua do Valongo (1830)

Escrava achada no Valongo (1830)

Recado (1830)

Venda de canoa (1830)

Aluguel de escravos na rua do Valongo (1830)

Recebimento de prêmio (1830)

Vende-se escrava na rua do Valongo (1830)

Escravo perdido (1830)

Escravo desaparecido (1830)

Escravo fugido (1830)

Vende-se casa na praia do Valongo (1830)

Aluga-se casa na rua Princesa do Valongo (1830)

Pulseira encontrada no Valongo (1830)

Objetos perdidos (1830)

Venda de amas-de-leite na rua do Valongo (1830)

Aluga-se negros na rua Príncipe do Valongo (1830)

Mula perdida (1830)

Cavalo perdido (1830)

Precisa de licorista na rua do Valongo (1830)

Vende-se escravo no Valongo (1830)

Vende-se terreno no Valongo (1830)

Pregão de vendas no Valongo (1830)

Vendem-se quatro moleques na rua do Valongo (1830)

Vende-se uma espingarda na rua do Valongo (1830)

Aluguel de ama-de-leite no Valongo (1830)

Venda de inúmeros artigos no Valongo (1830)

Aluga-se escrava na rua do Valongo (1830)

Fábrica de licores na rua do Valongo (1830)

Leilão de escravos na rua do Valongo (1830)

Praia do Valongo (1830)

Aluga-se casas no Valongo (1830)

Cobrança (1830)

Aluguel de ama-de-leite (1830)

Escravo encontrado (1830)

Escrava Fugida (1830)

Roubo no Valongo (1831)

Venda de escravos (1831)

Aluguel de escravo (1831)

Escravos fugidos (1831)

Prestação de serviço (1831)

Avisos particulares (1831)

Leilão de casas no Valongo (1831)

Sobre calçada na rua do Valongo (1831)

Recompensa (1831)

Notícias Particulares (1831)

Notícias Particulares (1831)

Vende-se casas na rua do Valongo (1831)

Escrava Fugida (1831)

Praia do Valongo, Rua da Princesa  (1831)

Forneiro da rua do Valongo  (1831)

Roubo na rua do Valongo (1831)

Vende-se Bergatim no Cais do Valongo (1831)

Resposta a anúncio anterior de aluguel de sobrado (1831)

Venda de casas na rua do Valongo (1831)

Aluga-se sobrados na rua do Valongo (1831)

Vende-se um moleque no Valongo (1831)

Escravo fugido (1831)

Ocupação clandestina (1831)

Vende-se chácara: tratar no Valongo (1831)

Navio encalhado na praia do Valongo (1831)

Vende-se terreno no Valongo (1831)

Correio Mercantil (RJ)

Sumaca para frete ou passagem saindo do Valongo (1830)

Aluguel de escrava com bom leite no Valongo (1830)

Venda de objetos no Valongo (1830)

Aluguel de escravos na rua Príncipe do Valongo (1830)

Aluguel e vendas de objetos no Valongo (1830)

Venda de casa tratar no Valongo (1830)

Venda de barco localizado na praia do Valongo (1830)

Aluga-se sobrado na rua Príncipe do Valongo (1830)

Perda de cartas  (1830)

Assuntos particulares (1830)

Venda de armazém e sobrado em frente ao cais do Valongo (1831)

Edital do fiscal da Freguesia de Santa Rita sobre as quitandas (1831)

Assuntos particulares (1831)

Assuntos particulares (1831)

Vende-se um bote no cais do Valongo (1831)

Aluga-se uma ama-de-leite no Valongo (1831)

Anúncio ama-de-leite no Valongo (1831)

Roubo na rua do Valongo (1831)

Anúncio ama-de-leite no Valongo (1831)

Precisa-se de uma casa (1831)

Recompensa para quem entregar negra fugida no trapiche do Valongo (1831)

eta no Valongo (1831)

Aluga-se casa no Valongo (1831)

Vende-se uma escrava na rua do Valongo (1831)

Escravo fugido (1831)

Escravo fugido: quem achar entregar no Bregatim Santa Roza no cais do Valongo (1831)

Aluga-se escravo no Valongo (1831)

Negra desaparecida (1831)

Vende-se terreno na rua Príncipe do Valongo (1831)

Vende-se viveiro no Valongo (1831)

Aluga-se sobradinho na rua do Valongo (1831)

Assuntos particulares (1831)

Vende-se cavalo no Valongo (1831)

Venda de vinho no Valongo (1831)

Aluguel de escravo no Valongo (1831)

Aluguel de escravo/Aluguel de casa no Valongo (1831)

Escravo fugido (1831)

Venda de objetos na praia do Valongo (1831)

Aluguel de negros no Valongo (1831)

Escravo fugido (1831)

Aluga-se negra no Valongo (1831)

Vende-se escravo na rua Príncipe do Valongo (1831)

Vende-se moradas de casas no Valongo (1831)

Venda no Valongo (1831)

Vende-se uma casa no largo do Valongo (1831)

Anúncios particulares (1831)

Aluguel de carroças/Aviso de rondas para o comandante (1831)

Comandante agradecendo sobre a ronda (1831)

Aluga-se preto na rua do Valongo (1831)

Leilão na rua do Valongo (1831)

Vende-se bergatim no Valongo (1831)

Venda de murada de casas no Valongo (1831)

Casa de leilão no Valongo (1831)

Venda de objetos diversos no Valongo (1831)

Diário do Rio de Janeiro

Acha-se para vender um negro que está preso, tratar no Valongo (1830)

Escrava fugida (1830)

Aluga-se ama-de-leite no Vallongo (1831)

Pulseira achada na rua do Valongo (1831)

Quem quiser vender pretos procurar a rua do Valongo número 91 (1831)

Negro achado no Valongo (1831)

Discussão sobre a construção de uma espécie de casa em uma embarcação velha na praia do Vallongo (1831)

Annaes do Parlamento Brasileiro (RJ)

Publicação sobre a necessidade de acabar com o tráfico de escravos (1831)

Nova Luz Brazileira (RJ)

Discussões sobre o preço dos escravos no Valongo (1831)

Discussão sobre o desembarque público no Valongo (1831)

Valongo como nome de alguém (1831)

6. Referências

AMADOR, Elmo da Silva. Baía de Guanabara: ocupação histórica e avaliação ambiental. Rio de Janeiro: Interciência, 2013.

______. Bacia da Baía de Guanabara: características geoambientais, formação e ecossistemas. Rio de Janeiro: Interciência, 2012.

COARACY, Vivaldo. Memórias da cidade do Rio de Janeiro: quatro séculos de histórias. Rio de Janeiro: Documenta Histórica, 2008.

FLORENTINO, Manolo (org.). Tráfico, cativeiro e liberdade. Rio de Janeiro, séculos XVII-XIX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

GRAHAM, Maria. Diário de uma viagem ao Brasil: e de uma estada nesse país durante parte dos anos de 1821, 1822 e 1823. Belo Horizonte: Itatiaia, 1990, p. 274.

HONORATO, Cláudio de Paula. Valongo: o mercado de almas da praça carioca. Curitiba: Editora Appris, 2019.

LIMA, Tânia Andrade; SENE, Gláucia Malerba; SOUZA, Marcos André Torres de. Em busca do Cais do Valongo, Rio de Janeiro, século XIX. Anais Do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, 24 (1), p. 299-391, 2016.

LUCCOCK, John. Notas sobre o Rio de Janeiro e partes meridionais do Brasil tomadas durante uma estada de dez anos nesse país, de 1808 a 1818. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1942.

NARA JR., João Carlos. Fronteiras da Escravidão: da África ao Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita no Rio de Janeiro. (Edições do Senado Federal, v. 316). Brasília: Senado Federal, 2024.

______. As Rosas Negras do Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita: sinais de um patrimônio invisível. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, a. 29, n. 29, p. 15-28, 2022.

______. Análise do arrendamento do imóvel do Cemitério de Pretos Novos do Valongo (30 de abril de 1774). Acervo, Arquivo Nacional, Rio de Janeiro, v. 34, n. 3, p. 1-21, set.-dez. 2021.

______. O Rio de Janeiro entre conquistadores e comerciantes: Manoel Nascentes Pinto (1672-1731) e a fundação da freguesia de Santa Rita. Curitiba: Appris, 2019.

PEREIRA, Júlio César Medeiros da Silva. À flor da terra: o cemitério dos pretos novos no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Garamond; Prefeitura do Rio de Janeiro, 2007.

PIZARRO E ARAÚJO, José de Souza Azevedo (monsenhor). Memórias históricas do Rio de Janeiro e províncias anexas à jurisdição do vice-rei do Estado do Brasil, dedicadas a El-Rei o Senhor D. João VI. Rio de Janeiro: Typografia de Silva Porto, 1822, 8 v.

RABHA, Nina Maria de Carvalho Elias. Cristalização e resistência no Centro do Rio de Janeiro. Revista do Rio de Janeiro, Niterói, EDUFF, dez., 1985.

SANTOS, Luís Gonçalves dos [Padre Perereca]. Memórias para servir à História do Reino do Brasil. Brasília: Edições do Senado Federal, 2013.

SCHWARCZ, Lilia Moritz; GARCIA, Lúcia (org.). Registros escravos: repertório das fontes oitocentistas pertencentes ao acervo da Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2006.

SOARES, Carlos Eugênio Líbano. Geografia histórica da região do Valongo, 1713-1904. Acervo, Rio de Janeiro, v. 29, n. 1, p. 150-161, jan.-jun. 2016.

______. Valongo, Cais dos Escravos: Memória da Diáspora e Modernização Portuária na Cidade do Rio de Janeiro, 1668-1911. 2013. 113f. Relatório de pós-doutoramento em Arqueologia — Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

TAVARES, Reinaldo Bernardes. O Valongo através de um outro olhar: Arqueologia da paisagem do complexo escravista do Rio de Janeiro no Século XIX. Tese (Doutorado em Arqueologia) — Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2018.

______; PINTO, Andrea de Lessa; CARVALHO, Claudia Rodrigues. Paisagem, morte e controle social: o Valongo e o cemitério dos pretos novos no contexto escravocrata do Rio de Janeiro nos séculos XVIII e XIX. Paisagens Híbridas, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 132-161, 2018.

______; CARVALHO, Claudia Rodrigues; PINTO, Andrea de Lessa. Da alfândega ao Valongo: A entrada dos cativos africanos no Rio de Janeiro no século dezenove sob uma nova perspectiva historiográfica. Latin American Antiquity, v. 31, n. 2, p. 1-18, 2020.

 UNESCO. Legacies of Slavery: A Resource Book for Managers of Sites and Itineraries of Memory. Paris: UNESCO, 2018.

______. Declaração da Conferência Mundial contra o Racismo, Durban, África do Sul, 2001.

VASSALLO, Simone Pondé; CICALO, André. Por onde os africanos chegaram: o cais do Valongo e a institucionalização da memória do tráfico negreiro na região portuária do Rio de Janeiro. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 21, n. 43, p. 239-271, jan./jun. 2015.

VV.AA. Valongo Wharf Archaeological Site: proposal for inscription on the World Heritage List. Rio de Janeiro: 2016.

7. Créditos

7.1. Financiamento

7.2. Equipe do projeto

Produção intelectual, textual, audiovisual e curadoria:
Dr. João Carlos Nara Jr. (orientador)
Andressa Ramos (bolsista de Iniciação Científica da FAPERJ)

Apoio acadêmico:
Historiador Fernando Santos Berçot (sobre hemeroteca)
Bibliotecária Mônica Carneiro Alves (sobre iconografia)
Historiador Carlos Eugênio Líbano Soares (sobre escravidão)

Chamada de artigos para a Revista Brasileira de História

Dossiê Temático:

Fronteiras Digitais da Historiografia:
Novas Perspectivas e Desafios
na Era da Transformação Digital

Nas últimas décadas, as novas tecnologias de comunicação e informação, especialmente as digitais, têm causado um impacto profundo na produção e divulgação do conhecimento histórico. A constituição de repositórios de fontes, a digitalização e a publicização de acervos, a exploração de novas formas de narrativas históricas e a disseminação do conhecimento por meio das redes sociais estão transformando a maneira como entendemos e ensinamos História.

É com grande entusiasmo que a Revista Brasileira de História (Qualis A1) convida historiadores e profissionais de áreas afins a submeterem artigos para o dossiê temático “Fronteiras Digitais da Historiografia: Novas Perspectivas e Desafios na Era da Transformação Digital”, que será publicado na edição v. 45, nº 99 (maio-agosto de 2025).

Organizadores
  • João Carlos Nara Jr. (Fórum de Ciência e Cultura / UFRJ)
    • Demival Vasques Filho (Leibniz-Institut für Europäische Geschichte / Luxembourg Centre)
Tema e Abordagem

Este dossiê se propõe a explorar além dos limites convencionais do uso de tecnologias digitais na historiografia, reconhecendo a necessidade de novas fronteiras e abordagens. Na era digital, os historiadores têm oportunidades sem precedentes, mas também enfrentam desafios complexos que exigem uma abordagem cuidadosa e especializada. O objetivo é incentivar a reflexão profunda sobre a missão do historiador não apenas como usuário de ferramentas digitais, mas como mediador qualificado e crítico nas instituições de guarda de acervo.

Contribuições Esperadas

Estamos em busca de artigos que abordem:

  • Curadoria digital e pré-processamento de metadados
  • Edições críticas de textos digitalizados
  • Reflexões sobre a digitalização de acervos e direitos autorais
  • Impacto das ferramentas digitais na pesquisa histórica

Artigos que incentivem a criação de plataformas colaborativas e discussões sobre a especialização tecnológica dos historiadores são especialmente bem-vindos. Além disso, abordagens interdisciplinares e diálogos com outras áreas do conhecimento serão valorizados, incluindo discussões sobre Cultura, Memória Social e Acervos Digitais.

Prazo para Submissão

Os artigos devem ser submetidos entre 1º e 15 de novembro de 2024.

Link para Submissão

Submeta seu artigo aqui.

Justificativa

A proposta deste dossiê é entender as práticas historiográficas sob a perspectiva das Humanidades Digitais, um campo transdisciplinar que explora o impacto das novas tecnologias na produção e disseminação do conhecimento. As universidades e centros de pesquisa são desafiados a adaptar seus modelos digitais de discurso acadêmico para atender às demandas contemporâneas.

Exemplos de Tópicos de Interesse
  • Patrimônio cultural digital
  • Modelos de digitalização e gerenciamento de repositórios digitais
  • Plataformas abertas para disseminação de acervos digitais
  • Curadoria digital e atividades de crowdsourcing
  • Letramento e mediação digital
  • Criação e gestão de metadados em instituições de memória cultural
Responsabilidade Social

Estudos sobre a responsabilidade social das instituições de memória e a definição de políticas públicas para o acesso a acervos digitais também são fundamentais. É crucial não apenas digitalizar e utilizar recursos, mas também traçar estratégias para alcançar um público mais amplo, ampliando os benefícios para a sociedade.

Conclusão

Este dossiê visa contribuir para o avanço da pesquisa histórica e para uma compreensão mais profunda e significativa do passado. Ao reconhecer o papel do historiador como mediador e a importância da curadoria e da especialização tecnológica, esperamos inspirar novas reflexões e abordagens na era digital.

Participe desta iniciativa inovadora e submeta seu artigo!

Autores

Os autores devem seguir as diretrizes de submissão da Revista Brasileira de História e estar atentos aos critérios de avaliação e formatação dos artigos. Não perca esta oportunidade de contribuir para um debate essencial sobre o futuro da historiografia na era digital.

Se você é um pesquisador dedicado à interseção entre História e tecnologia, esperamos suas valiosas contribuições para ampliar as fronteiras do conhecimento histórico.

Submeta seu artigo aqui e junte-se a nós nesta jornada para desvendar as novas perspectivas e desafios da historiografia digital!

Compartilhe esta chamada com colegas e instituições que possam se interessar. Vamos juntos construir um futuro mais conectado e informado!

250 anos do Cemitério de Pretos Novos do Valongo

A 30 de abril de 1774, Antônio José Correia, pároco de Santa Rita, e o seu coadjutor, Francisco Moreira da Costa, arrendavam um terreno de cerca de 600 m², pertencente à família Leite, proprietária da fazendinha de Nossa Senhora da Saúde, bairro da Gamboa. O imóvel funcionaria como campo santo para os pretos novos que eventualmente falecessem antes de serem vendidos, desde a data do seu arrendamento até o fim do tráfico oficial de escravos em 13 de março de 1830.

Embora fosse três vezes menor que o Largo de Santa Rita, onde os pretos novos chegaram a ser enterrados desde 1741, o Cemitério do Valongo era mais digno e apropriado do que a praça pública para a realização dos enterros. Possuía muro e portão, tendo sido a primeira experiência brasileira de um cemitério fora da igreja. No entanto, algumas décadas depois, a manutenção do cemitério deixou muito a desejar, causando inúmeras reclamações da vizinhança.

Ao que parece, o arrendamento do imóvel corresponde a um desejo do Marquês do Lavradio, vice-rei do Brasil de 1768 a 1779, que escrevera a 12 de abril de 1774 a respeito dos pretos novos do Valongo:

“sem poderem jamais saírem daquele lugar para esta Cidade, por mais justificados motivos que haja, e nem ainda depois de mortos, para se enterrarem nos cemitérios da Cidade.”

Arquivo Nacional, Códice 70, v. 7, p. 232.

A medida pretendia garantir a saída do comércio de atacado do interior da cidade. Como o tráfico humano estava tristemente incluído, isto implicava na concentração de todos os serviços referentes ao tráfico negreiro na região do Valongo, inclusive o cemitério.

Comemorar os 250 anos do Cemitério de Pretos Novos do Valongo é um compromisso com a memória e o reconhecimento do direito à história. Data que nos recorda o sofrimento de tantos africanos e a necessidade de que realizemos em nosso país uma justa reparação.

Lançamento do livro Fronteiras da Escravidão

Conto com a sua presença para o lançamento do livro Fronteiras da Escravidão, que ocorrerá no dia 10 de maio, sexta-feira, das 17h às 19h, no Instituto Pretos Novos (Rua Pedro Ernesto, nº 32/34, Gamboa).

Nesse dia haverá uma grande festa, com samba, degustação, e a inauguração da exposição Será o Benedito, de Fátima Farkas.

A partir das 19h também haverá o lançamento do livro Políticas Afirmativas de inclusão e equidade racial, organizado por Daiesse Quênia Jaala Santos Bomfim.

Inscrição gratuita no Sympla.

Docas Pedro II: prossegue o litígio

Cais do Valongo e Docas Pedro II (Foto: MPF)

O Ministério Público Federal no Rio de Janeiro solicitou à Justiça Federal que obrigue a União a cumprir seu compromisso de implementar o Centro de Interpretação do Cais do Valongo e o Memorial da Herança Africana nas dependências das Docas Pedro II.

O pedido tinha sido feito em uma ação civil pública contra a União e a Fundação Cultural Palmares em 2018. A instalação do Centro de Interpretação e do Memorial no Galpão Docas Pedro II é uma obrigação estabelecida pela Unesco e deveria ter sido cumprida até 2019. Novos prazos foram concedidos pela Justiça, porém não foram cumpridos pelo governo federal.

O projeto executivo, já concluído e debatido pelo Comitê Gestor do Cais do Valongo, custou R$ 2,2 milhões aos cofres públicos. O imóvel prossegue fechado desde 2021 e ainda não conta com proteção contra incêndio. A União alega que o problema é mais complexo do que a simples contratação de uma empresa para executar a obra, e que seria necessário contratar uma nova consultoria, adiando a obra eventualmente para o segundo semestre de 2025. Mas os procuradores da República consideram essa demora inaceitável.

Três questões se entrelaçam nesta disputa.

A primeira é a necessidade de dar ao Cais do Valongo um centro de referência, isto é, um instrumento que auxilie a sua interpretação, voltado para as pessoas que o visitam. De fato, o Cais do Valongo tinha sido proclamado Patrimônio Mundial com a condição de que fossem atendidas cinco recomendações emanadas pelo Comitê da UNESCO, e de que se cumprissem quatro compromissos visando à implementação do título de Patrimônio da Humanidade. Estamos atrasados, e a criação do Centro de Interpretação era um desses compromissos. De fato, é difícil para o cidadão comum, que chega ao sítio arqueológico, compreender que aquilo é um cais, pois a região está toda aterrada. Por outro lado, faz falta explicar a importância do Cais do Valongo como obra pública escravagista do reinado de D. João VI, construído com recursos oriundos de um imposto cobrado aos traficantes. São informações que o visitante precisa receber dentro do Centro de Interpretação.

A segunda questão é a instalação de um “Memorial da Herança Africana”. Esta iniciativa, surgida durante a gestão do prefeito Marcelo Crivella, foi muitas vezes confundida com o “Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana”, projeto da primeira gestão do prefeito Eduardo Paes. Mas não são a mesma coisa, pois o Laboratório, originalmente, não seria restrito à cultura afro-brasileira.

A terceira questão é a restauração das Docas Pedro II para que possa ser a sede tanto do Centro de Interpretação quanto do Memorial. Pelo que consta da notícia, o projeto executivo foi concluído, mas o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional apontou algum entrave para autorizar a execução da obra.

Conclusão: enquanto debatemos possibilidades, projetos e responsabilidades, o Cais do Valongo prossegue esperando há sete anos, desde que foi reconhecido Patrimônio da Humanidade, a 1º de março de 2017.

Fronteiras da Escravidão

A Editora do Senado Federal publica o livro Fronteiras da Escravidão: da África ao Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita no Rio de Janeiro.

A obra reverencia a memória dos africanos que morreram durante a vinda forçada ao Brasil antes de serem vendidos e foram enterrados no cemitério do Largo de Santa Rita, zona central do Rio de Janeiro, que funcionou até 1774.

A história dos “pretos novos”, expressão que designa os recém-chegados trazidos pelo tráfico negreiro, é contada de forma transdisciplinar, integrando questões historiográficas, arqueológicas, geográficas, urbanas, filosóficas, teológicas e políticas.

O texto assume Santa Rita como um “des-lugar” que se mostra um proveitoso campo de estudo das fronteiras – étnicas, territoriais e outras que houver –, abrangendo diversos aspectos interdisciplinares ao contar a história dos pretos novos, desde suas origens na África até sua chegada ao Brasil.

Conservação da matriz de Santa Rita

Em meio aos desafios que enfrentam os proprietários dos bens tombados, é importante divulgar a campanha pela realização de melhorias cruciais em nossa histórica Matriz de Santa Rita. Estamos empenhados em arrecadar R$ 300.000,00 para a execução de intervenções de fortalecimento da infraestrutura de nosso amado patrimônio, especialmente em três pontos:

1. Modernização das Instalações Elétricas
2. Sistema de Prevenção de Incêndios
3. Acessibilidade Universal

Cada doação representa uma expressão tangível de apoio à preservação de nosso patrimônio cultural.

Compartilhe esta campanha com seus colegas, os amigos e a comunidade. Nossa força se multiplica quando disseminada.

Saiba mais: https://campanhadobem.com.br/campanhas/igrejasantarita#/

Um legado enterrado

Os personagens do filme The Burial visitando um oculto cemitério de escravos

Já antes neste blogue compartilhei com vocês as impressões que me causaram alguns filmes, como A Escavação ou O Rei Perdido, em função de suas reflexões sobre a arqueologia e o respeito à memória dos mortos.

Hoje, gostaria de recomendar a história de Willie Gary, um renomado advogado especializado em litígios, que se fez conhecer como O Matador de Gigantes. Com uma carreira de sucesso de 30 anos, Gary é conhecido por sua abordagem agressiva e sua habilidade em vencer casos aparentemente impossíveis. No filme The Burial, que é baseado em fatos reais, o advogado tem de lidar com uma disputa milionária do mercado funerário.

A certa altura dessa história, alguns personagens vão até um campo vazio:

— Sabe o que é isso?

— Não sei.

— Isso é um cemitério. Embora não pareça à primeira vista, já que não há túmulos.

— Por que não?

— É um tipo diferente de cemitério. Um antigo cemitério de escravos. Todos sabem que eles não tinham dinheiro para enterrar entes queridos com uma lápide. Embora não possamos ver, toda a nossa história, a história dos negros no sul, a história dos negros nos EUA, dos nossos ancestrais escravizados, está enterrada por toda parte. Bem fundo, em quase todas as direções, é onde nossa história está. Nestes campos vastos e vazios. Em alguns lugares, foram erguidas estátuas. Sabe os monumentos confederados e estátuas que vemos em todos os lugares? Muitos foram colocados sobre cemitérios de pessoas escravizadas. Como pegar uma história e colocá-la em cima de outra. É como pegar o legado de um homem e colocá-lo sobre outro. Até que, um dia, ele será empurrado para tão longe, enterrado tão fundo, que ninguém poderá encontrá-lo.

A descrição do esquecimento cemiterial me tocou muito em função de minha longa pesquisa sobre o Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita. Está certo que os nossos pretos novos não são antepassados ou ancestrais em sentido próprio; ou que a história e a arqueologia da escravidão americana são bem distintas da brasileira. No entanto, o problema da sobreposição de memórias sobre o legado humano ainda é bastante vivo, tanto em nossa sociedade, quanto na americana.

Que a celebração do dia da Consciência Negra sirva para que aprendamos a não repetir esses esquecimentos.

Memória, Patrimônio e Turismo em perspectiva no Cais do Valongo

Acaba de ser publicado o livro Memória, Patrimônio e Turismo em perspectiva no Cais do Valongo.

A temática da hodologia, conforme apresentada no III Seminário Internacional em Memória Social (ocorrido na UniRio em 2018), foi vertida no segundo capítulo do livro, denominado Hodologia da Diáspora Africana na Freguesia de Santa Rita.

O livro explora as dificuldades para a a construção de uma memória da diáspora africana com base material na região portuária da cidade do Rio de Janeiro e aponta as relações complexas do turismo com os lugares de memória.

Saiba mais sobre hodologia aqui.

Ao encontro de um rei perdido

The Lost King é um filme biográfico britânico de 2022, dirigido por Stephen Frears. Escrito por Steve Coogan e Jeff Pope, baseia-se no livro The King’s Grave: The Search for Richard III de Philippa Langley e Michael Jones.

A obra é uma dramatização da vida de Philippa Langley, interpretada pela atriz Sally Hawkins, a mulher que iniciou a busca pelos restos mortais do rei Ricardo III debaixo de um estacionamento em Leicester.

A história ajuda a pensar o quanto o financiamento dos trabalhos arqueológicos, a vaidade acadêmica e os preconceitos históricos influem nas pesquisas.

Existem outros filmes que também ajudam a refletir. Veja aqui outro exemplo.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search