Categories
Arte Ciência da religião História

Conceição, Saúde, Valongo

A devoção à Virgem Maria, característica essencial do cristianismo, teve contornos típicos e específicos no Rio de Janeiro setecentista e especialmente na freguesia de Santa Rita.

Para tratar do assunto, um webinar foi promovido pelo Museu Arquidiocesano de Arte Sacra do Rio de Janeiro (MAAS), com o apoio do Projeto de Extensão e Cultura Igrejas Históricas no Rio de Janeiro: Descobrindo e Revelando seus acervos, da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura da UNIRIO.

Nesse encontro, conheceremos as raízes das invocações marianas que deram nome ao Morro da Conceição (em frente ao Largo de Santa Rita) e à Ponta da Saúde (em cuja chácara ficava o cemitério do Valongo), as colinas extremas da freguesia.

Sábado, dia 30 de maio, às 15h, participe da roda de conversa (transmitida pelo ZOOM), da qual participarão os seguintes especialistas:

  • Dr. João Carlos Nara Jr. (Arquiteto e Urbanista, Arqueólogo e Historiador).
  • Lydia de Carvalho Coelho (historiadora, mestranda em Arqueologia)
  • Dr.ª Márcia Valéria Rosa (UNIRIO & Projeto Igrejas Históricas no Rio de Janeiro)
  • Prof.ª Marli de Assis (Museóloga do MAAS)

O webinar também será transmitido pelo perfil do MAAS no Facebook.

Categories
Cursos e recursos

Lives em tempo de COVID

Não perca tempo!

Quase todo dia útil, uma live às 19h sobre temas interdisciplinares!

Categories
Cursos e recursos Manoel Nascentes Pinto

Lançamento virtual

Sábado 25 de abril, a partir das 11h, participe de um bate-papo de lançamento virtual do livro O Rio de Janeiro entre conquistadores e comerciantes.

Além do autor, João Carlos Nara Jr., também falarão o historiador e jurista Daniel Pêcego e o historiador da arte Daniel Forain.

Conheça detalhes insuspeitados do Rio de Janeiro colonial e adquira o cupom de desconto se quiser comprar o livro!

Categories
Cursos e recursos Direito Manoel Nascentes Pinto Urbanismo

Pesquisa com banco de dados fundiários

O Banco de Dados Fundiários do Recôncavo da Guanabara consolida todas as escrituras públicas disponíveis nos arquivos sobre o Rio de Janeiro, facilitando a pesquisa historiográfica sobre período colonial.

Aprenda a utilizar nesse VÍDEO.

Categories
História Manoel Nascentes Pinto

Rio de Janeiro setecentista

Compre aqui. A imagem é simbólica, pois o livro só tem 100 páginas!

Uma boa história contém rostos com nome e sobrenome. Estamos fartos daquelas narrativas sobre classes, coletivos, causas e efeitos, bons e maus, oprimidos e vencedores, feita de uma massa de anônimos. Também ansiamos por uma história abrangente, que contemple não apenas os colonizadores europeus, os caciques derrotados e os potentados africanos, mas também a gente da rua, o proprietário da esquina, a pessoa de carne e osso.

Encontramos isso ao estudar a freguesia de Santa Rita. Na época em que o Rio de Janeiro colonial ainda possuía uma muralha na altura da atual Rua Uruguaiana, um fidalgo resolveu construir uma capela familiar para a sua santa de devoção, a italiana Rita de Cássia, então recém-beatificada. A igrejinha, próxima da muralha, viria a se tornar a matriz dessa bela região exterior, pontilhada de chácaras, a que hoje damos o nome de Porto Maravilha. Berço do samba, útero da Pequena África, mãe da alma carioca, ali se instalou o sistema escravagista até a abolição do tráfico em 1831.

Mas quem foi Manoel Nascentes Pinto (1672-1731), esse fidalgo que construiu a matriz de Santa Rita? Qual era a sua função na Alfândega do Rio de Janeiro, onde trabalhava? Quem eram seus parentes? Que rede de relações sociais construíram? — Por meio dessas e doutras indagações, é possível fazer uma instigante aproximação a um período pouco explorado da história do Brasil, quando os conquistadores do século XVII cediam seu espaço político para a ascensão dos comerciantes do século XVIII.

Categories
Arqueologia Ciência da religião Escravidão História Urbanismo

Cemitério de pretos novos de Santa Rita

O tráfico negreiro pressupôs a instalação de um complexo escravagista no Rio de Janeiro colonial, o qual incluía, entre outras instâncias (controle sanitário, aduana, lojas etc.), um cemitério exclusivo para os africanos recém-chegados ao Brasil (“pretos novos”) que não resistissem ao translado para a América.

Essas pessoas anônimas, cuja história se desconhecia, representam fronteiras étnicas, geográficas e escatológicas. Mas por meio de seus remanescentes arqueológicos, presentes nos cemitérios da freguesia de Santa Rita, os pretos novos podem alçar a sua voz silenciosa para fazer parte, pela primeira vez, da memória brasileira.

LEIA A TESE AQUI

Categories
Arquitetura Ciência da religião

Observar a flora

Detalhe do intradorso do arco-cruzeiro da matriz de Santa Rita. Foto de Mateus Rosada (2014).

É preciso observar a flora.

Nenhum artista verdadeiro pintaria ou cinzelaria uma determinada flor ou árvore sem que ela alargasse o sentido e o alcance do seu trabalho.

Nenhuma planta é posta em uma tela ou em uma talha apenas para ocupar um espaço vazio.

Alegoria, tradição, exegese e espiritualidade se cruzam na iconografia, na imaginária, na pintura, na tapeçaria. Essa interpenetração conceitual produz um verdadeiro mosaico pedagógico, catequético, cultural e místico, útil para gerações inteiras.

Frei Clarêncio Neotti escreveu um singelo livro sobre o espaço ocupado pela zoologia na arte sacra. Como bom franciscano, soube ver como os animais acompanham o homem desde a primeira página do Gênesis até o Apocalipse.

Suas considerações, que reproduzo aqui, me estimularam a trilhar um caminho similar ao seu, mas pelo reino vegetal.

Nenhuma religião dispensa o símbolo: a melhor linguagem para expressar o numinoso é o símbolo.

As gerações que desprezaram o símbolo foram pobres em humanidade e socialmente desequilibradas.

A visão ecossistêmica contemporânea se purificada do panteísmo, da misantropia e do relativismo rasos, que a tornam a hipocrisia do momento bem pode recuperar a necessária linguagem de respeito ao mundo animal, vegetal e mineral.

É preciso observar a flora.

Categories
Reportagem

Retrospectiva de 2019

Fim de ano é momento de balanço. E ao fazer nosso balanço de fim de ano e ao dar início ao novo, a palavra de ordem deve ser otimismo!

Otimismo é saber sonhar. Sonhemos, pois ficaremos aquém!

Vejam quanta coisa legal aconteceu no tricentenário de Santa Rita:

  • Apesar de terem “sepultado” novamente os pretos novos com o VLT, a nova estação da Linha 3, chamada Santa Rita Pretos Novos, está servindo de uma baita propaganda para a população carioca.
  • Assumi a editoria da Revista do IHGRJ junto com Nelson Senra.
  • Lancei o novo livro O Rio de Janeiro entre conquistadores e comerciantes.
  • Licenciei-me em História.
  • Defendi a tese de doutorado sobre O Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita.
  • Diversos grupos puderam conhecer a freguesia de Santa Rita por meio de inúmeras visitas guiadas.
  • Centenas de pessoas assistiram a importantes conferências ao longo do ano sobre o tema da escravidão na freguesia de Santa Rita.

Desejo a todos os meus leitores que 2020 venha repleto de novas conquistas! Vale lembrar que em 2020 o Rio de Janeiro é a Capital Mundial da Arquitetura e a sede do UIARio2020 e do Fórum Mundial de Cidades.

Salve, Santa Rita!

Um Feliz e Santo Natal para todos!

Categories
Reportagem

Tese defendida!

Agradecer é para mim a mais alegre das tarefas, com a qual concluo seis felizes anos de estudo. Em primeiríssimo lugar, devo um tributo àqueles que foram capazes de apostar no trabalho de um arquiteto e urbanista que começava a se aventurar pela Arqueologia e pela História. Pois foi graças à coragem de Flávio Gomes e André Chevitarese que pude me especializar nesses campos.

Muitas outras pessoas também depositaram confiança nesse projeto, a ponto de contribuir decisivamente — inclusive com auxílio financeiro — para a sua execução.

Salve Santa Rita de Cássia!

Categories
Manoel Nascentes Pinto Reportagem

Como foi o lançamento no IHGRJ

O Rio de Janeiro entre Conquistadores e Comerciantes: Manoel Nascentes Pinto (1672-1731) e a fundação da freguesia de Santa Rita

COMPRE AQUI

Categories
Manoel Nascentes Pinto Patrimônio

Patrimônio imaterial fluminense

SEMINÁRIO DE PATRIMÔNIO IMATERIAL DO INEPAC

O Instituto Estadual do Patrimônio Cultural promove no dia 17 de dezembro, das 14h às 19h, na Biblioteca Parque, o I SEMINÁRIO DE PATRIMÔNIO IMATERIAL DO INEPAC.

PROGRAMAÇÃO:
14h Abertura
Secretária de Estado de Cultura e Economia Criativa Dra. Danielle Barros
Diretor-geral do INEPAC Prof. Claudio Prado de Mello

14h20 Palestra: “A Implantação dos Procedimentos da Política Estadual do Patrimônio Cultural Imaterial no Rio de Janeiro”. Prof. Leon Araújo (Diretor do DPI-INEPAC)

14h50 Palestra: “O histórico das Folias de Reis no Estado do Rio de Janeiro”. Prof. Afonso Furtado.

15h30 Coffee-break e abertura da exposição “Toy Art Mascarados / Série Bate-Bolas Pirulito”.

16h Palestra: “As Celebrações do Dia de São Jorge no Estado do Rio de Janeiro”.
Assessor Sandro Capadócia (SETUR).

16h40 Palestra: “A história do fidalgo que trouxe ao Brasil a devoção a Santa Rita: religiosidade popular, rede de influências e casamentos estratégicos no Rio de Janeiro do século XVIII”. Lançamento do livro: “O Rio de Janeiro entre conquistadores e comerciantes”. Prof. João Carlos Nara Júnior.

17h20 Mesa Redonda: “A Cultura Batebolesca e de Clóvis Fluminense”.
Marcelo Índio (Turma do Índio)
Everton Miranda (Turma Animação)
Profa. Monique Bezerra da Silva (LTDS/COPPE/UFRJ)
Profa. Priscila Andrade (PUC-RJ)
Prof. Nilton Gamba Jr. (PUC-RJ)
Profa. Paula Cruz (PUC-RJ)
Prof. Humberto Barros (PUC-RJ)

18h “Apresentação da Cultura das turmas de carnaval: Clóvis e Bate-bolas”.
Turma Animação.

INFORMAÇÕES E RESERVAS:
eventosinepac@gmail.com (lotação 70 pessoas)

Categories
História Manoel Nascentes Pinto

Lançamento do novo livro

COMPRE AQUI