Hodologia da diáspora africana no Rio de Janeiro

Durante o III SEMINÁRIO INTERNACIONAL EM MEMÓRIA SOCIAL (III SIM), que será realizado de 15 a 18 de maio de 2018 na UniRio, haverá o simpósio Hodologia da Diáspora Africana.

O simpósio será na sexta-feira, dia 18, das 14 às 16h, no Instituto Europeu de Design, sala M5.

Na mesa serão tratados os seguintes temas:

Caminhos do tráfico negreiro, por Carlos Eugênio Líbano Soares (UFRRJ). O tema da escravidão africana e da diáspora é dos mais comentados e pesquisados na história do ocidente. Mas ainda restam subtemas que tem grande importância e que foram negligenciados. Um deles o mercado de escravos africanos da região do Valongo. Entre 1774 e 1831 o litoral norte da cidade do Rio de Janeiro se tornou área exclusiva para o desembarque de escravos africanos, que eram revendidos, em grande maioria, para vastas áreas rurais do interior do pais. Nosso objeto é entender como este tráfico funcionava, principalmente no plano da microeconomia, dos pequenos mercadores do varejo da mercadoria humana. Esta economia tem de ser entendida na dimensão geográfica (a localização estratégica e a proximidade com o mercado consumidor em expansão, no caso a economia pecuária e cafeicultora da fronteira de Minas e do interior fluminense) e na econômica (a dilatação dos agentes econômicos urbanos fornecedores ao mercado rural consumidor). Este mercado da rua do Valongo ficava a meio caminho das rotas do sertão africano (notadamente o chamado sertão de Angola) e dos sertões brasílicos da fronteira agrícola em expansão. Ponto importante das relações internacionais da economia brasileira ele foi estabelecido pelo estado, responsável final pelo abastecimento da economia privada no âmbito da internacionalização do trabalho. Estado e mercado se complementam na lógica escravista. A ideia de nação também é diversa e difusa na África de então, não se confundindo com o Estado-Nação da modernidade, mas ligado a “identidade de nação” construída pelo mercado para nomear os africanos capturados pelo tráfico. Um milhão de africanos passaram pelo mercado do Valongo em 57 anos de funcionamento. Para onde foram estas pessoas? Qual era o mercado mais promissor para o trato negreiro? Qual papel da economia mineira, paulista, paranaense, de todo Brasil no complexo negreiro do Valongo? E as relações com a Bahia? Estas as perguntas que serão formuladas e as respostas (provisórias?) serão apresentadas.

Caminhos da diáspora africana na baía de Guanabara, por João Carlos Nara Júnior (UFRJ). A dinâmica do tráfico escravagista dialoga com a porosidade do Rio de Janeiro, cidade portuária cuja memória dos caminhos diaspóricos foi sepultada pelas águas da Guanabara, mas que ainda é perceptível em suas ilhas, cais, cemitérios de pretos novos e outros monumentos espalhados pela freguesia de Santa Rita. Tal abordagem dos caminhos do tráfico no Rio de Janeiro pode iluminar o uso político dos achados arqueológicos no contexto da revitalização do Porto Maravilha, assim como o enquadramento ideológico imposto pelo ativismo social sobre a materialidade da diáspora africana. Essa conceituação pode oferecer uma percepção mais robusta e coerente dos monumentos históricos e de sua relação com a paisagem e a temporalidade. Com efeito, o tráfico seguia um método, envolvendo fiscalização sanitária, quarentena, controle alfandegário, casas de recuperação, lojas de comércio e até cemitérios exclusivos. O primeiro deles, instalado no século XVIII no Largo de Santa Rita, tornou a terceira matriz paroquial do Rio de Janeiro um ponto nodal para a expansão urbana para além do termo da cidade, configurando a atual zona portuária. Tão intrincado sistema reclama uma narrativa mais complexa que supere as generalidades e aporias que perpetuam uma compreensão superficial da importância da região e seus monumentos, em especial o Cais do Valongo, aclamado Patrimônio Mundial pela UNESCO em 2017.

Expansão urbana carioca nos pés das Irmandades negras, por Marcos Coutinho (UFRJ). A historiografia referente às devoções, confrarias e irmandades de homens pretos e pardos é consubstanciada com a própria crônica social do Rio de Janeiro Setecentista. Compuseram, estes grêmios, a mais notável expressão social de vida fraterna em solo carioca, e, quiçá, em todo o Brasil-Colônia nesse período. Desse modo, busca-se o propósito de tomar como objeto de pesquisa a atuação das irmandades de homens pretos e pardos como uma das promotoras da expansão do território da cidade do Rio de Janeiro durante o século XVIII. Muito além de pautar a investigação no papel institucional da Igreja Católica, procura-se depreender o sentido e a forma de sua ação na seara que envolve o estabelecimento de políticas voltadas para o planejamento de vilas e cidades em terras luso-brasileiras. Ausente qualquer normativa civil destinada à implementação de políticas urbanas, preencheu, a Igreja, o lugar do Estado, assumindo os códigos e constituições eclesiásticos a função axial como leis definidoras e orientadoras do sentido que iriam tomar os terrenos das cidades portuguesas na América. E no Rio de Janeiro, esse processo não foi diferente. A ação desses sodalícios será analisada a partir de dois vieses: o primeiro, ampara-se no templo religioso como vetor e orientador da expansão da cidade; já o segundo, toma a ação do fiel de cor como agente que modela e “desenha” os caminhos desse que virá a se constituir como um novo território a ser urbanizado. Dentro dessa linha de pensamento, o trabalho pretende ampliar as formas interpretativas que inserem ou relegam o negro afro-brasileiro a mero agente figurante, incapaz de atuar com protagonismo no processo histórico em questão. O objetivo, se pertinente for, é produzir um discurso crítico que procura influenciar e alterar a forma como se interpreta o papel do indivíduo escravizado no século XVIII.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.