Em nome das estações do VLT

Andersen Ross Photography Inc/Getty Images

A empresa Artefato Arqueologia foi encarregada do programa de gestão do patrimônio arqueológico e histórico pela concessionária do VLT, haja vista que a Linha 3 passa por pelo menos sete sítios arqueológicos, três deles de significativa importância cultural: o Caminho Largo, a extinta igreja de São Joaquim e o Largo de Santa Rita. O relatório inicial do programa de gestão, de fevereiro de 2018, informa que o objetivo das intervenções consistiria em caracterizar, delimitar e registrar os sítios arqueológicos, salvar os materiais ou porções dos sítios atingidos pela instalação da obra.

Não obstante, antes de iniciarem as obras de engenharia, já se tinham realizado, com o aval do IPHAN, trinta unidades de prospecção arqueológica na região, encontrando-se fragmentos de faiança, porcelana, cerâmica, vidro, cachimbo e ossos humanos. Ficou, portanto, confirmada a existência de remanescentes humanos no Largo de Santa Rita, o que em tese corrobora a tradição da presença de um cemitério no logradouro.

Como parte do programa de educação patrimonial, realizou-se a 7 de junho de 2018, na sede da Companhia de Desenvolvimento do Porto Maravilha (CDURP), uma primeira exposição pública das pesquisas feitas até aquele momento, de como se pretendia atuar durante o monitoramento das obras do VLT e dos passos subsequentes quanto à análise laboratorial e à curadoria do material arqueológico encontrado.

A audiência teve ampla participação de movimentos sociais que tinham a expectativa de renegociar o projeto do VLT com as autoridades governamentais. Essas, porém, estavam ausentes, o que causou não pequeno mal-estar. Em consequência, após pedido dos interessados, foram convocadas algumas reuniões, coordenadas pelo IPHAN, a fim de se chegar a um acordo quanto ao tipo de intervenção arqueológica a ser adotada no Largo de Santa Rita.

A postura acordada consistiu em cancelar a pesquisa no Largo de Santa Rita e em não permitir o salvamento arqueológico dos esqueletos humanos que eventualmente aparecessem durante a instalação dos trilhos do VLT. As obras teriam prosseguimento, desde que as estações recebessem denominações ligadas à cultura afro-brasileira (assista ao vídeo).

Embora a superintendência do IPHAN tenha reafirmado que o salvamento arqueológico seria a forma de garantir a preservação do sítio, acabou sendo acolhido o desejo contrário da Comissão Pequena África. Para os mortos ali jazentes, bastará um novo agenciamento paisagístico, pontilhando com rosas negras a área aproximada do cemitério.

Convém ressaltar que os sítios inventariados como herança da escravidão — e o de Santa Rita está expressamente incluído no Circuito Histórico e Arqueológico da Pequena África — só realizam a sua potencialidade quando promovidos em um projeto que integre os aspectos de memória, cultura e turismo, e equilibre interesses locais e regionais (cf. UNESCO, Legacies of Slavery, 2018, p. 20 e 26). Não obstante, tais sítios costumam tropeçar tanto na “falta de visão compartilhada […] e apatia institucional”, quanto no “desenvolvimento de elementos sensacionalistas em detrimento da narrativa dos eventos reais” (ibidem, p. 28).

A UNESCO recomenda expressamente que esses projetos de memória

[…] se baseiem em um sério conhecimento do contexto histórico, atualizado pelas pesquisas científicas, feito público interna e externamente, que envolva a sociedade local e a comunidade de afrodescendentes, em especial as novas gerações e a população residente; que evite o uso de um discurso de vítima ou pessimista, e que convença os gestores públicos dos seus benefícios. (Ibidem, p. 29)

Aliás, o que se decidiu fazer com o cemitério de Santa Rita parece contradizer frontalmente a linha adotada poucos meses antes pelo Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos, em cuja sede, no cemitério do Valongo, durante as pesquisas do arqueólogo Reinaldo Tavares, se expôs em maio de 2017 um indivíduo do sexo feminino, em boa conexão anatômica e condições de preservação, com o objetivo de identificar contextos funerários e facilitar os estudos de arqueologia funerária e bioarqueologia.

As obras de implantação do VLT seguiram seu curso, passando por diversos sítios arqueológicos. Houve grande repercussão midiática com a aparição de corpos de irmãos da Irmandade de São Joaquim no trecho em frente ao Colégio Pedro II. Também chamou a atenção dos cariocas a escavação de uma loja na rua Miguel Couto, sobre a qual existem classificados do século XIX informando que ali se venderam escravos. Quase nada se disse na imprensa, porém, acerca dos resíduos de sambaqui e da estrutura encontrada no fim da rua Acre, que pode ser remanescente da muralha da cidade projetada por João Massé em 1713.

Enquanto isso, o trecho sobre o cemitério de Santa Rita passou silenciado, cercado que foi por um alto tapume, colocado por questões de segurança, para garantir a integridade do sítio arqueológico e evitar vandalismo e furto, cuidado que não tinha sido considerado necessário em outros lugares… Desse modo, os testes com os trens do VLT puderam começar a 20 de novembro de 2018.

Pouco depois, o Ministério Público Federal instaurou um inquérito civil a fim de informar-se do resultado da implementação da linha do VLT. Em Nota Técnica, o IPHAN respondeu que o sítio do cemitério de Santa Rita está repleto de interferências urbanas e que as prospecções eram insuficientes para delimitar com segurança o seu perímetro. Laconicamente, a Nota ainda afirma que não houve a etapa de salvamento arqueológico visando garantir a “adequada proteção à memória”.

Irônico é que o manual para sítios e itinerários de memória da UNESCO (2018, p. 43) afirme que os lugares de memória correm o risco de se tornar inoperantes pela “falta de pesquisas históricas metódicas, ou quando estas são ideologicamente ambíguas”.

Esses acontecimentos demonstram o quanto a Arqueologia corre o risco de ser vista como “profanadora” e não como aliada das causas sociais. Afinal, como aceitar que os remanescentes humanos dos africanos escravizados permaneçam em reservas técnicas por tantos anos, sendo tratados como fósseis? Sem dúvida, faz-se necessário revisar as normativas sobre a curadoria desse tipo de material.

Entretanto, tanto a comunidade acadêmica quanto os profissionais da arqueologia ainda não se manifestaram de forma consistente a respeito do problema.


Publicado por

João Carlos Nara

Arquiteto e Urbanista (UFF), Licenciado em História (UniRio), Mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) e Doutor em História Comparada (UFRJ). Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, de cuja revista é editor. Tem interesse por hodologia (rotas, caminhos e métodos) e pela abordagem 4A (Arquitetura, Arte, Arqueologia, Antropologia), sob o enfoque OPEN (objetos, práticas, entornos e narrativas). Trabalha atualmente na Biblioteca Nacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.