Árvore do esquecimento ou da memória?

Laurentino Gomes lança sua nova sequência de livros sobre história do Brasil, dessa vez sobre a escravidão.

Um tema que ele recordou recentemente foi a Árvore do Esquecimento em Ajudá (Ouidah), atual Benin. Sabemos que a memória muitas vezes inventa a história.

No caso em questão, a tradição sobre tal árvore foi criada em 1992, durante o Festival Ouidah 1992, cujo objetivo foi valorizar a tradição vodu do país.

Logotipo do Festival Ouidah 1992

A bem da verdade, nenhuma fonte de época fala das Árvores do Esquecimento e do Retorno. O que sim existe é uma referência às três voltas que o Yovogan da cidade e os seus oficiais davam a uma árvore, a título de boas-vindas, quando recebiam os traficantes europeus.

Também se recorda a árvore sob a qual o rei Agajá de Daomé (1673-1740) bebeu gim europeu pela primeira vez, após destruir o reino de Hueda e arrebatar a cidade de Ajudá em 1727.

Árvore do Retorno em Ajudá (Ouidah), Benin.

Mais do que históricos, esses monumentos de memória são um modo contemporâneo de a população do Benin lidar com o triste passado de Daomé, um Estado predatório que exportou milhares de pessoas escravizadas para o Brasil, especialmente para o Recôncavo Baiano (os jejes), nos séculos XVIII e XIX.

Alguns poucos navios oriundos de Ajudá também vieram ao Rio de Janeiro. É o caso, por exemplo, da corveta do capitão Francisco Antônio de Etrê, morador da rua dos Ourives (atual Miguel Couto), que trouxe consigo 306 cativos em 1766. Dessas pessoas, estima-se que uma delas morreu durante a viagem. É provável que outras 12 tenham falecido no Rio de Janeiro antes de serem vendidas, sendo então enterradas no cemitério de Santa Rita.



Citar este post
João Carlos Nara Jr. (2019, 6 Agosto). Árvore do esquecimento ou da memória? FREGUESIA DE SANTA RITA DO RIO DE JANEIRO. Recuperado em 15 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/tvmg

Publicado por

João Carlos Nara Jr.

Arquiteto e Urbanista (UFF), doutor em História Comparada (UFRJ), mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) e licenciado em História (UniRio). Assessor de Patrimônio Cultural do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ. Foi Coordenador-geral do Projeto Resgate de documentação histórica Barão do Rio Branco e Membro da seção brasileira da Comissão Luso-Brasileira para Salvaguarda e Divulgação do Patrimônio Documental (COLUSO) de 2020 a 2022. Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro (IHGRJ). Dedicou-se à preservação do Patrimônio Cultural em âmbito federal como Diretor Executivo da Fundação Biblioteca Nacional (2022), Coordenador de Cooperação Institucional da Fundação Biblioteca Nacional (2020-2021), chefe substituto da Equipe de Engenharia do Arquivo Nacional (2019-2020) e arquiteto do Escritório Técnico da UFRJ (2013-2018). Pesquisa o Rio de Janeiro colonial e tem interesse por hodologia (rotas, caminhos e métodos), abordagem 4A (Arquitetura, Arte, Arqueologia, Antropologia) e enfoque OPEN (objetos, práticas, entornos e narrativas). Coordena atualmente o projeto Identificação e exposição dos documentos históricos relativos ao processo de Independência do Brasil, aprovado no âmbito do Edital da FAPERJ: Programa Apoio a Projetos no Âmbito do Bicentenário da Independência do Brasil (2021-2024).

2 comentários em “Árvore do esquecimento ou da memória?”

  1. Obrigada, por esse rico conteúdo. Porém, se puder me tirar uma dúvida já estou grata.

    A árvore referida ser a ‘Árvore do Esquecimento’ é um Baobá, ou tem outro(s) tipo de árvore?
    Grata.

    1. Oi, Luciene. Eu adoraria visitar a cidade, mas ainda não tive a oportunidade de viajar até lá. Pela foto não sei identificar a espécie da árvore em questão, mas não me pareceu um baobá. Na praia também há um monumento que simula uma árvore, todo esculpido com figuras. Mas também não sei em qual espécie eles se inspiraram.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search