Cronologia dos cemitérios de escravos no Rio de Janeiro

Até meados do século XIX, todas as pessoas cristãs (escravas e livres) costumavam ser enterradas nas suas igrejas ou capelas paroquiais, ou nas igrejas das irmandades a que pertencessem, de acordo com a sua preferência.

Havia três possibilidades:

  • na nave da igreja: enterro ad sanctos
  • ao redor da igreja, no adro: enterro apud ecclesiam
  • junto da igreja: depósito em catacumbas

Os pretos novos (recém-chegados de África) que morressem antes de ser vendidos, eram tratados como indigentes, por não terem ainda domicílio e, consequentemente, não terem paróquia.

Quando a Santa Casa de Misericórdia deixou de ter capacidade de atender a tantos enterros de doentes e indigentes falecidos, algumas ordens religiosas e irmandades leigas vieram em auxílio, recebendo esses defuntos em suas necrópoles particulares.

Em seguida, novos cemitérios, exclusivos para pretos novos, surgiram na cidade do Rio de Janeiro, em função de ordens régias que instavam a solução do problema. O do Largo de Santa Rita foi o primeiro desses cemitérios exclusivos, embora precário, por estar em logradouro público.

Dali foi transferido ao Valongo pelo Marquês do Lavradio.

A fim de ter uma noção do arco temporal dessas idas e vindas, visite a linha do tempo em https://www.timetoast.com/timelines/1820162.



Citar este post
João Carlos Nara Jr. (2019, 11 Agosto). Cronologia dos cemitérios de escravos no Rio de Janeiro. O “CASE” SANTA RITA (RIO DE JANEIRO). Recuperado em 29 de Fevereiro de 2024, de https://doi.org/10.58079/tvmh

Publicado por

João Carlos Nara Jr.

Arquiteto e Urbanista (UFF), doutor em História Comparada (UFRJ), mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) e licenciado em História (UniRio). Assessor de Patrimônio Cultural do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ. Foi Coordenador-geral do Projeto Resgate de documentação histórica Barão do Rio Branco e Membro da seção brasileira da Comissão Luso-Brasileira para Salvaguarda e Divulgação do Patrimônio Documental (COLUSO) de 2020 a 2022. Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro (IHGRJ). Dedicou-se à preservação do Patrimônio Cultural em âmbito federal como Diretor Executivo da Fundação Biblioteca Nacional (2022), Coordenador de Cooperação Institucional da Fundação Biblioteca Nacional (2020-2021), chefe substituto da Equipe de Engenharia do Arquivo Nacional (2019-2020) e arquiteto do Escritório Técnico da UFRJ (2013-2018). Pesquisa o Rio de Janeiro colonial e tem interesse por hodologia (rotas, caminhos e métodos), abordagem 4A (Arquitetura, Arte, Arqueologia, Antropologia) e enfoque OPEN (objetos, práticas, entornos e narrativas). Coordena atualmente o projeto Identificação e exposição dos documentos históricos relativos ao processo de Independência do Brasil, aprovado no âmbito do Edital da FAPERJ: Programa Apoio a Projetos no Âmbito do Bicentenário da Independência do Brasil (2021-2024).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search