Mother Bethel Burying Ground, 1810-1864

Foto de Patrice L. Jeppson (PAF ), 24/7/2014

O African Burial Ground de Nova Iorque não é o único cemitério de escravizados pesquisado nos Estados Unidos. Além da necrópole encontrada no Harlem, também há outra na Pensilvânia. Vale a pena conhecer o projeto Queen Village Weccacoe Park & the Bethel Burying Ground.

Após a controvérsia que levou a não se fazer o salvamento arqueológico do Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita, sobre o qual passou a linha 3 do VLT, vale a pena recordar que os estudos arqueológicos realizados no African Burial Ground de Nova Iorque foram muito benéficos, pois

[…] expandiram nossa visão das lesões violentas (fraturas em espiral), trabalho extenuante (inserção do músculo robusto e degeneração das articulações dos ossos) e doenças. Uma bala de mosquete encravada em um esqueleto indica um crime letal ou para uma execução. Uma mãe foi enterrada com sua criança no útero. Abotoaduras ilustram a natureza das posses enterradas com os corpos. Um arranjo de tachas em forma de coração em um ataúde do African Burial Ground se parece com um símbolo adinkra encontrado em Gana, na África Ocidental, chamado Nya Akoma (‘‘paciência, resistência”). Elementos da cultura ganense, como os nomes dos dias, são bem documentados nos casos de influência africana, sobrevivência e transformação nas Américas. Pesquisas cranianas e de DNA (ácido desoxirribonucleico) ligaram os enterramentos às populações axântis, iorubás, senegambianas e ibo, entre outras. O estudo do cemitério nova-iorquino tornou-se um projeto altamente politizado à medida que pessoas descendentes de africanos lutaram por representação no projeto e pelo direito de estipular o que eles sentiam que eram cerimônias comemorativas apropriadas.

FÁLO̩LÁ, Tóyìn; WARNOCK, Amanda (ed.).
Encyclopedia of the Middle Passage.
Westport: Greenwood Press, 2007, p. 42.



Citar este post
João Carlos Nara Jr. (2019, 18 Outubro). Mother Bethel Burying Ground, 1810-1864. FREGUESIA DE SANTA RITA DO RIO DE JANEIRO. Recuperado em 14 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/tvmq

Publicado por

João Carlos Nara Jr.

Arquiteto e Urbanista (UFF), doutor em História Comparada (UFRJ), mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) e licenciado em História (UniRio). Assessor de Patrimônio Cultural do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ. Foi Coordenador-geral do Projeto Resgate de documentação histórica Barão do Rio Branco e Membro da seção brasileira da Comissão Luso-Brasileira para Salvaguarda e Divulgação do Patrimônio Documental (COLUSO) de 2020 a 2022. Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro (IHGRJ). Dedicou-se à preservação do Patrimônio Cultural em âmbito federal como Diretor Executivo da Fundação Biblioteca Nacional (2022), Coordenador de Cooperação Institucional da Fundação Biblioteca Nacional (2020-2021), chefe substituto da Equipe de Engenharia do Arquivo Nacional (2019-2020) e arquiteto do Escritório Técnico da UFRJ (2013-2018). Pesquisa o Rio de Janeiro colonial e tem interesse por hodologia (rotas, caminhos e métodos), abordagem 4A (Arquitetura, Arte, Arqueologia, Antropologia) e enfoque OPEN (objetos, práticas, entornos e narrativas). Coordena atualmente o projeto Identificação e exposição dos documentos históricos relativos ao processo de Independência do Brasil, aprovado no âmbito do Edital da FAPERJ: Programa Apoio a Projetos no Âmbito do Bicentenário da Independência do Brasil (2021-2024).

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search