Onde foi parar o chafariz?

Fonte de Santa Rita no Campo de São Cristóvão (Arquivo da GMC-RJ, 1980)

Vera Dias foi Gerente da Divisão de Monumentos e Chafarizes da Prefeitura do Rio de Janeiro e criou o blog As histórias dos monumentos do Rio de Janeiro, cujo objetivo é divulgar suas pesquisas históricas e iconográficas, tornando públicas as informações sobre a preservação do patrimônio público carioca.

Vera explica que a cidade do Rio de Janeiro é repleta de fontes e chafarizes. Atualmente conta com cerca de 105 peças, representantes de diferentes estilos e épocas. Os primeiros, construídos ainda no Brasil Colônia (1500/1808), tinham a função de abastecer a população. Alguns existem até hoje e são relíquias do patrimônio nacional, entre os quais se destacam a Bica da Rainha no Cosme Velho e o de Mestre Valentim na Praça XV. Somente a partir do fim do século XIX surgiram os chafarizes ornamentais para embelezamento dos espaços públicos. Obras de arte de origem francesa, adquiridas por catálogo junto às Fundições do Val D’Osne, com arranjos de jorro de água compondo volume e altura passaram a fazer parte do mobiliário da capital do Império.

Dentre os chafarizes que desapareceram no Rio de Janeiro — por causa do fim de sua vida útil, reformulação do espaço urbano ou falta de manutenção e abandono —, estão o chafariz do Largo de Santa Rita (1840-1884) e também a fonte que temporariamente o sucedeu (1884-1904).

A construção do chafariz do Largo de Santa Rita data de 1839, obra do interventor Paulo Vianna. Para trazer as águas do aqueduto da Carioca até o Largo em frente à igreja, o governo encomendou à Inglaterra um encanamento de chumbo para cobrir toda a extensão do percurso. A fonte possuía a forma de um polígono octogonal regular, composto de quatro corpos sobrepostos. Sobre o patamar, levantava-se o tanque octogonal, com oito bicas nas respectivas faces, tendo duas vezes e meia a altura do tanque. Oito frades de pedra, dos quais quatro suportavam um mastro de ferro de onde pendiam lampiões de azeite, completavam a ornamentação.

Em 1884, o chafariz desapareceu, sendo substituído por um esguicho escultórico em ferro fundido. Posteriormente, essa nova fonte foi transferida para o Campo de São Cristóvão, sendo desmontada em 1986.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
João Carlos Nara Jr. (27 de Maio de 2016). Onde foi parar o chafariz? FREGUESIA DE SANTA RITA DO RIO DE JANEIRO. Recuperado em 15 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/tvii


Publicado por

João Carlos Nara Jr.

Arquiteto e Urbanista (UFF), doutor em História Comparada (UFRJ), mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) e licenciado em História (UniRio). Assessor de Patrimônio Cultural do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ. Foi Coordenador-geral do Projeto Resgate de documentação histórica Barão do Rio Branco e Membro da seção brasileira da Comissão Luso-Brasileira para Salvaguarda e Divulgação do Patrimônio Documental (COLUSO) de 2020 a 2022. Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro (IHGRJ). Dedicou-se à preservação do Patrimônio Cultural em âmbito federal como Diretor Executivo da Fundação Biblioteca Nacional (2022), Coordenador de Cooperação Institucional da Fundação Biblioteca Nacional (2020-2021), chefe substituto da Equipe de Engenharia do Arquivo Nacional (2019-2020) e arquiteto do Escritório Técnico da UFRJ (2013-2018). Pesquisa o Rio de Janeiro colonial e tem interesse por hodologia (rotas, caminhos e métodos), abordagem 4A (Arquitetura, Arte, Arqueologia, Antropologia) e enfoque OPEN (objetos, práticas, entornos e narrativas). Coordena atualmente o projeto Identificação e exposição dos documentos históricos relativos ao processo de Independência do Brasil, aprovado no âmbito do Edital da FAPERJ: Programa Apoio a Projetos no Âmbito do Bicentenário da Independência do Brasil (2021-2024).

5 comentários em “Onde foi parar o chafariz?”

  1. Em Niterói, em frente a estação das barcas, tínhamos o relógio vindo da Europa, absolutamente pontual, de tão pontual que alguém o levou para consertar e lá se vão milhões de minutos que o dito desapareceu pelas areias da ampulheta.

  2. É doloroso saber que uma nação tem tão pouco apreço pelas suas memórias.
    Muito interessante a pesquisa, que nos mostra o quanto estamos perdendo com a falta de investimento em políticas públicas efetivas neste campo. Já que tudo parece ser fadado ao tilintar do níquel, que se invita na memória e abramos os portos ao turi$mo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search