Observar a flora

Detalhe do intradorso do arco-cruzeiro da matriz de Santa Rita. Foto de Mateus Rosada (2014).

É preciso observar a flora.

Nenhum artista verdadeiro pintaria ou cinzelaria uma determinada flor ou árvore sem que ela alargasse o sentido e o alcance do seu trabalho.

Nenhuma planta é posta em uma tela ou em uma talha apenas para ocupar um espaço vazio.

Alegoria, tradição, exegese e espiritualidade se cruzam na iconografia, na imaginária, na pintura, na tapeçaria. Essa interpenetração conceitual produz um verdadeiro mosaico pedagógico, catequético, cultural e místico, útil para gerações inteiras.

Frei Clarêncio Neotti escreveu um singelo livro sobre o espaço ocupado pela zoologia na arte sacra. Como bom franciscano, soube ver como os animais acompanham o homem desde a primeira página do Gênesis até o Apocalipse.

Suas considerações, que reproduzo aqui, me estimularam a trilhar um caminho similar ao seu, mas pelo reino vegetal.

Nenhuma religião dispensa o símbolo: a melhor linguagem para expressar o numinoso é o símbolo.

As gerações que desprezaram o símbolo foram pobres em humanidade e socialmente desequilibradas.

A visão ecossistêmica contemporânea se purificada do panteísmo, da misantropia e do relativismo rasos, que a tornam a hipocrisia do momento bem pode recuperar a necessária linguagem de respeito ao mundo animal, vegetal e mineral.

É preciso observar a flora.


Publicado por

João Carlos Nara

Arquiteto e Urbanista (UFF) dedicado à preservação, promoção e difusão do Patrimônio Cultural no âmbito da União. Atual Diretor Executivo da Fundação Biblioteca Nacional. Coordenador do Centro de Memória do Projeto Resgate. Licenciado em História (UniRio), Mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) e Doutor em História Comparada (UFRJ). Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro. Pesquisa o Rio de Janeiro colonial e, mais especificamente, a freguesia de Santa Rita, responsável pelos cemitérios de pretos novos cariocas, cuja matriz é detentora da primeira decoração religiosa rococó nas Américas. Tem interesse por hodologia (rotas, caminhos e métodos), pela abordagem 4A (Arquitetura, Arte, Arqueologia, Antropologia) e pelo enfoque OPEN (objetos, práticas, entornos e narrativas).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search