Informações arqueológicas oficiais sobre Santa Rita

Em verde, a área do cemitério de pretos novos de Santa Rita.

Em novembro de 2019, durante o V Seminário de Preservação de Patrimônio Arqueológico, realizado no Museu de Astronomia e Ciências Afins, a equipe do programa de gestão do patrimônio arqueológico e histórico na área de instalação da linha do VLT em Santa Rita apresentou uma comunicação sobre o material ósseo coletado. Tornou-se público que, com o objetivo de delimitar o cemitério, foram feitas 17 sondagens sob o leito dos trilhos e outras 22 sondagens em pontos estratégicos ao redor. Oito delas forneceram resultados positivos para a presença de contexto cemiterial. No total, foram resgatados 2.319 elementos ósseos em elevado grau de fragmentação, grande parte com menos de três centímetros.

A monumental documentação de encerramento do processo, porém, só seria publicada a 13 de maio passado, perfazendo mais de duas mil páginas:

GASPAR, Maria Dulce (coord.). Programa de Gestão do Patrimônio Arqueológico e Histórico da Área de Implantação do Sistema Veículo Leve Sobre Trilhos – VLT e Respectivas Paradas para Acesso de Passageiros – Trecho L900 – Centro, Rio de Janeiro/RJ e Área de Ampliação. Relatório Final – 8 volumes. Artefato Arqueologia, processo nº 01500.002422/2017‐06. Rio de Janeiro: 13/5/2020.

O sítio de Santa Rita representa uma parte significativa dos oito volumes de informação sobre as áreas afetadas pela implantação do VLT. O relatório final sublinha que os “ossos humanos, quando evidenciados em contexto, foram identificados pela equipe de bioarqueólogos, registrados em fichas específicas e croquis e protegidos, encerrando-se as escavações”.

Remanescentes humanos em contexto anatômico apenas foram encontrados em uma caixa e em duas sondagens. Por outro lado, os demais ossos dispersos por interferências recentes, encontrados no Largo de Santa Rita entre 40 e 70 centímetros de profundidade, apresentavam tal grau de fragmentação que se tornou impraticável estimar o número, a idade e o sexo dos indivíduos. No entanto, graças à presença de restos dentários, foi possível compor uma amostra de pelo menos nove pessoas jovens, entre 8 e 17 anos. Alguns eram modificados, ao estilo “dente de piranha”, típico da África Centro-ocidental. A análise das escavações levou à conclusão de que “o contexto do cemitério estava à ‘flor da terra’” e de que “havia densidade significativa de sepultamentos”.

Além de descrever em pormenor os demais sítios afetados pelo empreendimento, o relatório também contém dados interessantíssimos sobre a configuração da antiga vala da Cidade, cuja contenção em alvenaria de rochas e arco de tijolo maciço condiz com as descrições de época.

O documento tem dificuldade para articular com clareza os dados arqueológicos com a narrativa histórica do bairro da Vila Verde. Mesmo assim, as imprecisões costumeiras sobre o Largo de Santa Rita — supô-lo não urbanizado, reduzido ou inabitado no período de operação do cemitério — são definitivamente contraditadas pela aparição de porcelana chinesa do século XVII nas casas de seu entorno. Portanto, o Terreiro da Prainha já era então bem delimitado e ocupava uma área de 1.398,24 m². Aliás, o testemunho residual de um sambaqui e presença de material lítico e cerâmico pré-colonial atestam que a presença humana nessa região vem de longa data.


Publicado por

João Carlos Nara

Arquiteto e Urbanista (UFF) dedicado à preservação, promoção e difusão do Patrimônio Cultural no âmbito da União. Atual Diretor Executivo da Fundação Biblioteca Nacional. Coordenador do Centro de Memória do Projeto Resgate. Licenciado em História (UniRio), Mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) e Doutor em História Comparada (UFRJ). Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro. Pesquisa o Rio de Janeiro colonial e, mais especificamente, a freguesia de Santa Rita, responsável pelos cemitérios de pretos novos cariocas, cuja matriz é detentora da primeira decoração religiosa rococó nas Américas. Tem interesse por hodologia (rotas, caminhos e métodos), pela abordagem 4A (Arquitetura, Arte, Arqueologia, Antropologia) e pelo enfoque OPEN (objetos, práticas, entornos e narrativas).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search