Cosmopercepção x Cosmovisão

A socióloga feminista nigeriana Oyèrónkẹ Oyěwùmí introduziu no debate acadêmico o apelo em prol da descolonização do conceito de “cosmovisão” (Weltanschauung), que considerou eivado de eurocentrismo. Ao que parece, o termo foi empregado filosoficamente pela primeira vez por Emmanuel Kant em sua Crítica do Juízo (IX, §26) no sentido de “intuição do mundo como fenômeno”.

De fato, alguns pesquisadores identificaram como uma das características da Modernidade a valorização da visão em detrimento da audição. Do ponto de vista religioso, a tendência a opor os dois principais sentidos corporais parece ter raiz na concepção restritiva, defendida pela reforma luterana, da capacidade humana para ter notícia de Deus. Nesse sentido, o antropólogo Harvey Whitehouse denomina “iconofobia logocêntrica” à ênfase protestante na escuta da pregação e na exclusão das imagens. Como reação, o catolicismo teria, nos últimos séculos, feito o contrário, promovendo o culto das imagens, cujo auge propagandístico foi o período Barroco. Portanto, desde a Reforma, a fé cristã padeceria, em tese, por um dilema: ou a tendência pela audição (no protestantismo), ou pela visão (no catolicismo). Não é o que afirma o Papa Francisco na Carta encíclica Lumen fidei, segundo a qual a fé é, simultaneamente, uma escuta e uma visão.

No âmbito secular, por outro lado, outros fatores típicos da mentalidade moderna teriam contribuído para a hipertrofia da visão. Mormente, uma abordagem mecânica e utilitarista da casa, da produção, do trabalho, dos corpos, da natureza. Essa peculiar apreciação dos corpos, alheia a algum elemento espiritual, foi compartilhada inclusive pela medicina moderna. A Revolução Industrial e as demais transformações tecnológicas e da informação só fizeram aumentar a importância da visão.

A resistência ao conceito de cosmovisão e a sua substituição pelos correlatos “cosmosensação” ou “cosmopercepção” seriam, portanto, atitudes mais inclusivas e fariam jus às sensibilidades não-europeias. Além disso, a recuperação de todas as dimensões humanas é urgente no mundo ocidental, em que muitas pessoas sentem a perda de sua unidade interior e se incomodam com a própria corporeidade, têm dificuldade de integrar-se em sociedade e com a natureza.

Convém, no entanto, evitar algumas ciladas epistemológicas que têm prejudicado o verdadeiro diálogo intelectual e político, tanto no ambiente universitário quanto na opinião pública ocidentais.

Primeiramente, é forçoso reconhecer que a acusação de “eurocentrismo” tem servido de bandeira para rechaçar qualquer concepção antropológica que não se coadune aos interesses de certos grupos que se apresentam como “decoloniais”, mas cuja agenda ideológica é a mesma de militantes europeus.

Em segundo lugar, é inútil pretender estabelecer um pensamento completamente independente e autônomo, por temor de um tratamento metodológico colonialista. Seria naïf defender a incomensurabilidade de uma determinada cultura — no caso, a africana —, como se ela não assumisse e acumulasse dados advindos do contato com suas vizinhas, asiáticas e europeias.


Publicado por

João Carlos Nara

Arquiteto e Urbanista (UFF), Licenciado em História (UniRio), Mestre em Arqueologia (Museu Nacional/UFRJ) e Doutor em História Comparada (UFRJ). Sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, de cuja revista é editor. Tem interesse por hodologia (rotas, caminhos e métodos) e pela abordagem 4A (Arquitetura, Arte, Arqueologia, Antropologia), sob o enfoque OPEN (objetos, práticas, entornos e narrativas). Trabalha atualmente na Biblioteca Nacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.